Zelo zelatus sum

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 22 dias atrás.

Impressionou-me positivamente o artigo do pe. Zezinho publicado no mês passado, mas que só agora eu li. Leva por título “Por uma Igreja que pensa” (é o terceiro texto do link acima indicado – não tem link direto). Aliás, eu nunca diria que o texto saiu da pena do pe. Zezinho, se não estivesse disponível em um blog que, até onde pude perceber, não é fake. Não é do próprio pe. Zezinho, mas é “em [sua] homenagem”. Tomara que seja verdadeiro.

São verdadeiríssimas palavras! Vejam só: “Parecemos um hospital que, na falta de médicos na sala de cirurgia, permite aos secretários, porteiros e aos voluntários bem intencionados que operem o coração dos seus pacientes. Há católicos aconselhando, sem ter estudado psicologia. Há pregadores receitando, sem conhecer a teologia moral. E há indivíduos ensinando o que lhes vem na cabeça, porque, entusiasmados com sua fama e sua repercussão, acham que podem ensinar o que o Espírito Santo lhes disse naquela hora”. E tanto a analogia quanto os exemplos concretos apontam para uma mesma coisa: a falta de cuidado com os assuntos religiosos, tratando com desleixo e negligência coisas que são da mais alta importância. Estamos falando da Fé Católica, que – mutatis mutandis, óbvio, porque a chance de um porteiro “acertar” uma cirurgia cardíaca é muito menor do que a de um leigo bem intencionado acertar uma palestra – é mais importante e mais séria do que problemas cardíacos que exigem uma intervenção cirúrgica.

Trata-se de um fenômeno moderno que outras pessoas já tiveram a oportunidade de apontar: vivemos em um século onde a qualidade do conhecimento é continuamente questionada, onde existem (e exigem-se) especialistas sobre assuntos os mais diversos mas, no entanto, se o assunto for a Igreja Católica, todo mundo pode e deve emitir as opiniões mais disparatadas possíveis, sem que seja necessário para isso ter lido uma única linha de um único catecismo de crianças sequer. Trata-se a religião com uma displicência tão grande como não se usa para política, culinária ou futebol; para este último, exige-se que se conheçam ao menos as regras básicas do jogo e a escalação do time. Com relação à Igreja, a maior parte das pessoas que adora falar sobre catolicismo não é capaz de dar o nome de três dicastérios vaticanos ou de citar, em ordem, os últimos cinco papas. É impressionante: para discutir futebol exige-se mais!

E o problema começa “de dentro”, como apontou o pe. Zezinho no  texto acima citado. São pessoas sem nenhuma preparação que estão em posições-chave da Igreja! Se somos nós próprios, em nossas paróquias e arquidioceses, que tratamos as coisas sagradas como se tivessem pouca ou nenhuma importância, como poderemos exigir que os inimigos da Igreja tratem-nA como Ela merece?

Urge acabar com esta cultura de mediocridade. É fundamental que tratemos seriamente as coisas sérias, e é da mais alta importância que dediquemos o nosso melhor à Igreja, reservando para o Altíssimo a melhor parte daquilo que temos e somos. Zelo zelatus sum pro Domino Deo Exercituum – oxalá o sentido dessas palavras pudesse impregnar-se na alma de cada católico! Cuidai daquilo que é Vosso, Senhor. Olhai pela obra de Vossas mãos. Deus, in adjutorium nostrum intende; Domine, ad adjuvandum nos festina.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

10 thoughts on “Zelo zelatus sum

  1. Pingback: Tweets that mention Deus lo Vult! » Zelo zelatus sum -- Topsy.com

  2. Francisco

    Concordo no geral com texto mas faço um alerta. Teologia em Institutos contaminadas com a TL não me ajudaram em nada a ser um católico fiel à doutrina Católica. Agradeço minha licenciatura em Teologia pois me garantiu alguns conhecimentos, até para contra-argumentar e o acesso à minha profissão. Agradeço muito esta oportunidade que Deus me concedeu . Mas com toda sinceridade não me sinto preparado como católico,em relação à Teologia por causa dele. E sim, devido as minhas leituras e ao senso de discernimento que Deus me concedeu. Então certas catequeses que hoje formam catequistas dadas por teólogos são também um grande perigo tanto quanto a ignorância da fé.

  3. Jorge Ferraz Post author

    Sim, totalmente de acordo. Os que apregoam “teologias” heterodoxas estão entre os que não têm zelo pelas coisas santas.

    Abraços,
    Jorge

  4. vanderley

    Como o Francisco disse, o que mais temos e formação
    doutrinal/teológica incipiente e contaminada pela TL.

    A mudança teria que partir da hierarquia. Portanto,
    não veja nenhuma perspectiva que isto aconteça, a médio prazo.

    Quem quiser melhorar sua formação, tem que recorrer
    a meios alternativos (internet,livros,etc).

    Isso só acontece com uma minoria privilegiada.

    Além do que, nem todas pessoas tem capacidade de absorver
    certos conhecimentos.

  5. Claudia

    Gostaria de entender todo o post, por caridade traduza para quem não sabe latim:

    mutatis mutandis = ?

    Zelo zelatus sum pro Domino Deo Exercituum = ?

    in adjutorium nostrum intende; Domine, ad adjuvandum nos festina = ?

  6. Lúcio Clayton

    Caros,
    esse texto vem atingir de forma certeira os pregadores da RCC que como o texto diz: “E há indivíduos ensinando o que lhes vem na cabeça, porque, entusiasmados com sua fama e sua repercussão, acham que podem ensinar o que o Espírito Santo lhes disse naquela hora”.

    é simplesmente incrível como na “cara” de muitos sacerdotes, leigos falam o que bem entendem sem serem corrigidos, pois segundo eles, falam inspirados pelo “espírito santo”, eu já vi e ouvi tantas barbaridades, principalmente saídas de grupos jovens, onde um pregador(doutrinador) “ungido” ensina a Bíblia, como ele a entende, da mesma maneira que os protestantes,e outras coisas que ele acha sobre a Igreja e a Fé! Muitos jovens nem sequer mais aceitam o que lhes é ensinado na catequese (digo boa catequese), pois hoje a catequese está infestada de sentimentalismo e dinâmicas a lá RCC!

    é algo absolutamente terrível, que sacerdotes deixem leigos pregarem em seu lugar, e falam mil e uma barbaridades, mesmo com toda a boa intenção do mundo!

    se esse texto for mesmo do Pe. Zezinho ele acertou em cheio dessa vez!

  7. Jorge Ferraz Post author

    Claudia,

    Desculpe-me! :)

    “Mutatis mutandis” = “mudando o que deve ser mudado”. É uma expressão utilizada em analogias ou comparações, para se chamar a atenção às diferenças existentes entre as duas coisas, a fim de que sejam consideradas.

    “Zelo zelatus sum…” é um versículo bíblico, que significa “eu me consumo de zelo pelo Senhor dos Exércitos”.

    E o “Deus, in adjutorium meum intende…” é uma oração. Em português, acho que é “vinde depressa em meu auxílio / socorrei-me sem demora”.

    Abraços,
    Jorge (do celular)

  8. Alex A.B.

    Jorge

    A PAZ DO RESSUSCITADO!

    Eu lhe enviei um antigo artigo do artigo do Pe. Zezinho sobre ser padre e pai, sobre paternidade biológica e espiritual. Talvez nesse dia dos pais, possa servir para escrever ao sobre paternidade física e espiritual.

    Abraços, Alex.

    Cito um parágrafo do texto do Pe. Zezinho:

    “Como é bonito ver um pai amigo dos filhos e amado por eles. E como é triste, muito triste mesmo, observar um pai que ama errado e, por isso, não é amado, ou que pensa amar certo, mas machuca seus filhos. Sei mais ou menos o que eles sentem, porque assumi a paternidade espiritual de muitos jovens e adolescentes. Algumas vezes, acertei; outras, errei – sofri e fiz sofrer. E ainda cometo erros, quando me intrometo demais na vida dos jovens a quem quero bem. Para modificar isso, eu teria de aprender a não me sentir mais pai. Deveria me sentir padre e pai espiritual de todos. Descubro que é tão difícil ser bom pai espiritual quanto deve ser difícil a paternidade física.” SER PADRE E SER PAI, PADRE ZEZINHO

  9. Enchridiana Violácea Maria Augusta Carvalho Madeira de Ley

    Dona Cláudia, amavelmente ilustro para que a senhora possa compreender melhor:

    a) Zelo zelatus sum: é um trecho da Bíblia, conforme o caro senhor Jorge explicou-lhe muitíssimo bem. Também é usado como lema no escudo dos religiosos Carmelitas, bem como no estandarte sustentado por Santo Elias. Podemos também comparar “zelo zelatus” sum com a seguinte frase do salmo 25:

    Domine, dilexi decorem domus tuae, et locum habitationis gloriae tuae: Senhor, amo, a beleza da vossa casa, e o lugar em que repousa vossa glória…

    Veja um exemplo em imagem:

    http://www.youtube.com/watch?v=CB2dUSwDmdQ

    _________________________________________

    Quem ama a Deus, naturalmente, zela pela beleza de sua casa, que se consome de zelo pelo senhor dos Exércitos! Dominus Deus SABAOTH- SENHOR DEUS DOS EXÉRCITOS! Assim age o bom padre, o bom religioso.

    Veja o contrário, ou seja, quando vertentes do espiritismo sob falso véu de cristandade, enganam o povo em troca de privilégios e fortuna:

    http://www.youtube.com/watch?v=9Dj0y3r5oCw

    ____________________________________________

    Entende, é isto.

    Deus in adjutorium meu intende, são as primeira spalavras cantadas no Ofício Divino nas diversas horas canônicas nos mosteiros, catedrais, conventos e seminários. É uma oração, como ilustrou senhor Jorge.

    veja:

    http://www.youtube.com/watch?v=9Dj0y3r5oCw
    ___________________________________________

    Compreende a riqueza destas palavras tão santas!
    Espero te-la ajudado clareando vosso entendimento.
    Fique com Deus e Maria Virgem!

    Estas palavras Falam também da sublimidade do sacerdócio católico.