Carnaval I

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 6 meses 24 dias atrás.

Hoje começa o carnaval, festa pagã onde as pessoas cometem os maiores excessos e imoralidades. A frase provavelmente já foi repetida incontáveis vezes, sem que no entanto pareça surtir qualquer efeito: todo ano são os mesmos dias de folia, e todo ano é a mesma coisa: embriaguez e violência, adultério e fornicação, acidentes e problemas de saúde. Todo ano, o saldo do carnaval é extremamente negativo e, no entanto, todo ano ele se repete! Como é possível tão estranho fenômeno? Como é possível que algo seja indiscutivelmente uma desgraça e, mesmo assim, todo ano atraia multidões para sofrer as mesmas tristes conseqüências que estamos já tão cansados de saber?

Há toda uma mitologia em relação ao carnaval que precisa ser desfeita. O primeiro (e, a meu ver, mais grave) aspecto que precisa ser desmentido é o seguinte: não é verdade que o carnaval seja uma completa desgraça. É óbvio que não é verdade; se o carnaval fosse tão ruim quanto ouvimos dizer, as pessoas simplesmente não iriam às ruas para brincá-lo. E, como canta um frevo daqui de Olinda, “se o povo não saísse / não havia carnaval” – incontestável verdade. Sem foliões não haveria festa; e a primeira coisa que se precisa ter em mente ao se analisar o carnaval é justamente que ele é uma coisa boa.

Claro que ele é uma coisa boa. O pecado é uma coisa boa porque, se não fosse, ninguém pecaria. Naturalmente, as expressões estão aqui empregadas em sentido relativo: “boa”, digo, por ser aprazível. Praticamente todo pecado é a opção por um bem menor em detrimento de um bem maior: assim, um adúltero põe o prazer venéreo acima da fidelidade conjugal, um ladrão põe o seu desejo por um bem qualquer acima do direito de posse do legítimo detentor daquele bem, etc. Seriam raríssimos (e dotados de uma malícia que eu diria patológica) os pecados nos quais o pecador que os cometesse não identificasse o ato realizado com um bem de nenhuma espécie. Peca-se, via de regra, porque se coloca um bem menor acima de um maior, um bem relativo acima do Bem Absoluto que é Deus.

Por que não dão certo as estratégias de se acabar com as imoralidades carnavalescas por meio da identificação pura e simples do carnaval com uma coisa maligna da qual se deva fugir como o diabo foge da cruz? Oras, simplesmente porque isso é anti-natural. As pessoas sabem, intuitivamente, que a alegria é uma coisa boa. Ninguém procura fazer com que um adúltero abandone a sua vida de adultério propondo-lhe o celibato, e ninguém procura fazer com que um ladrão abandone os seus desejos pelos bens alheios propondo-lhe uma vida de pobreza franciscana. Por que motivo, então, deveríamos propôr como única alternativa aos que brincam carnaval o isolamento, a fuga de toda festa, a antecipação da Quarta-Feira de Cinzas e alguns dias de intensas oração e penitência como aqueles aos quais os cristãos são chamados depois dos dias do reinado de Momo?

É óbvio que eu não condeno a mortificação durante o carnaval, como é óbvio que eu também não condeno o celibato ou a pobreza franciscana. Sei, no entanto, que nem o celibato nem a pobreza são para todos indistintamente; por qual motivo, então, o sacrifício completo da alegria nos dias anteriores à Quaresma o seria? Este radicalismo me parece absurdo e fadado ao fracasso. Um excesso oposto também é um excesso e, ainda que possa ser virtuoso, não tem (e não pode ter) aplicação ordinária justamente por ser excesso. Demonizar completamente a idéia de que é possível alegrar-se e divertir-se nos dias do carnaval é a melhor maneira de afastar as pessoas da Igreja e perdê-las para as imoralidades carnavalescas.

Durante os próximos dias de carnaval, irei publicar outros textos correlatos.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

20 thoughts on “Carnaval I

  1. Wilson Ramiro

    Texto Muito bom.

    Assim como o vício, para o viciado, é muito bom. Nunca vi ninguém viciado em chutar poste.

    Entretanto a alegria do carnaval, para alguns é a alegria de encontrar pessoas, sorrir, ver e ser visto é escapar da solidão da multidão do dia a dia, para a multidão da folia, é uma forma até ingênua de “entrar no mundo”, mas é como um remédio de efeito muito passageiro. Outros querem no carnaval, ser o que não são, ter o que não tem e liberar o comportamento como “se não houvesse amanhã”. Dentre tanto grupos diferentes, vale citar as aves de rapina, estes são os únicos que realmente tem consciência de seus objetivos.

    Se o carnaval é tão desejado é porque a vida está cada vez mais infeliz.

  2. Karla Cruz

    Texto muito bom!

    Por isso acho que o melhor remédio para as imoralidades cometidas durante o Carnaval é a alternativa de uma alegria saudável e cristã. Sei dos escritos dos santos em relação ao Carnaval, mas convenhamos que a maioria eram religiosos e sacerdotes e as atitudes de penitência e mortificações profundas eram conciliáveis com seus estados de vida, além de ser uma caridade para com os pecadores da época. Para nós leigos do séc. XXI o apostolado se desenvolverá muito mais no campo da alegria cristã, verdadeira alegria. Não que não se deva fazer penitências, mas principalmente apostar na alegria com temperança.

  3. Carlos Eduardo

    Caro Jorge,

    O carnaval em si é uma festa pecaminosa, mas há quem brinque de modo sadio, e não acho justo demonizar a alegria que estas pessoas sentem na folia. Minha esposa, por exemplo. É católica tão devota quanto eu e desfila em escola de samba! Mas, claro, desfila em ala da escola em que não haja desvios como nudez excessiva, apologia a orixás, etc. E veja meu caso. Não suporto carnaval, mas aprecio muito algumas das marchinhas de antigamente, que adoro cantarolar.

  4. Isaac Monteiro

    PROTESTO DE UM SEMINARISTA.

    Meu caro Jorge Ferraz, sou seminarista e sugiro que leia este texto de um piedoso sacerdote para ver se mudam suas idéias: http://www.filhosdapaixao.org.br/carnaval/carnaval.htm

    É MENTIROSO aquele que diz
    que o CARNAVAL é uma BRINCADEIRA

    Carnaval é tempo dos espetáculos profanos, dos bailes de mascarados, das danças e orgias que se multiplicam nas vésperas da Quaresma, mormente nos três dias antes da Quarta-feira de Cinzas. Perder tempo, exagerar as despesas, fazer da barriga seu deus, fingir que está alegre, encher a alma com imagens e pensamentos indecentes, avivar o fogo das paixões, atirar-se de caso pensado aos maiores perigos… não será isto diretamente oposto ao Cristianismo que prescreve o bom uso do tempo, prudente economia, a temperança, a vigilância nos sentidos, a mortificação das paixões e a fuga dos perigos? Deixam após si, estes dias de pecados: tantas vítimas de impureza, de embriaguez e milhares de famílias na vergonha e na miséria.

    […]

  5. Alien

    Fico pensando nas pessoas que moram em favelas cariocas, mas que ecomomizam o ano todo para desfilar UMA noite na Sapucai… por que então não economizam e gastam esse dinheiro para melhorar suas vidas?

    Engraçado é que, quando pegou fogo naqueles barracões das Escolas de Samba, o governo fopi lá e prontamente ajudou… BEM mais rápido do que ajudou as vítimas das chuvas no RJ, né?

  6. Carlos Eduardo

    Jorge,

    Um comentário meu postado ontem sumiu. Tem ideia do que aconteceu?

  7. Maria das Mercedes

    Acho que é muito difícil convencer católicos a serem católicos.

  8. juliete

    Carnaval é festa profana.Não podemos ser co-participantes. Se estamos no meio é o mesmo que aprovar todos os excessos.
    Há outras épocas propícias a alegria cristã. Além disso, o caminho que leva a Deus é o estreito e o contrário é largo e fácil

  9. Jorge Land

    Na pequena cidade onde vivo no Estado de SP o carnaval se resume a um desfile onde os participantes montam grupos com familiares e amigos e vencem algumas centenas de metros em carretinhas singelamente enfeitadas puxadas por tratores. Sem nudez, sem excessos – nem há ambulantes vendendo bebidas. Além disso há um baile no clube onde apenas associados e convidados podem entrar e as famílias costumam participar.

    Metade da população da cidade é católica e participa numa boa, talvez o problema não seja a festa e sim a forma de participar da festa.

  10. Jucken

    Isaac, esse padre aí não conhece a origem do Carnaval. O Carnaval sempre foi uma tradição católica, e não é porque hoje o transformaram num festival de blasfêmia e pecado que ele deve acabar, assim como o Natal não deve acabar simplesmente pelo fato de hoje haver sido transformado em algo totalmente banal e mundano. O que deve, sim, acontecer é recuperar o verdadeiro espírito do Carnaval.

    Erra também, evidentemente, quem diz que o Carnaval é uma brincadeira. Tradicionalmente, o Carnaval sempre foi o período em que os cristãos se despojavam de todo tipo de alimento rico que possuíam. Faziam isso a fim de jejuar durante a Quaresma comendo somente o mais simples. O alimento no entanto não era jogado fora. Ao invés disso dava-se uma festa onde todos, principalmente os mais indigentes, vinham para consumi-lo. O Carnaval é, portanto, uma festa de caridade. Inclusive o nome quer dizer, etimologicamente, “remover a carne” (para abster-se dela durante a Quaresma).

    Sugerir que o Carnaval acabe por causa da luxúria é como querer acabar com o Natal por causa do consumismo ou com a Páscoa por causa da gula.

  11. Pingback: Algumas reflexões na festa de Carnaval « Ecclesia Una

  12. Sérgio

    Gente, não vamos exagerar.

    O texto do Jorge é fantástico pois mostra que o Carnaval não é o fim do mundo, e só se transforma em fim do mundo para quem não cultua uma vida de disciplina e oração.

    As pessoas pecam seja carnaval ou não e quem busca santidade aproveita o carnaval já que é um feriado prolongado (coisa em falta nesse pais).

    E quem sabe se divertir sem ofender ao nosso Pai amado, creio que está mais preparado para enfrentar a quaresma com força e fé.

  13. Sandra

    Jorge Land
    Moro em São Paulo e organizamos um carnaval assim.

    Temos um bloco formados por amigos e familiares e nos divertimos MUIIIIIITO.

  14. iran domingues machado

    Prefeiro ficar com as revelações dos Santos abaixo sobre o carnaval:

    Santa Gertrudes de Helfta, 1302: Durante os três dias do carnaval , Jesus procura descanso e consolo no coração de Gertrudes, pedindo-lhe preces , silêncio e penitência pela conversão dos mundanos . Também durante o carnaval em outro ano , Jesus lhe diz: “Se desejas aliviar minha dor , deves suportar uma dor e colocar-te à minha esquerda ”…” meu coração como figura visível do meu amor pelos homens . Agora dou minha Face como figura visível da minha dor pelos pecados da humanidade … quero a comunhão reparadora na terça-feira do carnaval ”.

    – Santa Catarina de Sena (1347-1380), referindo-se ao Carnaval, exclamava entre soluços: “Oh! que tempo diabólico!”.

    – São Vicente Ferrer (1350-1419) dizia que o Carnaval é um tempo infelicíssimo, no qual os cristãos cometem pecados sobre pecados, e correm à rédea solta para a perdição.- O Servo de Deus, João de Foligno, dava ao Carnaval o nome de vindima do diabo.

    – São Carlos Borromeu (1538-1584) jamais podia compreender como cristãos tenham podido conservar este perniciosíssimo costume do paganismo.

    – São Francisco de Sales (1567-1622) dizia ser o Carnaval o tempo de suas dores e aflições, e naqueles dias fazia o retiro espiritual para reparar as graves desordens e o procedimento licencioso de tantos cristãos.

    – Santa Margarida Maria de Alacoque escreve entre 1687-1690: “Numa outra vez, no tempo de Carnaval, apresentou-se-me, após a Santa Comunhão, sob a forma de Ecce Homo, carregando a cruz, todo coberto de chagas e ferimentos. O sangue adorável corria de toda parte, dizendo com voz dolorosamente triste: Não haverá ninguém que tenha piedade de mim e queira compadecer-se e tomar parte na minha dor no lastimoso estado em que me põem os pecadores, sobretudo nesses dias de carnaval?” (Santa Margarida Maria, Autobiografia , capítulo 9)

    – Santo Afonso Maria de Ligório (1696-1787): Nestes dias, Jesus será crucificado centenas e milhares de vezes”.

    – Irmã Benigna Consolata Ferrero +1915. Carnaval de 1916: Irmã Benigna vê o Coração de Jesus dilacerado e arrastado pela rua numa matilha de cães raivosos.

    – Santa Maria Cecília, +1929. Disse-lhe Jesus: “O mundo ofende-me (no carnaval ). Os religiosos esquecem-me… sua piedade é superficial … seu amor , sem profundeza. Sou tão sensível a um amor desinteressado !” “Procuro amor . Sou tratado como um ser ausente … Deixa-me dar-te todo o meu amor . Tenho necessidade de dar-me todo inteiro ”.

    – Em 1937, escreve Santa Faustina Kowalska: “Nestes dois últimos dias de Carnaval conheci um grande acúmulo de castigos e pecados. O Senhor deu-me a conhecer num instante os pecados do mundo inteiro cometidos neste dia. Desfaleci de terror e, apesar de conhecer toda a profundeza da Misericórdia Divina, admirei-me que Deus permita que a humanidade exista” (Diário, 926).

    – Irmã Lúcia ( vidente de Fátima, numa carta ao Cardeal Patriarca, em 1940). “Nosso Senhor deseja que em Portugal sejam abolidas as festas profanas nos dias de Carnaval e substituídas por orações e sacrifícios com preces públicas pelas ruas.”

  15. Pingback: Sobre o Carnaval I: o pecado e a ocasião | Deus lo Vult!