A Catedral da Sé Primacial do Brasil

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 25 dias atrás.

[Agradeço ao Dionísio por me ter mostrado esta preciosidade; cliquem no banner abaixo para acessarem o incrível trabalho do Iuri Peixoto sobre a Catedral da Sé Primacial do Brasil. Além de algumas pinturas do edifício (demolido em 1933), é possível encontrar um texto com a história da Sé e uma belíssima reconstrução tridimensional da Catedral Primaz da Terra de Santa Cruz! Reproduzo, abaixo, o texto na íntegra e algumas fotos. Para as demais, cliquem no banner.

Salvador, a propósito, ganhou ontem um novo bispo auxiliar, o mons. Gilson Andrade da Silva. Que ele possa ajudar na dura tarefa de reconstrução da Sé Primacial. Que São Salvador da Bahia de todos os Santos possa salvar Salvador, salvar a Bahia, salvar o Brasil.]

A antiga igreja da Sé, primeira Catedral do Brasil, demolida em 1933, teve a sua construção iniciada já em 1551, no topo mais alto da cidade antiga, a beira da encosta, com fachada voltada para o mar. Alguns anos depois, no mesmo local, uma nova e maior construção, em pedra e cal, substituiu a primitiva, em taipa. A invasão holandesa, de 1624, a encontrou com uma só torre, uma única porta, retangular, frontão triangular e sem janelas, apenas um óculos, no alto, no típico estilo maneirista, “chão”, português. Esta, assim como todas as demais igrejas da cidade, foi saqueada pelos invasores, que a transformaram num local de culto protestante, sem imagens nem ornamentos. Pela sua posição estratégica, também a utilizaram como local de defesa. Os espanhóis e portugueses, ao retomarem a cidade, em 1625, bombardearam fortemente o local, para desalojar os holandeses, destruindo-a parcialmente. A falta de recursos, após a custosa guerra de reconquista, e a preocupação principal em reforçar as defesas da cidade adiaram a sua reconstrução.

Somente ao final do século XVII a reconstrução, em dimensões bem maiores, em estilo barroco, muito mais imponente que a anterior, foi concluída. Um padre português que aqui esteve em 1709, para participar de um encontro de bispos (sínodo) do Brasil, descreve o templo, talvez com um certo exagero, como “o mais grandioso das Américas”. Tinha então dois andares, duas torres sineiras, frontispício em pedra trabalhada, e frontão, também em pedra, com as típicas volutas barrocas. O seu interior abrigava doze capelas laterais e altar mor, em talhas douradas, barrocas, e forro da nave em abóbada de madeira, pintada em perspectiva ilusionista, de autoria de um dos maiores mestres nesta arte, no mundo, o italiano Baciccio, autor de várias outras obras, do tipo, em Roma. Em ~ 1750 esta Sé, com relógio externo e órgão, doados pelo rei de Portugal, estava em sua plenitude.

A partir dessa época começam uma série de eventos que vão resultar na sua progressiva descaracterização, culminando com a sua demolição, já no século XX. No inverno de 1755, após chuvas torrenciais, parte da encosta a sua frente desmorona, provocando rachaduras na fachada e torres. Dois anos após, a torre direita, do relógio, muito danificada, é demolida até a cimalha (cornija do telhado). Inicia-se assim a sua degradação. Em 1765 estando a, também magnífica, igreja dos jesuítas desocupada, pela expulsão da ordem no Brasil, a sede do arcebispado é transferida para lá, perdendo a Sé a função de Catedral. Desde então a sua manutenção fica a cargo de uma irmandade de poucos recursos. Novos e sucessivos deslizamentos de terra, a sua frente, causam ainda mais danos à igreja. Em 1785 acreditando-se, erroneamente, que o peso da fachada era o que causava os corrimentos de terra, mesmo após ter sido construída uma muralha de contenção na sua base, até hoje existente, decide-se demolir toda a parte superior da fachada, incluindo o frontispício e frontão em pedra e mais a torre esquerda, até então intacta, e o resto que sobrara da torre direita. Por falta de dinheiro e de interesse nunca mais a fachada original seria reconstruída.

Uma nova fachada, muito pobre, foi construída em substituição àquela demolida, e as bases, remanescentes da demolição das torres, foram cobertas por telhadinhos, dando a igreja um aspecto externo bizarro, tosco e deselegante, que persistiu até a demolição final da igreja. Só sobraram da fachada original a parte inferior do frontispício, no entorno das portas frontais. As laterais, o fundo e o interior da igreja mantiveram-se, entretanto, intactos, inclusive as molduras em pedra trabalhada das portas laterais, consideradas por vários especialistas como um dos mais importantes trabalhos em pedra lavrada do Brasil colonial, alem do passadiço coberto que ligava a igreja diretamente ao interior do Palácio Arquiepiscopal, vizinho a ela. Ao final do século XIX a irmandade do Santíssimo Sacramento, então proprietária da igreja, resolve fazer desastrosas remodelações no seu interior, substituindo as talhas barrocas, originais, da maioria dos altares, por outras mais “modernas”, neoclássicas, eliminando duas das capelas laterais e revestindo ainda as arcadas internas, em pedra, com argamassa pintada. O forro, uma das maiores obras artísticas do Brasil colonial, foi também totalmente repintado em azul, se acrescentando a ele um pequeno medalhão decorativo, de mau gosto, no centro.

Ao final do século XIX e início do século XX se inicia no Brasil a reurbanização demolidora, que destruiu todo o centro colonial de São Paulo e de parte do Rio de Janeiro e da maioria das cidades antigas do país. Em Salvador o processo se inicia em 1912, com a abertura da Avenida 7 de Setembro, resultando na demolição de varias igrejas e quarteirões inteiros de antigos casarões. A igreja da Sé, então praticamente abandonada, quase arruinada, resistiu a essa primeira leva de demolição.

Em 1933, um arcebispo e um governador, recém-empossados, pressionados e, dizem, comprados por uma companhia de bondes (a Circular), de capital inglês, em meio a grande polêmica, autorizam a sua total demolição, se declarando progressistas, alegando que a igreja não tinha valor artístico e histórico algum e que os bondes e o “progresso” precisavam de espaço para ali passar. Do vazio resultante da demolição da igreja e de alguns quarteirões de sobrados, próximos à ela, surge a atual Praça da Sé. O arcebispo ganhou de “presente” da companhia de bondes “Circular” uma confortável e espaçosa casa, cercada de amplo terreno, na Praça do Campo Grande, casa essa que ainda hoje existe (área social do edifício “Morada dos Cardeais”).

A demolição da igreja se deu de forma rápida e selvagem, sem a mínima preocupação em preservar quase nada, feita a base de picaretas e marretadas. Toda a cantaria em pedra, lisa e trabalhada, externa e interna, incluindo mármores raros do piso, e lápides centenárias de sepultamentos, foi destruída. Estes materiais, além de todo o madeirame, portas em madeira nobre, trabalhada, janelas, e demais restos da demolição foram jogados numa chácara (Quinta das Beatas), então pertencente à igreja. A área foi, anos depois, invadida por sem tetos, que usaram estes materiais nas construções de suas casas, dando origem ao atual bairro/favela de Cosme de Farias.

Da Igreja da Sé só restam hoje os alicerces, escavados há poucos anos atrás, algumas imagens de santos e objetos sacros que foram distribuídos por outras igrejas e, em parte, reunidos no Museu de Arte Sacra da Bahia, junto com a mesa do altar, toda em prata, e fragmentos de alguns altares.

É essa igreja, desaparecida, que é aqui apresentada na sua feição dos meados do século XVIII, época de seu máximo esplendor, antes das mutilações que sofreu nos períodos posteriores. Esta reconstituição, inédita, só foi possível após exaustivas pesquisas bibliográficas, medições no local e o uso das técnicas mais avançadas de computação gráfica. Esperemos que esta reconstituição contribua para a conscientização da preservação de nosso patrimônio histórico, tão rico e tão dilapidado.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

5 thoughts on “A Catedral da Sé Primacial do Brasil

  1. Dionisio Pedro de Alcântara Lisboa

    Caro Jorge

    Espero que o que aconteceu com a antiga Sé Primacial jamais volte a ocorrer com templo católico algum… sua demolição entre agosto de 1933 e o início de 1934 foi um crime sem precedentes… Conspiraram para a demolição do vetusto templo autoridades civis, empresários e, infelizmente, autoridades religiosas…

    Eles ainda tiveram descalabro de chamarem a Sé Primacial do Brasil de “entulho”, “trambolho”, “velharia”…

    Hoje, no local em que os holandeses derrotados baixaram seu pavilhão em 1625, Vieira pregou sermões e Nossa Senhora, a qual, com um estalo, abriu-lhe a inteligência, mesmo local onde o célebre Gregório de Matos era membro da Irmandade do Santíssimo Sacramento da Sé e onde se celebrou o “Te Deum” para D. João VI quando de sua vinda ao Brasil em 1808, há apenas um grande vazio com o Monumento da Cruz Caída… dos bondes, desculpa esfarrapada para a demolição da Sé, nem lembranças… só uns trilhos sob o pavimento da “praça da Sé”… Meu Deus, iluminai D. Murilo Krieger e seus bispos auxiliares para que a Sé Material seja reconstruída espiritualmente no coração de cada fiel nesta Arquidiocese de São Salvador!

  2. orlins santana

    Tenho fotos dos documentos originais do saque e da demolição. A corrupção começou com a cobrança das fotografias de todo o trabalho.A quantidade de moedas de ouro pagas para o fotografo. E elas foram publicadas, meia duzia. Sei onde estão os restos dela. Em duas áreas da cidade. A camara de vereadores na época e de deputados, silenciaram, coniventes com a barbárie.

  3. orlins santana

    Tenho copias e sei onde stá o ritual da barbarie, o saque e corrupção com a conivencia de todos os politicos da epoca

  4. andré

    Orlins,
    como entro em contato com você? Sou um soteropolitano amante e curioso pela cidade!!

  5. Márcio Campos

    Prezado Orlins, boa tarde. Tenho interesse no assunto da Sé, com posso entrar em contato?