Carta de um sacerdote a um amigo petista

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 10 meses 13 dias atrás.

[Carta enviada por um sacerdote a alguns amigos petistas, algumas semanas antes do início do processo eleitoral brasileiro. Com a devida autorização, tomei a liberdade de a reproduzir. Reveste-se ainda de extrema oportunidade, tanto pela importância dos pontos levantados quanto pela forma sistemática através da qual eles são abordados.]

Alguns pontos para reflexão

I. Problema moral em geral.

A. Uma deliberação da vontade (escolha) é moralmente honesta quando concorrem três elementos:

a.       Objeto bom ou indiferente: o fim objetivo (que não depende da intenção do sujeito), o objeto.

b.      Meios bons ou indiferentes: o método empregado.

c.       Intenção boa: o fim subjetivo, ou meta do sujeito (o bem que eu tenho vontade de alcançar).

Se faltarem um ou dois desses elementos, a ação é má. Se faltar a boa intenção, é dolosa.

E, olhando pelo prisma do Evangelho, é pecado tanto mais grave quanto maior for o mal que se escolhe.

B. Há objetos que são intrinsecamente maus, que podem ser conhecidos como tais pela razão (lei natural) e são explicitados nas formulações negativas do Decálogo.

As formulações negativas são taxativas e não admitem exceção.

Para um exato conhecimento do objeto político de uma decisão, cada problema deve ser situado no quadro em que lhe é próprio. Não se pode colocar o uso da força no exercício do direito à legítima defesa no campo da violência. O problema do aborto deve ser enquadrado no âmbito do direito à vida. Se for colocado no campo da saúde pública, do direito da mulher ao seu corpo ou das opções meramente religiosas, desnatura-se o enquadramento moral e jurídico do objeto da decisão (uma coisa é decidir entre matar e não matar, outra coisa é decidir como combater as mortes ou doenças causadas pelo aborto clandestino; uma coisa é decidir levando em conta os direitos de duas pessoas – mulher e nascituro – outra coisa é decidir entre a vida da mulher e um “glomérulo de células” nocivas ao corpo). Os direitos à propriedade e à liberdade, combinados com o bem comum. E assim por diante. Aqui só exemplifico os problemas mais evidentes. Mas há problemas vinculados ao direito dos pais de escolherem sem coação por parte do Estado a linha de educação (sexual, moral, religiosa, ideológica, etc.) dos filhos, o direito à formação da família, o direito à proteção da saúde (não à eutanásia e não aos tratamentos excessivos), o direito  à propriedade privada combinado com a hipoteca social dos bens privados, o direito à liberdade de expressão, etc.

O modo de enquadrar estes problemas não é moralmente neutro. E vinculam a consciência da pessoa que deve escolher.

II. O problema moral em relação à eleição.

A. Os partidos.

Os partidos podem ser considerados um instrumento político para a consecução do bem comum ou como a expressão de uma utopia.

No primeiro caso, ele é um meio e deve ser avaliado quanto aos métodos que emprega na luta política e à utilidade em vista do fim a ser alcançado.

No segundo caso é a ideologia que deve ser analisada em relação ao bem comum.  A pessoa que adere a uma ideologia deve tomar o cuidado de confrontar se o ideal de sociedade e o ideal de “nova-humanidade” que o partido encarna corresponde ao bem comum da sociedade.

O tipo de adesão é diferente. No primeiro caso é puramente instrumental e não há dificuldade em se confrontar criticamente com a organização. No segundo caso, a adesão e a militância reveste muita paixão política, chegando por vezes a ser acrítica e, no pior dos casos, se tornar uma “idolatria”: o partido-utopia-ideologia pode se tornar uma “religião civil” (expressão muito usada na esquerda européia, para indicar a ideologia que pretende substituir a religião tomando-lhe as características mais marcantes).

Aqui quero testemunhar o meu sofrimento no seminário e nos primeiros anos do ministério: a ideologia da TdL (Teologia da Libertação – que me ligava ao Partido) tinha se tornado a lente através da qual eu olhava a Igreja (doutrina e indicações morais ou disciplinares). A ideologia pastoral e partidária tinha se tornado o meu critério de avaliação do Evangelho e do Magistério da Igreja: não o contrário.

B. Questões práticas: nas eleições é preciso levar em conta alguns elementos políticos:

a)      o candidato uma vez eleito pode apelar para a objeção de consciência ou tem obrigação de fidelidade partidária em todos os pontos do programa e resoluções, inclusive os que vão contra a sua consciência?

b)      o cargo para o qual é eleito lhe dá possibilidade objetiva de realizar os pontos imorais do programa?

c)      o mandato é vinculado ao partido ou ao eleitorado?

Se o partido consente a objeção de consciência, por exemplo, posso escolher um candidato para o senado ou câmara dos deputados que esteja num partido com um programa que contém pontos eticamente inaceitáveis, desde que tenha a certeza moral (absoluta é impossível) de que ele votará contra tais projetos. Por outro lado, não posso escolher um candidato que estou moralmente certo de que votará a favor mesmo que de um único ponto imoral.

Se o partido exige a fidelidade partidária sem exceções e o seu programa contém projetos vinculantes contrários à lei natural, e os cargos para os quais concorrem seus candidatos dão poder de realização desses projetos – ainda que haja muitos projetos bons em concomitância – não é possível votar nesses candidatos.

III. Consciência do cristão

Além do aspecto meramente racional colocado acima que onera a consciência da pessoa reta e do cidadão, o Cristão tem a vantagem de conhecer as mesmas verdades que a razão atinge com esforço por meio da Divina Revelação. A razão e a fé são as duas asas com as quais o espírito humano voa no céu da verdade. Sem uma delas é mais frágil o espírito humano, não mais forte.

O compromisso da pessoa com a própria consciência é no cristão ao mesmo tempo compromisso com Jesus Cristo e a sua Esposa.

As indicações dos Bispos

  1. Indicações de critérios: são vinculantes na medida em que correspondem ao Magistério da Igreja e ao Evangelho. Devemos levar em conta ao decidir.
  2. Indicações positivas de candidatos: Não é consentido aos pastores indicar ou patrocinar candidatos como católicos. Se o fizessem se trataria somente de opinião pessoal, posso me considerar livre para discutir e discordar, respeitados os critérios a que se refere o n. 1.
  3. Indicações negativas: Quando os Pastores dão uma indicação negativa, de candidato, de pessoa ou de partido, porque contrárias à lei natural (direito à vida, direitos fundamentais da pessoa humana, à liberdade religiosa, etc), o católico fica vinculado em consciência à indicação negativa. Um exemplo histórico: o Papa Pio XII declarou que os católicos não podiam votar no Partido Comunista (stalinista, trotskista ou gramsciano) sem cometer pecado mortal, por causa dos fins anti-religiosos e totalitários que perseguia.
  4. Há uma indicação geral da Igreja: uma proibição dos católicos de se associarem a organizações de qualquer tipo que contenham entre os seus objetivos, fins contrários ao Evangelho e à ordem moral (social ou pessoal). Não é ilícito cooperar com estas organizações quando perseguem fins indiferentes ou bons, discernidos um a um. Por exemplo: não posso me associar à maçonaria (ficaria em pecado mortal e proibido de comungar), mas posso colaborar com os mações em formas de solidariedade social que não envolvam compromisso doutrinal ou moral. Posso colaborar com partidos que têm pontos de programa ilícitos, em tudo o que não me obrigue a comprometer a minha adesão ao Evangelho e à ordem moral.
Por fim uma resposta a uma pergunta concreta.

Outro dia você me perguntou por que a Igreja critica só o PT e a Dilma.

Posso fazer a mesma pergunta: por que depois de tantos anos dando apoio mais ou menos direto ao PT a Igreja no Brasil começou a assumir uma posição crítica?

Quando os Bispos do País tomam uma posição assim crítica, contra uma posição histórica favorável, é preciso perguntar quem foi que mudou. A doutrina social da Igreja, se mantém a mesma.

O próprio Dom Paulo Evaristo Arns, que não pode ser suspeito de ser de direita, é crítico em relação ao programa do PT (especialmente ao PNDH 3, retocado mas não desmentido) e à candidatura Dilma.

Não estou falando da posição do D. Luis Bergonzini, que não é a posição de todos os Bispos do Brasil, estou falando dos critérios que a CNBB propôs.

Os programas oficiais dos partidos: o programa de governo do PT e dos demais partidos vai ser apresentado entre hoje e amanhã. Por que não foi apresentado antes? Temor da crítica política ou das organizações da sociedade civil?

Resta o fato de que a imprensa não conseguirá dar cobertura sobre eles antes de se começar o silêncio eleitoral. Não creio que tenha sido (digo em relação a todos os partidos sem exceção) uma decisão inocente.

Resultado: eu pessoalmente não costumo dizer em quem voto. Mas dessa vez não consegui ainda decidir se votar em um candidato ou em um partido, se abster-me, se fazer um voto útil. Não sei ainda. Mal pela primeira vez depois do fim da ditadura militar, me sinto mal como eleitor e como cidadão.

Padre Hiereus

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

4 thoughts on “Carta de um sacerdote a um amigo petista

  1. Robson Oliveira

    Excelente reflexão!!!

    Parabéns ao sacerdote pela brilhante explanação. Poderia ainda explicitar as abulias da vontade e seus remédios. Algumas doenças da vontade impedem uma boa escolha, inclusive política.

    Até mais!

  2. Rafael

    jorge vou pela primeira vez na missa tridentina na imbiribeira, poderia me dizer como é ? dialogada ou cantada ? vai ter mesmo ? obrigado !

  3. FlavioMonte

    Divulgação – desculpe a intromissão mas é preciso divulgar!

    Seminaristas da Arquidiocese da Paraíba escreveram carta de apoio e solidariedade a Dom Aldo di Cillo Pagotto
    Na citada carta (abaixo transcrita) os seminaristas da Arquidiocese da Paraíba defendem publicamente o arcebispo local, Dom Aldo, dos ataques devido a sua decisão de suspender padre local, deputado federal Luiz Couto (PT-PB), defensor da camisinha, da união homossexual e do fim do celibato. Também Dom Aldo Pagotto tem recebido críticas por ser contra o Plebiscito da Limitação a Propriedade da Terra.

    cristaocomprometido.blogspot.com/