Sí, es posible la esperanza!

closeAtenção, este artigo foi publicado 3 anos 3 meses 7 dias atrás.

Recebi hoje pela manhã esta bonita notícia sobre o apoio que um ateu homossexual resolveu prestar, publicamente, a um sacerdote espanhol – mais, a um bispo espanhol – que, em sua diocese [aliás, pelo que eu entendi é mais especificamente no site da sua diocese], está promovendo um espaço de ajuda para as pessoas homossexuais que estão dispostas a lutar para abandonar os seus vícios e para levar uma vida da maneira que o Todo-Poderoso deseja.

Não deixem de ler as palavras do jovem venezuelano, que são bonitas; mas o que é ainda mais bonito nesta história toda é a mensagem de esperança que Dom Juan Antonio Reig Pla publicou no site da Diocese de Alcalá. Es posible la esperanza! Estas palavras são um verdadeiro alento para as tantas pessoas que, sofrendo em sua carne os males das inclinações homossexuais, vêem-se abandonadas e privadas do acesso a informações e a pessoas que lhes possam ajudar a enfrentar com dignidade a cruz que aprouve à Divina Providência que lhes coubesse. Porque a Ideologia Gay tampouco admite que haja um homossexual insatisfeito com a sua condição e desejoso de mudar. A famosa “liberdade de escolha”, que até há bem pouco tempo ressoava em nossos ouvidos em defesa dos homossexuais, virou rapidamente uma liberdade de uma escolha só e portanto, por definição, uma não-liberdade.

O Carlos Ramalhete falava exatamente sobre isto na sua coluna de ontem na Gazeta do Povo. Não sobre homossexuais, mas sobre escolhas, e sobre os males que advêm quando terceiros tomam sob si a “responsabilidade” de decidir o que é melhor para alguém. Não é muito diferente a (hipotética) proibição do açúcar no café da (concreta) proibição dos programas de ajuda à pessoa homossexual: em um e em outro caso, temos burocratas ou ideólogos decidindo por si próprios o que é melhor para as pessoas, pouco importando o que estas pessoas pensem ou queiram.

Em última instância, ninguém pode forçar um pecador a se converter. Mas é fundamental – é uma exigência da Caridade inegociável – que os pecadores desejosos de se converterem possam receber de nós todo o apoio do qual necessitarem. Outra, no entanto, é a idéia (e a prática) do Movimento Gay: ao pregarem abertamente contra a irreversibilidade do comportamento homossexual, ao desacreditarem as iniciativas que se propõem a oferecer verdadeira ajuda às pessoas que padecem destes vícios e ao até mesmo atacarem abertamente (por via judicial, se necessário for) as pessoas ou entidades dispostas a oferecerem uma alternativa à entrega animalesca aos imundos pecados contrários à natureza, o que o Movimento Gay quer na verdade é impôr uma terrível escravidão a todas as pessoas que padecem de tendências homossexuais. Negando-lhes a possibilidade de escolher (ou, ainda pior, negando que haja escolhas), transforma-as em escravos [afinal, «a incapacidade de escolha é a maior característica do escravo», como disse o Ramalhete] de seus torpes desejos. Isto sim é degradante, e isto sim deveria ser objeto de censura dos poderes públicos – não os convites à liberdade dos filhos de Deus.

Não deixem de ver o site do Es posible la esperanza (sim, contra tudo o que dizem os baluartes da Ideologia Gay e a despeito das tentativas da Gaystapo de silenciar as vozes dissidentes, é sempre possível a esperança). E, em particular, não deixem de ver as mensagens de agradecimento ao bispo de Alcalá; o preito de gratidão por um bispo que não se rendeu à agenda gay e que está, sozinho, fazendo infinitamente mais pelos homossexuais do que todo o Movimento Gay do mundo inteiro.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

41 comentários em “Sí, es posible la esperanza!

  1. Karina

    A esperança só morre quando Deus morre no coração das pessoas.

  2. Benjamin Bee

    Seis mil anos de homofobia violenta e assassina não foram suficientes para extirpar a homossexualidade da face da Terra. Quanta dor física e moral os homossexuais, vítimas da homofobia, suportaram e ainda têm que suportar por não existir a possibilidade de ser o que não se é.

    Nem a ambiciosa e gananciosa indústria farmaceutica foi capaz de criar ao longo de séculos um farmaco que sequer sugerisse a possibilidade de sucesso, e nem os privilegiados de dons divinos realizaram nesses dois mil últimos anos os milagres que agora se propõem a realizar.

    Não são os homossexuais que insistem na impossibilidade de reversão para um status anterior que jamais existiu para o qual se pudesse reverter . É a eloquência da História e da Natureza que atestam a impossibilidade.

  3. Jorge Ferraz Post author

    Sim, e seis mil anos de repressão ao furto, à mentira, ao assassinato e congêneres não foram capazes de extirpar da face da terra os cleptomaníacos, os mentirosos compulsivos ou os psicopatas. Por esta linha de argumentação, é possível dizer que os analfabetos são a prova cabal da inutilidade das escolas.

    Em contrapartida, ao longo dos séculos muitos ladrões deixaram de roubar, muitos adúlteros deixaram de trair suas esposas e muitos homossexuais passaram a levar uma vida casta – e isto é o que interessa, para além daqueles que não querem ou nunca quiseram melhorar.

    Os milagres sempre se realizaram para aqueles que se abriram à ação da graça, e eliminá-los a priori do universo estudo não testemunha absolutamente nada a favor dos pecadores empedernidos que põem o amor ao baixo ventre acima do respeito à ordem da natureza.

    Mas exigir respeito às evidências parece ser pedir demais para pecadores empedernidos no afã de anestesiar a própria consciência que lhes atesta diuturnamente a abominação dos seus maus atos…

    – Jorge

  4. humanitatis

    É curioso ler um defensor da bestialidade da homossexualidade apelar para a Natureza, como prova de sua existência. Mas vá lá…

    Contudo, falando da possibilidade do “retorno” ao natural – que é a heterossexualidade – é útil o testemunho destes que conseguem sair da redoma do movimento gay e denunciam suas mentiras – Homofobia, Hoax do movimento gay.

    Tarefa importante é traduzir e legendar alguns vídeos desse homem de coragem!

    PS1. Jorge, sua inteligência é fina, como é raro ver em nossos dias.

    PS2. Jorge, novamente desculpe-me por lançar links para meu site. É que o tema é delicado e realmente acho que essas informações são úteis para desmitificar os argumentos da gaystapo.

  5. Benjamin Bee

    Você equipara a homossexualidade a furtos, mentira, assassinatos. E homossexuais a cleptomaníacos, mentirosos compulsivos e psicopatas assassinos. E analfabetos.

    De onde você tirou essa comparação? Do Catecismo Católico. Do “intrinsecamente desordenado”.

    Levar uma vida de abstinência sexual é diferente de deixar de ser homossexual. Você insiste na abstinência. Não vejo problema nisso, porque homem não pode contrair matrimônio com homem, por definição, e, fora do matrimônio só abstinência sexual. Mas posso considerar por isso que você conclui que gay nasce gay. Caso contrário você declara que homossexuais são heterossexuais pervertidos.

    Se nasce não pode ser comparado às patologias morais citadas. Então, terapias de reversão são uma violência contra a natureza dos homossexuais. E contra suas futuras esposas, nos casos de pseudo reversão.

    Se são heterossexuais pervertidos , tem que provar. O ônus da prova cabe a quem acusa.

  6. Jorge Ferraz Post author

    Bee,

    É claro que, se as pessoas “nascem” com um defeito na libido que as faz desejar exclusivamente pessoas do mesmo sexo, podem e devem ser comparadas a cleptomaníacos (que “nascem” com uma compulsão por se apropriar dos bens de terceiros) ou a psicopatas (que “nascem” incapazes de ter sentimentos). Mas, como eu já disse, isto é irrelevante para a presente discussão.

    O fato – que tu não queres entender ou queres fazer de conta que não entendes – é que não faz nenhuma diferença para o ponto de vista da condenação do ato homossexual como “intrinsecamente desordenado” se o sujeito que o pratica o faz por ser um “heterossexual pervertido” (seja lá o que isso signifique) ou por ser um doente (um homossexual de nascença). É irrelevante. O Catecismo não entra neste mérito, exatamente porque os atos que são “intrinsecamente desordenados” são assim (por definição) porque independem das circunstâncias nas quais se produzem.

    – Jorge

  7. Alexandre Magno

    Existem algumas pessoas que agem como homossexuais por serem heteressexuais pervertidos.

    Jorge escreveu:

    [Carlos Ramalhete, na Gazeta do Povo, falou] sobre escolhas, e sobre os males que advêm quando terceiros tomam sob si a “responsabilidade” de decidir o que é melhor para alguém.

    Relacionado a isso, mas não em resposta a esta discussão, eu quero ter acesso a materiais que justifiquem e expliquem a atuação da figura do “diretor espiritual”.

    Hoje, diretores espirituais e psicólogos, principalmente esses, de todos os naipes, tem muito poder na sociedade. Só que, por vezes, as orientações podem não passar de vaidade!

  8. Jorge Ferraz Post author

    Humanitatis, fique à vontade. As tuas intervenções são sempre oportunas!

    Alexandre, não entendi. A “direção espiritual” tem muito poder na sociedade??? Deus do Céu, quem é que faz direção espiritual? Aliás, quem sabe o que é que é direção espiritual?

    – Jorge

  9. Benjamin Bee

    Ferraz

    Que a homossexualidade é intrínseca aos homossexuais é fato, que é desordenada não é fato.

    Doença não é, nem é defeito da libido. Que o Magistério só admita o sexo para fins procriativos é problema da Igreja. Ela que resolva essa contradição interna.

    Mas o Catecismo Católico não é sujeito à interpretação. Ele existe justamente para interpretar a Bíblia.

    Então, enquanto o CC afirma que é desordenada, a ciência diz que não é. Mas o próprio CC vincula desordem à sua gênese psiquica… que desconhece. Se desconhece não deveria criar o vínculo.

    O fato é que o CC nos parágrafos em questão é incoerente. Incoerente com a ciência e consigo mesmo.
    Continuar afirmando que os homossexuais são desordenados psiquicamente, doentes, com “defeito da libido” nada mais é que bullying. Preconceito, discriminação, homofobia.

  10. Jorge Ferraz Post author

    Bee,

    Não, não é fato que a homossexualidade seja sempre “intrínseca” e sim, é fato que ela é sempre desordenada. Esta é a doutrina católica, meu caro. O resto é mimimi de vocês.

    A ciência não tem, absolutamente, nada a dizer sobre ordens ou desordens morais.

    Acredito que a posição da Igreja já tenha sido mais do que suficientemente exposta. E a única incoerência que existe aqui é o homossexual empedernido teimar em se dizer católico ao mesmo tempo em que discorda abertamente do Catecismo da Igreja.

    Portanto, meu caro, poupe-nos do seu bulying.

    – Jorge

  11. Jorge Ferraz Post author

    Ah, e ninguém precisa perguntar ao Magistério se imoralidade é doença psíquica primeiro porque é óbvio que não é e, segundo, porque o Magistério não trata sobre doenças psíquicas!

    Bee, já deu. Vai trollar em outro terreiro.

    – Jorge

  12. Benjamin Bee

    Ferraz

    Bem, é verdade. A partir de agora é enrolaçâo. E sim, o Magistério não trata de doenças psíquicas. Infalível, apenas as insinua. :)

  13. rafael

    Bem, se não é doença, não cabe cura. A discussão limita-se ao que é considerado moral ou imoral, ordenado ou desordenado, aos olhos de quem. =)

  14. humanitatis

    Pois é, aos olhos de alguns a escravidão não é imoral; a pedofilia também não; a violência contra a mulher também não; o roubo de dinheiro público também não; e a lista continua. E então, o que é imoral? Imoral é o que vai contra a natureza humana. E a homossexualidade vai contra a natureza humana, por isso é imoral.

  15. Lúcio Clayton

    Benjamim,

    Gostaria de debater um pouco contigo, porém antes permita-me tecer alguns argumentos,

    Os homossexuais, durante muito tempo insistiram na tese do direito de escolha, eu me lembro bem disso, há algumas décadas atrás vcs batiam na tecla de que queriam o direito de escolher. Isso era uma opção sexual decidida livremente por vcs. Hoje o papo mudou um pouco de figura e agora vcs pousam de que não é uma escolha não, é algo intrínseco e que para ser feliz , a pessoa que possui essa tendência, o certo não é reprimir e sim “liberar geral, “sair do armário”, ou seja, assumir o que é .

    Porém, o mundo é tão cruel, a igreja é tão cruel e toda sociedade do tronco judaico-cristão é mais cruel ainda (se bem que vcs ainda não ousaram ir dizer isso lá no Islã).

    Então para que vcs sejam “felizes” e se sintam normais, agora estão se juntando para reprimir e pressionar a sociedade a encarar como normal aquilo que durante eras foi encarado como algo deveras imoral e pecaminoso pela sociedade que foi criada por esse tronco Judaico- Cristão. Ou seja, vcs estão querendo impor leis e fazer com que engulamos aquilo que não estamos e nem fomos preparados para aceitar, então de certa forma vcs estão querendo mudar nossa fé e nossa cultura.

    Agora me seja sincero e admita que há pessoas que carregam a homossexualidade como um fardo, que não querem e nem se aceitam com essa tendência, há pessoas que sofrem com isso e queriam se sentir normais, muitas vezes essas pessoas procuram ajuda e quando encontram um psicólogo que não tenha medo do grande conselho, sente um alívio, pois encontrou ajuda… Mas, vcs que não querem de forma algum ajudar, pois o caminho de vcs que só tem uma via, não aceitam em hipótese nenhuma um homossexual indeciso, sofredor e que queira mudar de vida.

    E não estando satisfeitos com os “direitos” que agora vem conquistando, estão a fazer de tudo para além de condenarem aqueles que buscam uma chance de mudar, condenar também aqueles terapeutas que se disponibilizam a ajudar com propostas e tratamentos concretos, embasados em fatos e provas de que é possível abandonar essa vida e se sentir saudável vivendo ou de forma casta ou heterossexual, pois há muitos casos de ex-homossexuais que hoje se encontram realizados, casados e vivendo uma vida heterossexual normal, porém a onda gay, o gayzismo não admite esse fato.

    Pode, por favo Benjamim, ser honesto agora e admitir que esses fatos existem e são numerosos?

    E me diga sinceramente só mais uma coisa: o que vcs querem mesmo?

  16. Guilherme Ferreira

    Um complemento ao texto do Lúcio com dois links:

    http://vortexemportugues.blogspot.com/2011/06/homossexualismo-e-catolicismo.html

    Nos vídeos acima podemos ver, por um lado, o lobby que o homossexualismo político tem feito nos EUA para disseminar e impor seu estilo de vida como legal e, por outro, que deve fazer um católico que tem uma conduta homossexual, mas que deseja viver de acordo com o Magistério da Igreja.

    Aqui, também, a entrevista de um ex-gay que tem sofrido perseguições do homossexualismo político:

    http://www.midiasemmascara.org/artigos/internacional/estados-unidos/12245-sou-ex-homossexual-e-apoio-michele-bachmanm-e-marido-dela.html

    Jorge, não sei se você aceita que as pessoas postem links nos comentários. Em caso negativo, peço desculpas.

  17. Guilherme Ferreira

    Errata: no segundo link não há uma entrevista, mas um artigo.

  18. Benjamin Bee

    Lucio

    Eu já tinha dado por encerrada minha participação neste post. Espero que o Ferraz não se aborreça com isso. Mas você levanta algumas questões, talvez as mesmas, de modo diferente, então me atrevo a tentar o debate contigo.

    Primeiramente quero dizer que busco com toda a minha força ser honesto em todos os sentidos possíveis. Honestidade é para mim um desafio que aceito com se fora “vício” por um esporte radical. Sou como um dependente químico da adrenalina que a honestidade me causa.

    Você tem toda razão quando lembra que o próprio movimento gay, tempos atrás, dava a homossexualidade como um direito de escolha. Eu, pessoalmente, sempre lutei contra essa idéia, que ainda persiste em cerca de 5 a 10% do movimento.

    São estes os homossexuais muito influenciados por Foucault.

    Mas a noção de homossexualidade inerente cresce muito rapidamente graças a algumas pesquisas na área da neurologia e genética. Além disso, a massa de dados da psicologia e psiquiatria permitiram a esses setores concluir que a homossexualidade é sim, pré determinada. Não se tem, por conta da complexidade e “juventude” das pesquisas, informações claras e precisas sobre as exatas origens biológicas do fenômeno. O que se tem como certo é que a origem é biológica e não comportamental.

    Essa certeza é recente e data de junho de 2008. Já é consenso e por isso os homossexuais avançam rapidamente na conquista (prefiro “reconquista”) dos seus direitos.

    Pessoalmente acho desnecessário que um homossexual católico que afina com o Magistério Católico, NESSE PONTO, sofra com a sua homossexualidade. Simplesmente porque, como já comentei anteriormente, o Magistério define o matrimônio como entre homem e mulher, e não admite as relações sexuais fora dele. Então, me pergunto qual o problema dos chamados homossexuias
    “egodistônicos”?

    A resposta que me ocorre é que eles lutam para inverter um desejo que eles não podem controlar. Querem praticar a sua sexualidade antes de viver a doutrina como é posta.

    Esse processo é conflitante. Querem casar e ter filhos com mulheres mas não querem ser menos “homens” com elas, já que isto seria ofender a dignidade da esposa.

    Assim, buscam terapias que a ciência correspondente não aconselha, porque as dá como ineficazes e até perigosas à saúde psicológica.

    Nos casos de bissexualidade, o problema parece ser de menor monta, mas não é de todo porque se percebe a possibilidade, de uma vez casado, vir a experimentar paixão mais forte por alguém do mesmo sexo do que pela esposa, ou marido.

    Contudo, aqui, e ao meu ver, o dilema está na escolha da parceria ideal que será definitivo, porque o Magistério também coloca o matrimônio como insolúvel.

    As provas de que é possível “deixar de ser homossexual” não convenceram a ciência, caso contrário não haveria reação da parte desta. É possível que o “sucesso” dessas tentativas de terapias de reversão tenha ocorrido com bissexuais.

    Na minha opinião com base no consenso científico, tanto a psicologia como a psiquiatria não tem poder para fazer o indivíduo modificar a orientação sexual. Só o que podem e devem fazer é dar lastro para que os indivíduos reconheçam a própria orientação sexual e compreendam as implicações religiosas e decidam qual caminho a tomar.

    Nos casos de homossexualidade dominante sobre a bissexualidade, cabe ao médico ou terapeuta criar condições psicológicas para que o homossexual viva a abstinência. E claro, ajudados, assistidos e apoiados fortemente por padres e pastores, já que o homossexual nesses casos, dá prioridade à doutrina religiosa. O curioso é que os padres heterossexuais dispensam esse apoio. Por que deveria ser diferente com os homossexuais afixados na doutrina?

    Nos casos de bissexualidade, o indivíduo consciente dela está na situação de encontrar a parceria definitiva. Nestes casos, se a necessidade dele por matrimônio e doutrina for dominante, ele então aguardará sua parceira mais adequada. A situação do bissexual não é mais dramatica que a do heterossexual. Esposas não são escolhidas por conveniência mas por encontro.

    Quanto ao movimento homossexual, no Brasil e no mundo, luta-se por igualdade de direitos. O que quer esse movimento é que os orientados sexualmente tenham exatamente os mesmo direitos dos heterossexuais, não importa qual a sua orientação. Porque há PESSOAS que não afinam com as doutrinas religiosas nesse aspecto. Podem afinar em todos os outros, mas não NESSE.

    Ideologia gay é um conceito criado por ramos religiosos. O movimento homossexual não se vê como ideológico. Apenas como o conjunto dos indivíduos que exigem ser tratados como cidadãos iguais.

  19. Lúcio Clayton

    Benjamim,

    vamos a outros aspectos não mencionados geradores da homossexualidade.

    há inumeros casos de pessoas que “adiquiriram” a homossexualidade após sofrerem traumas na infancia ou adolescencia!

    conheci certo rapaz há uns anos atrás, que me deu o seguinte relato sobre sua vida sexual: “eu não sei o que é uma mulher, também nunca soube o que é ser virgem, fui abusado por um primo aos 7 anos, e me conformei com isso!”

    veja, que o caso dessa pessoa não é único, pois são inúmeros esses casos mundo afora, ou seja, o cara foi acostumado desde pequeno a manter relações homossexuais, não conheceu mulher pois sempre se viu assim.

    outro caso, conheci quando trabalhei com um homossexual e se me permita a palavra para usar no próprio jargão de vcs, “muito viado” mesmo. ele se comportava de forma muito afrescalhada… e sem papas na língua vivia a expor sua vida intima, uma vez o mesmo disse que quando era criança um funcionário que trabalhava para seu pai em uma chácara o seduziu e abusou dele… pois bem, desde esse dia então ele cresceu nessa condição sexual imposta por um trauma do destino.

    outros casos, são os de meninas que tomam ceto nojo de homens depois de serem violentadas e assim acabam desenvolvendo uma afetividade sexual inversa.

    muitas vezes não se precisa nem mesmo acontecer violencia sexual em si, há casos de meninas e meninos que por conta de sua extrema timidez, em período de desenvolvimento sexual na adolescencia e justamente por essa timidez, acabam de certo modo sendo seduzidos e introduzidos em relações homossexuais por alguém que o acolha em algum grupo, assim o jovem em questão acaba tendo sua 1° relação de uma forma que não deveria, e como está em fase de formação intelectual, sentimental e em todas as outras áreas… acaba adaptando isso a seu comportamento, ainda mais nos tempos de hoje em que há uma grande obra de manipulação para que as pessoas aceitem a homossexualidade como normal ou mais ainda, experimentem a homossexualide!

    é justamente por isso que tem-se jogado isso com toda força em cima da juventude, visto que é nessa fase em que o jovem se encontra mais tentado por causa dos hormonios em ebulição e por conta de todo o debate visando manipular totalmente as cabeças de vento da juventude contemporanea.

    outra coisa acontece quando em meio a juventude o jovem se encontra muito atraído pela amizade e o afeto que essa amizade tem produzido, pior ainda é quando o jovem não tem afeto ou atenção algum em sua família, coisa muito comum nos dias de hoje, se tal amizade não for dirigida com toda sua potencia para algo virtuoso, o lado mais dominador dessa amizade, se tiver uma inclinação homossexual pode acabar induzindo o outro ao vício… e por aí vai, citei apenas alguns dos vários exemplos que podem gerar a homossexualide, existem outros tantos… e nehnum desses exemplos que citei vem de fatores biológicos e sim psicológicos!

    não discordo que haja fatores biológicos, mas creio que são poucos, dentre esses fatores biológicos aparecem muitas vezs problemas hormonais gerados pelos cromossomos, acontecem aí casos de hermafroditismo e outras coisas como garotos que não desenvolvem normalmente os hormônios masculinos e meninas que produzem um excesso de testosterona. isso é fator para a medicina resolver com os devidos tratamentos!

    quero citar também fatos muito comum nos dias de hoje, em que filhos crescem sem nenhuma referencia masculina ou feminina, o que é determinante muitas vezes na formação sexual da pessoa. hoje por conta da desestruturação familiar, causada pela tal revolução sexual, muitas famílias são formadas apenas por mães e filhos e não raras vezes o menino mais velho acaba tomando conta do lar e dos irmãos menores para a mãe ir trabalhar fora, assumindo assim ele o papel feminino de “mãe e dona de casa”. quando não muito esses meninos ainda vêem suas mães trazerem seus parceiros para dentro de casa… pense no que isso pode gerar na mente de uma criança que cresce num ambiente assim… eu conheço um caso parecido.

    então, isso tudo que relato é um prejuízo psicológico enorme que causa mudança comportamental e sexual sim! e essas pessoas que passaram por issso e desenvolveram essa homossexualidade, precisam de ajuda terapeutica, ainda mais se elas se reconhecerem nescessitadas desas ajuda, se elas sofrerem com suas condições, é preciso mostrar que é possível superar esses traumas e viver de forma natural revertendo seus quadros sexuais, negar essa ajuda a elas é deveras desumano!

    muitos psiquiatras e psicológos estão sendo perseguidos e cassados por oferecerem ajuda a essas pessoas, mas não, vcs não aceitam que hajam pessoas assim, que queiram reverter seu quadro sexual.

    em relação a verdadeira mudança na vida sexual, é possível sim! existem muitos casos comprovados, basta vc enxergar a realidade!existem muitos testemunhos e livros de pessoas que pasaram por isso.

    Quanto a ideologia gay, ela existe sim! e não ponha a pecha de sua criação em cima de nós religiosos, foram vcs que a criaram e agora querem a todo custo propaga-la. e existem provas e documentos quanto a isso!

    vc diz:

    “O que quer esse movimento é que os orientados sexualmente tenham exatamente os mesmo direitos dos heterossexuais, não importa qual a sua orientação.”

    ora, vc acabou de dizer uma palavrinah chave: orientação! Bingo!

    e em relação a orientação sexual, se é uma orientação a pessoa pode ser orientada a direção oposta da homossexualidade ou da heterossexualaidade,basta direciona-la ao caminho que se quer chegar.

    lembro que no Império Romano (ou era na antiga Grécia?)havia os meninos que desde crianças eram criados para serem os efebos dos homens da classe dominante, esses meninos se tornavam homossexuais não por fatores intrísecos em seu intimo, mas por puro aprendizado, ou seja, eles eram orientados a serem homossexuais!

    e acaso isso não ocorre hoje?

    então, por favor Benjamim, após eu ter exposto esses argumentos vc ainda vai querer levantar a bandeira de que a homossexualidade é intriscecamente natural?

    outra coisa, em algum momento de sua vida, pode até ser na sua mais tenra infancia, aconteceu-lhe algo que possa ter-lhe influenciado em sua sexualidade?

    e para terminar, coloque uma coisa em sua cabeça: nunca, nunca, mais nunca mesmo a religião Católica irá mudar sua posição para acolher e aceitar a homossexualidade como algo normal e não pecaminoso! isso não irá acontecer jamais.

    nem a homossexualidade, nem o adultério, nem as revoluções do mundo, nem o pecado! a Doutrina de Nosso Senhor é imutável!

    aguardo suas respostas,
    volte-se para Deus, não viva impenitente e nem morra assim.

    abraços cordiais.

  20. rafael

    Estupradores, pedófilos, ladrões, escravizadores e afins causam mal a outros. Dois/duas homens/mulheres adultos/as que mantem um relacionamento entre si, não causam mal a ninguém. O que há é um crença religiosa de que não é certo.

  21. Benjamin Bee

    Lucio

    “e em relação a orientação sexual, se é uma orientação a pessoa pode ser orientada a direção oposta da homossexualidade ou da heterossexualaidade,basta direciona-la ao caminho que se quer chegar.”

    Não, não é nesse sentido que a expressão orientação sexual é formalmente utilizada. É no sentido de impulso para e não educação para. E não sou eu quem diz que não pode ser alterada, é a ciência. Eu só posso confirmar a ciência por mim mesmo e porque acredito na comunidade científica.

    Seus exemplos poderiam ser confirmados caso a caso, mas isolados. Na generalidade não é que acontece.

    Sabe-se que há inclusive pratica homossexual entre não orientados homossexualmente. Dá-se à essa modalidade praticante o nome de “HSH: sigla da expressão “Homens que fazem Sexo com Homens” utilizada principalmente por profissionais da saúde, na área da epidemiologia, para referirem-se a homens que mantêm relações sexuais com outros homens, independente destes terem identidade sexual homossexual”.

    O que não entendo é a preocupação com a forma como se faz sexo fora do matrimônio que é em si mesmo pecado (o sexo fora do matrimônio). Então, antes de se pensar a identidade sexual, ao meu ver seria mais coerente abordar a castidade em primeiríssimo lugar.

    E finalmente, não vejo como alguém pode viver uma sexualidade não conforme com a própria orientação. O natural desconforto direcionaria à propria identidade sexual.

    O que cada um deve querer para si e para o outro é antes de tudo o conforto moral, emocional, psicológico, afetivo, etc. Como pode alguém encontrar seu próprio conforto se existe brutal pressão para normatizar comportamento?

    Nesse aspecto, e só nesse ponto, é que eu contesto o Magistério. A imposição categórica de uma norma, tira do católico a habilidade de se ver, a si mesmo.

    Você disse: ” nunca mesmo a religião Católica irá mudar sua posição para acolher e aceitar a homossexualidade como algo normal e não pecaminoso!”

    Se você considera homossexualidade como prática sexual entre pessoas do mesmo sexo, sim. Aliás é uma redundãncia porque sexo fora do matrimônio definido entre homem e mulher é “impuro” do pont de vista religioso. Pelo menos do católico.o

    Entretanto, homossexualidade não passa obrigatória, necessária e exclusivamente pelo intercurso sexual.

    Não é porque um heterossexual vive em abstinência sexual que ele deixou de ter e experimentar a sua heterossexualidade. O abstinente sexual continua sexual, não é mesmo?

  22. Jorge Ferraz Post author

    Caros,

    1. À parte a novilíngua gayzista, «os atos homossexuais são intrinsecamente desordenados» e isto independe de se fulano é “homossexual”, “bissexual” ou “heterosexual que faz sexo com pessoas do mesmo sexo” (!!!!).

    2. É uma absurda argumentação circular dizer que homossexuais não podem ordenar a sua libido e, quando confrontado com os casos em que isto de fato acontece, dizer que estes não eram verdadeiros homossexuais e sim bissexuais. Isto é uma patética opção a priori pela ideologia em detrimento dos fatos ["se os fatos não corroborarem a ideologia, danem-se os fatos"].

    3. A preocupação da Igreja com os pecados contra a natureza é dupla:

    3a. em primeiro lugar, quanto ao pecador, que é um filho de Deus chamado à santidade e, portanto, urge que ele abandone os seus vícios e leve uma vida em conformidade com o que Deus quer; e

    3b. em segundo lugar, quanto à sociedade, para a qual a exaltação da imoralidade e a inversão de valores é, sempre e indiscutivelmente, um grande mal.

    4. A primeira coisa que cada um deve querer para si próprio e para o outro é a salvação da própria alma, e não um ridículo “conforto moral, emocional, psicológico, afetivo, etc” naturalista [aliás, no caso, anti-naturalista]. A Verdade pode ser desconfortável, mas é sempre melhor que a escravidão do pecado. Este é o discurso da Igreja; quem acha que o “conforto” vem acima da Verdade simplesmente não é católico.

    5. Sim, “homossexualidade” passa obrigatoriamente pelo intercurso sexual, ao menos em desejo (porque, se não passar, chama-se amizade, coisa santa e saudável). De novo, aqui pouco importa o que diga a novilíngua gayzista.

    6. De todo o exposto, resta evidente que há, sim, uma ideologia gay preocupada i) em ressignificar os termos tradicionalmente usados pela Teologia Moral para tratar do assunto; ii) em ignorar sistematicamente a realidade para adequá-la à teoria gayzista; e iii) em minimizar a gravidade do pecado que clama aos Céus vingança e a radical incompatibilidade entre este e a vida católica agradável a Deus. E esta vigarice, já incontáveis vezes apontada e desmascarada aqui, já encheu.

    – Jorge

  23. Lúcio Clayton

    Jorge,

    obrigado por sua intervenção, eu não teria feito melhor.

    abraços.

  24. Benjamin Bee

    A Verdade é confortável em si mesma e não retira por isso o conforto do que quer que seja. A Verdade elimina a dor, e, onde há dor não há Verdade. Porque a Verdade veio exatamente para isso, para vencer a dor. A ausência de dor é o primeiro sinal da santidade, sem o qual sinal ela simplesmente não é.

    Choro e ranger de dentes, só no inferno.

  25. Jorge Ferraz Post author

    De novo, uma grandíssima besteira.

    Nenhum católico jamais pregou o absurdo de que «[a] ausência de dor é o primeiro sinal da santidade». Muitíssimo pelo contrário. Os católicos aqui sabemos – e rezamos todos os dias – que vivemos em um Vale de Lágrimas. Ausência de dor, só na Jerusalém Celeste.

    Ao invés de ler porcarias gayzistas, Bee, muito melhor te faria ler São João da Cruz.

    – Jorge

  26. Wilson Ramiro

    A rede globo noticia no jornal da manhã:
    “Dois gays são assassinados dentro de casa, não houve arrombamento” A globo não deu a versão dos parceiros!!

    Conclusão da notícia: ” A intolerância está aumentado na Bahia, local dos casos”

    Que culpa a sociedade tem se as desavenças entre parceria gays são mais trágicas que as já trágicas ocorrências em casais?

    Isto é distorcer a conclusão para atender agenda pré estabelecida. É Muita burrice da Rede “gay” Globo.

    Temos que lançar uma campanha urgente:
    “Vamos acabar com o assassinato de gays por gays” tá pegando mal pra “comunidade”.

  27. Wilson Ramiro

    Mais uma pequena pergunta..

    A Rede Globo via Unesco está usando o dinheiro arrecadado no criança esperança para promover o kit gay.

    Alguém sabe se isto é verdade?

    Que a rede globo/unesco dão preferência aos projetos gays inclusivos, para financiar com o dinheiro que eu doava para o Projeto Criança Esperança??

    E isto?

  28. Guilherme Ferreira

    À parte o sonho dourado das paradas gays, do discurso ideológico do homossexualismo político e da insistência em negar que há, sim, uma ideologia gay, temos agora de voltar à crueza dos fatos reais, ou seja, às consequências dos atos homossexuais, que são antinaturais. Aliás, não só dos atos homossexuais, mas da sodomia, que pode ocorrer entre heterossexuais também.

    Eis, então, uma curta lista das doenças que podem decorrer dessa prática suja e abominável, que, como o Jorge já afirmou várias vezes, clama aos Céus por vingança:

    “…a prática continuada do sexo anal pode acarretar (cada um procure se informar direitinho com um médico de confiança): retite, colpite, proctite, prostatite, orquite, uretrite, dermatite anal crônica, traumatismos no canal retal, salpingite com quadro de inflamação pélvica, etc. Isto porque a cavidade anal é povoada por inúmeras bactérias que fazem parte da flora intestinal e vivem por lá, em equilíbrio com os tecidos, mas que podem migrar para as áreas internas dos órgãos sexuais masculinos e femininos, além é claro das doenças não bacteriológicas (como fissuras anais, abscessos anorretais, verrugas perianais, etc.) causadas, no caso de que se trata, pelo fato de o músculo esfíncter ser propriamente feito para expelir o que está no interior, e não para ser impelido por algo exterior. Para um cristão, isto é uma evidência do que se disse acima: trata-se de práticas contrárias à natureza mesma dos órgãos implicados in actu exercito fornicacionis.” (fonte: http://contraimpugnantes.blogspot.com/2011/04/o-pecado-de-homofobia-sociedade-crista.html)

    Vale a pena também este texto, que, infelizmente, tem de usar uma linguagem forte, clara e desagradável para tratar do assunto:

    http://www.arbil.org/100calvi.htm

  29. Lúcio Clayton

    Benjamim disse: “A ausência de dor é o primeiro sinal da santidade, sem o qual sinal ela simplesmente não é.”

    Benjamim:

    o maior de todos os Santos, o Santo dos Santos, morreu chagado, dilacerado, cheio de caimbras numa cruz!
    Nosso Salvador suportou em seus ombros toda a dor do mundo, dor que nenhum homem poderia suportar!

    a Virgem Santíssima é a Sra. das Dores com o croação cercado de espinhos!

    quantos santos e santas não padeceram terríveis súplicios em suas camas por conta de doenças terríveis?

    com esse teu arguemnto, vc mais parece um daqueles protestantezinho das seitas neopentecas tipo a universal…

    vai catar coquinho e depois meditar na Paixão de Jesus e nas dores da Virgem Maria!

    me deu uma vontade agora de te xingar… mas por caridade não farei isso,

    Deus tenha Misericórdia de ti, alma empedernida!

Deixe um comentário: