Aborto e “prazer”

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 1 mês 13 dias atrás.

Isto merece ciência.

1. Anteontem, uma garota chamada @nanda_morelli compartilhou com todos, no Twitter, o “prazer” que tinha sentido ao entregar um alvará que autorizava o assassinato de um bebê anencéfalo.

2. A declaração provocou intensas reações no meio pró-vida, por conta do particular sadismo nela manifestado e do claro desrespeito à vida humana, exposto nela com crueza e sem máscaras; afinal, são os próprios pró-aborto que costumam dizer que ninguém é a favor do aborto, que ele é uma situação dolorosa, um drama, et cetera e tal – e, agora, vem alguém falar que, ao contrário, autorizar um aborto é… “prazeroso”…

3. Primeiro, o Wagner Moura:

Costuma-se dizer que a decisão por um aborto é sempre penosa e que ninguém em sã consciência defende um aborto, embora possa aceitá-lo como uma exceção, uma fatalidade. Demonstrar alegria com a autorização de um aborto não é aceitável.

4. Depois, o Murat:

Rir-se do sofrimento alheio ou sentir prazer nisto, bem ao contrário, faz-nos descer mais baixo que a mais irracional das bestas. E é exatamente isto o que acontece com quem sente prazer em entregar uma autorização que levará à morte um ser humano portador de grave deficiência. No mínimo, é um prazer estranho. Estranho e que contribui para que a pessoa torne-se um pouco menos humana.

5. A garota tentou “defender-se” no Twitter, aqui e aqui. E deixou um comment n’O Possível e o Extraordinário.

6. É degradante ver o fundo do poço ao qual nós chegamos, em se tratando do respeito a vida humana: neste nosso século, assassinatos de crianças deficientes recebem prévia autorização legal, cujo “prazer” em se lhe o conceder é divulgado publicamente para o mundo inteiro pela internet. Assim, às claras, às escâncaras, sem corar de vergonha, sem parecer demonstrar que se importe um mínimo que seja. Que Deus tenha misericórdia de nós.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

46 thoughts on “Aborto e “prazer”

  1. Lucio

    Engraçado, o usuário Leandro apela para a tática de tentar inferir ao debatedor William o uso de falácias (in exemplia, a falácia do espantalho), no entanto ele se utiliza desta mesma falácia mais de uma vez, bem como é um adepto do argumentum ad hominem (ou seja, atacar o interlocutor ao invés da idéia, seja direta ou indiretamente, para demerecer suas idéias perante o público observador).

    É cada uma…

  2. Lampedusa

    “Em em casos de anencefalia a tese que se está preservando uma vida cai por terra pois anencéfalo não sobrevive”

    Leandro,

    A maioria das pessoas não sobrevive mais de 100 anos. Devemos matá-las no útero também?

    Qual é o critério de sobrevivência que deve prevalecer para decidir ou não matar um feto?

  3. William Murat

    Ô, Leandro! Minha boca só espuma quando penso em tomar outro Toddynho! :-) É como eu te disse, é divertido falar contigo. Acredite. Se há alguém espumando de raiva, já ficou claro quem é.

    Rapaz, vc não tem idéia do quanto está sendo divertido mostrar que teus “argumentos” (vá lá…) arrastam a sociedade para a lama. “Malvadão” fica por tua conta. Da mesma forma que fica esta tua “caridade” para com a mãe enquanto fica aplaudindo que um ser humano vá para o lixo.

    Meu caro, entre a nossa posição, que é pela preservação da vida, e a tua, que é dispor de uma vida porque “se vai morrer, matemos antes”, advinha em qual opção ninguém morre? Dica: não é a tua.

    No, no, no… Nem vem… Nem preciso de dogma religioso algum para defender que o que está vivo assim permaneça, que gente como provavelmente aqueles que vc admira não possa trucidar uma criança ainda no ventre de suas mães, e que ainda querem que isto ganhe verniz de virtude. A única coisa que preciso é que o bebê esteja vivo. E não é que ele está, rapaz?

    Amiguinho, quando vc quiser mesmo debater, deixe de usar “argumentos” do tipo “Bando de hipócritas”. Vai por mim, vc será levado mais a sério.

    Vc bater o pezinho e ficar dizendo “Não mudo! Não mudo!” adianta nada para provar teu ponto. Aliás, já cansei de perguntar a vc sobre os teus argumentos do quanto alguém tem que viver para escapar, ou se vc realmente acredita que é um juiz que vai te dizer o que é correto moralmente, etc. E não é que vc não responde? Ah, é! Sou eu que estou na defensiva.

    Aliás, vc parece não perceber, mas ao deixar tuas escolhas morais ficarem nas mãos de um juiz, o que vc faz, na prática, é ter fé cega em um troço chamado “deus Estado”. Vc é um baita religioso, só que não percebe que teu “deus” é tão mutante quanto um toddynho estragado. E faz tão mal quanto! :-)

    E agora vc está reclamando que católicos apareçam em um blog católico falando sobre um assunto que não só nos interessa, mas é até mesmo uma missão? Ué, e é vc que vende ingressos para quem quiser comentar aqui? Qual a novidade, meu caro? Que a blogosfera católica se conhece? Uau! Mas vem cá… Não foi vc quem foi pedir informações a teus amiguinhos sobre mim? Vc é realmente bem confuso, hein?

    E até fazendo graça (ou preconceito…) vc erra… Meu nome tem nada de turco. Vc anda precisando melhorar a forma de usar o Google, hein? :-)

    []’s

  4. Marcos Ludwig

    Patética a falsa declaração de vitória do jovem Leandro.

    Pobre coitado arrogante. Fica fantasiando as reações dos seus oponentes, como se fosse capaz de ter coragem de usar esse tipo baixo de expediente dialético num debate ao vivo.

    “Estou plenamente convencido, então eu estou certo”, “são moralmente corretas”. Nossa! Camisa de força pro sujeitinho!

  5. Matheus Cajaíba

    Desespero, Leandro? Nós, desesperados por causa de alguém que só sabe xingar e ridicularizar o adversário e depois fica ofendidinho quando lhe dão o troco?

    Tá nervosinho porque o William não publica seus comentários no blog “insignificante” dele? Uai, mas se o blog dele é uma porcaria que ninguém lê, pra que publicar seus comentários lá?

    Logo no primeiro comentário, o sujeito já vem com um sonoro “Bando de hipócritas!” Veja que beleza o diálogo que o sujeito propõe.

    Em um diálogo, uma discussão honesta, você expõe seu ponto de vista tentando compreender o ponto de vista do adversário e acreditando na possibilidade de ele, mesmo estando errado, ser honesto.

    Daí o carinha aparece do nada e solta um “bando de hipócritas” e depois ainda exige respeito, já classificando seus adversários dessa forma?

    Só sabe xingar, praguejar, espernear. E depois vem com um “Até enxergo o tal do Wiliam espumando pela boca de raiva.”

    É a máxima leninista: “Acuse-os daquilo que você faz”. Quem chegou espumando como um cão raivoso foi justamente quem acusou os adversários disso.

    “Anencéfalo NÃO SOBREVIVE muito tempo depois de nascido. Portanto, o argumento de proteger “uma vida” é totalmente inválido, desumano, imoral e hipócrita.”

    Desde quando isso é argumento? “Não vive muito tempo”. E um ser humano deixa de ser humano por viver um minuto, um dia, uma semana… cem anos?

    A dignidade de um ser humano é então medida pelo tempo que ele pode viver? Se um ser humano vai viver pouco tempo, ele pode ser morto? Objetivamente: você pode responder a essas perguntas?

    Daí o pessoal vem contra argumentar e o que ele faz? Sobe nas tamancas! Acusa os seus adversários de usarem a estratégia do “boneco de palha” – quando é exatamente isso o que ele próprio faz, ridicularizando aqueles que pensam diferente.

    Quem atribui ideias aos outros é exatamente ele. É um abusrdo, o sujeito é um decrépito. E ainda insiste: “Será que alguém assim é seguro sexualmente, ou está apenas expondo seus fantasmas?” Quer dizer, o mané psicologiza o adversário: não é capaz de contra-argumentar, de vislumbrar no adversário não um inimigo mas um oponente honesto e explica sua posição ideológica adversa através da psicanálise de botequim. “É ou não assunto para psicanálise?”

    Depois dessa, ainda vem falar em “capacidade argumentativa”! O sujeito é tão ridículo, tão patético, tão boçal, tão insignificante, que é digno de dó.

    E até parece que não vamos dormir essa noite porque o sujeito diz que não abre “mão um milímetro sequer de minhas convicções porque estou plenamente convencido de que são moralmente corretas e aceitáveis. Podem sapatear à vontade, mas esta é a verdade!”

    Que convicções? A de que fetos anencéfalos podem ser mortos porque isso supostamente salvaria a vida de suas mães?

    Qual o estudo que esse cara já leu a respeito disso? Qualquer aborto aumenta o risco de morte da mãe. É muito mais seguro para ela seguir com a gravidez adiante, com assistência médica adequada, que realizar uma intervenção delicada como o aborto provocado, que pode levar a hemorragias, infertilidade, abortos espontâneos nas gravidezes seguintes, futuros partos prematuros, e a aumenta a probabilidade de desenvolver câncer de mama no futuro.

    Você sabia desses FATOS, Leandro? Não. Você é não passa de um punk adolescente ignorante e revoltado, que se acha tão importante assim para imaginar que incomoda alguém…

    Tá Leandro, acredite piamente que estamos desesperados por causa de você…

  6. Leandro

    Pelo visto chamaram a tropa de choque! É muito divertido o quanto vocês demonstram sua fraqueza e seu desespero de causa. Até enxergo o tal do Wiliam espumando pela boca de raiva. Chamou seu amiguinho do outro blog? Não dá conta sozinho?
    Mais uma vez, seus argumentos são muito pueris. Pode ser resumido da seguinte forma: eu sou o malvadão que adora matar crianças (talvez até as de colo!!!) e vocês são os nobres defensores da vida, lutando contra os malvados matadores de crianças, como se salvar a vida de uma mãe ou preservá-la de um sofrimento inútil fosse algo tão abominável.
    O que vocês estão menos preocupados é com a criança e muito menos a com a mãe. Outro até apela para o politicamente correto, como se não movessem uma perseguição ao que chamam de “ditadura gayzista”. E eu nem falei em homossexualidade… Hipocrisia é isso…É ou não assunto para psicanálise?
    Será que alguém assim é seguro sexualmente, ou está apenas expondo seus fantasmas?
    A luta de vocês é baseada somente em dogmas religiosos, e dogmas muitas vezes contrariam a razão e bom senso, que vocês não demonstram ter.
    Como isso aqui se tornou um diálogo de surdos, o sentido dos comentários se perdeu, se é que vocês estão dispostos a debater alguma coisa, a não ser se intrometer na vida dos outros aproveitando o sofrimento alheio. Belo humanismo!
    De minha parte, não abro mão um milímetro sequer de minhas convicções porque estou plenamente convencido de que são moralmente corretas e aceitáveis. Podem sapatear à vontade, mas esta é a verdade!
    Quanto a este blog, pelo menos posso saudá-lo por não se utilizar de recursos mesquinhos como apagar comentários, o que é uma atitude elogiável.
    E Matheus você também pode ser o que quiser. O seu capanga também. Mas pessoas de bom-senso e com capacidade argumentativa é que não são! Ainda bem que eu não sou Matheus Cajaíba ou Wiliam Murat (turcos são teimosos…). Deus me poupou desse desgosto!

    PS: Wiliam, hoje além de tomar toddynho tome também um Haldol. Mas infelizmente ainda não inventaram um remédio que faça pensar!

  7. Karina

    “Da minha parte, não abro mão um milímetro sequer das minhas convicções”…

    E somente nós somos os reacionários-ultra-fanáticos- religiosos, sem coração e sem alma por não pensar na criança (?!?!?! palavras dele) e na mãe. Aliás, sem alma não que alma é coisa de xiita religioso.

    É, Leandro… fica com Deus.

    P.S: Vou avisar a meus amigos ateus que são contra o aborto que eles devem estar secretamente tomados de dogmas religiosos ultrapassados. Sei lá, vai que eles precisam de algum tratamento psiquiátrico?!

  8. Eduardo Araújo

    Karina,você lembrou bem. Também tenho amigos aeus, alguns deles até do tipo anti-religioso “à la Dawkins” e são contra o aborto.

    O interessante é como as falácias dos adoradores do aborto se desfazem praticamente sem precisar de um mínimo esforço de contestação. Muitos desses adoradores do aborto apelam para o “argumento” (ênfase nas aspas) de que o assunto deve ser tratado por mulheres, mas eis que mulheres vêm à convesam e manifestam opinião pró-vida. Pronto, lá se vai o incrível “argumento” dos adoradores do aborto.

    Outro típico “argumento” dos adoradores do aborto é de que o assunto é tratado pelos pró-vida segundo seus dogmas religiosos, mas eis que pessoas apresentam todo um arrazoado secular, sem qualquer referência a doutrinas religiosas e aí vejam o que acontece: um esperneio de moleque raivoso, condensado nos últimos “argumentos” – xingar o oponente disso e daquilo. Aqui, presenciamos um indigente intelecual apelar para termos como “capanga” e delirar gravemente sobre o que participantes em um espaço virtual “tramam” contra ele, “pobrezinho”, tão “humanista” preocupado com as “vítimas” que resolvem assassinar seres humanos indefesos nos seus ventres. Já pensou que “abominável”, defender um ser humanos indefeso, que coisa horrível desse pessoal tomado de dogmas religiosos …

    Bom que não faltou a comédia a esse drama bufão. O indigente alega um diálogo de surdos aqui e logo em seguida afeta uma intransigência própria dos mais fanáticos ensurdecidos incapacitados de debater.

    Como todo incapaz intelectual e moral para debater a respeito de UM ASSUNTO, não demora e vai fazer o quê, hein? Ora, vai chamar a “tropa de choque” dos apelos imbecis contra a Igreja Católica (fraqueza e desespero de causa, pois sim?), como o hodierno e estúpido preconceito bem urdido pela mídia sobre pedofilia, e ainda o que ele diz ser “perseguição” à ditadura gayzista, aquela que vive a patrulhar a nossa opinião e de quem mais não concordar com a concessão de superdireitos a um grupo por conta de sua homossexualidade. Fazer o quê? Vivemos tempos eivados desses estúpidos e seu duplipensar orwelliano, segundo o qual perseguidor é quem é patrulhado e condenado.

    O fato é que é impressionante a fragilidade dessa gente, que – totalmente incapazes de construir uma defesa honesta e sólida de seus pontos de vista necessita, SEMPRE, enveredar por outros assuntos como se estes lhes fornecessem, enfim, o “argumento” definitivo. Ah, tá … Nós é que devemos ficar convencidos porque um sujeito falou da pedofila … E o aborto? Ou, então, da “perseguição” à ditadura gayzista … E o aborto? Ou nos chamar de hipócritas, capangas… E o aborto?

    É a “capacidade argumentativa” dos adoradores do aborto.

    A propósito, o William cansou (justificadamente), mas como estou chegando agora, faço ou refaço algumas perguntinhas:

    1 – quanto alguém tem que viver para escapar de ter sua vida exterminada?

    2 – uma decisão judicial é “a fortiori”, fonte absoluta de ética?

    3 – que princípio ou lei científica estabelece graus de humanidade, a ponto de subtrair um ser vivo, com DNA que o individualiza, da própria espécie? (vale dizer, a respeito, que o resultado do Projeto Genoma foi uma bela de uma surra nas pretensões dos adoradores do aborto de dizer quem é e quem não é humano);

    4 – o que as perguntinhas acima têm de dogma religioso?

    Por fim: já afirmei em outro post deste blog que hoje em dia existe uma ignorância séria sobre o significado do termo “hipocrisia”. Um dos maiores atestados de imbecilidade, senão de safadeza, mesmo, é chamar um oponente de hipócrita, tendo por critério apenas o fato deste discordar das posições do rotulador. Quase todos os adoradores do aborto com que me defrontei xingaram-me de hipócrita antes mesmo de eu abrir a boca.

    Geralmente, os mesmos sujeitos, ávidos por me xingarem previamente de hipócritas, ficavam furiosíssimos, igual ao que está participando aqui, quando eu sugeria que grande hipócrita era:

    – quem defendia o aborto com uma fúria patética, mas não admitia ser chamado pelo nome: abortista;

    – quem se manifestava descaradamente a favor da descriminalização ampla e irrestrita do aborto, mas dizia-se CONTRA (!) o aborto;

    – quem era valente que só uma onça no cio para defender as “pobres” mulheres que resolviam abortar, afirmando que o nascituro não passava de um amontoado de células, um “projeto de gente”, coisa que a ciência não fundamenta. Mas eles é que se achavam munidos de “argumentos” científicos contra os meus dogmas religiosos …

    – quem alegava que com a descriminalização só abortaria quem quisesse, mas não dizia uma palavra sobre a previsão desse infanticídio ser custeado com dinheiro do contribuinte …

    Hipocrisia, de verdade, é isso!

  9. Eduardo Araújo

    Ah:

    William, os adoradores do aborto não se satisfazem mais em decidir quem é e quem não é humano.

    Já querem decidir até a nossa ascendência étnica. (rs)

    E eu quero estar nessa tropa de capangas, junto com você, o Matheus, a Karina. Quem defende a vida humana, principalmente dos que não podem defendê-la, é cabra da peste, sim senhor!

  10. William Murat

    Pois é, caro Eduardo!

    Mas eu vou deixar para ele e seus companheiros saírem buscando de onde afinal veio meu nome. Nem é tão difícil assim… :-)

    Ao menos durante um tempo, quem sabe?, eles deixem as maquinações pró-aborto de lado.

    Bem-vindo à nossa “tropa de choque”!

    []’s

  11. Leandro

    Mas com “soldados” assim vão perder a primeira batalha! Estão mais para exército de Brancaleone! Aliás, já perderam! Não adianta dourar a pílula! A maior mostra de desespero é que foi preciso juntar várias pessoas para tentar responder a uma única pessoa (eu)!
    Se incomodei tanta gente, é bom sinal…
    Precisaram chamar até o moleque do outro blog pra ajudar… mas, não deu! Tiro n’água! Esse pobre coitado do tal do Matheus Cajaíba (ou seria Tabajara?) ficou tão desnorteado que até enfiou homossexualismo no meio! Por que será hein? É ou não desespero de causa? Apelou, perdeu, meu filho!
    E o tal do Wiliam Murat pimpolho da mamãe parece aqueles moleques de condomínio que se acham os tais quando estão em turma mas na hora da verdade apanham feio! São tão valentes atrás do monitor! Mas fora dele… Não me admira que tenha exigido “seja homem”. Freud explica…ou não!
    Vocês nem perceberam o quanto expuseram suas fraquezas e suas tibiezas por aqui. Um é um recalcado, outro tem sérios problemas com sua sexualidade, mas nem percebem que eles mesmos expõe isso.
    Argumentos? Já dei e poderia dar um caminhão deles aqui. Mas sendo tão cegos e dogmáticos, será que adianta? Até confundiram uma afirmação de verdade – que vocês são hipócritas – com um argumento! É um caso perdido!
    Mas sei que no fundo vocês me adoraram! Por um breve instante fez parecer que vocês são importantes.
    Com gente histérica não há diálogo. E histeria é sinal de desespero. Melhor deixar vocês babando e falando sozinhos.

  12. William Murat

    Eita… Mas não é que vc voltou? E eu que pensei que só estávamos nós, a “tropa de choque”, conversando.

    E ainda voltou para cantar vitória, né? Vai tomar um chopp com os amiguinhos depois também? Tá copiando e colando tudo lá?

    Mas deixe de ser metido, rapaz! “Juntar várias pessoas”… Nenhum de nós conseguiu dar conta de teus argumentos elaboradíssimos: “Bando de hipócritas!” ou “Se o juiz permite, então é válido!” ou “Se vai morrer, então podemos matar antes”. Esqueci de algum? Nem precisa de qualquer de nós para deitar estes troços por terra, pois eles caem podres sozinhos mesmo.

    “Moleques de condomínio”! Uau.. Vc está mesmo conversando com teu amiguinho, hein? Teu parceiro disse a mesmíssima coisa de mim lá no blog que ninguém lê. Só vcs… :-) E isto só deixa claro a todos que vcs entendem tanto de minha vida quando vc entende de minha descendência. Mas se vc quiser mesmo, pode ir atrás de meus dados. Nõa deve ser difícil para vcs… Ou talvez seja… :-)

    Mas qual argumento vc está falando que deu? Estes 3 aí de cima? Vc está falando sério mesmo? Se estiver, teu caso é grave mesmo. Megalomania pura! E ainda quer ser levado a sério… E nem mesmo tem senso de humor. Típico…

    Eu te adorei mesmo. Divertido do início ao fim. Não sei de que gostei mais! Se foi por vc advinhar que adoro Toddynho ou se foi vc me chamar de turco.

    Pode nos deixar falando sozinhos, se quiser. Só estamos mesmo nos divertindo.

    O fato é um só, vc veio querer debater coisa nenhuma (qualquer um pode ver isto em teu primeiro comentário). Começou rotulando todo mundo e, quando levou umas respostas boas e necessárias, ficou aí se fazendo de vítima e dizendo que tem tais e tais argumentos. Vc não é o primeiro(a) a aparecer aqui ou em outros blogs fazendo a mesma coisa.

    E repito novamente o “seja homem” (mais uma vez, a tradução necessária: “tenha honra”) e defenda teus pontos de vista sem que seja necessário vir chamando de hipócrita quem defende que a vida humana deve ser preservada. Ao menos esta posição é bem melhor que a tua, que quer preservar uma e se lixar para a consequência que isto terá em uma outra vida, frágil e inocente.

    O teu “caminhão de argumentos” só serve mesmo é para atropelar, com vc ao volante, esta vida inocente.

    []’s

  13. R. B. Canônico

    “Mas sei que no fundo vocês me adoraram! Por um breve instante fez parecer que vocês são importantes.”

    “E histeria é sinal de desespero”

    Falou e disse!

    Gostaria de agradecer em nome de todos ao sr. Leandro, por ter descido do Olimpo para humilhar estes pobres mortais.

    E, caso ele tenha algo a acrescentar, ele poderia explicar apenas um dos comentários do Eduardo Araújo. Esse é o que mais me atrai:

    “que princípio ou lei científica estabelece graus de humanidade, a ponto de subtrair um ser vivo, com DNA que o individualiza, da própria espécie? (vale dizer, a respeito, que o resultado do Projeto Genoma foi uma bela de uma surra nas pretensões dos adoradores do aborto de dizer quem é e quem não é humano);”

    Ele poderia explicar, primeiro, onde se encontro o dogma religioso na questão acima. Depois, demonstrar, cientificamente, como definir o que é e o que não é vida humana.

    Antes, claro, convém definir o que é o ser humano.

  14. Messias

    Desculpe-me, Jorge, mas, [CENSURADO]!
    Esse Leandro é um cara gozado (sem ambiguidades).
    Acessa um site católico, e percebendo que seus leitores de praxe são católicos, e, consequentemente defensores da vida, chama seus comentadores de tropa de choque. É o mesmo que um bandido entrar em um quartel da polícia e dizer que chamaram um batalhão.
    E, ao ser refutado, começa a fazer papel de Marta Suplicy.
    Reclama de nossos dogmas e fala que não abre mão de suas convicções, ou seja, independentemente da verdade, ele defende o aborto e ponto final. E nós somos os fanáticos.
    Reclama da defesa da vida por ser dogma católico e defende o abortismo que é dogma do Edir Macedo e do “INRI Cristo”.
    Agora, vendo que é impossível defender o indefensável, sai dizendo que “incomodou”, tal qual um adolescentezinho “incomoda” os adultos “caretas” e “hipócritas”.

  15. Lucio

    Resumo da ópera:

    Leandro: vocês, católicos num site católico, são chatos, feios, bobos e fedem porque defender a vida é hipocrisia!!!1!!!2!@!!

    Seres pensantes: *destroem argumento de Leandro*

    Leandro: *ignora tudo que foi escrito e grita* Venci!

    Trasgos óbvios são tão óbvios (ou, para quem o original, Obvious troll is sooo obvious). :D

  16. Karina

    Ai, ai, Leandro. Se não fosse um assunto tão sério, eu me acabaria de rir.

    Vai se juntar às Diabólicas pelo Direito de Matar, vai. Os “dogmas religiiosos” delas são bem parecidos aos teus (só você não percebe que tem váaaaarios dogmas, pior, frutos da sua pouca curiosidade, para dizer o mínimo).

    P.S: tá a fim de discutir sexo dos anjos mesmo, hein? Atacou a sexualidade do William, do Matheus, de todos os homens desse site católico frequentado por católicos (oooohhhhhh, que absurdo!). Mas nem deu bola para a praticamente única mulher que “deu atenção” a seus “argumentos”.

    P.S 2: ainda fica com o exército da VIDA. Não cabe a mim definir quem é quem não é humano. Quem é digno de morrer, quem é digno de viver. Se você quer assumir essa responsabilidade, vai que é tua, Taffarel.