Quod semper, quod ubique, quod ab omnibus

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 4 meses 21 dias atrás.

Nos tempos em que eu discutia mais freqüentemente com protestantes, cansei de me deparar com listas como esta sobre a “origem de falsas doutrinas católicas”. Basicamente, eram uma tentativa de “provar” como a Igreja, ao longo dos séculos, corrompera a pureza do Evangelho de Cristo por meio do acréscimo de doutrinas humanas espúrias. Eram todas iguais: um monte de datas nas quais, supostamente, a Igreja Católica teria “passado a acreditar” em certas coisas.

E todas as listas eram iguais. Por exemplo: 1854 era quando fora inventada a “Concepção imaculada da Virgem a Maria”. Todos sabem que este é o ano da promulgação do dogma da Imaculada Conceição. Mas acaso isto foi “inventado” no século XIX? Por exemplo, antes de 1854 ninguém acreditava nisso?

A igreja abaixo fica em Salvador, na ponta do Humaitá, bem defronte ao farol. É do século XVII. E tem, sobre o seu pórtico frontal, a seguinte singela inscrição em honra da Virgem Imaculada:

Eis a Imaculada Conceição testemunhada duzentos anos antes da proclamação dogmática do século XIX! Como é possível que ainda se dê crédito a listas protestantes como aquela? Já não se trata mais nem simplesmente de má teologia. É ignorância histórica mesmo.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

2 thoughts on “Quod semper, quod ubique, quod ab omnibus

  1. Ferdinand

    “É ignorância histórica mesmo.”
    Dada a facilidade e o volume de informações disponíveis nos dias que correm, diria que é má-fé mesmo.

  2. Lúcio Clayton

    eu queria realmente entender de onde é que eles triam essas datas:

    A missa diária, 394 D.C.
    A doutrina do purgatório (Papa Gregório), 593 D.C.
    Orações para Virgem Maria, Rainha do Céu, 600 D.C.
    O ato de beijar o pé do Papa começa em 709 D.C.
    Poder temporal do Papa declarado em 750 D.C.
    Adoração de imagens, relíquias e cruzes, 788 D.C.
    Água benta abençoada por um padre, 850 D.C.
    Reverência à São José, 890 D.C.
    Canonização de santos mortos, 995 D.C.
    Início da quaresma e da sexta-feira Santa em 998 D.C.
    A missa declarada como sacrifício real de Cristo, 1050 D.C.
    Celibato dos sacerdotes e das freiras, 1079 D.C.
    O rosário introduzido por Pedro o Ermitão, 1090 D.C.
    Início da venda de indulgências 1190 D.C.
    Doutrina de transubstanciação adotada em 1215 D.C.
    Confissão dos pecados aos padres, 1215 D.C.
    Interpretação da Bíblia proibida na Itália, 1229 D.C.
    Escapulário declarado como proteção contra perigos, 1287 D.C.
    Declarados os Sete sacramentos , 1439 D.C.
    Superstições da Ave Maria (Papa Sextus V), 1508 D.C.
    Tradição estabelecida como autoridade infalível, 1545 D.C.
    Livros apócrifos somados à Bíblia, 1546 D.C.
    Concepção imaculada da Virgem a Maria, 1854 D.C.
    Infalibilidade dos Papas, 1870 D.C.
    Maria é declarada a Mãe de Deus, 1931 D.C.
    É declarada a assunção de Maria, 1954 D.C.

    e mais,como é que esses ignorantes chegam a essas informações totalmente absurdas?

    de onde é que eles tiram isso?

    estudos arqueológicos?
    estudos históricos?

    não, é exatamente como o Ferdinand colocou :”é má fé mesmo !”

    é muita mentira… propagada por todos eles.
    são coisas que são de rir…

    quem foi o Papa Sextus V, existiu mesmo? nunca ouvi falar.

    e que coisa é essa de dizer que o rosário foi implantado por Pedro o Ermitão? kkkkk… pensei que tivesse sido São Domingos no Séc XIII.

    é cada uma viu?