“Parece um bonequinho, tem que apertar a descarga e torcer para não entupir” [sobre aborto clandestino]

closeAtenção, este artigo foi publicado 6 anos 14 dias atrás.

Após aborto, mulheres entram em hospitais como pacientes e saem indiciadas. Esta é a chamada pró-aborto de uma notícia daqui do Diário de Pernambuco da última segunda-feira. Ao longo da matéria, a crítica aos médicos que – supostamente – acionam as autoridades policiais após perceberem que suas pacientes tentaram cometer o horrendo crime do aborto.

Eu não vou nem comentar o notório viés da “pesquisa inédita” noticiada, que tem entre seus autores o abortista “Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero” (Anis) e em particular a dra. Débora Diniz, escancaradamente pró-aborto. Também não vou comentar a irrelevância estatística do estudo apresentado, que contou com o fantástico número de… 7 (isto mesmo, sete!) mulheres (!). Não sei, também, se o médico (ou qualquer outro profissional) realmente está impedido de chamar as autoridades policiais quando se depara com um crime diante de si.

Vou comentar somente um ponto que talvez passe batido à primeira leitura do texto. Refiro-me ao parágrafo que segue, contando a história de Joana (nome fictício), atualmente “com 27 anos, mãe de dois filhos”:

Depois do primeiro aborto, aos 16 anos, ela recorreu à prática mais três vezes, em um curto espaço de tempo. Chegou a tomar um preparo que incluía boldo e querosene, em certa ocasião. Hoje, casada, mãe de um garoto de 13 e uma menina de três, Joana faz um mea-culpa, mas explica que o desespero toma conta da mulher que se vê diante de uma gestação indesejada. “Acho que agiria diferente se fosse agora. Não sei se teria todos os filhos, mas evitaria engravidar. Naquela época, me faltava juízo”, diz a diarista, que atualmente não descuida do anticoncepcional. Ela acredita que ninguém passa por um aborto impunemente. “Não é por causa de religião, mas acho que um dia serei cobrada. O castigo começa na hora em que você vê o feto, parece um bonequinho, tem que apertar a descarga e torcer para não entupir.”

Do chocante exposto acima, nós podemos ver que:

i) trata-se de um procedimento amplamente banalizado, a ponto de uma garota fazê-lo quatro vezes (!) em “um curto espaço de tempo” (!) sem que ninguém pareça ter se importado minimamente com isso;

ii) Joana hoje em dia é mãe de dois filhos, o que foi sorte – uma vez que abortos podem provocar esterilidade;

iii) mesmo tendo provocado pelo menos quatro abortos, Joana se arrepende e diz achar que agiria diferente se fosse agora; o que faz com que seja uma tremenda vigarice apresentá-la como exemplo capaz de provocar clamor pela liberação do aborto no Brasil; e

iv) a garota descreve com uma frieza enojante – digna de alguma psicopatia – o procedimento de ocultação de cadáver do seu filho recém-assassinado: «você vê o feto, parece um bonequinho, tem que apertar a descarga e torcer para não entupir».

Se fosse algum maníaco sexual explicando em detalhes o procedimento de estupro de suas vítimas, a narrativa certamente feriria a susceptibilidade dos leitores e não seria veiculada. Se fosse um assassino explicando pormenorizadamente como se desfez do corpo de alguma vítima (p.ex., cortando em pedaços e jogando aos cachorros), muitos iriam se revoltar com esta frieza doentia. Ora, aqui nós temos uma mulher falando sobre como “se livrar” do cadáver de uma criança (o filho dela!) por ela assassinada! É sintomático que isto não provoque a indignação dos leitores do jornal. É um absurdo que clama aos céus uma confissão dessas ser utilizada para fazer a apologia do assassinato de crianças, pintando os criminosos como vítimas e tentando macabramente angariar-lhes simpatia. Quanto à criança, brutalmente assassinada e lançada no esgoto, com esta ninguém se importa, esta ninguém vê – contanto que não entupa o vaso sanitário. Que Deus nos perdoe.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

16 thoughts on ““Parece um bonequinho, tem que apertar a descarga e torcer para não entupir” [sobre aborto clandestino]

  1. Cristiane Pinto

    Vocês me dão licença para vomitar também, onde eu vomito?!

  2. Alexandre Magno

    Falou muito bem Jorge! Essas coisas tem de ser ditas exatamente da forma que você fez. Que bom se um post como esse ficasse nos primeiros resultados do Google! Várias coisas ficaram claras. Tem chocar mesmo!

  3. Leniéverson Azeredo

    Uma das raízes desta questão é o antropocentrismo radical, pois quem defende o aborto, fala que a mulher tem de ter direito sobre o seu próprio corpo.Quando a diarista do post do Jorge, disse “que agiria diferente se fosse agora”, mostra que ela teve carater o suficiente para reconhecer que errou e abriu as portas para que Deus convertesse sua mente quase por inteiro, porque ela fala de uso de anticoncepcionais.Mas é algo bem interessante e concordo com o Alexandre Magno, deveria ser BEM destacado nos sites de buscas, como o Google.

  4. Jucken

    Essas almas serão atormentadas no inferno eternamente pelas almas dos próprios filhos abortados, a não ser que se arrependam, convertam, pratiquem penitência e mortificação diariamente pelo resto da vida e ofereçam muitas Santas Missas, orações e indulgências pelas almas dos inocentes brutal e friamente assassinados, pois se suas almas não se salvarem tampouco salvar-se-ão a de seus assassinos.

  5. Alexandre Magno

    Jucken, não necessariamente. Somente Deus pode julgar uma alma infalivelmente. Objetivamente, para fins pedagógicos, eu tenho de considerar que, sim, “se eu tivesse feito o que fez essa mãe” eu iria para o inferno.

    Quanto a uma alma, hipoteticamente não-perdida, atormentar uma alma perdida, eu também não arrisco afirmar que seria assim, os tormentos. Creio não, aliás.

    Para ajudar eu não ficar julgando as pessoas, quanto a seus destinos eternos, trabalho com a esperança de que alguém frio, tal como essa mulher aí, seja muito mais ignorante do que mau. Daí eu fico com mais sede de conhecer Deus e, evitando julgar almas, sem atrair (ou atraindo menos) a condenação para mim mesmo.

  6. Tamy

    Somente uma mente doentia pode pegar um fato desses é querer transformar em propaganda pró-aborto. Os abortistas são doidos.

  7. Karina

    Tamy, você foi na mosca!!

    É que nem a reportagem sobre aborto de anencéfalos, em que a todos momento as mulheres falam de sofrimento, dor, trauma, arrependimento, mas ainda assim eles insistem em falar que é a melhor saída para a família.

    Ah, sim, não mencionam nunca “saudade”, como no caso de Dona Cacilda, Mônica Torres e as outras mães que deixaram Deus no comando.

    Os abortistas são doidos! (2)

  8. Jucken

    Jucken, não necessariamente. Somente Deus pode julgar uma alma infalivelmente.

    De fato, reconheço.

    Quanto a uma alma, hipoteticamente não-perdida, atormentar uma alma perdida, eu também não arrisco afirmar que seria assim, os tormentos.

    Eu tampouco. Mas eu falei de uma alma hipoteticamente perdida atormentar outra alma hipoteticamente perdida.

  9. Alexandre Magno

    “Pelas almas dos próprios filhos abortados”?

    Que eu saiba, os abortados não estão condenados ao inferno! Basta eles terem sido assassinados, não é mesmo?!

    Como eles não tiveram consciência – ou melhor: não chegaram á idade da discrição -, não tiveram tempo para pecar.

    Não conheço bem a doutrina do limbo, por isso não me atrevo a adiantar se (e como) podemos falar dela aqui. Não estou dispondo de tempo para investigar isso. Vou viajar. Talvez alguém aqui possa nos ajudar.

  10. Jucken

    Não estão necessariamente. Mas eles têm o pecado original. A palavra limbo quer dizer beirada. O limbo nada mais é do que a beirada do inferno. Faz parte do inferno.

  11. Mariana

    Lamentável, para dizer o mínimo.

    Que Deus tenha misericórdia…

  12. Pingback: “Parece um bonequinho, tem que apertar a descarga e torcer para não entupir” [sobre aborto clandestino]

  13. Pingback: Deus lo Vult! - Retrospectiva 2011 | Deus lo Vult!