Diplomacia Vaticana: documento confidencial sobre a viagem do Papa Bento XVI ao Brasil

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 1 mês 23 dias atrás.

[O Wikileaks vazou recentemente um documento da diplomacia vaticana sobre a visita do Papa Bento XVI ao Brasil em 2007. Segue abaixo uma tradução (feita às pressas e provavelmente cheia de erros) dos seus pontos mais importantes. Todos os negritos são meus.

É interessante ver a gritante discrepância entre as preocupações da Santa Sé e a dos representantes da Igreja Católica nos países da América Latina. Enquanto o Papa está preocupado com a Fé e com a Moral, os bispos discutem política. Enquanto a Santa Sé condena e reitera a condenação à Teologia da Libertação, constata-se que (desgraçadamente) esta praga volta a crescer no Novo Mundo. Enquanto os bispos estão preocupados com questões ambientais, o clero encontra-se em uma situação deplorável.

O Papa preocupa-se com o Brasil e com a América Latina. Os documentos mostram que Roma está ciente dos problemas principais – dos verdadeiros problemas – que assolam a Igreja latino-americana, e que se empenha em saná-los. Mas é mister a boa vontade dos líderes locais. Ouçamos o Papa, e confiemos no Vigário de Cristo – que nos conhece, que se preocupa conosco, que olha por nós, que certamente reza por nós.]

— SUMÁRIO —

1. O Papa Bento XVI viaja para o Brasil entre os dias 9 e 13 de maio [de 2007], para abrir uma sessão plenária do Conselho do Episcopado Latino-Americano e Caribenho (CELAM). Os três encontros continentais mais recentes (Colômbia em 1968, México em 1979 e República Dominicana em 1992) forneceram diretrizes para a Igreja Católica na região para muitos anos à frente. Este encontro em Aparecida parece que vai fazer o mesmo. As questões mais importantes na agenda incluem o crescimento do Protestantismo, pobreza, compromisso civil [civil engagement], questões familiares e o meio-ambiente. Sobretudo, em aparições antes da conferência e no seu discurso de abertura do encontro, o Papa Bento XVI espera reavivar a fé no Brasil e na América Latina, restabelecendo a força da Igreja nesta terra de coração católico [in this Catholic heartland]. Ele pretende provar que, a despeito de sua atenção para a Europa, para o Islã e outras questões, a América Latina continua sendo um foco para a Santa Sé. Destaques da agenda do papa apareçam no parágrafo dezessete. Fim do sumário.

[…]

— Por que o Brasil? —

4. A viagem ao Brasil e o encontro do CELAM oferecem ao Papa uma chance de demonstrar o seu interesse nesta região, e de colocar a sua marca na América Latina. É sua tarefa reconectar-se ao povo. O Brasil – e muito da América Latina – é como um território de missão, disse [o Monsenhor Stefano] Migliorelli, usando a terminologia católica para terras que não foram sistematicamente expostas à Fé. “Nós temos que abordá-lo como evangelização – começando do zero”, ele continua. E o Brasil é a chave para a Igreja da América Latina, Migliorelli nos disse, tanto por causa do gigantesco número de católicos que há lá quanto pelo fato de que – da perspectiva católica – ele sofre muitos dos problemas (seitas evangélicas, pobreza, desafios ambientais) que se podem ver em outras partes da região. Quando se encontrou com cardeais sul-americanos dois anos atrás, foi o próprio papa Bento XVI quem escolheu o local do encontro, dizendo ao grupo que ele queria realizá-lo no santuário mariano mais popular do Brasil.

— Valores familiares e questões políticas —

5. Em encontros preliminares e mensagens que antecederam o encontro do CELAM, o Papa focou principalmente em questões internas da Igreja, como promoção vocacional de candidatos ao sacerdócio e a defesa dos ensinamentos morais católicos sobre o casamento e a vida da família. Os bispos da região foram mais políticos em suas discussões prévias. Em suas aparições antes do início da conferência, o Papa tem mais chances de se focar em questões amplas de fé e moral, enquanto a sua mensagem para a conferência pode se tornar mais concreta, refletindo as preocupações dos bispos. Sua mensagem irá sem dúvidas estabelecer o tom do resto da conferência, um alto funcionário do Vaticano nos disse. “Os bispos não será capazes de tomar um caminho diferente depois do Papa estabelecer as suas prioridades”, acrescentou.

6. Abaixo, nós delineamos alguns dos temas que servirão como pano de fundo para as intervençoes do Papa, e os tópicos sobre os quais ele e os bispos vão tratar.

— Crescimento do Protestantismo —

7. Quando [o Papa] João Paulo II fez sua primeira viagem ao Brasi, em 1980, os católicos contavam com cerca de 89 por cento da população. De acordo com o censo de 2000, eles caíram para 74 por cento, com o total em algumas das maiores cidades chegando a menos de 60 por cento. A cada ano, milhões de católicos latino-americanos deixam as suas igrejas para se juntar, majoritariamente, a congregações evangélicas – um abandono encorajado ativamente, de acordo com a Igreja Católica, pelos pastores destes novos rebanhos. De acordo com uma análise, enquanto a Igreja Católica se concentra em “salvar almas”, a maior parte das igrejas evangélicas enfrentam problemas do dia-a-dia enquanto inventam apenas as demandas doutrinárias necessárias para satisfazer a sede de misticismo da América Latina. O Papa João Paulo II descreveu sua atividade como “sinistra”. Uma das principais tarefas do Papa Bento XVI será redespertar a comunidade católica e encorajar a resistência àquilo que ele chamou de “roubo” feito pelas “seitas” [“poaching” by “sects”].

— O “perigo” da Teologia da Libertação —

8. Outra importante questão contextual da visita é o desafio à Igreja tradicional que a Teologia da Libertação desempenha. O Papa João Paulo II (ajudado pelo papa atual quando ele era o Cardeal Ratzinger) fez enormes esforços para acabar com esta análise marxista de luta de classes. Ela veio a ser promovida por um significante número de clérigos e leigos católicos, os quais – em um compromisso político – algumas vezes sancionaram a violência “em favor do povo”. A forma mais ortodoxa da Teologia da Libertação, que tomou o partido dos pobres e oprimidos, submeteu-se a uma leitura reducionista [do Evangelho] que o Vaticano procurou corrigir. De um modo geral o Papa João Paulo II derrotou a “Teologia da Libertação”; no entanto, nos últimos, viu-se um ressurgimento dela em várias partes da América Latina.

9. Esta questão veio à tona novamente em março, quando a Congregação para a Doutrina da Fé (território familiar [old stomping grounds] do Papa Bento XVI) emitiu uma nota criticando escritos do sacerdote Jon Sobrino sobre Jesus Cristo. Sobrino, um jesuíta que trabalhou por muitos anos em El Salvador e que foi um dos mais conhecidos teólogos da libertação da América Latina. A publicação da notificação do Vaticano tão perto do evento de Aparecida foi uma mensagem clara para a Igreja na América Latina. Migliorelli diz ainda: “nós não planejamos apresentar” [to bring up] A Teologia da Libertação em nenhuma das intervenções papais. “Todo mundo sabe a situação”, continuou ele. A chave é simplesmente para que o clero seja treinado de forma mais eficaz para explicar a posição da Igreja para o povo, concluiu.

— Miséria clerical [Clerical Woes] —

10. Sem dúvidas, disse Migliorelli, a crise dos clérigos é um fator importante na região. A escassez de sacerdotes em muitas partes da América Latina é de longe pior do que aquela nos Estados Unidos. De acordo com alguns cálculos, há dez vezes menos padres per capita do que nos Estados Unidos. E ainda pior, lamenta-se Migliorelli, é que o nível de educação deles é freqüentemente muito baixo, e eles freqüentemente não adotam os padrões de disciplina clerical (celibato, celebração regular dos sacramentos, etc.). Embora o Papa Bento XVI vá dedicar-se aos leigos nesta viagem, Migliorelli admite que a questão dos clérigos também exige atenção.

[…]

— Deterioração da Sociedade —

12. Na preparação do encontro do CELAM, os bispos latino-americanos expressaram suas preocupações sobre a “deterioração” geral da sociedade em suas regiões. O presidente da Conferência dos bispos da Guatemala, Alvaro Ramazzini Imeri, lamentou a violência social onipresente e descreveu “sociedades que tentam seguir estilos de vida de consumismo e hedonismo”, com pouca atenção para a justiça social. Desafios referentes à criminalidade, migração e educação estarão entre as questões que os bispos da região discutirão em Aparecida, e irão indubitavelmente encontrar seu caminho (pelo menos em traços largos) nas observações do Papa. Para a Santa Sé e para os bispos, muitas destas doenças podem ser atribuídas à dissolução das famílias e à falta de atenção aos “valores morais”. O Papa e os bispos irão certamente fazer da família uma peça central de suas observações.

[…]

— Hot Spots —

14. O Monsenhor Angelo Accattino, MFA da Santa Sé no CELAM e em muitos países latino-americanos, reconheceu as preocupações e o interesse da Santa Sé em pontos chave da América Latina como Cuba e a Venezuela. Mas este não é o lugar, ele disse, para se debruçar sobre o que ele chamou de “questões políticas”. Ele disse que o Papa não vai comentar sobre líderes controversos, e que não achava que os bispos regionais devessem agir de modo diferente. Se nós pudermos ajuda a Igreja a rejuvenescer com esta visita, será assim mais fácil tratar de outras questões (e líderes), Accattino disse. Quando pressionado, ele reconheceu que em Cuba e na Venezuela as questões em jogo eram baseadas em direitos humanos – terreno fértil para o Papa e os bispos. Ele sustentou, no entanto, que o Papa só iria orientar claramente sobre as questões mais amplas [the pope would steer clear of all but the broadest questions].

[…]

— Comentário —

16. Quatro bispos dos EUA – incluindo maior homem da Igreja americana no Vaticano, o cardeal William Levada – irão participar da Conferência do CELAM, o que sugere que ela possa ter impacto até mesmo para além das fronteiras da América Latina. A participação de um cardeal canadense também enfatiza a visão da Santa Sé de solidariedade nas Américas. A Santa Sé tem colocado grande ênfase na viagem, antecipando que ela será um momento importante neste pontificado. Fontes nos dizem que o Papa Bento XVI tem-se isolado nos últimos dias, para se dedicar totalmente à finalização de seus discursos, que serão entregues em Português. No final, a viagem será um sucesso se Bento XVI for capaz de reacender o entusiasmo para a Igreja Católica no Brasil, e também impactar toda a região, fazendo com que os católicos se concentrem em “fé, família e moral”. Esperamos um documento para sair da reunião Aparecida até o final de 2007, focando sobre alguns dos problemas mais concretos mencionados acima. Fim do comentário.

[…]

Rooney

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

23 thoughts on “Diplomacia Vaticana: documento confidencial sobre a viagem do Papa Bento XVI ao Brasil

  1. Benjamin Bee

    Pois é. João Paulo II ao invés de corrigir o que estava errado na TL resolveu apagá-la do mapa. Resultado: Teologia da Prosperidade.

  2. Cristiane Pinto

    Benjamin
    “Pois é. João Paulo II ao invés de corrigir o que estava errado na TL resolveu apagá-la do mapa. Resultado: Teologia da Prosperidade.”
    Não entendi exatamente o que você quis dizer. Você queria o quê, que TL continuasse? TL é um lixo. Não adianta corrigir o que está errado na TL, a TL é toda errada, o jeito é varrê-la do mapa mesmo. Quanto à teologia da prosperidade, só os católicos fracos na fé caem nas mãos do protestantismo.

  3. Cristiano

    Não, Alien, não existe nada de correto na TL.

    Ela defendia tudo aquilo que a sã doutrina da Igreja de Cristo despreza. Inclusive, veja os frutos “bons” que a TL trouxe para o nosso país: um Frei Betto e um Dom Casadaliga que defendem uma doutrina oposta da Igreja de Cristo, mormente no campo da moral e da teologia do corpo, como se eles fossem os detentores da verdade, esquecendo que somente na Igreja, Corpo Mistico de Cristo enquanto em unidade com Pedro, onde se encontra manifesta essa verdade, que é, ao fim e ao cabo, o próprio Cristo manifesto.

    Pena que o Bee e outros desconheçam tudo isso. Santo Inácio de Antioquia, Santo Agostinho e outros Padres da Igreja sabiam que o Santo Padre era assistido pelo Espírito Santo de forma que, posteriormente, amparado pela Sagrada Tradição e pela fé da Igreja, o Beato Pio IX no memorável Concilio Vaticano I pode proclamar o dogma da infabilidade papal.

    É claro que a decisão do Beato João Paulo II, nesse caso,ao que me conste, não foi um magistério infalível, haja vista que existem requisitos para se realizar um magistério infalível, mas certamente, o Cardeal Joseph Ratzinger [hoje nosso Santo Padre Bento XVI] conseguiu demonstrar através das Instruções Libertatis Nuntius e libertatis Conscientia claramente todos os erros existentes na essência, na ideologia e na praxis da TL.

    Para algo mais claro e mais recente, veja os videos do Padre Paulo Ricardo, em especial, esse último que o Jorge fez o favor de postar alguns dias atrás. Ali vocês verão se a TL tinha realmente algo de bom.

    Cristiane, infelizmente por conta da TL é que temos católicos fracos, pois como diz a Escritura: “Meu povo se perde por falta de conhecimento” (Os 4,6). Trocaram o anuncio do Evangelho e a formação na fé do Povo de Deus por uma luta de classes sob a capa de cristianismo. Ai, o povo do Senhor se perde por falta de conhecimento, e cai nas garras de maus pastores e lobos.

  4. Cristiane Pinto

    Cristiano
    “Cristiane, infelizmente por conta da TL é que temos católicos fracos, pois como diz a Escritura: “Meu povo se perde por falta de conhecimento” (Os 4,6). Trocaram o anuncio do Evangelho e a formação na fé do Povo de Deus por uma luta de classes sob a capa de cristianismo. Ai, o povo do Senhor se perde por falta de conhecimento, e cai nas garras de maus pastores e lobos.
    Concordo com você. Devemos à esta maldita TL o fato de existir católicos fracos que muitas vezes acabam abandonando a fé católica para seguir o protestantismo ou qualquer outra religião. Devemos à TL o fato de existir muitos pastores que são lobos em pele de cordeiro. Para mim, não somente a TL, como também o marxismo devia ser varrido do mapa. Não gosto do marxismo, nem um pouco, da TL então, gosto menos ainda. Abomino a TL. A TL é uma falsificação do evangelho, pois distorce tudo o que o evangelho ensina. Cristo em nenhum momento defendeu que todos devem lutar pela igualdade econômica. Cristo não condenava o fato das pessoas serem ricas, condenava o mau uso da riqueza. Condenava o fato dos ricos não ajudarem os pobres, mas jamais defendeu a extinção das classes sociais. Ao contrário, Cristo disse que sempre haverá pobres no mundo. Ele não via mal algum em as pessoas terem riquezas, Ele condenava o fato dos ricos não se importarem com os pobres, deixando-os morrerem de fome. Mas jamais defendeu que se deve acabar com as classes sociais. Ele condenava o fato da pessoa colocar o “ter” acima de tudo, sem se importar com o próximo, mas jamais defendeu que os pobres devem tomar o poder e passar a ditar as regras. Jamais defendeu que os pobres devem tomar o que é dos ricos. Muito pelo contrário, o cristianismo sempre defendeu a propriedade, do contrário não faria sentido aquele mandamento de não cobiçar as coisas alheias, de não querer tomar para si o que é dos outros, isto é, de não roubar. Está profundamente errado dizer que “Cristo fez opção pelos pobres”, pois isto significaria que Ele excluiu os ricos de seu amor. Essa é uma tese da Teologia da Libertação que considera a riqueza um mal em si, o que vai contra a Escritura, a Teologia e o bom senso.
    Cristo foi amigo de Lázaro, que era muito rico, e ele chamou ao presépio de Belém os pastores pobres, e os ricos reis que lhe levaram ouro. Cristo não excluiu ninguém, pois veio redimir o gênero humano. E os ricos fazem parte do gênero humano. Na Sagrada Escritura, lemos que Deus abençoa o rico e o pobre, pois está dito: “O rico e o pobre se encontraram. Deus criou a ambos” (Prov. XXII, 2). Porque Deus não opta, isto é, não prefere o pobre. Deus, se prefere alguém, é pela virtude. Deus ama os santos e exclui os pecadores que não querem se converter, e que repelem obstinadamente a sua graça. Quem lançou esse slogan que “Deus fez opção pelo pobres” foi a Teologia da Libertação cuja doutrina é marxismo fantasiado de Teologia. Na realidade, os teólogos da Libertação não fazem “opção pelo pobres”: eles fazem opção pelo marxismo e pelo Partido Comunista, ou por movimentos e partidos marxistas, ou cripto comunistas como o PT, sócio do comunista Fidel Castro. Cristo não faz “opção” pela condição social ou econômica da pessoa.
    De fato o sol ilumina a ricos e pobres, e Deus dá graças a todos. E há pobres bons, e há pobres maus. E há ricos maus, como há também ricos bons.
    Por exemplo, Abraão era rico e muito bom. Se Deus, no Antigo Testamento – nas linhas— afirmou que criou e ilumina ricos e pobres, sem opções de pessoas só por serem ricas ou pobres, o Filho de Deus, no Novo Testamento não veio salvar só uma classe de homens, nem faz acepção de pessoa, nem faz “opção” por alguém por causa da grossura ou da finura da carteira das pessoas. Deus não ama as pessoas pelo saldo positivo ou negativo de sua conta bancária.
    Deus Nosso Senhor faz “opção” pelos bons, pelos que guardam a Fé e obedecem os seus mandamentos. Jesus declarou bem aventurados os pobres de Espírito — não os pobres simplesmente materiais — e condenou os que vêem tudo sob o prisma do dinheiro, como “vêem” os cegos da Teologia da Libertação, através de seus óculos marxistas e materialistas.

  5. Benjamin Bee

    Uma vez, nas Missões fui tachado de anti TL, pouco depois na CL fui tachado de TL.

    Você mesmo me tacham de TL enquanto segmentos LGBT me tacham de Opus Dei. Ninguém se decide sobre o que sou.

    O problema é o sectarismo das correntes. Carismas católicos de algum modo, desde a extrema direita até a extrema esquerda têm alguma coisa em comum. Deve haver uma convergência.

    O que não se pode admitir é a TP, que é sim, é coisa do Dinheiro.

  6. Benjamin Bee

    Mais uma coisa. Falta de síntese nos comentários é falta de convicção.

    Escrevam menos com conteúdo mais direto. Botem convicção nos parágrafos que eles ficam mais curtos.

    Me disseram que ser conciso tem nome: “assertividade”.

  7. Alien

    Bee, eu fui conciso, mas não me respondeste… pergunto de novo: “Por curiosidade: o que está certo na TL?”

  8. Cristiane Pinto

    Benjamin
    Eu estou bem certa de minhas covicções, convicções é o que não me falta. Apenas procurei explicar porque sou contra TL. Não é porque minha resposta foi comprida que deixo de ter minhas convicções. Não sou de esquerda nem de direita, sou apenas católica.

  9. Cristiane Pinto

    Benjamin
    Esquerdistas não são católicos. Esquerda é incompatível com o catolicismo. Simples assim. Fui concisa agora?

  10. Benjamin Bee

    Alien

    Eu não sei de todo o que estava certo na TL. Sei o que está errado tanto na TL como na TP.

    Mas não é possível que a TL tenha colocado Jesus em segundo plano. Isso é impossível, seria de um cinismo sem tamanho. E não acredito que a TL tenha sido assim tão cínica.

    O fato é que a TL foi execrada por ser políticamente de esquerda, fazer opção pelos pobres, etc.

    Essa coisa de dizer que não pode existir catolicismo na esquerda é uma papagaiada da direita.

    AS comunidades eclesiais de base, se eu não estiver errado, eram o forte da TL. Os jovens tinham um papel que hoje não se vê. O que se vê de juventude no catolicismo é a tal Jornada que este ano acontece em Madrid. Claro, só para ricos.

    Imagina só, num tempo em que o Papa já manipula um tablet, a Igreja tímida não usa da audácia católica para realizar a mesma Jornada via internet. Esse atraso tecnológico a TL não tinha, tanto que alcançou os rincões da América Latina.

    Preferem deslocar um ancião já bem velhinho e estressá-lo pra fazer as delicias turísticas da juventude católica rica que tem condições de atravessar o Atlântico de Boeing, subir da África ou vir da Ásia para a “Roma” européia madrileña de luxo.

    A Tl deu mancada, mas o Vaticano também dá.

    Agora quem não foi conciso fui eu. Essa mania de escrever demais pega. Oxe!

  11. Cristiane Pinto

    Benjamin
    “Essa coisa de dizer que não pode existir catolicismo na esquerda é uma papagaiada da direita.”
    Papagaiada nada. Primeiro porque já disse não sou de direita, também faço críticas à direita, não somente à esquerda. Nenhuma das duas prestam. E pergunta para os marxistas se é possível ser de esquerda e católico ao mesmo tempo. Claro que eles vão dizer que não. Não pode existir catolicismo na esquerda pelos motivos que te expliquei acima. Sem mais.

  12. Wilson Ramiro

    Caros

    Eu participei de algumas reuniões na década de setenta, para iniciarmos mais uma “bendita” CEB, na época eu já participava em grupo espontâneo de jovens católicos, primeiro enviamos alguns representantes os quais voltaram maravilhados com os objetivos pretendidos, tanto que fui com mais alguns coordenadores para certificar tais maravilhas.

    Em nenhuma vez que estive presente rezamos um Pai Nosso que fosse, nenhuma orientação bíblica foi colocada, as reuniões era apenas para condenar politicas de governo e planejar táticas de ação para “melhorar” a vida do homem do campo.

    A “Teologia da Libertação” na prática sempre foi apenas a “Teologia da Prosperidade Rural”, os “padres” apenas enfatizavam o direito à prosperidade daquelas pessoas simples.

    ps: Já fui jovem. Já naquela época abandonamos aquela heresia e continuamos lutando pelos pobres, junto com a Igreja.

  13. Ygor

    Sr. Bee,

    O Sr. disse:”Mas não é possível que a TL tenha colocado Jesus em segundo plano”.

    Te afirmo que não só é possível como, de fato, o Jesus da TL, de Jesus, só tem o nome.

    O Sr. disse: “O fato é que a TL foi execrada por ser políticamente de esquerda, fazer opção pelos pobres, etc”.

    Fazer opção pelos pobres? Ou pelas classes? Na verdade usar os pobres como pretexto para, a qualquer preço, se apoderar do poder político-econômico detido pela “classe dominante” não é fazer opção pelo pobre. Aliás, esse conceito de “classe” é extremamente preconceituoso…
    Outra coisa, a TL tentou fundir marxismo e cristianismo e estes são incompatíveis. Logo a TL já não é católica…

    Catolicismo pode existir na esquerda, mas não se a esquerda em questão se baseia no socialismo. E existe de fato catolicismo na direita? Mas digo catolicismo de verdade, não apenas um título de ocasião.

    Realmente a jornada da juventude é um evento para poucos e, em geral, ricos. Porém há algum mal nisso? Quem dera se os ricos se voltassem para Cristo, imitando-O. Agora os jovens da TL eram antes militantes socialistas. Por acaso, muitos destes, católicos de estatística.

    E qual foi a mancada do Vaticano???

    “Me disseram que ser conciso tem nome: “assertividade””.

    Outra afirmação falsa! Quem te disse isso ignorou os conceitos. Não é necessário, nem suficiente, ser conciso para se declarar algo com firmeza…

    E para ser conciso, vou te poupar de contra-exemplos.

  14. Cristiano

    Bom, se falta de concisão é falta de convicção, todos os teoricos de qualquer ciencia, os doutores, não estavam convictos do que pesquisavam. Imagino que 100,200,400 páginas são falta de concisão, não? Logo, segundo seu argumento, eles fizeram uma pesquisa e não estavam convictos do resultado obitido. Gostaria de saber quem afirmou que a concisão está inclusa na assertividade se estamos num debate e onde há debate há dialética.

    Ora, Bee, as pessoas precisam de Deus e não de participação dentro da Igreja. A experiencia vital do homem aspira “experimentar” a Deus e não participar de nada. A TL não permitiu as pessoas experimentar a Deus e só fomentou luta de classes e por essa necessidade que os padres da TL não saciavam que elas buscavam homens que na teoria lhes permitiram essa experiencia com o divino. Quem afirma isso não sou eu, mas o Padre Cantalamessa, pregador do Vaticano.

    Todos nos ouvimos uma vez na vida aqueles discursos nauseantes de Padres militantes da TL que giravam em torno da mesma historia: Deus veio para os pobres, os pobres são injustiçados, a Igreja precisa preferir os pobres e toda aquela balela que, muitas vezes, não tem nada a ver com o assunto do Evangelho da missa.

    Que diferença entre a doutrina de São Francisco de Assis ou do Beato Charles de Foucauld e essa balela que a TL apregoava. Ambos os santos se preocuparam com o fato totalizante da vida cristã, como diziam os padres da patristica: o fato cristão deve redimir o corpo, a mente, a alma e a experiencia social do homem. Enquanto que os teologos da TL mal e mal pensavam na experiencia social do homem, o corpo, a mente e a alma, então…

    Mostre-me um “militante leigo da TL” cristão de boa cepa, homem piedoso, e com uma fé bem formada e uma vida cristã nos niveis de um Francisco de Assis, de um Pedro Claver ou de um Charles de Foucauld e aí eu repenso tudo que afirmei sobre a TL

  15. Messias

    “Mas não é possível que a TL tenha colocado Jesus em segundo plano. Isso é impossível, seria de um cinismo sem tamanho. E não acredito que a TL tenha sido assim tão cínica.”

    A TL não coloca Jesus em primeiro plano. Coloca é Karl Marx que dizia que os princípios do Cristianismo são os princípios da canalhice.

    “O fato é que a TL foi execrada por ser politicamente de esquerda, fazer opção pelos pobres, etc.”

    O velho maniqueísmo: a esquerda é boazinha e dos lados dos pobres. Quem é contra é malvadão. A TL foi reprovada porque é ateia, anticristã, materialista e apoia governos tirânicos.

    “Essa coisa de dizer que não pode existir catolicismo na esquerda é uma papagaiada da direita.”

    Então Marx era de direita porque ele mesmo dizia que catolicismo e socialismo são inconciliáveis.

    “AS comunidades eclesiais de base, se eu não estiver errado, eram o forte da TL. Os jovens tinham um papel que hoje não se vê. O que se vê de juventude no catolicismo é a tal Jornada que este ano acontece em Madrid. Claro, só para ricos.”

    As CEBs Não passavam de extensões do PT e outros partidos de esquerda. E Eu conheço gente pobre que já participou da JMJ.

  16. Eleutério Gasspodin

    A alta hierarquia Católica está voltando a ser o que sempre foi: elitista e preconceituosa, para os ricos e poderosos toda a sua subserviencia, para os pobres e trabalhadores o rigor de seus dogmas e preceitos. Um exemplo classico ocorreu ontem no casamento do Principe de Mônaco, toda a pompa e luxo numa cerimonia suntuosa para uma pessoa devassa e (Para os padrões da igreja, pecadora) em outros parametros, se fosse uma simples pessoa humilde ou pobre seria achincalhada por ter levado uma vida de pecado, e talvez nem cerimonia houvesse, é gritante a incoerencia destes prelados e de muitos padres neste ponto. Aqui em nossa região filhos de mãe solteiras não são batisados e casamentos de divorciados idem, mas se a pessoa é rica e da alta sociedade, ai é diferente, aqi eles se curvam e fazem toda a espécie de cerimonias. Quanta hipocrisia !!!

  17. Cristiane Pinto

    Eleutério
    Francamente, você não sabe o que diz. Elitista e preconceituosa por que? Os dogmas da Igreja são para ricos e pobres, sem distinção. Nunca vi a Igreja tratar mal os pobres, sei disso porque sou pobre e apesar de ser pecadora jamais fui achincalhada por levar uma vida de pecado. São os teólogos da libertação que fazem distinção de classes, como se Cristo tivesse vindo somente para os pobres e tivesse excluído os ricos. Meu Deus, como você fala besteira. Isso é conversa de comunista.

  18. Sidnei

    Eelutério, se há padres que dão mais preferência a ricos do que a pobres, não vou negar, mas dizer que a Igreja toda é assim, aí e generalização simples e gratuita, e se há padres em sua região que proíbem batizados de filhos de mães solteiras ou divorciadas por serem pobres, isto demonstra a ignorância destes padres, mas aqui na minha região, mas especificamente na região sul, estado de Santa Catarina, independente das mães serem solteira ou os pais divorciados, ricos ou pobres, as crianças são todas batizadas, salvo se o padre perceber que a família de tal criança não tiver base cristã suficiente para evangelizar esta criança durante a vida, aí, será melhor esperar que a família passe a conhecer melhor nossa fé ou a criança cresça, conheça por ela mesma nossa fé e venha pedir o batismo, mas fora isto, soa até estranho que haja padres que continuam ainda a não batizar crianças por estas serem filhos de mães solteiras ou de pais divorciados e pobres, embora eu também acredito que ainda haja.

  19. Benjamin Bee

    Cristiane

    Isso da TL fazer distinção de classes é verdade. Eu vi isso e por conta disso fui rejeitado nas Missões. Não lembro como se chamava aquela organização. Eram simpáticos mas meio obtusos.

    Essa ideologias, tanto de esquerda como de direita são mesmo um abacaxi.

    Mas vi pessoas bem legais dos dois lados.

    Eu gosto mesmo é de santos. Aqueles que me causam a “inveja santa”. Esses realmente me movem e comovem.

    Quem me dera ser assim. Circunspecto, introspectivo, contrito. Letícia não faz mal algum, ao contrário. Parece receita e talvez até seja mesmo, mas gosto de ver e estar perto de gente assim. Principalmente se for um dia de sol ameno e pássaros voando ao redor.

    Tem um aí que esqueci o nome que já vai vomitar. Não posso fazer nada. Eu sou assim mesmo. :)

  20. Olegario

    Que exista padres que se negue a batizar crianças de mães solteiras é verdade porque eu já vi.
    Mas isso não é um impeditivo para batizar um filho.
    É só procurar outro sacerdote.
    Por outro lado tambem conheço “mãe solteira” que quando não encontra cesta básica numa paróquia, corre e busca em outra.
    Se na outra não tiver, ela continua percorrendo até encontrar uma que lhe sirva.
    E encontra.
    Ora, se essa romaria funciona com cesta básica, não há de dar certo para batizar um filho?
    Basta querer.
    Quanto a exclusão de pobres em preferencia dos ricos tambem existe.
    Mas isso não é prerrogativa dos padres.
    Em qualquer instituição “a coisa” é mais ou menos assim.
    Por fim, se o católico for se apegar a defeitos e problemas para servir a Deus nesse mundo, não reza nem o terço.
    E A TL que não se faça de santa com esse bordão surrado e grudento de “preferencia aos pobres e excluidos da sociedade” porque esse sofisma já esta desmascarado.
    O que os padres “liberteiros” querem é mesmo formar soldadinhos de foice na mão.
    E o céu que se dane.
    Olegario.

  21. Benjamin Bee

    O fato é que a Teologia da Prosperidade veio preencher o vazio deixado pela Teologia da Libertação. Agora o Vaticano tem que correr atrás porque a TP vem aí com tudo. A TL oferecia participação nos dividendos mundanos, a TP oferece a ilusão de participação nesses mesmos dividendos.

    A continuar do jeito que vai algum discípulo de Edir Macedo ou Malafaia ainda vai ser Papa e ocupar o trono de Pedro.

    Bem… O Apocalipse tá previsto, né?

  22. Cristiane Pinto

    Também ouvi falar de padres que agem assim, que não batizam filhos de mães solteiras ou divorciadas, por exemplo, e padres que dão preferência para ricos, mas não gosto de generalizações. Não se pode julgar a Igreja toda, dizer que a Igreja é elitista e preconceituosa só por causa de alguns padres. Quanto ao casamento do Príncipe de Mônaco, ora, uma coisa nada tem a ver com a outra, a Igreja atende a todos, ricos e pobres. Para pobres haveria cerimônia também, só que não tão luxuosa, porque pobres não teriam condições de pagar. E todos são pecadores, não é porque é o Príncipe de Mônaco que vai deixar de ser pecador. Quem erra são alguns membros da Igreja, não a Igreja em si. A Igreja é o corpo de Cristo. Aqui na minha região, por exemplo, mais especificamente a região sul, estado do Paraná, as coisas não são bem assim. Na minha comunidade, eu só vejo padre tratar as pessoas igualmente, e a maioria é pobre lá, se é que tem algum rico, acho que não. Nunca vi um só padre da minha comunidade tratar mal as pessoas por serem pobres. Se um sacerdote não quis batizar uma criança por ser filha de mãe solteira ou divorciada, que procurasse outro sacerdote, que não tivesse preconceitos. Com certeza haveria outro que concordaria com o batizado, porque não se deve negar batismo à criança alguma.

    Bentamin
    Eu também gosto mesmo é de santos. Não condeno as pessoas, para mim as ideologias, tanto de esquerda quanto de direita é que são condenáveis. Mas que existe gente que se deixa doutrinar por estas ideologias, existe. Na universidade onde estudo, por exemplo, lá a ideologia é de esquerda. Professores marxistas falam de Marx como se fosse um grande herói, como se fosse Jesus Cristo que veio salvar os pobres da tirania dos ricos. Eu mesma já estou farta de tanto ouvir falar de Marx. Antes, quando não era católica, tinha uma idéia muito romântica sobre o comunismo, sobre essa idéia de repartir riquezas entre os pobres, de ajudar os pobres e tudo mais. E olha que eu nem sabia muita coisa sobre comunismo. Mas depois que conheci os marxistas, passei a odiar o comunismo. Professores marxistas são as pessoas mais arrogantes que já conheci, tratam a gente como se fosse retardado, que nada sabe. Eles se acham os mais inteligentes e do universo, se acham os intelectuais, o sonho deles é que um dia a classe oprimida tome o poder. Eles se acham os salvadores da pátria, os salvadores do mundo. Quando fiquei sabendo que os marxistas são anti-clericais, que muitas coisas que ensinam sobre a Igreja nas escolas e universidades são mentiras, e de muitas coisas horríveis que o comunismo fez, passei a odiar ainda mais o comunismo. Hoje sou anti-marx. Mas também não sou a favor da ideologia do capitalismo, não. Tem muita coisa no capitalismo que é errada. Mas entre capitalismo e comunismo, prefiro capitalismo. Porque capitalismo já é ruim, comunismo é pior ainda. Comunismo não é nada mais do que filho do capitalismo.