“E deu-nos ordem pra não termos medo”…

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 3 meses 23 dias atrás.

Ontem, domingo da Divina Misericórdia, diante de um milhão de pessoas, foi beatificado o Papa João Paulo II. O Wagner Moura esteve lá. Eu infelizmente não acompanhei a transmissão ao vivo da cerimônia (era às cinco da manhã no horário do Brasil). Vi, no entanto, outras coisas – que valem a pena ser conhecidas e divulgadas.

Homilia do Papa Bento XVI. “E qual é esta causa? É a mesma que João Paulo II enunciou na sua primeira Missa solene, na Praça de São Pedro, com estas palavras memoráveis: «Não tenhais medo! Abri, melhor, escancarai as portas a Cristo!». Aquilo que o Papa recém-eleito pedia a todos, começou, ele mesmo, a fazê-lo: abriu a Cristo a sociedade, a cultura, os sistemas políticos e económicos, invertendo, com a força de um gigante – força que lhe vinha de Deus –, uma tendência que parecia irreversível. Com o seu testemunho de fé, de amor e de coragem apostólica, acompanhado por uma grande sensibilidade humana, este filho exemplar da Nação Polaca ajudou os cristãos de todo o mundo a não ter medo de se dizerem cristãos, de pertencerem à Igreja, de falarem do Evangelho. Numa palavra, ajudou-nos a não ter medo da verdade, porque a verdade é garantia de liberdade”.

John Allen: qual a pressa em beatificar João Paulo II? “No passado, a fama de um candidato muitas vezes se espalhava só gradualmente, mas hoje o mesmo lapso de tempo nem sempre se aplica. O papado de João Paulo II explorou habilmente duas das marcas da aldeia global de hoje: a ubiquidade das comunicações e a relativa facilidade das viagens. Como resultado, pode-se argumentar que o ritmo de sua beatificação nada mais é do que um reflexo da maior velocidade com que tudo se move no século XXI”.

– Esta “homenagem a João Paulo II” está muito bem-feita. Uma vida em imagens: dezenas, quiçá centenas de fotos do novo beato, nas mais variadas ocasiões. Uma seleção feita com esmero, e ao alcance de quaisquer poucos cliques. Recomendo.

Esta cronologia é leitura fundamental. Está em espanhol, mas traz “algunas cosas que, año por año, se hicieron durante el pontificado de Juan Pablo II para defender la fe y disciplina dentro de la Iglesia”: este é o chamado “lado obscuro” do pontificado de João Paulo II, não por ser tenebroso ou de alguma maneira censurável, mas sim por não ter tido praticamente divulgação nenhuma pelos meios de comunicação.

E o Papa está mais perto dos altares! A interceder por nós. A convidar-nos ao Céu. A ordenar-nos ainda, do alto, que não tenhamos medo. Queremos a graça de obedecer-lhe! Beato João Paulo II, rogai por nós!

Em tempo, recordar é viver: “Um dia de abril”.

P.S.: Ver também “João Paulo foi o Papa da minha vida” (Dom José Cardoso Sobrinho).

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

8 thoughts on ““E deu-nos ordem pra não termos medo”…

  1. Wilson Ramiro

    És o Peregrino do Amor
    Buscou os jovens com tanto ardor
    De tuas fraquezas não nos fez segredo
    E deu a ordem pra não termos medo
    A fé não está no corpo que se inclina
    Mas está na alma do que crê
    Eu creio que és o nosso intercessor
    Por isso eu te sigo
    Peregrino do Amor

    (Peregrino do Amor -dalvimar Gallo)

  2. Paulo

    Humm… a justificativa da “pressa” não colou… acho que a velocidade da “voz do povo” é um pouco mais importante do que a velocidade das pesquisas sobre os “milagres” e “feitos” que justifiquem a beatificação do Papa em si… deve ser muito bom ser membro de uma igreja que é moldada de acordo com a opinião da maioria, um deus obediente que segue a voz do seu povo… bem, tomara que o falecido papa esteja bem, seja aonde estiver.

  3. roberto quintas

    Isso é algo que não entendo, Jorge. Como homens decidem quem é beato/santo?
    Felizmente isso é um problema dos Católicos.

  4. Glauco

    Para quem quiser ver pela primeira vez ou recordar a homilia do Papa João Paulo II citada pelo Papa Bento XVI segue o vídeo abaixo.

  5. Alexandre Magno

    Jorge Ferraz escreveu:

    – Esta “homenagem a João Paulo II” está muito bem-feita. Uma vida em imagens: dezenas, quiçá centenas de fotos do novo beato, nas mais variadas ocasiões. Uma seleção feita com esmero, e ao alcance de quaisquer poucos cliques. Recomendo.

    Aproveito para compartilhar e-mail que enviei a um grupo.

    Olá!

    Como anunciado, por ocasião da Beatificação do Papa João Paulo II fotos estão sendo distribuídas gratuitamente através da galeria pública intermirifica.net do Picasa Web, um serviço Google.

    Link: http://picasaweb.google.com/intermirifica.net

    Atualmente a galeria conta com 12 álbuns. São algumas poucas centenas de fotos, que inclusive podem ser comentadas pelos usuários Google que logarem no serviço (com conta Orkut, por exemplo).

    Eu não pude ver se se trata de uma mesma licença de conteúdo para todas as fotos da galeria, mas eu acredito que sim. Vi que é uma Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial 3.0 Unported (CC BY-NC 3.0)

    Legal!

    Vamos seguir o exemplo da equipe do portal intermirifica.net e também licenciar [pelo menos alguns] conteúdos eclesiais usando Creative Commons!

    Essa licença BY-NC 3.0 que eles estão usando, por exemplo, dispensa que as pessoas procurem a equipe do intermirifica.net para pedir permissões explícitas para compartilhar ou remixar (converter, transformar, e montar, até) as fotos, desde que se faça a atribuição de autoria e que o uso seja não-comercial, ficando claro que os direitos morais (do autor) e os direitos de imagem (do autor e dos demais envolvidos – no caso de fotos) não estão em questão e permanecem protegidos.

    A Creative Commons oferece vários sabores de licenças, modeladas juridicamente. Por exemplo, para a BY-NC 3.0 temos o código jurídico: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/legalcode.

    O site creativecommons.org.br facilita a escolha do sabor de licença com o recurso “Publique”.

    Porém, atenção! É preciso ser criterioso. Talvez as consequências de se licenciar um blog ou site inteiro, sem critérios ou delimitações, não sejam desejadas, e podendo vir a ser irreversíveis (depois que o conteúdo for reutilizado). Licenciar é declarar o que as pessoas podem fazer com o material licenciado, é conceder direitos, por conseguinte, privar-se de direitos.

    Se alguém tem dúvidas sobre esses assuntos, talvez eu possa ajudar a encontrar respostas, se já não as souber.

    Bom domingo!

    Alexandre Magno

    PS.: O intermirifica.net é desenvolvido pelo Centro RIIAL Guadalupe.