Do discernimento dos espíritos – Santo Inácio de Loyola

[Hoje é dia de Santo Inácio de Loyola. Publico um texto inaciano que o leitor Alex Borges fez a gentileza de me enviar, pelo quê lhe agradeço.

Santo Inácio foi um grande santo; fundador dos jesuítas, uma grande ordem. Gostaria de ter mais tempo para falar um pouco mais sobre ele (e sobre os jesuítas), sobre a atualidade do carisma inaciano que, aliás, é hoje quase uma urgência. Todos os inimigos da Igreja sempre detestaram e perseguiram particularmente os jesuítas, por sua ortodoxia, por sua submissão incondicional ao Papa, por sua dedicação integral à causa do Evangelho. Hoje, faltam jesuítas; ou, melhor dizendo, hoje falta o carisma de Santo Inácio de Loyola. Que ele, de junto a Deus, interceda por nós.]

Regras Para Discernimento Dos Espíritos

1. Àqueles que vão de pecado mortal em pecado mortal costuma, geralmente, o inimigo propor gozos aparentes e despertar-lhes na imaginação prazeres e desejos impuros, para mais os conservar e mergulhar em seus vícios e pecados. Ao contrário, o bom espírito causa-lhes remorsos e estímulos de consciência para os retirar de tão lastimoso estado.

2.Com aqueles que procuram intensamente purificar-se de seus pecados, e progredir no serviço de Deus, Nosso Senhor, dá-se o contrário do que foi dito na primeira Regra. Pois neles costuma o demônio suscitar perturbações de consciência, tristeza e desânimo, inquietando-os com falsas razões, para que não vão por diante na sua santificação. Pelo contrário, é próprio do bom espírito dar coragem, forças, consolações, lágrimas, inspirações e tranqüilidades, tornando-lhes tudo fácil e afastando todos os impedimentos, para que vão sempre adiantando na virtude e perfeição.

3. Da consolação espiritual. Chamo consolação qualquer movimento interno que impele a alma para mais servir e amar o seu Criador e Senhor, afastando-a, por conseguinte, de todas as coisas criadas para só descansar no Criador delas; e também quando provoca lágrimas de amor a Deus, de dor dos próprios pecados, de compaixão pela morte de Cristo e de outras coisas ordenadas diretamente ao seu serviço e louvor; finalmente, chamo consolação a todo aumento de fé, de esperança e caridade, e a toda a alegria interna que atrai o homem para as coisas celestes e salvação de sua alma, dando-lhe paz e tranqüilidade em seu Criador e Senhor.

4. Da desolação espiritual. Chamo desolação tudo que é contrário ao que foi mencionado na terceira Regra, como por exemplo: trevas na alma, perturbações, inclinação para coisas baixas e terrenas; desassossego por várias tentações, que impelem a alma para a desconfiança, enfraquecendo-a na fé e na caridade, tornando-a triste e indolente no serviço de seu Criador e Senhor. Porque da mesma forma que a consolação é contrária à desolação, também os pensamentos, que nascem da consolação, são contrários aos que nascem da desolação.

5. No tempo da desolação não se deve mudar nada, mas perseverar firme e constante nos propósitos feitos no tempo da consolação; porque do mesmo modo que na consolação nos aconselha e guia o bom espírito, assim o mau nos causa, na desolação, sugestões, a que não podemos dar assentimento.

6. Ainda que na desolação não devamos mudar nossos propósitos, contudo é muito útil agir contra a mesma desolação, persistindo, por exemplo, mais tempo na oração, no exame de consciência e alargando-nos mais no uso das penitências.

7. Quem está na desolação considere que o Senhor, para o provar, o abandona a suas próprias forças naturais, a fim de que resista às várias tentações do inimigo; pois não lhe falta o auxílio divino, ainda que o não sinta; porque, se o Senhor lhe tirou o fervor primitivo, e sensível, e a graça superabundante, deixou-lhe todavia a graça suficiente para a sua salvação.

8. Quem está na desolação, trabalhe por levar com paciência as penas que lhe sobrevêm e pense que prontamente será consolado, tomando as medidas contra tal desolação como foi indicado na 6ª Regra.

9. São três as causas principais por que nos achamos desolados. A primeira é porque somos tíbios, preguiçosos ou negligentes em nossos exercícios espirituais e, por nossas faltas, se afasta de nós a consolação espiritual. A segunda porque Deus quer ver quanto podemos e até onde chegamos no seu serviço e louvor sem os auxílios da consolação. A terceira, porque Deus nos quer dar a conhecer que não está em nosso poder sentir grande devoção, amor intenso, lágrimas, nem qualquer outra consolação espiritual, mas que tudo é graça de Deus, Nosso Senhor, a fim de que não nos ensoberbecemos nem envaidecermos atribuindo a nós mesmos a devoção e outras manifestações da consolação espiritual.

10. Aquele que está em consolação pense como se portará na desolação que depois virá, armazenado novas forças para esse tempo.

11. Quem está consolado procure humilhar-se e abater-se quanto puder, considerando quão pouco vale no tempo da desolação sem a graça da consolação. Pelo contrário, quem está na desolação, pense que muito pode com a graça, que não lhe falta para resistir a seus inimigos, recebendo forças de seu Criador e Senhor.

12. O inimigo procede como uma mulher, mostrando-se fraco contra o forte, e forte contra o fraco. Assim como é próprio da mulher, quando luta com algum homem, perder a coragem e fugir, se o homem se mostra corajoso; e, ao contrário, se o homem se mostra covarde e tímido, a ira da mulher chega até ao excesso: do mesmo modo costuma o nosso inimigo enfraquecer e fugir, se aquele que se exercita nas coisas espirituais lhe resiste varonilmente e se opõe diametralmente às suas sugestões; se, pelo contrário, aquele que se exercita, começa a ter medo e a perder a coragem em lhe resistir, não há fera no mundo mais terrível, que este inimigo da natureza humana.

13. Porta-se também o demônio como um falso amante, que não quer ser descoberto. Assim como um homem que, procurando seduzir, com suas ilusórias palavras, a filha dum pai honesto, ou a esposa dum marido honrado, lhes propõe silêncio e pede segredo para que suas pérfidas insinuações não cheguem aos ouvidos do pai ou do marido, pois desfazer-se-ia toda a sua tentativa: assim quer o inimigo que as falazes propostas, que segreda à alma justa, fiquem ocultas e não sejam manifestadas ao confessor ou a uma pessoa espiritual que conheça bem seus embustes, pois perderia toda a esperança de consumar a sua malícia ao ver descobertos todos os seus artifícios.

14. Porta-se também o demônio como um general, quando quer apoderar-se duma fortaleza. Pois, à semelhança dum comandante ou chefe militar que, depois de assentar os arraiais, explora as fortificações e obras de defesa, para saber qual é a parte mais fraca, para começar por ela o ataque: assim o maligno espírito anda rondando em volta de nós para explorar as nossas virtudes teologais, cardeais e morais, a fim de começar por onde nos achar mais fraco, e nos render.

EXERCÍCIOS DE SANTO INÁCIO DE LOIOLA
Com práticas e meditações para oito dias de retiro pelo Pe. Alexandrino Monteiro, S.I.
– II Edição – Editora Vozes – 1959  – pp. 320-323.

Regras Para Discernimento Dos Espíritos

Segunda Parte

1. É próprio de Deus e de seus Anjos, quando entram numa alma, enchê-la da verdadeira alegria e gozo espiritual, e banir toda a tristeza que o inimigo procura introduzir nela. Ao contrário, é próprio do mau espírito combater esta alegria e gozo espiritual por motivos fúteis, sutilezas e contínuas ilusões.

2. Só a Deus pertence consolar a alma sem causa precedente, pois só Ele tem direito de entrar nela e sair quando quiser, movendo-a ao amor de sua divina Majestade. Digo sem causa precedente, isto é, sem nenhum aviso prévio ou conhecimento de qualquer objeto, que dê origem àquela consolação.

3. Quando a consolação é precedida de alguma causa, o bom e o mau anjo podem ser igualmente o seu autor; mas os fins são inteiramente contrários. O bom anjo tem por finalidade o aproveitamento da alma, que deseja ver crescer nas virtudes. O mau anjo, ao contrário, quer vê-la retroceder no bem, para a levar, enfim, a seus perversos intentos.

4. É próprio do mau espírito transformar-se em anjo de luz e entrar primeiramente nos sentimentos da alma piedosa e acabar por lhe inspirar os seus próprios sentimentos. Assim, começa por sugerir a esta alma pensamentos bons e santos conforme às suas disposições virtuosas; mas logo, pouco a pouco, procura prendê-la em seus laços secretos e levá-la a consentir em seus pecaminosos intentos.

5. É examinar com grande cuidado o curso de nossos pensamentos. Se o princípio, o meio e o fim são bons e tendem ao bem, é sinal de que vêm do bom anjo; mas se no decurso deles se encontram alguma coisa má, vã ou diferente do que tínhamos proposto fazer, é sinal evidente de que tais pensamentos procedem do mau espírito.

6. Quando o demônio for descoberto por sua cauda serpentina, isto é, pelo fim pernicioso a que nos quer levar, será útil considerar os pensamentos que nos sugeriu, examinar-lhes o princípio e ver como, pouco a pouco, nos fez perder a alegria espiritual até nos levar à sua perversa intenção. A fim de que, pela experiência alcançada, nos acautelemos para o futuro de suas costumadas fraudes.

7. Naqueles que vão de bem em melhor costuma o bom anjo insinuar-se docemente, como uma gota d’água que cai numa esponja. O mau anjo, ao contrário, entra bruscamente como água que cai em pedra. Naqueles, porém, que vão de mal em pior, entram os mesmos espíritos diversamente, conforme à disposição da alma lhes é contrária ou semelhante. Se lhes é contrária, entram ruidosamente; se semelhante, entram silenciosamente e como por casa de porta aberta.

8. Quando a consolação vem sem causa precedente, ainda que esteja livre de fraude, pois é de Deus, como foi dito na 2ª Regra, contudo a alma, que recebe esta consolação, deve atender bem e distinguir o tempo que se lhe segue. Pois neste segundo tempo, em que a alma se sente toda fervorosa e gozando ainda dos restos da consolação passada, acontece tomar várias resoluções, que não são inspiradas imediatamente por Deus, e por isso devem-se examinar bem antes de se lhes dar inteiro assentimento e por em execução.

EXERCÍCIOS DE SANTO INÁCIO DE LOIOLA
Com práticas e meditações apropriadas para oito dias de retiro pelo Pe. Alexandrino Monteiro, S.I.
II Edição – Editora Vozes – 1959 – pp. 324-325

Para Fazer Boas Opções

1. Matéria das opções – há matéria livre e não livre.

2. Objetivo da opção: Considerar o fim porque estou no mundo – servir a Deus.

3. Três tempos na opção ( o mais seguro é que os três coincidam).

a)      Deus move – é o meio mais seguro de fazer opção.

b)      Pelas consolações e desolações

c)      Pela razão iluminada pela fé – Rezar, pedir luzes

I. Condições ( 1ª forma de usar a razão)

– Elencar vantagens e inconvenientes

– Tirar conclusão

– Pedir a confirmação de Deus

II. Imaginar outrem ( o que lhe aconselhar)

– Eu na morte

– Eu no juízo

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

2 thoughts on “Do discernimento dos espíritos – Santo Inácio de Loyola

  1. Pingback: Tweets that mention Deus lo Vult! » Do discernimento dos espíritos – Santo Inácio de Loyola -- Topsy.com

  2. Alex A.B.

    Gostaria de partilhar com vocês um resumo que fiz dessas Regras do Discernimento dos Espíritos, dadas por Santo Inácio de Loyola. Peço desculpas pelo estilo repetitivo. Peço também correções se necessárias.

    Graça e Paz!

    Sobre o Discernimento dos Espíritos
    Da Regra do Discernimento dos Espíritos de
    Santo Inácio de Loyola

    Na desolação não se deve mudar nada.
    Então, na consolação, pode-se mudar.

    Uma decisão tomada na paz de Deus provavelmente será acertada.
    Uma decisão tomada na perturbação certamente será errada.

    A desolação tende para o que é ruim ou afastado de Deus.
    Portanto, uma decisão tomada na desolação será para o mal ou para o que é mau.

    A consolação tende para o que é bom, para Deus.
    Portanto, uma decisão tomada na consolação será para o que é bom, para Deus.

    Minha mudança visa algo bom ou mau?

    Algo que leva a Deus ou não?

    Na consolação, é o espírito bom que nos aconselha e guia.

    Na desolação, é o espírito mau que nos faz sugestões.

    A consolação – aqui no sentido de alegria, satisfação – pode ser provocada por um anjo bom ou mau, se tiver um motivo precedente, pois a consolação sem motivo anterior vem sempre de Deus que é o único que a pode dar.

    A consolação, no sentido de alegria, satisfação, por um motivo precedente, pode ser provocada por um anjo bom ou mau.

    A consolação, com motivo precedente, pode ser provocada por um anjo bom ou mau.

    Um anjo bom ou mau a partir de um motivo precedente pode provocar uma consolação ( = alegria, satisfação).

    A consolação sem motivo precedente vem sempre de Deus que é o único que a pode dar.

    Só Deus é capaz de dar a consolação sem nenhum motivo precedente.

    Só Deus dá a consolação a partir de nenhum motivo.

    A consolação provocada por um anjo bom tem por finalidade o bem da alma e o seu crescimento na virtude.

    O anjo bom tem por finalidade o bem da alma e o seu crescimento na virtude.

    O anjo mau tem por finalidade o mal da alma ou sua danação eterna, bem como a sua degradação moral.

    Isso contribui para a minha salvação?
    Isso me faz crescer na virtude?

    As decisões tomadas nas consolações sem causa precedente, mesmo que vindas de Deus, devem ser bem pensadas, pois, devido às nossas limitações, podemos nos enganar.