Beata Dulce dos pobres, rogai por nós!

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 3 meses 1 dia atrás.

E a Bahia estava em festa para ver a Irmã Dulce ser inscrita no rol dos beatos da Santa Igreja Católica. A universalidade da celebração foi uma das coisas que mais me impressionou. Havia outdoors pelas ruas, cartazes nas janelas das casas e, segundo me disse um amigo, até mesmo os protestantes eram simpáticos àquela que mereceu ser chamada de “Anjo Bom da Bahia”: estes últimos apenas insistiam, de maneira tíbia, que “ela não podia interceder”. Mas as virtudes dela pareciam provocar admiração em todos.

Antecipei o meu vôo e acabei esquecendo de comprar os jornais do dia de ontem. Um amigo me disse que, em um deles, era narrado um episódio da vida da nova beata: acontecera um acidente grave com um pequeno ônibus, dentro do qual haviam ficado presas algumas pessoas. O ônibus pegara fogo e as pessoas não estavam conseguindo sair. Irmã Dulce, que estava nos arredores, ouviu o acidente, chamou as irmãs e foi correndo socorrer as vítimas; com pedras, quebrou os vidros e conseguiu salvar, se não me falha a memória, uma dúzia de pessoas.

E uma dessas pessoas era um garoto que a própria Irmã Dulce já salvara quando ele era um bebê. A mãe dele o havia abandonado para morrer, ferido, em uma encruzilhada como oferenda a algum Orixá. Irmã Dulce o recolheu, tratou dele e o entregou a uma família para que ele fosse criado. Anos depois, o mesmo garoto estava prestes a morrer em um acidente; e, mais uma vez, a Irmã Dulce estava lá para o salvar.

Nunca o serviço social dela foi confundido com mera filantropia. A sua visão horizontal era totalmente dependente de uma firme e clara visão vertical: a freira de hábito era uma mulher de profunda oração, interessada em lutar não por “melhores condições sociais” nem por nenhuma outra bobagem do tipo, mas preocupada em amar pessoalmente cada um dos filhos de Deus que Ele colocava em seu caminho. A dedicação de toda uma vida ao serviço dos pobres era radicada em um profundo amor a Deus, sem o qual o que ela fez simplesmente não teria sido possível. Externamente, alguma filantropia pode até ser confundida com caridade, mas o amor meramente humano – ao contrário do divino – tem limites. Ninguém consegue esquecer-se de si a serviço dos outros – como fez a Irmã Dulce – se não for por um profundo amor a Deus.

“-Chegou uma freira nova tão bonitinha!”. Um outro amigo me disse ter ouvido esta frase da mãe dele, referindo-se ao primeiro contato que ela tivera com Irmã Dulce em Salvador. Uma menina jovem e bonita, de uma família importante da cidade, dedicando-se exclusivamente – desde criança – a cuidar dos indigentes! Como não se admirar com esta mulher? A festa, repito, era na capital baiana inteira. Nem a chuva conseguiu esmorecer o ânimo dos baianos, que se dirigiram às centenas e aos milhares para o Parque de Exposições. Participar do histórico momento em que uma filha da Bahia foi declarada Bem-Aventurada.

Em bom latim, na leitura da bula do Papa Bento XVI, logo após traduzida: a Serva de Deus Dulce Lopes Pontes estava inscrita entre os beatos da Igreja Católica. Aplausos. O grande retrato da nova beata foi descoberto, ao lado do altar – de onde o Senhor do Bonfim olhava para a amplidão tomada de gente, e abençoava o povo da Bahia. Eu estava radiante: mais uma brasileira próxima dos altares! Uma conterrânea reconhecidamente na amizade de Deus. A olhar por Salvador, a olhar pela Bahia, a olhar pelo Brasil.

Que a Irmã Dulce interceda por nós! Que ela se lembre do seu Brasil, de sua Pátria tão necessitada dos favores celestes. Que muitas graças caiam em abundância sobre esta Terra de Santa Cruz: graças do Senhor do Bonfim, pelas mãos da Virgem da Conceição da Praia, pela intercessão da Bem-Aventurada Dulce dos Pobres.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

3 thoughts on “Beata Dulce dos pobres, rogai por nós!

  1. Liliane

    Que belíssima exposição dos fatos e da bela vida dessa santa dos tempos atuais. Tive a graça de conhecê-la, quando ainda era muito novinha, a minha avó já dizia que iríamos conhecer um freira santa, isso qdo tinha uns 8 ou 9 anos…
    Jorge fiquei encantada com seu blog. Que Deus o ajude a conservá-lo sempre.
    Beata Dulce dos pobres rogai por nos!

  2. Paulo

    Quanta ilusão… é sério que vocês realmente acreditam nisso? [CENSURADO]