Ajoelhando-se diante de Deus

closeAtenção, este artigo foi publicado 5 anos 10 meses 9 dias atrás.

Eu li no Fratres in Unum sobre o Arcebispo que deseja «formar [!!] o povo a não comungar de joelho para evitar transtornos no momento da Celebração Eucarística». Melhor seria dizer deformar.

A determinação é tão absurda que carece de qualquer legitimidade. Ninguém precisa obedecer a este tipo de abuso, como é fácil de se ver. Por onde eu começo? A Eucaristia é o Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo – e, portanto, deve ser adorada. Ora, prostrar-se de joelhos é – na cultura ocidental ao menos – a postura de adoração por excelência e, portanto, os fiéis deveriam ser é incentivados a se ajoelharem diante de Deus, e não o contrário.

Ainda: receber a Santíssima Eucaristia de joelhos e na boca é praxis antiquíssima da Igreja Católica, tendo já (há muito!) recebido legitimidade e “cidadania litúrgica” graças ao testemunho dos séculos. É o que a Igreja chama de “costume”, que não tem nada a ver com as invencionices introduzidas de um par de anos [ou mesmo de um par de décadas] para cá, em tal ou qual paróquia específica. O costume tem a ver com amplas regiões e com o decurso dos séculos. Comungar de joelhos é costume. Comungar na mão é que é novidade. Ainda que na paróquia de pe. Fulaninho todo mundo comungue na mão “desde que eu me entendo por gente”, o costume é a comunhão de joelhos e na boca, e não na mão. Não se entende como esta santa prática possa provocar “transtornos no momento da Celebração Eucarística”.

Mais: o Santo Padre vem – há mais de três anos! – insistindo em distribuir a Eucaristia diante de um genuflexório, no qual os fiéis se ajoelham e recebem o Corpo de Cristo diretamente na boca. Isto se observa em toda celebração litúrgica oficiada pelo Vigário de Cristo. É interessante ver isto aqui: trata-se do Arcebispo Mario Conti, de Glasgow (Escócia), que disse «em uma nota escrita e dirigida aos sacerdotes de sua arquidiocese que os fiéis não devem se ajoelhar para receber a Sagrada Comunhão». Qualquer semelhança com a situação atual não pode ser mera coincidência. Pois bem: um ano antes, o Papa visitara esta mesma arquidiocese e distribuíra a comunhão na boca dos fiéis ajoelhados, a despeito do “desgosto” do Ordinário local. A conclusão se impera: mesmo «sendo o moderador da vida litúrgica da diocese, o bispo não goza do direito de exceder sua legítima autoridade, removendo o que está previsto no Missal».

Porque receber a comunhão de joelhos e na boca é um direito do fiel, que não lhe pode ser negado. Assim dispõe (entre outras) a Redemptionis Sacramentum: «Assim pois, não é lícito negar a sagrada Comunhão a um fiel, por exemplo, só pelo fato de querer receber a Eucaristia ajoelhado ou de pé. Todo fiel tem sempre direito a escolher se deseja receber a sagrada Comunhão na boca ou se, o que vai comungar, quer receber na mão o Sacramento» (RS 91-92 – grifos meus).

Para qualquer lado que nós olhemos, portanto, não existe cabimento algum em proibir [ou mesmo em colocar obstáculos a]o salutar costume de se receber a Eucaristia diretamente na boca e de joelhos. A despeito do que estabelecem alguns prelados, cumpramos o nosso dever fazendo a nossa parte: exercendo o nosso direito de comungar da mesma maneira que comungaram os cristãos que nos precederam. Porque também a nós (e talvez principalmente a nós) leigos compete o encargo de resgatar o sentido de sagrado na Liturgia. E isto se consegue por meio de coisas bastante simples: prestando atenção ao Santo Sacrifício do Altar; rezando silenciosamente; ajoelhando-se diante de Deus.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

7 thoughts on “Ajoelhando-se diante de Deus

  1. Roger

    Eu, particulamente, prefiro receber o Santissimo em pé e na mão como a maioria.
    Na minha paroquia ninguém recebe de joelhos e na boca. Todos recebem em pé e na mão. Não vejo nada de errado nisso.
    Cada um escolhe a melhor forma de receber o sacramento, ajoelhado ou de pé. o importante é estar em estado de graça

  2. lucas

    Caro Roger,

    Porquê vc prefere receber o Santíssimo Sacramento em pé e na mão como a maioria ?

    abraços,
    lucas

  3. Jedson

    Só comungo ajoelhado e não vejo motivo para deixar de fê-lo.

    Se podemos comungar on kness, e é salutar tal ato, por que não fazê-lo?

    Se a maioria comunga em pé, e daí? Isso é motivo para justificar o medo (ou vergonha) de ajoelhar-se diante de Deus eucarístico?

    Acredito que a melhor maneira de se conseguir que tão belo ato, o de comungar ajoelhado, seja aderido por mais fiéis é dando o exemplo. Mostrando que não temos vergonha/medo/sejaláoquefor de nos pormos de joelhos diante dAquele que nos criou, e por nós, fez-se homem e alimento.

    Laus tibi Christe!

  4. Jordan J. Souza

    Pessoal, sabem aquele post do mês passado sobre um ato heroico na batalha de Iwo Jima, na 2a Guerra?
    Tem uma maravilhosa foto de um U.S. Marine comungando de joelhos numa missa campal no topo da montanha, no meio do mato!
    Tem que pegar essa foto, fazer um quadro gigante e colocar em todas as paróquias do país com os dizeres: “É ASSIM QUE SE RECEBE O CORPO DE CRISTO!”.
    http://www.deuslovult.org/2011/09/27/heroismo-catolico-em-iwo-jima/

  5. lucas

    Acho que este problema tem haver com a noção equivocada daqueles que igualam a presença de Deus na Eucaristia como por exemplo a presença de Deus em todas as coisas,lugares e seres pela Onipresença.

    abraços,
    lucas

  6. Thiago

    A maioria também vai para o inferno. EU não os seguiria! Seja seguidor de Cristo e sua Igreja e não das modas e das pessoas. Abraços