Regras para o engajamento dos católicos na internet

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 4 meses 30 dias atrás.

[Leiam a íntegra em inglês aqui.]

  1. Lembre-se sempre da superioridade do mundo real sobre o mundo virtual.
  2. Sua salvação é mais importante do que o seu envolvimento na internet.
  3. Nunca diga na internet algo que você não diria pessoalmente.
  4. Não escreva nada com raiva.
  5. Não crie estereótipos das pessoas.
  6. Reserve pelo menos um dia da semana para ficar fora da internet.
  7. Presuma sempre as boas intenções dos outros.
  8. Lembre-se de quem é o verdadeiro Inimigo.
  9. Lembre-se de que Deus resiste ao soberbo.
  10. Não freqüente apenas sites católicos.
Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

17 thoughts on “Regras para o engajamento dos católicos na internet

  1. Sandra

    Jorge, existem as regras legais também!

    Aqui em São Paulo, cada dia aumenta o número de casos denunciados na Delegacia de crimes virtuais!

  2. Fernando Miyashiro

    Não tenho tantos anos de ação católica virtual quanto o autor do texto diz ter, mas grande parte dos pontos por ele enumerados, eu consigo identificar na minha pequena lida.

    Aliás, é bem por isso tudo que resolvi me afastar um pouco da “vida virtual” que construí: não tem feito bem à minha alma.

    Grato, Jorge, pela indicação de leitura!

    Em Nosso Senhor e na Madre Igreja,

    Fernando
    -Pro Catholica Societate-

  3. Alien

    O interessante é que a maioria dos preceitos servem tanto para a vida religiosa quanto para a vida secular: a maioria nada mais são que o tradicional “bom senso”… :)

  4. Alexandre Magno

    Comentaristas, vamos traduzir o artigo original?

    Vou começando, com o tópico que tem mais texto:

    10) Não freqüente apenas sites católicos.

    Parte da história de Catholics in America é que muitas vezes nós temos vivido em guetos, completamente separados daqueles que estão fora da Igreja. Às vezes parece que estamos retornando a isso na Internet. Nós vamos somente a sites católicos, blogs católicos e fóruns católicos (e geralmente somente aqueles com os quais concordamos) e isso nos dá uma visão desequilibrada do mundo. Passei mais de quatro anos como o único católico em um fórum de apologética protestante, e foi uma experiência muito proveitosa para mim. Não só eu era capaz de explicar e defender a Fé Católica a muitos que nunca ouviriam falar dela, como também aprendi muito com os protestantes no site e aprimorei minhas habilidades de apologética. Obviamente nós não devemos visitar sites imorais que possam nos levar a ocasião de pecado, mas devemos ser sal e luz na Internet, e levar o Evangelho de Jesus Cristo para todos os cantos do mundo virtual.

    Jorge, infelizmente com Google Friend Connect nós perdemos a funcionalidade de Preview. Por favor, veja aí se trás tem como colocar ela.

    Jorge, se o pessoal for fazendo as traduções, por favor considere atualizar o post com elas.

  5. lucas

    Desculpem a minha ignorância internética robótica mas estes quadrinhos que acompanham o post podem ser mudados ? Como fazê-lo ?

  6. Jorge Ferraz Post author

    lucas,

    A foto que aparece é a sua foto da conta do Google se você fizer o login (logo abaixo da caixa de comentários) com ela [ex. a do Alexandre acima]. Este é, aliás, inclusive um meio seguro de identificar os comentaristas.

    Se você tiver conta no wordpress e estiver logado quando comentar, aparece a sua foto do wordpress [ex. a minha].

    Caso contrário, os comentários que são feitos somente com nome e email, aparece um desenho aleatório qualquer, gerado automaticamente.

    Abraços
    Jorge

  7. Alexandre Magno

    Continuando o trabalho de tradução.

    Minha tradução para o primeiro parágrafo do texto original é a seguinte:

    Faz muito tempo que me envolvo com discussões de Internet e apologética, pelo menos em termos de Internet. Lembro-me de ter debatido por e-mail com um homem de Netherlands, sobre teologia católica, em 1992, antes mesmo de eu ter sido recebido oficialmente na Igreja Católica. Considerando que “anos de Internet” são como anos de cachorro, acho que tenho 119 anos de debates e discussões online (e às vezes me parece ser mais). Durante todo este tempo eu tenho desenvolvido regras para o engajamento no apostolado feito pela Internet, essas regras que podem ser úteis também a outras pessoas.

    Para o último parágrafo é esse:

    Se você tem mais alguma regra útil que você usa, sinta-se livre para deixá-la nos comentários!

    Os demais trechos de texto podermos identificar pela numeração.

    Comentaristas que pretendam usar o Google Friend Connect, atenção! Só comecem a redigir o comentário depois de ter feito o login, pois quando se faz o login a página do post é recarregada e isso faz com que a caixa de redação de comentário fiquem em branco novamente. Ou seja, perde-se o trabalho, caso não se tenha copiado ele antes.

  8. Alexandre Magno

    O perfil do autor do texto original está na barra lateral do blog dele.

    Mas eu traduzi também. Segue:

    Eu comecei meu estudo da Fé Católica em 1991, como um evangélico protestante, convertendo-me para a Igreja Católica em 1993.

    Eu sirvo como chefe de evangelização na paróquia St. John Neumann, em Gaithersburg, MD, e sou um dos fundadores da Little Flowers Foundation, uma organização sem fins lucrativos que tem por missão ajudar famílias católicas a adotar crianças com necessidades especiais.

    Regularmente eu falo a grupos de paróquia e outras organizações, a respeito de uma variedade de temas – contate-me para agendar uma palestra para o seu grupo.

    Você pode me enviar um e-mail: [email protected].

  9. Alexandre Magno

    Estou traduzindo primeiramente o trechos mais longos.

    Agora, o 5º parágrafo:

    5) Não estereotipe as pessoas.

    É muito fácil estereotipar pessoas que nós “encontramos” na Internet. Se alguém diz que gosta de Missa Tradicional em Latim, não assuma que essa pessoa é um “tradicionalista raivoso” que rejeita completamente o Concílio Vaticano II. Se alguém diz algo em apoio a Rush Limbaugh, não assuma essa pessoa apoia Rush em tudo. A verdade é que muitas pessoas, a maioria delas, não podem ser tidas como agradáveis e puras. Lembro-me de ter encontrado uma pessoa online que era devotada à Missa em Latim, mas que também apoiava políticos democratas liberais. Lembre-se de apenas debater fundamentado em argumentos reais, e não em posicionamentos que você assume que as pessoas tem. Não pense que você realmente conhece pessoas que você somente encontra online. Você não conhece.

    Restam os parágrafos 1-4.6-9.

  10. Alexandre Magno

    Continuando…

    7) Sempre assuma que os outros estão com boas intenções.

    Se alguém escreve algo que pode ser interpretado de formas diferentes, assuma a melhor interpretação. Tenho visto inúmeros exemplos de situações em que alguém expressa sua opinião, outra pessoa desvirtua o que foi escrito e ataca o autor, e então toda uma discussão é desenvolvida antes mesmo que aquela primeira pessoa volte e diga que nunca quiz dizer aquilo que disseram que ela disse. Escrever é uma tarefa difícil, e muitas vezes o que escrevemos não é exatamente o que queremos dizer. Dê às pessoas o mesmo benefício da dúvida que você gostaria que fosse dado a você.

    Restam os parágrafos 1-4.6.8-9.