Dilma, a cristã!

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 10 meses 6 dias atrás.

A nova é o “compromisso” da sra. Rousseff contra o aborto e a favor da família. A carta pode ser lida na íntegra aqui. Como é óbvio – pelo desenrolar dos fatos – que a palavra da sra. ministra vale a mesma coisa que uma nota de três reais, eu não vou nem perder o meu tempo com essa coisa tautológica de “Dilma mentirosa”. Apenas uns ligeiros apontamentos.

– Sobre esta carta, o Reinaldo Azevedo já escreveu um bom texto. Os principais pontos aqui: não são boatos que a sra. Rousseff seja a favor do aborto, são fatos públicos; e é pouco dizer que não tomará iniciativa para propôr alterações na legislação sobre o aborto. Vale a pena, p.ex., ler também isto aqui.

– A personalidade camaleônica da candidata petista já está começando a ter uma repercussão muito negativa. Lúcia Hippolito, na CBN, pergunta quanto é que vale a palavra do presidente. Se a mulher diz uma coisa agora e, amanhã, sem absolutamente nenhuma justificativa, diz o contrário… é possível governar um país desta maneira?

– Só lembrando que, em defesa da “Dilma Cristã”, estão o frei Betto, Dom Pedro Casaldáliga, Dom Demétrio Valentini et caterva, e o Edir Macedo! Dize-me com quem andas…

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

27 thoughts on “Dilma, a cristã!

  1. Suzana

    Mesmo que o discurso dos dois candidatos fossem hoje absolutamente iguais na questão do aborto, seria inadmissível a um chefe de Estadi uma postura tão inconstante como a da Dilma, que teve cara-de-pau sufuciente para mudar horas antes da eleição.

  2. Ivo Alves

    O comentário da Lúcia Hyppolito tão perfeito quanto o de Reinaldo Azevedo.
    Parabéns pelo post, Jorge!

  3. Carlos

    E vocês queriam o quê?
    A Dilma é cria do Lula, o salafrário mais mitomaníaco que já existiu neste país. Ele mesmo falou que é uma metamorfose ambulante.
    Que ninguém se iluda. Esse pessoal do PT é revolucionário. A moral deles é invertida. Vale tudo pela causa. A causa é o socialismo. Para chegar lá, vale o roubo, o assassinato, a mentira, a calúnia, tudo.
    A diferença para outros ladrões, assassinos, mentirosos e caluniadores é que os outros sabem que isso é errado e às vezes sentem remorso. O revolucionário, não! Ele jamais tem remorso e, o que é pior, acredita sinceramente que está fazendo o certo, pois o fim justifica os meios. São sociopatas mesmo!
    Por isso não adianta argumentar com essa gente em termos lógicos. A lógica deles é invertida. Tem é que humilhá-los, isolá-los e reduzi-los completamente à inação.
    Com loucos não se dialoga. O único argumento que o louco compreende é o do porrete.

  4. Lucio

    Carlos,

    não chame os PTistas de loucos. É uma ofensa terrível para os que tem problemas mentais e precisam de ajuda psiquiátrica!

  5. Alexandre Magno

    Eu não sou nem um pouco simpático ao Edir Macedo. Sou simpático ao Jorge Ferraz. Mas…

    Edir Macedo escreveu:

    Quem pensa que está prestando algum serviço ao Reino de Deus, espalhando uma informação sem ter certeza de sua veracidade, na verdade, está fazendo o jogo do diabo.

    E nisso ele está certo!

    Jorge Ferraz escreveu:

    Dize-me com quem andas…

    Essa, por outro lado, é uma receita farisaica!

    Você já esteve melhor, Jorge.

  6. Carlos

    E isso mesmo, Lúcio. Me desculpem os bipolares e esquizofrênicos, os deprimidos e os histéricos, os lunáticos e os retardados. Vocês só têm um desses problemas e não têm culpa. Já os comunistas petralhas são tudo isso junto e são culpados, porque são guiados pelo ódio, pela inveja, pela cobiça e pela revolta luciferina contra a desigualdade e a hierarquia. São filhos do demônio.

  7. Carlos

    Alexandre Magno,
    Você só pode ser petralha e puxa-saco do pEdir MaisCedo.

    “Quem pensa que está prestando algum serviço ao Reino de Deus, espalhando uma informação sem ter certeza de sua veracidade, na verdade, está fazendo o jogo do diabo”

    Que lindo! Só que todo mundo que é normal tem certeza da veracidade da informação, porque tem trocentos vídeos do Dilmão defendendo a legalização do aborto.

    Isso é fato público e notório. Só um alienado pagador de dízimo daquela igrejola de psicopatas, abortistas e ladrões não sabe essas coisas, porque receberam lavagem cerebral do canalha do Macedo e só podem ver o que ele permite.

    O jogo do diabo quem faz é o Edir Macedo, que defende publicamente o aborto, que obriga os pastores a fazerem vasectomia e que aconselha e incentiva os casais trouxas que frequentam a IURD a não terem filhos, numa clara violação dos mandamentos de Deus. Porque com filhos aumentam as despesas, e aí pode diminuir o dízimo… Entendeu, né?

    Então, já que você está defendendo o Macedão, vai logo entregar a ele o seu curto e suado dinheirinho e dê o fora daqui.

    Se não eu conto a ele que você está entrando em blog católico. Aí ele te expulsa do muquifo e você não vai ter mais a quem dar o seu dízimo chorado.

  8. Jorge Ferraz Post author

    Senhores,

    Com relação ao texto do Macedo, o problema é que o “bispo” refere-se somente àquela frase da Dilma segundo a qual nem Jesus Cristo tiraria a sua vitória.

    A malícia está no fato de que o PT está acusando de “boatos” não somente isso, mas também o abortismo da Dilma. E o Edir Macedo, muito inteligentemente, critica a parte fazendo silêncio sobre o todo, induzindo os leitores ao erro.

    Não muda absolutamente nada, no entanto, o fato de que o líder abortista da IURD está (nada surpreendentemente) apoiando a candidata abortista do PT.

    Alexandre, sinto muito. Não há sombra de farisaísmo em apontar os interesses comuns de toda uma caterva de inimigos conhecidos da Igreja. Se me estás acusando de fazer como os fariseus (que condenavam Nosso Senhor por Ele andar com pecadores), por gentileza aponte, exatamente, quem é que estás comparando aos pecadores (Macedo? Betto?) e quem a Nosso Senhor (Dilma?).

    Abraços,
    Jorge

  9. anônima

    O PEDIR MAISCEDO DISSE QUE ABORTO NÃO É PECADO E O ALEXANDRE SEGUE ESTA LOBELHA ….KKKKKKK
    ACORDA MENINO !!!!! ÉFATA !!!!
    ESTE HOMEM É INSPIRADO PELO PRÓPIO COISA RUIM.ELE É DILMÃO SÃO DO MESMO TIMÃO:
    A PROPÓSITO,ABORTO NUNCA FOI PLANEJAMENTO FAMILIAR ,E SIM ASSASSINATO FAMILIAR:
    PLANEJAMENTO É ANTES DO FATO GRAVIDEZ ACONTECER..

  10. Alexandre Magno

    Carlos escreveu:

    Você só pode ser petralha e puxa-saco do pEdir MaisCedo.

    Não sou petralha. Não sou petista. Já fui petista, em tempos de ignorância. Mas também nunca fui de fazer campanha pra candidato ou pra partido.
    Não sou puxa-saco do Edir Macedo. Já declarei, no início de meu comentário anterior:

    Eu não sou nem um pouco simpático ao Edir Macedo.

    Nem à igreja dele.
    Carlos escreveu:

    Que lindo! Só que todo mundo que é normal tem certeza da veracidade da informação, porque tem trocentos vídeos do Dilmão defendendo a legalização do aborto.

    Sobre isso Jorge já me fez o favor de adiantar, em comentário, que:

    Com relação ao texto do Macedo, o problema é que o “bispo” refere-se somente àquela frase da Dilma segundo a qual nem Jesus Cristo tiraria a sua vitória.

    Obrigado, Jorge.
    Reconheço o que Jorge explica:

    A malícia está no fato de que o PT está acusando de “boatos” não somente isso, mas também o abortismo da Dilma.

    Mas não me meto a prescutar corações ao ponto de subescrever isso que Jorge diz:

    E o Edir Macedo, muito inteligentemente, critica a parte fazendo silêncio sobre o todo, induzindo os leitores ao erro.

    Isso não é tomar partido de Edir Macedo. É ter cautela para não fazer juízos temerários, ainda que o objeto do juízo seja uma pessoa que erra muito publicamente.
    É preciso separar cada coisa, sob pena de prejudicarmos nossas próprias almas.
    Carlos escreve:

    Só um alienado pagador de dízimo daquela igrejola de psicopatas, abortistas e ladrões não sabe essas coisas, porque receberam lavagem cerebral do canalha do Macedo e só podem ver o que ele permite.

    Eu nunca fui a um “templo” da Igreja Universal do Reino de Deus!
    Carlos, suas inferências estão sem rédias. E o alienado seria eu?
    Certamente eu, como qualquer um de nós, sou alienado de algumas coisas, mas não disso que o Carlos sugere.
    Carlos escreve:

    O jogo do diabo quem faz é o Edir Macedo, que defende publicamente o aborto, que obriga os pastores a fazerem vasectomia e que aconselha e incentiva os casais trouxas que frequentam a IURD a não terem filhos, numa clara violação dos mandamentos de Deus. Porque com filhos aumentam as despesas, e aí pode diminuir o dízimo… Entendeu, né?

    Eu concordo que Edir Macedo e sua “igreja” faz jogo do diabo.
    Quero lembrar que cada um de nós, se não tem cuidado, também “pode” fazer jogo do diabo, de diversas formas, em diferentes circuntãncias. É preciso ter cuidado, e não deixar que as paixões nos ceguem. A cada instante é preciso ter esse cuidado.
    Carlos, nesse comentário em você me atacou, sem consciência você fez jogo do diabo. A paixão tomou conta de sua inteligência e você fez inferências assombrosas a meu respeito.
    Carlos escreveu (dirigindo-se a mim):

    Então, já que você está defendendo o Macedão, vai logo entregar a ele o seu curto e suado dinheirinho e dê o fora daqui.

    Quem disse que eu estou em defesa do Edir Macedo?
    Eu fiz uma análise fria de duas situações. Na primeira, o Edir Macedo – e “Eu não sou nem um pouco simpático ao Edir Macedo” – acertou uma fala. Uma fala! Eu julguei que sim. Na segunda situação, o Jorge Ferraz – e “Sou simpático ao Jorge Ferraz” – parece ter errado uma fala. Julguei que sim.
    Percebam que apesar de eu declarar minhas simpatias, eu não julguei nem o Edir Macedo nem o Jorge Ferraz. Falei tão somente sobre idéias que vieram ao nosso conhecimento através deles. Falei de falas determinadas de cada um deles.
    Agora, por um lado, ficou implícita uma confrontação, feita por mim, entre a personalidade de Edir Macedo e a personalidade de Jorge Ferraz. Eu fiz isso porque “gosto” do Jorge Ferraz e pretendi cutucá-lo em algo que ele pode melhorar. Eu não conheço o Jorge Ferraz pessoalmente, mas o apostolado dele tem grande valor. Só que ele não pode se deixar levar por algumas inspirações menos nobres…
    Por último, Carlos escreveu:

    Se não eu conto a ele que você está entrando em blog católico. Aí ele te expulsa do muquifo e você não vai ter mais a quem dar o seu dízimo chorado.

    Isso não fez o menor sentido pra mim!
    Carlos, você delirou! Um delírio de ódio contra “um Alexandre de sua fantasia”.
    Jorge Ferraz escreveu:

    Alexandre, sinto muito. Não há sombra de farisaísmo em apontar os interesses comuns de toda uma caterva de inimigos conhecidos da Igreja. Se me estás acusando de fazer como os fariseus (que condenavam Nosso Senhor por Ele andar com pecadores), por gentileza aponte, exatamente, quem é que estás comparando aos pecadores (Macedo? Betto?) e quem a Nosso Senhor (Dilma?).

    É justo ele me pedir isso! Mas vou respondê-lo em outro comentário. Este já está muito longo. Com este eu quiz responder principalmente ao Carlos.

  11. Alexandre Magno

    Agora, aproveitando para antes responder à “anônima”.
    anônima escreveu:

    O PEDIR MAISCEDO DISSE QUE ABORTO NÃO É PECADO E O

    Pode ser que ele tenha dito. Não deixa de ser, se ele disse.
    anônima escreveu:

    ALEXANDRE SEGUE ESTA LOBELHA ….KKKKKKK

    Quem disse que eu sigo o Edir Macedo? (Por favor meu comentário anterior, através do qual eu respondo ao Carlos)
    anônima escreveu:

    ACORDA MENINO !!!!! ÉFATA !!!!

    Você precisa acordar mesmo, para realmente me ler. Sei que você me aconselha a “abrir os olhos” e eu estou trocando o significado da palavra “acordar”. Mas é sem razão que você me dá esse conselho. Você não me leu (direito, pelo menos). Precisa, de fato, acordar para conseguir ler.
    anônima escreveu:

    ESTE HOMEM É INSPIRADO PELO PRÓPIO COISA RUIM.ELE É DILMÃO SÃO DO MESMO TIMÃO:

    Pode ser.
    anônima escreveu:

    A PROPÓSITO,ABORTO NUNCA FOI PLANEJAMENTO FAMILIAR ,E SIM ASSASSINATO FAMILIAR:
    PLANEJAMENTO É ANTES DO FATO GRAVIDEZ ACONTECER..

    Concordo.
    Tem muita gente viciada em ad hominem falacioso aqui!

  12. Alexandre Magno

    A resposta, ao Jorge Ferraz, que anunciei em comentário anterior.

    Mas antes, quero fazer uma correção em meu texto. Quero dizer que, em comentário anterior, quando eu falei “inspirações menos nobres” eu deveria ter falado “inspirações menos nobres ou que não são nobres”.

    Agora vamos lá!

    Jorge Ferraz escreveu:

    Alexandre, sinto muito. Não há sombra de farisaísmo em apontar os interesses comuns de toda uma caterva de inimigos conhecidos da Igreja.

    Como isso, escrito tal como está, eu concordo.

    Jorge Ferraz continua:

    Se me estás acusando de fazer como os fariseus (que condenavam Nosso Senhor por Ele andar com pecadores), por gentileza aponte, exatamente, quem é que estás comparando aos pecadores (Macedo? Betto?) e quem a Nosso Senhor (Dilma?).

    Implicitamente eu o acusei de “fazer como os fariseus”, mas por você ter adotado um critério de julgamento simples e cômodo demais, entrando por uma porta larga demais. Esse critério, nos dias de hoje, pode ser resumido em ditado popular: “Dize-me com quem andas e eu direi que és”. É um critério raso e muito falho.
    É necessário ter cuidado ao se aderir a ditados populares, eles nem sempre trazem verdadeira sabedoria. Em geral, foram criados para situações específicas e com o tempo foram sendo impropriamente expandidos para muitas outras situações.
    Eu não acusei Jorge Ferraz de “fazer como os fariseus” (eu) atribuindo a alguns o papel dos pecadores do Evangelho e a alguém o papel de Nosso Senhor. Por isso, não é o caso de eu apontar quem eu estaria “comparando” aos pecadores e quem eu estaria “comparando” a Nosso Senhor.
    Ninguém eu comparei àqueles pecadores. Ninguém eu comparei a Nosso Senhor. Discretamente, falando de receita farisaica, eu comparei determinada postura de Jorge Ferraz a determinada postura dos fariseus na busca de verdade.
    Como discernir o que é verdade e o que é mentira?
    Os fariseus respondiam com a prática deles: é só olhar para quem está falando, com quem ele anda. Mas isso não é seguro…

  13. Carlos

    Alexandre Magno,

    Nós estamos aqui numa luta ferrenha contra os abortistas do PT e você vem com aquela mensagem atacando o Jorge (que está fazendo um belo trabalho) e defendendo o lixo do Edir Macedo…

    Tenha a santa paciência! Atacar o Jorge e defender o Edir Macedo é demais!

    Aqui, máxime nesse momento, não tem lugar para neutrinhos e pretensos juizinhos. Tome posição e haja como homem, rapaz!

    Você diz o seguinte:

    “Mas não me meto a prescutar corações ao ponto de subescrever isso que Jorge diz:
    E o Edir Macedo, muito inteligentemente, critica a parte fazendo silêncio sobre o todo, induzindo os leitores ao erro.”

    O coração do Edir você não prescruta (mas não perde a oportunidade de chamar aquela anta de “muito inteligente”), para poder desculpá-lo das loucuras que ele diz, mesmo ele já tendo defendido o aborto explicitamente em vídeo na internet. Mas o meu coração você prescruta… para me condenar, dizendo que faço o jogo do diabo, que a paixão me cegou, que faço juízo temerário, que ataco sem consciência e que deliro.

    Ninguém que defenda Edir Macedo merece meu respeito. Inimigo é para ser combatido e não bajulado. Se quer bajular o Edir, você é meu inimigo e vou te atacar sempre.

    E não adianta você dizer que é “simpático” ao Jorge Ferraz e “contrário” ao Edir Macedo, se na prática age simpaticamente ao Edir Macedo e contra o Jorge Ferraz (e olha que eu discordo do Jorge Ferraz em muitos assuntos, mas não nestes de aborto e de eleição).

    Se você realmente está do nosso lado, não defenda mais o abortista, aborteiro, ladrão e vagabundo do Macedo e nem o chame de inteligente (os maus não devem jamais ser elogiados). Pelo contrário, ataque-o, que aí eu acredito em você. Respeito mais um inimigo do outro lado do que um falso amigo em cima do muro.

    Não gostei e continuo não gostando das suas mensagens, Alexandre.

    Mas espero que você melhore daqui para a frente, como desejou (injustamente) ao Jorge.

    Carlos.

  14. Carlos

    Alexandre,
    Acabei de postar e já quero fazer um reparo na mensagem acima. Falei besteira, de novo! Não foi você que chamou o Edir Macedo de inteligente, foi o Jorge. Pelo contexto da mensagem do Jorge, percebe-se claramente que “inteligentemente” tem o sentido de “malandramente”, e portanto nenhum reparo à resposta do Jorge.
    Assim, retirando tudo o que diz respeito a esse ponto, na minha mensagem acima, dirigida a você, subscrevo todo o resto.
    Carlos.

  15. Alexandre Magno

    Carlos escreveu:

    Nós estamos aqui numa luta ferrenha contra os abortistas do PT e você vem com aquela mensagem atacando o Jorge (que está fazendo um belo trabalho) e defendendo o lixo do Edir Macedo…

    Tire da sua cabeça que estou defendendo o Edir Macedo. Eu evito tomar partido de pessoas, salvo exceções.

    A mim importa muito mais buscar, encontrar e compartilhar verdade do que integrar um grupo que me aceite. Por isso fiz aquelas análises. Talvez esse não seja um comportamento “socialmente saudável”, mas é assim que eu sou e não penso que eu esteja errado em ser assim.

    Carlos escreveu:

    Aqui, máxime nesse momento, não tem lugar para neutrinhos e pretensos juizinhos. Tome posição e haja como homem, rapaz!

    Se você fala de julgar pessoas, sim, eu procuro ser neutro. Mas, muito pelo contrário, quando é para julgar idéias, raciocínios ou fatos, assumo minha parcialidade em favor da Verdade (através de verdade). Tomo partido de Deus. E assim estou agindo como homem, que não apenas sente mas que também pensa, que não apenas se apaixona mas que também ama (o que não pode excluir verdade).

    Carlos escreveu:

    O coração do Edir você não prescruta (mas não perde a oportunidade de chamar aquela anta de “muito inteligente”), para poder desculpá-lo das loucuras que ele diz, mesmo ele já tendo defendido o aborto explicitamente em vídeo na internet.

    Eu chamei o Edir Macedo de “muito inteligente”? Quando?
    Quem fez isso foi o Jorge, com o ad hominem vicioso dele. Em momento algum eu procurei desculpar Edir Macedo do suposto (porque não fiz verificações sobre isso) erro dele, de ter “defendido o aborto explicitamente em vídeo na internet”.

    Carlos escreveu:

    Mas o meu coração você prescruta… para me condenar, dizendo que faço o jogo do diabo, que a paixão me cegou, que faço juízo temerário, que ataco sem consciência e que deliro.

    Eu não prescutei o seu coração quando eu disse que você fez jogo do diabo, e eu ter dito que você fez jogo do diabo não lhe coloca nessa condição (que você criou) de “quem faz jogo do diabo para todo o sempre”. Eu me referi àquela situação, daquele seu comentário. De maneira objetiva eu avaliei o que você disse, e constatei que você “delirou”, mentindo muito sobre mim; você querendo ou não querendo, você estando com consciência ou sem consciência disso. Você fez isso, com certeza, por causa de uma ou mais paixões. Isso foi facilmente observável porque você externalizou (os erros). Se houve tantos erros e com as características que eles tiveram, foi sim jogo do diabo, aquilo.

    Já agora, Graças a Deus que (acredito) fez você ponderar pelo menos algumas, você foi bem menos incauto ao me escrever o último comentário.

    Que fique bem claro: eu não lhe condenei coisa nenhuma! Denunciei um erro seu (que me atingiu diretamente, aliás).

    Carlos escreveu:

    Mas o meu coração você prescruta… para me condenar, dizendo que faço o jogo do diabo, que a paixão me cegou, que faço juízo temerário, que ataco sem consciência e que deliro.

    Eu havia dito:

    É preciso ter cuidado, e não deixar que as paixões nos ceguem. A cada instante é preciso ter esse cuidado.

    Sim, podemos concluir daí que eu “insinuei” que “uma paixão lhe cegou, ou mais de uma”. Assim como também que eu insinuei que “paixões podem ter cegado outros aqui, em suas avaliações”. Inclusive eu me incluo nesse rol de pessoas que podem ficar cegos (em algum momento, por algum algum tempo) por causa de alguma paixão. Porém, observe o “a cada instante” em meu conselho:

    A cada instante é preciso ter esse cuidado [de não deixar que as paixões nos ceguem].

    Esse modificador é importante para se compreender que “eu não falei que você (eu ou outro) é um cego (toda hora)”. Na análise eu me referi àquela situação específica, e o contexto dá prova disso.

    Sim, eu insinuei que você fez juízo temerário. E aconselhei “indiretamente” a qualquer pessoa que lesse meu comentário:

    É [preciso] ter cautela para não fazer juízos temerários, ainda que o objeto do juízo seja uma pessoa que erra muito publicamente [como o Edir Macedo].

    O que é um juízo temerário?

    Segundo o Dicionário Aurélio:

    temerário. [Do lat. temerariu]. Adj. 1. Arriscado, imprudente, perigoso. 2. Arrojado, audacioso, atrevido; precipitado. 3. Que indica ou implica temeridade: golpe temerário. 4. Sem fundamento, sem base; infundado: juízo temerário.

    temeridade. [Do lat. temeritate]. S. f. Qualidade ou ação de temerário; imprudência, ou arrojo, ousadia.

    Um juízo temerário é juízo um feito por alguém que ao fazê-lo está sendo temerário, é um juízo feito com temeridade.

    Carlos, olhe para alguns juízos que você tem feito e expressado, e veja que eles são temerários. Posso garantir com autoriade indiscutível que alguns juízos que fez e expressou a respeito de mim foram temerários.

    Sim, você me atacou sem consciência, porque me atacou sem saber do que estava falando (sobre mim). Digo isso com a autoridade indiscutível que me compete. Você fez isso de um forma tão temerária que eu resolvi dizer que você teve um delírio de ódio contra “um Alexandre de sua fantasia”.

    Carlos escreveu:

    Ninguém que defenda Edir Macedo merece meu respeito.

    Carlos, eu não vou reclamar o seu respeito. Mas quero deixar claro que não estou em defesa de Edir Macedo.

    Carlos escreveu:

    Inimigo é para ser combatido e não bajulado. Se quer bajular o Edir, você é meu inimigo e vou te atacar sempre.

    Apesar de termos passagens como São Mateus 10,36:

    e os inimigos do homem serão as pessoas de sua própria casa.

    Temos outras como São Mateus 5,44:

    Eu, porém, vos digo: amai vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, orai pelos que vos [maltratam e] perseguem.

    Mas a interpretação bíblica para a palavra “inimigo” deve ser feita à luz de Efésios 6,12:

    Pois não é contra homens de carne e sangue que temos de lutar, mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal (espalhadas) nos ares.

    Carlos, não seja infantil… atacar-me sempre?

    Então eu não estarei certo nunca?

    Que tolice! Eu, você, Jorge e qualquer outro que não seja Deus, cada um, tem seus erros e seus acertos.

    Carlos escreveu:

    E não adianta você dizer que é “simpático” ao Jorge Ferraz e “contrário” ao Edir Macedo, se na prática age simpaticamente ao Edir Macedo e contra o Jorge Ferraz (e olha que eu discordo do Jorge Ferraz em muitos assuntos, mas não nestes de aborto e de eleição).

    Eu não ia comentar, mas vejo que ao escrever isso Carlos ainda delira.

    Não posso deixar de perguntar: quem disse que eu estou discordando do blog sobre os assuntos aborto e eleição?

    Há a possibilidade sim de eu ter “alguma” discordância sobre o assunto eleição, mas isso teria de ser visto com mais detalhe. No essencial, nem mesmo sobre a eleição eu estou discordando: eu não voto na Dilma, e não sou mais petista fazem anos.

    Quanto ao aborto. Não preciso me alongar. Estou com a Igreja Católica Apostólica Romana. Se o blog está com ela, como eu penso que esteja, então estamos unidos nisso.

    Carlos escreveu:

    Se você realmente está do nosso lado, não defenda mais o abortista, aborteiro, ladrão e vagabundo do Macedo e nem o chame de inteligente (os maus não devem jamais ser elogiados).

    Não faço questão que você me considere do seu lado. Isso é conveniente somente até onde for verdadeiramente bom para mim e para você.

    Se você está do lado de Deus (da Verdade) e da Igreja Católica Apostólica Romana, pode me considerar do seu lado nesses termos. Mas não considere isso como uma pertença a uma panelinha. Pois por sermos corrompidos podemos pisar diferente e ainda assim continuarmos o mesmo Caminho para a Verdade.

    Eu não defendi Edir Macedo. Mas também não o xinguei. Nem o elogiei! Quem está lendo com atenção sabe disso. Você não leu com antenção porque provavelmente uma paixão não deixou que você conseguisse isso. Jorge Ferraz disse que Edir Macedo agiu “muito inteligentemente”, e isso nem precisa ser entendido como um elogio…

    Os [homens] maus não devem jamais se elogiados?

    Então nenhum de nós merece qualquer elogio, nunca, porque “só Deus é bom” (São Marcos 10,18).

    Mas é claro, concordo com você: quando se é considerado um homem mau circunstancialmente, por cometer ou ter cometido ato mau, esse homem mau cicunstancialmente avaliado não deve ser elogiado. Pois nesses casos se estaria elogiando-o (devido a / deprezando impropriamente) aquele ato mau.

    Carlos escreveu:

    Pelo contrário, ataque-o, que aí eu acredito em você.

    Eu, abandonar ou prejudicar meu sistema de crenças só por que você quer, por uma questão de “gosto”?

    Pode esperar sentado.

    Eu não preciso que você acredite em mim nessas condições. Eu preciso que você acredite em mim em condições que lhe possam fazer bem e que possam fazer bem a mim. Sou desse jeito porque Deus me quer assim. Isso não é ser morno, não é ficar em cima do muro.

    Carlos escreveu:

    Respeito mais um inimigo do outro lado do que um falso amigo em cima do muro.

    Eu também! Mas acredito que você esteja confuso sobre algumas coisas, ou alienado delas. Isso pode acontecer com qualquer um de nós. Sugiro que você leia mais a Bíblia de uma forma orante, procure orar mais.

    Carlos escreveu:

    Não gostei e continuo não gostando das suas mensagens, Alexandre.

    É gosto! Fazer o que?! Essa insatisfação pode ser (ou vir a ser) benéfica para você ou para outros, inclusive para mim. Tentemos separar o que é gosto e o que não é.

    Carlos escreveu:

    Mas espero que você melhore daqui para a frente, como desejou (injustamente) ao Jorge.

    Eu não penso que desejei aquilo injustamente. E eu devo sempre procurar melhorar, mas não é o caso de eu mudar “apenas para corresponder ao seu gosto”.

    Que eu mude naquilo que for correto mudar!

    Que mudemos todos naquilo que for correto mudarmos!

  16. Alexandre Magno

    Carlos escreveu:

    Alexandre,
    Acabei de postar e já quero fazer um reparo na mensagem acima. Falei besteira, de novo! Não foi você que chamou o Edir Macedo de inteligente, foi o Jorge. Pelo contexto da mensagem do Jorge, percebe-se claramente que “inteligentemente” tem o sentido de “malandramente”, e portanto nenhum reparo à resposta do Jorge.
    Assim, retirando tudo o que diz respeito a esse ponto, na minha mensagem acima, dirigida a você, subscrevo todo o resto.
    Carlos

    OK, Carlos. Entendido. Mas quando li a sua correção (acima) eu já havia enviado meu comentário-resposta – esse longo que está antes deste.

    Como aquele foi um ponto sobre o qual eu falei, espero que os nossos leitores façam as considerações devidas. Eu aceito sua correção. Afinal, se por uma parte “pode” ter sido para se proteger contra as críticas, que você a fez (e isso é natural, também é aceitável), por outra parte tal lhe exigiu humildade.

    Valeu!

  17. Carlos

    Tá bom, Alexandre!

    Você insiste em dizer que não defendeu o Edir Macedo naquela primeira mensagem, embora tenha dito que o Edir Macedo estava certo e o Jorge errado.

    Acho muito estranho você considerar que atacar um crápula como Edir Macedo seria abandonar ou prejudicar o seu sistema de crenças. Curioso… Pena que esse sistema só esteja funcionando para o Edir Macedo…

    Mas tudo bem. Não quero mais brigar com você, já que você é católico e contra o aborto.
    O momento é de união e não de divisão.
    Peço que me perdoe, então, pelos meus julgamentos temerários.

    Um abraço.

    Carlos.

  18. Alexandre Magno

    Carlos escreveu:

    Você insiste em dizer que não defendeu o Edir Macedo naquela primeira mensagem, embora tenha dito que o Edir Macedo estava certo e o Jorge errado.

    Eu disse – e continuo dizendo – que Edir Macedo acertou em algo “específico”. Eu disse – e continuo dizendo – que o Jorge Ferraz errou em algo “específico”. É importante lembrar que as duas coisas não eram sobre uma mesma questão; ou seja, não se tratava de uma disputa sobre uma mesma questão, com um ganhador e um perdedor. Além do mais, eu ter feito aqueles apontamentos nem me faz “defensor da pessoa do Edir Macedo” e nem me faz “acusador da pessoa do Jorge Ferraz”.

    Carlos escreveu:

    Acho muito estranho você considerar que atacar um crápula como Edir Macedo seria abandonar ou prejudicar o seu sistema de crenças.

    Eu não disse isso, assim. Isso que você acaba de falar, tido literalmente – “atacar um crápula como Edir Macedo seria abandonar ou prejudicar o seu sistema de crenças”, é forçoso e deturpa o que eu expressei. Algumas de minhas crenças são:

    – Eu não sou juiz de pessoas no que diz respeito ao plano espiritual. Não me cabe absolvê-las ou condená-las. O coração de cada pessoa é “selado”, de modo que só podemos conhecer o que é externalizado, “como” é externalizado, e ainda assim, “conhecer” (entre áspas) com muita falha essas coisas.

    – É “lícito” (não achei outra palavra) a todos nós, de acordo com o que está a nossa disposição, julgar “coisas” sobre o que está certo ou errado. Isso é natural, e necessário para que possamos tocar a vida. Porém, mesmo nisso não estamos isentos de erro; o policiamento de um cristão deve sempre considerar isso.

    – Não cabe a um cristão pretender seguir o Caminho sozinho. Ele deve apoiar-se em autoridades como a autoridade do Sagrado Magistério da Igreja Católica Apostólica Romana. Existem outras autoridades, inclusive não-dispensáveis (e não necessariamente a nível de doutrina religiosa), como a autoridade dos fatos e do real.

    – A valoração justa para cada objeto precisa ser buscada incessantemente. Quando se “conhece” algo novo, isso precisa ser devidamente inserido (seja negativamente, seja positivamente) na hierarquia de crenças que se tem. Ou seja, as posições das demais crenças que já existiam nessa “hierarquia conhecida” devem ser re-ajustadas, todas. Abstratamente isso parece um algoritmo elementar, mas as execuções desse algortimo em nossa mente (podemos ler adicionalmente: alma, espírito) podem se tornar muito complicadas.

    – Por mais que eu pense “saber” (ter conhecimento em geral), não devo me esquecer que minha salvação poderá se dar pela ignorância invencível, com a Misericórdia e a Justiça de Deus. E isso pode se dar com o outro também. Tal insipira a minha busca de compreensão para São Mateus 7,1: “Não julgueis, e não sereis julgados.”. Aliás, como nenhum de nós compreenderá plenamente a Verdade – antes da morte pelo menos (e não tenho o que falar sobre depois)-, cada um de nós, se salvo, o será, em maior ou menor medida, por essa via.

    Carlos escreveu:

    Mas tudo bem. Não quero mais brigar com você, já que você é católico e contra o aborto.

    Beleza! É isso aí!

    Quero só reforçar, caso você ou os leitores não tenham percebido: eu não queria brigar com você e eu não estava brigando com você. Eu estava apenas me esquivando.

    Até mesmo “oferecer a outra face” nem sempre é justo. Ou melhor, a compreensão desse conselho deve ser buscada para cada situação, o significado do que vem a ser “oferecer a outra face”. Com isso eu quero dizer que, no que se passou, não era o caso de eu simplesmente me calar, deixando de fazer os comentários que tenho feito para me esquivar.

    Se eu não consegui suficientemente bem “apenas me esquivar”, e por ventura algum movimento que deveria ser de defesa transformou-se em ação causadora de dano, como quando eu disse que você “delirava”, desculpe-me. Naquelas circunstâncias eu não consegui fazer diferente.

    Mas quero lembrar ainda: segundo minhas crenças, podemos discutir idéias ou raciocínios sem brigar. Não sei se você aceita isso. Nem todo mundo aceita isso.

    Carlos escreveu:

    O momento é de união e não de divisão.

    Sim.

    Carlos escreveu:

    Peço que me perdoe, então, pelos meus julgamentos temerários.

    Claro.

    Não só lhe perdoo, como também lhe elogio: assim você está sendo nobre e humilde. Ainda: está sendo corajoso, porque poderia estar lidando com um maluco qualquer detrás de um teclado (no caso esse maluco seria eu) que depois de você baixar as armas poderia mudar o discurso para algo ruim.

    Falando isso (de armas) eu não estou dizendo que lutamos um com o outro, tendo sido eu vencedor e você perdedor. Eu lutei, mas não foi com você. Você queria lutar comigo, mas graças a Deus descobriu reais adversários.

    Parece-me que nós dois ganhamos (ou estamos ganhando), contra nossos adversários.

    Um abraço.

  19. Alexandre Magno

    Acima, no meu último comentário, quando eu falei que até mesmo “oferecer a outra face” nem sempre é justo, eu me referi a justiça em termos da ação ser ou não para a Glória de Deus. É claro que Jesus ter oferecido a outra face não foi algo “justo” de acordo com nossos critérios comuns de justiça, mas foi algo justo no sentido de ter sido para a Glória de Deus, algo que concorreu para a Verdade (e lógico, por verdade, com verdade).

  20. Carlos

    Alexandre,
    Obrigado por me conceder o perdão. Espero que Deus também me conceda, por tantos e tantos pecados que só Ele conhece…
    Reconheço que fui injusto com você.
    É que aparece tanto “católico” por aqui defendendo o aborto e o PT que acabei confundindo você com um desses.
    Você não tem do que se desculpar comigo, pois apenas se defendeu (se esquivou, como você prefere), com dignidade e grandeza.
    Ainda que eu não concorde com todos os seus argumentos (o que é normal) receba o meu sincero respeito.
    Um abraço.
    Carlos.

  21. Renato

    Alexandre Magno, é o diabo falando do outro!

    Silas Malafaia, como todo maçon (assim como Edir Macedo), joga dos dois lados.

    Quando esse senhor defendia o Edir MAcedo ele não sabia das falcatruas do Edir?

    Ele não sabia nada do “dia do descarrego” nas magrugadas da Record promovido pelo Edir?

    Faça-me o favor Alexandre Magno, não perca o nosso tempo mostrando confrontos entre líderes de seitas protestantes!

  22. Renato

    Quando esse falso profeta do SilasMalafaia faz criticas ao falso profeta da Universal, os católicos neoconservadores batem palmas para o canalha. Mas quando o falso profeta Silas Malafai ataca a Santa Igreja Católica nos seus programêcos televisivos, esses mesmos católicos neoconservadores somem e não querem defender a Santa Igreja.

    Bando de católicos frouxos!

  23. Alexandre Magno

    Renato escreveu:

    Faça-me o favor Alexandre Magno, não perca o nosso tempo mostrando confrontos entre líderes de seitas protestantes!

    Farei. Por respeito a esse ambiente que se propõe a ser católico.

    Renato escreveu:

    Quando esse falso profeta do SilasMalafaia faz criticas ao falso profeta da Universal, os católicos neoconservadores batem palmas para o canalha.

    Por outro lado, se Renato insinua que bati palmas para a alguém (pessoa) apenas por que indiquei um link, esta é uma insinuação descabida. Indiquei o link por que pensei interessar aos leitores dos comentários “algumas” verdades que podem estar na boca do Silas Malafaia.

    Renato, continuando você também adiantou-se ao insinuar que eu sou “neoconservador”, seja lá o que isso signifique. Não sei se aceito ou se rejeito o rótulo. O que sei é que você colocou o carro na frente dos bois ao fazer esses comentários que parecem respostas a mim.

  24. Roberta

    Só tenho a dizer que temos, como cristãos, que cuidar muito dos nossos pensamentos e da nossa língua. A Deus prestaremos contas de tudo…

    Pro 6.16-19: Há seis coisas que o Senhor detesta; sim, há sete que ele abomina: olhos altivos, língua mentirosa, e mãos que derramam sangue inocente; coração que maquina projetos iníquos, pés que se apressam a correr para o mal; testemunha falsa que profere mentiras, e o que semeia contendas entre irmãos.

  25. Pingback: Contra os que promovem o escândalo: Refutação de carta contra o pe. Paulo Ricardo | Deus lo Vult!