Histórico: CNBB e PNDH-3

closeAtenção, este artigo foi publicado 3 anos 11 meses 10 dias atrás.

Achei muito interessante o artigo publicado pelo “Brasil Pela Vida”, que recebi por email mas está também disponível no site deles. Recomendo a leitura.

Concordo com a análise apresentada. O PNDH-3, desde que surgiu, já se mostrava completamente imbuído de um espírito totalitário e totalmente incompatível com uma visão de mundo católica. Era claro e era urgente ser dito. A CNBB, no começo, para vergonha desta Terra de Santa Cruz, preferiu “não bater de frente com o Planalto”.

Escrevi, no dia oito de janeiro, um email a S. E. R. Dom Geraldo Lyrio Rocha e a S. E. R. Dom Dimas Lara Barbosa, onde ao final eu perguntava o seguinte:

Isto posto, pergunto: é verdade que a CNBB não vai emitir uma declaração condenando o programa abortista do Governo Federal? É verdade que a CNBB prefere “não bater de frente com o Planalto”, mesmo quando o Planalto está empenhado no assassinato de crianças indefesas? É verdade que, entre Nosso Senhor e o Partido, a CNBB cerra fileiras com este último?

Para a minha surpresa, este email mereceu uma resposta. No final de janeiro, Dom Geraldo Lyrio Rocha respondia-me falando sobre a (então já publicada) “Declaração da CNBB sobre o PNDH-3″, que linkei aqui no dia 15 de janeiro.

O texto era ruim, mas pelo menos alguma coisa se salvava. E, da CNBB, não se podia esperar mesmo muita coisa… No entanto, graças a Deus, o Espírito Santo dignou-Se olhar com misericórdia para o Brasil e suscitou, de janeiro para cá, diversas declarações de prelados que tiveram a coragem de romper com o tom politicamente correto da cúpula da Conferência e fazer críticas públicas mais contundentes ao plano do governo – mais adequadas à terrível situação pela qual o país atravessava e mais dignas de sucessores dos Apóstolos que eles são. Peço a todos que lerem essas linhas que rezem, agora mesmo, uma ave-maria por esses bispos que tiveram esta coragem. Nosso Senhor saberá levar esta atitude em consideração n’Aquele Dia. E registro os meus mais sinceros agradecimentos àqueles que não se calaram.

Sucessivamente, vieram à tona um panfleto onde Lula era comparado a Herodes, dois artigos da Comissão Episcopal para a Vida e a Família, um abaixo-assinado subscrito por 67 bispos, um artigo do Bispo auxiliar de Niterói e a nota da Pastoral de Católicos na Política do Rio de Janeiro – sem contar as coisas que eu, por descuido ou ignorância, possa eventualmente não ter publicado aqui no Deus lo Vult!. Mas estes exemplos já são suficientes para ilustrar o que eu quero dizer: há uma clara discrepância entre a primeira Declaração da CNBB e as manifestações de diversos bispos, em todo o Brasil, que se lhe seguiram. Graças a Deus!

Nem tudo são flores, no entanto. A Declaração sobre o PNDH-3 que a Assembléia Geral aprovou anteontem, embora seja uma colcha de retalhos, aproxima-se muito mais do primeiro documento emitido pela CNBB do que das reações dos bispos individuais que vieram em seguida. Porém, o recado foi dado, e o saldo final é positivo: quando foi a última vez que os bispos haviam tido a coragem de destoar publicamente das declarações da Conferência? Sinceramente, eu não me lembro.

E lembremo-nos de que são os bispos que fazem parte da Hierarquia da Igreja. Acima dos bispos, somente o Papa – não as conferências nacionais. Graças a Deus, desta vez alguns bispos perceberam isso e assumiram o seu papel. Que a Virgem Santíssima os possa ajudar a perseverar neste santo propósito. E que a Conferência possa ser expurgada dos inimigos de Nosso Senhor que lá estão entrincheirados. Queremos o catolicismo. Queremos a Igreja Católica. Queremos servir a Nosso Senhor, e não ao mundo.

email