Pais e Filhos modernos

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 1 mês 18 dias atrás.

Eu fique estupefato quando, na semana passada, soube que um pai estava tentando convencer um milhão de pessoas a “curtirem” a sua página no Facebook para que seu filho se chame “Jaspion”. Houve um caso, ainda pior, em que o sujeito prometera convencer a irmã a batizar o filho dela de “Megatron” – mas a irmã não o aceitou nem mesmo com o milhão de like’s alcançado. Neste momento em que escrevo, 268.143 já querem que um bebê Jaspion venha ao mundo. Ainda está bem longe do objetivo, mas eu não sei se é impossível; não duvido mais de nada.

Ainda na semana passada eu conversava com um amigo sobre um livro que lera há alguns anos: o Cien años de soledad de Gabriel García Márquez. Falávamos mais especificamente sobre a questão dos nomes. Para quem não leu, só um rápido esclarecimento: o livro conta a história de gerações e mais gerações de membros de uma família, os quais vão sendo, um após o outro, batizados de Aureliano Buendía e José Arcadio Buendía. Chega a ser difícil às vezes distinguir tantos personagens que têm o mesmo nome (veja-se, à guisa de exemplo, esta árvore genealógica).

Em um dado momento, já no fim do livro, os tataranetos (ou sei lá o quê) do primeiro “Aureliano” que aparece no livro – o Coronel Aureliano Buendía, que lutara e perdera 32 guerras na juventude – estão para ter um filho. Pretendem dar-lhe enfim um nome diferente dos nomes tradicionais da família (agora não lembro qual era – digamos, “Rafael”). Levam esta intenção até o último momento; contudo, quando nasce o menino e a mãe dele diz que vai se chamar Rafael, o pai pega o pequeno nos braços e sentencia: “não. Vai se chamar Aureliano Buendía, e vai ganhar 32 guerras”.

Eu nunca esqueci da cena, que é apoteótica. Imagem eloqüente da impotência humana diante da bênção (ou maldição) familiar, da completa incapacidade dos protagonistas frente à inexorabilidade do destino: “vai se chamar Aureliano Buendía”! E por que eu cito agora esta passagem do romance?

Porque é exatamente o oposto do garoto que quer pôr o nome de “Jaspion” no filho. Este, age com um desprezo ainda maior do que o dos personagens do romance espanhol que “só” queriam mudar o nome do filho de Aureliano para Rafael, renegando assim a família Buendía. Quem quer pôr o nome de Jaspion no próprio filho renega toda a humanidade, na qual aparentemente não existe uma única pessoa digna de admiração o bastante para legar um nome ao seu filho. Não há e nem houve jamais um único ser humano que mereça ser homenageado mais do que o super-herói japonês. Às nossas ruas e praças nós damos os nomes de pessoas ilustres; mas, aos nossos filhos (que valem infinitamente mais do que ruas e praças), damos nomes de robôs e de super-heróis. Nomes escolhidos não por nós mesmos, mas por desconhecidos que votam na internet.

As nossas civilizações católicas aprenderam a dar nomes de santos aos seus filhos [“meu filho vai ter / nome de santo… / Quero o nome mais bonito!”], confiando-lhes desde o berço à intercessão do seu Onomástico. Hoje, desejam confiá-los a fantasias de super-heróis japoneses… é triste. É outro sinal da ausência de referências na qual está imerso o mundo moderno, onde a “tradição” da ficção infantil é mais valiosa do que a tradição de toda a raça humana.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

20 thoughts on “Pais e Filhos modernos

  1. Francisco

    Há alguns anos, final da década de 70, salvo engano, uma mulher de minha cidade queria batizar o neto com o nome de Sandokan, por causa de uma série de sucesso na época, estrelada por Kabir Bedi. O padre não aceitou isso e deu ao menino o nome de José. É mais um Zé na cidade, mas ninguém reclama disso. As pessoas perderam os referenciais. O caso citado acima talvez seja o mais emblemático, mas sou de uma época em que nasceram várias Carinas, por causa da novela Pai Herói, e testemunhei o batismo de uma Radija, por causa da novela O clone. Nas igrejas, os padres e catequistas não contam mais as histórias dos santos. Por isso, muitos não sabem o que é a santidade, nem conhecem o testemunho de quem verdadeiramente viveu o Evangelho em suas vidas. Na falta de heróis, uns abraçam o primeiro mito que aparece…

  2. Giovani Rodrigues

    Usamos nomes de santos em nossos filhos: Matheus, André e Daniel. Perdemos o primeiro. Com dois meses de gestação o coraçãozinho batia com dificuldade. Infelizmente não vingou. Mas mesmo assim demos o nome de “Maria”.

    Quando nasceu o segundo, uma parente da minha mulher, espírita, exclamou: “André Luiz?”, respondi com firmeza: “Não! André! Em recordação ao grande Apóstolo da Igreja, que intercederá por ele durante toda sua vida. Para que nunca se desvie da Verdadeira Religião”. hehe

  3. Messias

    Por que Jaspion? Por que não Jiraya, Daileon, Change Pegasus ou Giban?

    Brincadeiras à parte, basta ser professor para ver os nomes de alunos que aparecem. Cada um mais bizarro que o outro.

  4. Karla Cruz

    Concordo com a maior parte do texto. Fez-me refletir e acabei descutino a página (que tive até receio em curtir antes). Agora há também a chance (mínima sei) de se escolher tais nomes esdruxulos por mero gosto (mal gosto). :P

  5. VANDRO

    Aqui no município tem um menino cujo pai pos-lhe o singelo nome de SADAM…
    E isso porque tem uns dois ou três ELTON JOHN’s, um JOHN LENNON e até um HELLMANS.

  6. Olegario

    Vandro,

    Se o casal tiver mais um filho avise o Jorge, pois este com certeza vai se chamar Paul Maccartney…:-)

    Olegario.

    Em tempo: Jorge,conte até 10…
    Foi só pra descontrair… ( abraços!)

  7. Eduardo Araújo

    Vandro, e pior, salvo engano, é que Hellmans, ao pé da letra, significa, singelamente, DO INFERNO (na marca, um apóstrofo separa o ‘s”, caracterizando o possessivo).

  8. Olegario

    E eu quando era “criança pequena lá em Barbacena” inda brigava com meu pai por conta do meu nome…
    Olegario.

  9. Alien

    Quer dizer que a maionese que eu passo no pão e que faço minha salada de batata é “do capeta”???

  10. Gustavo Jobim

    Lady Gaga vai chamar seu primeiro filho de Judas em homenagem ao apostolo. Acho que cabe aos pais escolher o nome do filho e não ao padre que vai batizar.

  11. Lúcio Clayton

    Gustavo, seus pais deveriam ter-lhe posto o nome de energúmeno.

    e Olegário seu bom humor é contagiante, tanto aqui como no Fratres vc é sempre fantástico.

    continue assim, comentários desse naipe são nossa alegria.

    Deus Abençoe-o.

  12. Erminea

    Me lembro de um católico que detestava seu próprio nome: Lutero.

    Tinha suas razões, rs.

  13. Eduardo Araújo

    Gustavo Jobim, ela pretende homenagear o apóstolo São Judas Tadeu ou o traidor Judas Iscariotes?

  14. Eduardo Araújo

    Caro Alien e demais,

    Retifico o meu comentário sobre o nome da maionese.

    De fato, há uns blogs que mencionam isso, mas pesquisando direitinho descobri que na verdade Hellmann é o sobrenome alemão do criador da marca. Um erro bem básico, pelo que peço desculpas.

  15. EVANDRO

    Deixem eu corrigir um equívoco: por erro de digitação, meu nome saiu errado: é Evandro (não “Vandro”…)
    No caso do cara da maionese, o nome dele é “Johnson Hellmans”, foi até meu aluno ano passado; tem pelo menos mais dois irmãos, o “Jackson Shell” e o “Work Petrolino”; sobre o nome desse último, o pai nos explicou no conselho tutelar, que Petrolino era porque a mãe da criança era “pretinha que nem petróleo”. Pois é “pretinha” e menor de idade…

  16. Karina

    Eu cheguei a ver esse bafafá no Facebook, mas nem dei crédito. Achei tão esquisito, pra dizer o mínimo…

    Sempre dizia que o nome dos meus filhos seria Daniel e Davi.

    Quando descobri que meu pequeno seria um menino, Daniel e Davi não entravam na minha cabeça, não encaixavam.

    E então, um belo dia, eu acordei com a firme convicção de que seria ISAAC. Pela história do pai Abraão. E, quando li na internet que o filho de Abraão tinha esse nome justamente por significar alegria, aí não restavam dúvidas!

    Hoje, tenho a certeza de ter escolhido o nome que Deus já havia dado a ele desde o princípio, pois meu filho tem um sorriso e uma alegria contagiantes!!

  17. Karina

    Para quem acha que nome não importa, por que Deus/Jesus mudaram o nome de tantos apóstolos, a fim de melhor condizer com sua missão?!

  18. Valdir A. C.

    Houve a algum tempo uma celeuma à época da febre dos filmes de O Senhor dos Anéis (JRR Tolkien, sou admirador absoluto de sua obra), quando um casal teimava em registrar o filho com “Légolas”… veja bem o Lé… hehe.
    Tá certo que o persona é excelente e virtuoso… já pensou se fosse Sauron???
    Trabalhei por um tempo em uma escola e o rol de nomes absurdos era enorme e cômica (não para os detentores)… tipo: Jackclere, Jacklaine, Kateclari, Katelaine, Katelee, Tiago John, Alrina, Haquenathon, ,Miquel Jécson (de Jesus… hehe). Micael Jaquesson, Silvioadão, Jadei, Gegigeslaine e etc…
    Isso mostra onde anda a cabeça da massacrante maioria das pessoas e quanto a falta da verdadeira religião afeta tudo no ser humano.

  19. Anne Caroline Gomes

    Por isso meu primogenito se chama Miguel. Anjo da batalha nos protege contra as armadilhas do maligno.