CNBB desmente: Católicos não têm liberdade para “votar em qualquer candidato” coisa nenhuma

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 11 meses 30 dias atrás.

[Publico na íntegra. Parece que, com a CNBB, a coisa ainda funciona – graças a Deus – na base da pressão. A notícia saiu na última sexta-feira e, já hoje, veio a resposta.

Uma certa senhora – que se diz católica e, apesar dos meus reiterados protestos, insiste em me enviar por email todo o lixo com o qual costuma tornar a internet um lugar mais desagradável de se freqüentar – enviou-me um email correlato, que tinha por título “parabéns à CNBB” e no qual estava escrito (com a caixa-alta do original), da lavra da referida senhora: “A CNBB AO ABRIR AS PORTAS A TODOS OS CANDIDATOS, MOSTROU QUE NÓS CATÓLICOS, TEMOS LIBERDADE PARA VOTAR EM QUALQUER CANDIDATO. FOI UM TAPA DE PELICA NO TAL BISPO DE GUARULHOS, QUE PREGA O ÓDIO E A INTOLERANCIA”. Pois é, parece que, agora, o tapa na cara dos “católicos” abortistas foi não de pelica, mas com a mão cheia mesmo…

Fonte: CNBB]

Prezado Senhor Diretor de Redação,

Foi com desagradável surpresa que vi estampada minha fotografia no topo da página A7 da Edição de hoje, sexta-feira, 20 de agosto, com a nota de que eu teria admitido que os católicos votem em candidatos que são favoráveis ao aborto.

Gostaria de expressar, mais uma vez, a posição inegociável da CNBB, que é a mesma do Magistério da Igreja Católica, de defesa intransigente da dignidade da vida humana, desde a sua concepção até a morte natural. O aborto é um crime que clama aos céus, um crime de lesa humanidade. Isso, evidentemente, não significa que o peso da culpa deva recair sobre a gestante. Também ela é, na maioria das vezes, uma grande vítima dessa violência, e precisa de acompanhamento médico, psicológico e espiritual. Aliás, esses cuidados deveriam vir antes de uma decisão tão dramática.

Os católicos jamais poderão concordar com quaisquer programas de governo, acordos internacionais, leis ou decisões judiciais que venham a sacrificar a vida de um inocente, ainda que em nome de um suposto estado de direito. Aqui, vale plenamente o direito à objeção de consciência e, até, se for o caso, de desobediência civil.

O contexto que deu origem à manchete em questão é uma reflexão que eu fazia em torno da diferença entre eleições majoritárias e proporcionais. No caso da eleição de vereadores e deputados  (eleições proporcionais), o eleitor tem uma gama muito ampla para escolher. São centenas de candidatos, e seria impensável votar em alguém que defenda a matança de inocentes, ainda mais com dinheiro público. No caso de eleições majoritárias (prefeitos, senadores, governadores, presidente), a escolha recai sobre alguns poucos candidatos. Às vezes, sobretudo quando há segundo turno, a escolha se dá entre apenas dois candidatos. O que fazer se os dois são favoráveis ao aborto? Uma solução é anular o próprio voto. Quais as conseqüências disso? O voto nulo não beneficiaria justamente aquele que não se quer eleger? É uma escolha grave, que precisa ser bem estudada, e decidida com base numa visão mais ampla do programa proposto pelo candidato ou por seu Partido, considerando que a vida humana não se resume a seu estágio embrionário. Na luta em defesa da vida, o problema nunca é pontual. As agressões chegam de vários setores do executivo, do legislativo, do judiciário e, até, de acordos internacionais. E chegam em vários níveis: fome, violência, drogas, miséria… São as limitações da democracia representativa. Meu candidato sempre me representa? Definitivamente, não! Às vezes, o candidato é bom, mas seu Partido tem um programa que limita sua ação. Por isso, o exercício da cidadania não pode se restringir ao momento do voto. É preciso acompanhar, passo a passo, os candidatos que forem eleitos. A iniciativa da Ficha Limpa mostrou claramente que, mesmo num Congresso com tantas vozes contrárias, a força da união do povo muda o rumo das votações.

Que o Senhor da Vida inspire nossos eleitores, para que, da decisão das urnas nas próximas eleições, nasçam governos dignos do cargo que deverão assumir. E que o cerne de toda política pública seja a pessoa humana, sagrada, intocável, desde o momento em que passa a existir, no ventre de sua própria mãe.

Dom Dimas Lara Barbosa
Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro
Secretário Geral da CNBB
Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

33 thoughts on “CNBB desmente: Católicos não têm liberdade para “votar em qualquer candidato” coisa nenhuma

  1. Eleutério Gasspodin

    Corrigindo erro: sindrome do comunismo, (perseguidor e assasino de crianças)se queixam de ….

  2. Leniéverson Azeredo Gomes

    Os católicos não tem liberdade apenas para votar em qualquer candidato, não tem liberdade para fazer outras coisas.Afinal, a nossa liberdade está intimimamente ligada a fazer a vontade de Deus.Sabe, Jorge e demais comentaristas, há muita gente, sobretudo os filosofos de gabinete(que são favoraveis ao aborto, liberação de drogas, etc) que acha que nós devemos fazer a licença poética, ou seja, que devemos abrir uma exceção na hora de votar porque o Estado é laico e que religião e voto são imiscíveis.É claro que isso tem muito a ver também com a influência direta da Teologia da Libertação carregada de marxismo e desobediências, leia-se varias alas da Pastoral da Juventude, Comissão Pastoral da Terra, alguns sacerdotes, etc.Com efeito, essa realidade faz com que a igreja tenha 2 lados, o A e o B, o A defende a doutrina e o magistério da igreja, como o Papa Bento XVI e o B que acha lindo militar em partidos socialistas, acha um “must” livros dos freis Betto e Leonardo Boff, “bater-boca” com Bento XVI e acima de tudo difundir Heresias na Igreja.Será bobagem raciocinar assim?

  3. Antonio Picolli Sobrinho

    Se Cristo voltasse hoje ele teria o Frei Leonardo Boff como o seu João Batista e os Bispos e Padres do OPUS DEI como os supremos sacerdotes Anás e Caifás, como estes fanáticos estão deturpando a verdadeira doutrina de Jesús!