Gaystapo: ameaças

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 1 mês 21 dias atrás.

A segunda notícia importante que precisa ser comentada é a posição corajosa da deputada Myrian Rios. Ela está falando “contra a PEC 23/2007 [do Rio de Janeiro] – uma mordaça gay similar ao PL122 – que foi rejeitada no último dia 21 por 39 votos contra 2 a favor (embora ainda esteja viva)”. Vejam a mulher falar.

“Na minha casa, quem manda sou eu” – viva a deputada! E ela está mais do que certa. A vergonhosa campanha gay movida pelos poderes públicos brasileiros tem a manifesta intenção de impedir os pais de decidirem a educação que desejam para os seus filhos – tudo isto às expensas do erário, pago com o dinheiro dos impostos dos brasileiros. Brasileiros estes, aliás, que são majoritariamente contrários a esta pouca-vergonha que se está tentando impôr à população brasileira. Veja-se, sobre isto, o vídeo abaixo (cuidado com a linguagem forte):

Vejam as estatísticas do vídeo! “3585 pessoa(s) gosta(m), 257 pessoa(s) não gosta(m)”. 148.543 visualizações em um mês. E o cara, ao pedir a divulgação, queria que o vídeo tivesse no mínimo 20.000 exibições…

É bastante óbvio que o tal “Mascarado Polêmico” está falando exatamente aquilo que todos os cidadãos de bem estão pensando, é bastante óbvio que a Myrian Rios está defendendo precisamente a posição da esmagadora maioria da população brasileira. No entanto, a Gaystapo não dorme e a sanha persecutória dos próceres da imoralidade não tem limites: os gays já querem denunciar a deputada à Comissão de Ética da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro.

Vale – e muito – a pena apoiar a deputada Myrian Rios! O e-mail oficial dela na Alerj é myrianrios@alerj.rj.gov.br. Seu twitter é @myrianrios. O seu telefone na Alerj é o (21) 2588-1452 (gabinete 201). Não deixemos de parabenizá-la e encorajá-la! Afinal de contas, ela já está sendo massacrada pela mídia – veja-se p.ex. aqui, aqui e aqui. Já precisou até mesmo publicar uma nota oficial sobre o assunto, por conta das distorções da Gaystapo – que, desesperada por ser incapaz de atacar o cerne do argumento da deputada, fica fazendo estardalhaço em cima de um boneco de palha.

“Na minha casa, quem manda sou eu”. Na educação dos meus filhos, quem manda sou eu. Na transmissão dos valores éticos para aquelas pessoas sobre as quais eu sou responsável, quem manda sou eu. Eu não sou obrigado a deixar meus filhos serem ensinados que o vício contra a natureza é uma forma de “afetividade” normal como qualquer outra. Não sou obrigado a manter uma babá lésbica cuidando dos meus filhos. Não sou obrigado a silenciar os meus valores morais inegociáveis por conta do lobby gayzista ou do linchamento moral da Gaystapo.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

73 thoughts on “Gaystapo: ameaças

  1. Wilson Ramiro

    Caros

    O problema maior são as pessoas que se dizem neutras.
    Estas pessoas, muitas são boas pessoas, não percebem que o que pais ensinam para os seus filhos é aquilo que eles acham normal, sendo ajudados nisto pela Igreja.

    O que um par de gays vai ensinar como correto para seus filhinhos adotivos?? Mas o interesse é terminar com a instituição da família, tarefa que o governo tem como prioridade.

    Os governos socialistas deste país sabiam que a única forma de destruir a sociedade seria controlando o STF. Os governos fernando henrique cardoso, lula e dilma (tudo no minúsculo) sempre unidos, foram aos poucos entupindo o STF de esquerdistas militantes.

    Terminada a tarefa, agora dilma e fernando são só elogios mútuos.

    Mas depois que esta tsunami passar, apenas cristãos sobreviverão.

  2. Benjamin Bee

    Se o PT fosse de fato pró LGBT eu me inscreveria no partido na hora. Não é. É pró bancada evangélica.

    Nem o programa do partido eles levam adiante para não confrontar a bancada evangélica.

    O Sr. Presidente Roussef, um homem transexual machista por opção, prefere dar os braços à bancada evangélica, a apoiar os próprios pares. Na boa.

    Com isso vai todo o partido atrás dele, atrá do Sr. Presidente que por sua vez vai atrás da bancada evangélica. Por quê?

    Porque a inteligentsia do PT acha que a Teologia da Prosperidade é a favor dos pobres já que está atrai os menos favorecidos.

    Quando a bancada evangélica fizer massa crítica após tantas Marchas para o Planalto Central, cinicamente intituladas Marcha para Jesus, aí os católicos vão ficar de cabelo em pé. O PT também.

  3. Pingback: Deputada Católica Myriam Rios é contra a Lei em defesa dos Gays PEC 23/2007

  4. Wilson Ramiro

    Benjamin Bee says:

    Quando a bancada evangélica fizer massa crítica após tantas Marchas para o Planalto Central, cinicamente intituladas Marcha para Jesus, aí os católicos vão ficar de cabelo em pé. O PT também.

    Caro Benjamin, tentar jogar, neste campo de discussão, católicos contra protestantes é jogar digitação fora. Se eu não tiver um candidato católico em qualquer eleição, com certeza minha segunda opção será o candidato evangélico melhor preparado e antes de qualquer candidato ateu a anulação é mais proveitosa.

    A constituição federal não acredita em ateus, foi promulgada sob a proteção de Deus.

  5. Messias

    “Se o PT fosse de fato pró LGBT eu me inscreveria no partido na hora. Não é. É pró bancada evangélica.
    Nem o programa do partido eles levam adiante para não confrontar a bancada evangélica.”

    Uma coisa é o partido ser pró-bancada evangélica. Outra coisa é o partido ceder à pressão de qualquer bancada porque sabe muito bem que evangélicos, católicos etc também votam.

    “O Sr. Presidente Roussef, um homem transexual machista por opção, prefere dar os braços à bancada evangélica, a apoiar os próprios pares. Na boa.”

    Mas hein????????????????????????????????????????????????????

    “Com isso vai todo o partido atrás dele, atrá do Sr. Presidente que por sua vez vai atrás da bancada evangélica. Por quê?
    Porque a inteligentsia do PT acha que a Teologia da Prosperidade é a favor dos pobres já que está atrai os menos favorecidos.”

    É porque a teologia da prosperidade é tão demagógica quanto o partido.

    “Quando a bancada evangélica fizer massa crítica após tantas Marchas para o Planalto Central, cinicamente intituladas Marcha para Jesus, aí os católicos vão ficar de cabelo em pé. O PT também.”

    Evangélicos e católicos têm o direito de fazer marcha também. E não só vadias, maconheiros, homossexuais e abortistas.

  6. Mariana

    Olegário, você me parece ser um cara maduro e inteligente. Tenho certeza que você entendeu o que eu quis dizer. Primeiramente, é claro que o número de heterossexuais assassinados é maior, porém por motivos outros. O caso dos gays chama atenção pelo fato de os mesmos serem gays. Concordo com você quando diz que não é preciso uma lei específica nesse caso, pois a lei que existe já é suficiente, já pune o homocídio, inclusive até prevê o agravante do ‘motivo fútil’, que bem se aplicaria em casos como esse. Concordo que isso já acontece na maioria dos casos, ou seja, que a lei existente já se mostra como instrumento hábil a punir os agressores, homicidas, etc. Mas dizer que não havia guerra antes do tal projeto ou que ingnora-se a ocorrência de gays assassitados simplesmente por serem gays (seja pelos grupos que o sr. falou ou outros como os pitboys, sei lá) aí é demais, meu caro.
    O que eu disse, desde o início, é que é bastante natural que casos de preconceito, resultem eles em violência ou não, sirvam de “munição” para que o movimento gay se arme em seus argumentos.
    Confesso à você que nunca li o tal PL. Vou ler antes de dizer algo sobre ele somplesmente por ouvir dizer aqui e acolá. Quando ler, se ainda houver espaço para discussão, voltarei aqui. De antemão, prego o respeito à vida pessoal de qualquer cidadão.
    Respondendo à sua pergunta, não conheço nenhum homossexual que tenha sido assassinado, só por história de jornal mesmo, mas nem por isso posso ignorar fatos.
    Abraço cordial.
    Mariana

  7. Carlos

    Quanta contradição da Mariana!

    Ela admite que não conhece nenhum caso de homossexual que tenha sido assassinado por ser homossexual, mas ao mesmo tempo diz que não pode ignorar os fatos.

    Mas que fatos, Mariana, se você mesma está reconhecendo que nunca viu um fato desses?

    Quem mata gay, no Brasil, é garoto de programa. O cara faz o tal programa com o gay e depois mata o infeliz para roubar.

    Conheço inúmeros casos desse tipo. Mas não conheço um caso sequer de alguém que matou um gay só porque o fulano era gay.

    Portanto, esse tipo de homicídio nada tem a ver com crime de ódio, homofobia etc. O garoto de programa também é gay, pois se relaciona com pessoa do mesmo sexo.

    Resumindo, quem mata gay, no Brasil, é gay!

    E os que escapam do garoto de programa não escapam da AIDS.

    Simples, assim.

  8. Mariana

    Em tempo: eu disse que não conheço PESSOALMENTE. É claro que já vi e ouvi falar em muitos casos. Olha só, no direito há uma regra processual que diz mais ou menos assim: fatos público e notórios não precisam ser provados. O dos assassinatos e perseguições pela simples condição da homossexualidade é um deles.
    Vou dizer uma coisa, se vocês (católicos tradicionais) sentem o mesmo desespero que eu numa discussão como essa, deve ser horrível, porque eu confesso, fico meio desesperada sim. Não consigo entender o que se passa na mente de vocês, ésério, sem ofensas.
    Vamos lá, porque ser gay e praticar o homossexualismo (um namoro, por exemplo) é pecado? Tá legal que Deus fez o homem e a mulher e estes, de um modo muito claro (pelo menos nos pontos básicos, físicos, etc.) complementam-se. E tá certo que não há nada de concreto no mundo científico quanto a nascer homossexual (o que não significa que não haja essa possibilidade, ok?), mas e se, de fato, as pessoas nascerem homossexuais (como eu acredito que seja, aliás)? O que será que isso significaria? Pq Deus iria querer testar uma pessoa e não as demais? Vocês já pensaram na possibilidade de a ciência descobrir que se nasce homossexual? Como a Igreja ficaria diante disso?
    Ouvi uma explicação muito interessante do Espiritismo sobre essa questão. Se alguém quiser saber, ainda que apenas por curiosidade, posso passar o link de uma palestra a que assisti.
    Abraços.

  9. Jorge Ferraz Post author

    Não consigo entender o que se passa na mente de vocês, ésério, sem ofensas.

    Tudo bem, eu vou tentar me fazer entender da melhor maneira que conseguir.

    Vamos lá, porque ser gay e praticar o homossexualismo (um namoro, por exemplo) é pecado?

    Porque a faculdade sexual do homem está ordenada à perpetuação da espécie. As exceções naturais (esterilidade) ou artificiais (pessoas tomando veneno para não engravidar) só apontam para a validade universal da regra.

    Tudo o que é contrário à reta razão é pecado. Desviar os fins inerentes ao ato sexual é subverter a hierarquia dos bens (colocando o prazer venéreo acima da abertura à vida) e, portanto, é uma desordem, é um pecado.

    Mutatis mutandis, a capacidade humana de “comer” tem também um duplo fim: o prazer da alimentação e a nutrição do corpo. Alguém que comesse só pelo prazer da comida, mas impedisse de alguma maneira a nutrição do corpo [como os antigos romanos que se empanturravam nos banquetes e, depois, vomitavam a comida para poderem comer tudo de novo] estaria desvirtuando a sua capacidade de se alimentar e, portanto, pecando.

    Tá legal que Deus fez o homem e a mulher e estes, de um modo muito claro (pelo menos nos pontos básicos, físicos, etc.) complementam-se.

    O que só indica o caráter anti-natural da relação sodomita.

    e se, de fato, as pessoas nascerem homossexuais (como eu acredito que seja, aliás)? O que será que isso significaria? Pq Deus iria querer testar uma pessoa e não as demais? Vocês já pensaram na possibilidade de a ciência descobrir que se nasce homossexual? Como a Igreja ficaria diante disso?

    Ué, isto não significaria absolutamente nada.

    Deus faz o que quiser da maneira que Ele quiser. Todas as pessoas são “testadas”, embora não todas da mesma forma. Uma pode ter uma dificuldade muito grande de ser obediente; outra, pode ser cleptomaníaca; um sujeito pode ter tara por prostitutas e, outro, por crianças; alguém pode ser muito apegado aos bens materiais e, outra pessoa, ter um orgulho muito grande. As possibilidades são inúmeras.

    Se fosse descoberto o “gene da vaidade” e a ciência provasse que os vaidosos “nascem assim”, nem por isso a vaidade seria motivo de orgulho. Nem por isso a Igreja mudaria uma vírgula o seu posicionamento a respeito da vaidade. Se fulano nasce doente (e há pessoas que nascem doentes), ela está obrigada é a trabalhar as suas limitações. De maneira alguma está autorizada a comportamentos imorais sob a desculpa vitimista de que é Gabriela que nasceu assim e vai morrer assim.

    Abraços,
    Jorge

  10. Olegario

    Dona Mariana,

    Não torno a tratar mais desse assunto por conta que ele no meu entender já foi esmiuçado, explicado e ratificado.
    A pratica homossexual é pecado.
    E ponto final.
    Não sou eu ou a senhora quem ditou a regra.
    Foi Deus.
    E ponto final 2.
    Trato apenas de uma questão que a Sra. levantou nesse ultimo texto porque percebo sua honestidade e boa vontade em querer entender as coisas.

    Eis a questão:

    “Vamos lá, porque ser gay e praticar o homossexualismo (um namoro, por exemplo) é pecado?”

    Não vou responde-la porque a senhora por si só já o fez:

    “Tá legal que Deus fez o homem e a mulher e estes, de um modo muito claro (pelo menos nos pontos básicos, físicos, etc.) complementam-se.”

    Viu porque eu disse que a Sra. era honesta e tem boa vontade?
    Acertou em cheio. É isso mesmo.

    A Sra. ainda argumenta querendo saber “por que Deus iria querer testar uma pessoa, sendo ela homossexual?”

    Olha dona Mariana, todos nós somos postos a prova todos os dias nas mais variadas situações.
    Uns por que tem inclinações homossexuais.
    Outros porque tem a vida tomada por dificuldades finaceiras.
    Muitos porque não saem dos hospitais.
    E a vida nos dá diversas situações de “provas e testes” que são maneiras eficazes de afirmarmos nosso amor a Deus, evitando cair em pecado e assumindo um compromisso de amizade com Nosso Senhor.
    Até Jó ( que Deus conhecia seu coração) foi colocado em prova.
    Toda dificuldade nessa vida deve ser encarada com paciencia e resistencia por amor a Lei de Deus.
    É simples isso?
    Não. É dificílimo!
    Eu quem o diga…
    Nosso consolo se ampara na promessa de Nosso Senhor que nos prometeu a vida eterna no seu reino.
    Não aqui, nesse mundo apodrecido…de tantas passeatas…
    E o homossexualismo – dona Mariana – não foge a regra.
    Por fim, a Sra. ainda pergunta caso seja comprovado cientificamente que o homossexualismo seja uma questão “de nascença”, como a Igreja ficaria diante disso?
    A castidade dona Mariana…a castidade…

    Forte abraço a Sra.
    Olegario.

    Em tempo: A Lei PL 122 não há de proteger os gays de nada.Ao contrario disso, só vai promover mais discórdia na sociedade.
    E eles, os gays, sabem disso, mas se limitam a pensar na glamorização desse beneficio que os coloca hoje numa posição de “super stars”. O que eles querem é holofotes, mídia e um mundo feito de arco-iris.
    Quem sabe “numa outra vida” eles se arrependam disso, não é mesmo?

  11. Mariana

    Olegário, meu irmão,
    Eu entendo que vocês achem que é pecado a prática homossexual, mesmo porque é bastante coerente com o que ensina sua religião. Também procuro ser coerente com aquilo em que acredito. Ocorre que esse é um “pecado” (aspas para mim) que incomoda muuuuito mais do que vários outros que se sabem pecados desde que o mundo é mundo. Estou falando da nossa sociedade de um modo geral, independente de projetos de lei, certo? O que se sabe é que o homossexualismo gera mil vezes mais preconceito do que outros pecados como o não honrar pai e mãe, mentir e até mesmo outros. Até onde sei o homossexualismo não é mais pecado do que estes exemplos que eu dei, entretanto, por ser da alçada de uma minoria da sociedade, por chocar padrões, gera um preconceito e indignação muito maiores. Acho que nisso concordamos. O ponto fundamental para mim é que, em que pese ser considerado pecado, a sociedade não tem o direito de condenar de uma forma tão cruel aquilo que nem se sabe se é da natureza daqueles ou se é uma simples opção (não acredito nisso). “Ah, então eu não posso dizer na pregação que é pecado?”. Não só pode como deve, se é nisso que se acredita, porém de uma forma tranquila, honesta, respeitosa. O que se quer evitar é a exclusão social, é a violência gratuita (ainda que vc diga que são raros os casos), é que os mesmos sejam taxados como uma praga, uma doença. Isso, na minha opinião, não é ser cristão.
    Fosse o homossexualismo tratado apenas como mais um pecado, digno das orações das igrejas que o condenam em sua doutrina, mas respeitando-se o livre arbítrio de quem o queira praticar (o que não ocorre, pois a condenação é bastante cruel no mais das vezes), aí sim, acredito que as passeatas perderiam sua razão de existir ou seriam raras, as iniciativas legais nesse sentido, de igual forma, não fariam sentido e até mesmo alguns outros exageros por parte dos gays.
    Talvez seja essa mudança de atitude, da maneira de olhar as coisas que esteja faltando para alguns católicos. É possível achar errado sem agir com tanto preconceito. É possível – e necessário – enxergar mais a pessoa e suas obras em prol do próximo do que apenas condenar sua orientação sexual.
    Pro fim, Olegário, um conflito de ordem sexual, acredite, é bem mais sério do que suportar uma cruz financeira ou na seara da saúde. Digo porque conheço e sou amiga de três homossexuais. Além disso, o simples fato de o homem e a mulher se complementarem quando se analisa seus sistemas reprodutores não se mostra como argumento suficiente para taxar de pecado o homossexualismo e sua prática. Se houver uma outra razão, mesmo um escrito bíblico, gostaria de saber.
    Forte abraço.

  12. Benjamin Bee

    Ferraz

    “Porque a faculdade sexual do homem está ordenada à perpetuação da espécie.”

    Na linha de raciocínio da sua discussão… E se a relação homossexual for, como nos animais, uma linguagem que visa a perpetuação da espécie através de códigos de hierarquias e papéis?

    Não que eu concorde, na minha opinião a razão é ecológica e interregno necessário e indispensável entre a sexualidade e a assexualidade. Super população planetária e tempo de adaptação biológica da espécie.

    Nessa condições sua afirmação se verifica também nas relações homossexuais. O homossexual é o que está a meio do caminho.

  13. Leniéverson Azeredo

    Olá, boa noite a todos!Em tempo, estou sem computador em casa e lastimavelmente demorarei a participar deste blog.Bom, quanto ao tema em si, acho que a Mariana e o Bee devem ser uns daqueles que consideram e tem o habito de “eloigiar” cristãos de fundamentalistas, atrasados, tradicionalistas, conservadores e o resto todos sabem.Eu sinceramente acho que a deputada fluminense e NÂO carioca tem o direito de manifestar a fé dela do jeito que quiser.Sabem por quê? Porque a mídia secular adora associar a igreja católica com a pedofilia,com a inquisição, dentre outras coisas.A imprensa secular adora ofender o Papa Bento XVI, no google image.