#CançãoNovaSemPT wins! É oficial: petista expulso de emissora católica

closeAtenção, este artigo foi publicado 2 anos 4 meses 29 dias atrás.

A notícia nos vem da mídia secular antes (até onde sei) de ser oficialmente comunicada pela Canção Nova, mas (ao que tudo indica) é oficial: Rede Canção Nova tira do ar programas de Chalita e Edinho Silva. Segundo a F0lha de São Paulo, «o elemento precipitador foram as reações negativas de fiéis e lideranças da igreja à recente incorporação de Edinho, presidente do diretório estadual petista, ao quadro de apresentadores da Canção Nova».

As reações negativas dos católicos impediram o escárnio! Eis a demonstração de que nós temos, sim, capacidade de impedir que zombem do Todo-Poderoso aqueles que se apresentam como servos da Igreja de Cristo. Orações, protestos e cancelamentos de contribuições dão resultado. O Wagner Moura já tinha cantado a notícia ontem, e disse:

Fontes anônimas comunicaram que o programa religioso do petista motivou um convite à direção da emissora por parte do bispo da diocese de Lorena (SP), jurisdição eclesiástica na qual se encontra a Canção Nova, Dom Benedito Beni, no início da semana passada. Durante a reunião, supostamente a TV católica comprometeu-se em modificar sua grade de programação e tirar do ar os políticos que apresentam programas como “Justiça e Paz” (Edinho Silva – PT), “Papo Aberto” (Gabriel Chalita – PMDB) e “Mais Brasil” (Eros Biondini – PTB).

Não há lugar em uma emissora católica para inimigos da Igreja. A expulsão era justa e urgente, um dever imperioso daquele amor a Cristo que manda não se prostituírem as coisas sagradas e não permitir a abominação no lugar santo. Expulsar o perseguidor de cristãos da Canção Nova é exatamente o que Cristo faria, e demos graças a Deus porque a emissora decidiu imitá-Lo agora – evitar-se-ia muito mal estar se Ele fosse consultado desde o início, mas agora temos ao menos a resposta mais firme. Se antes havia incerteza sobre até onde a Canção Nova era capaz de ir no processo de destruição dos valores católicos no Brasil, hoje esta santa defenestração demarca claramente estes limites: políticos interesseiros e inimigos da Igreja não são (mais) tolerados na Canção Nova. Louvado seja Deus.

Dom Benedito Beni é responsável por esta mudança de rumos e, portanto, se na semana passada nós escrevemos a Sua Excelência suplicando-lhe que fizesse alguma coisa hoje temos o dever de enviar-lhe mensagens de gratidão por ter ele posto fim ao escândalo. E louvado seja Deus pelos bispos que agem como bispos católicos! Fosse em outros lugares, talvez algum sucessor de Judas achasse por bem “não se indispôr” com a Canção Nova ou com o Partido. Dom Beni prefere não se indispôr com o Deus Altíssimo a Quem jurou servir. Parabéns ao bispo de Lorena por ter agido com integridade e coerência! E – por que não? – parabéns à Canção Nova por ter atendido ao pedido do bispo diocesano.

O Fratres in Unum também falou sobre os “despejados da tela”. Eu entendo a queixa do blog – verbis, «[q]ualquer outra razão [para a retirada do programa] que não uma verdadeira preocupação em se manter fiel à doutrina católica seria, novamente, outra demonstração de mero oportunismo» – e posso até condescender com ela. Penso, contudo, que é momento mais de demonstrar apoio do que de atirar pedras. Por motivos nobres ou torpes, o fato objetivo é que o petista foi expulso da Canção Nova! Se os católicos apoiarem a decisão (ainda que seja esta decisão pontual da emissora), será mais fácil conseguirem decisões afins no futuro. Se, ao contrário, a emissora só levar pedradas de todos os lados, talvez fique surda no futuro às súplicas dos católicos fiéis. Portanto, cumprimentos à Canção Nova sim.

Porque a atitude é positiva e cumpre alegrar-se, porque um passo (ainda que meio “capenga”) é melhor do que nada: como cantava o poeta meu conterrâneo, um passo à frente e você não está mais no mesmo lugar. Ainda que o pecador invoque o Santíssimo Nome de Jesus por completo “oportunismo” de não querer queimar no fogo do inferno, ainda que o filho pródigo retorne à casa paterna por completo “oportunismo” de não suportar mais a barriga vazia. Os Céus se alegram. Às vezes eu me questiono se não é de um contraproducente rigorismo jansenista esperar que surja “o perfeito” (o padre perfeito, a emissora perfeita, o movimento perfeito, o partido perfeito, etc.) para que nos dignemos trabalhar junto com ele pela glória de Deus. E, enquanto isso, perde-se tempo e se faz pouco ou nada.

email

Antes de comentar, por favor leia a política de comentários do Deus lo Vult!.

Comentários

  1. Que é isso, Jorge??? O padre perfeito existe, sim! E a emissora católica também. Aliás, segundo alguns dos seus comentaristas ordinários, até fiel perfeito existe: gente imaculada, capaz de botar dedo na cara de sacerdote, de julgar corações e intenções.

  2. Eu concordo com o “senão” do Frates, mas também concordo contigo, Jorge. O momento é de dar apoio a decisão da CN. Ainda mais sabendo que provavelmente o PT não vai deixar barato…

  3. Evelyn disse:

    É… Edinho, a mentira não sou eu…

  4. Evandro disse:

    “Às vezes eu me questiono se não é de um contraproducente rigorismo jansenista esperar que surja ‘o perfeito’”

    Prezado Jorge, onde assino? Muitas vezes exigimos algo que nem nós mesmos somos capazes de cumprir, como cristãos batizados.

  5. Olegario disse:

    Não tem que dar parabéns a CN coisíssima nehuma!
    Ela não fez isso por mérito ou vontade própria.
    Tirou os lazarentos do ar por conta de imensa pressão dos católicos e ao que parece do bispo tambem.
    Logo, esse ato de abortar os programas dos comunas da rede foi simplesmente uma atitude de que “vai ter que tirar!!”
    A CN é uma péssima comunidade.
    E parabenizá-la por isso é o mesmo que louvar um paciente cancerígeno pela sessão de quimioterapia; Ele faz porque é preciso, mas não porque quer ou gosta.
    Jorge, vamos baixar a bola!!
    Abraços.
    Olegas.

  6. Miguel Carqueija disse:

    Eu nunca vi o Edinho, não sei se ele estreou o programa, mas louvo também o bispo Dom Benedito. Tem gente muito boa na Canção Nova, tem os padres José Augusto, Roger Luiz, Paulo Ricardo, tem o Prof. Felipe Aquino, para que perder tempo com petistas, quando sabemos qual é a ideologia desse partido?

  7. lucas disse:

    Espero que a direção da CN de mais espaço aos políticos que são verdadeiramente comprometidos com a moral católica.

    abraços,
    lucas

  8. Nossa, Jorge, valeu pela lucidez de quem avalia as coisas com olhos de boa-vontade!
    Imagine se Nosso Senhor esperasse surgir os “apóstolos perfeitos” para começar a obra da Igreja. Não! Talvez ele trabalhou com os menos aptos (não havia nenhum “doutor da Lei” no meio dos 12). Pedro o negou, e, antes disso, não havia entendido nada sobre a Cruz, mas Jesus o manteve chefe da Igreja. Todos os outros brigavam entre si, para verem quem era o melhor ou o mais digno e Jesus, com muita paciência e mansidão, os ensinava a servir ao invés de serem servidos. E hoje, conosco! Quanta paciência e mansidão Nosso Senhor não tem, esperando, aguardando que nos convençamos das coisas da Fé, com aquela paciência de uma mãe que vê o filho começando a andar e tomar mais tombos do que ficar de pé, mas mesmo assim o estimular a levantar-se sempre até que o pimpolho um dia possa correr pra lá e pra cá.

    Ortodoxia sempre, mas com caridade e paciência. Sei que talvez a atitude da CN não se deveu a uma profunda convicção sobre o mal do PT, mas enfim, o programa foi cancelado e acho que deveríamos ligar para eles e dar nossos parabéns por isso. Há muitas pessoas boas trabalhando lá. Ah, e outra coisa: acho que deveríamos também parabenizar o Pe. Paulo Ricardo porque ele deve ter tido uma boa participação nesse desfecho feliz.
    É isso!

  9. Lázaro disse:

    Como que podemos dizer que Dom Beni, foi o responsável por retira estes políticos do “ar”.

    Dom Beni, fez algum comunicado dizendo que pediu para que estes políticos saíssem do “ar”?

    Tem algum comunicado, que se dirigiu até a direção da emissora, para que estes políticos não fossem mais ao “ar”?

    Se estiver, postar aqui que quero ler.

    E a exclusão desses políticos da emissora, não foi devido a Lei Eleitoral de 2012, como está no site do Vagner Moura, indicando uma frase do twtter sobre o deputado Eros. /// (NÃO FOI POR CAUSA DA FÉ, E SIM PARA ATENDER A LEI ELEITORAL)

    “Em seu twitter, o deputado e missionário da Canção Nova, Eros Biondini, confirmou que seu programa estaria fora do ar no sábado, 19, e informou participar de uma reunião com a coordenação da Canção Nova relativa a “alterações por causa da lei eleitoral” que somente em 2012 entrará em vigor:”

    VAMOS PROCURA ENXERGAR AS COISAS, COM CLARIDADE, SEM DEIXA OS SENTIMENTOS SECUNDARIOS FALAR MAIS ALTO.

    A verdade deve está acima de tudo, mesmo se gostamos de X ou Y, não podermos querer maquia-los

    Apenas tentando entender o caso

    Abraços

  10. Jordan J. Souza disse:

    \O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/
    Graças a Deus a Canção Nova acordou (à tapas, mas acordou)!!!
    Fora petralhas, comunalhas e quadrilha ltda.!

  11. Ichthys disse:

    Parabéns pelo discernimento Olegário!

    Eu não penso que a questão do perfeccionismo foi corretamente abordada no post. Ora, existem os meios, fórmulas e rúbricas que a Igreja manda realizar, e pedir que se faça isso, o mínimo que está claramente exposto nos documentos da Igreja, não é exigir perfeccionismo.

    Que Deus abençoe a todos!

    ICHTHYS

  12. Jorge Ferraz disse:

    Sim, a comparação é excelente: se um doente tem histórico de rejeição ao tratamento, é digno de louvor que ele, ainda que tibiamente, passe a aceitá-lo. Ele merece cumprimentos e ele vai ter mais facilidade em continuar o tratamento se for apoiado por fazê-lo, ao invés de menosprezado. A questão é de atitude, e não de esmiuçamento teológico-moral.

    E sim, exigir que todos os padres do mundo tenham um irrepreensível zelo litúrgico para que se possa apoiá-los nas coisas indiscutivelmente corretas que eles fazem é exigir uma perfeição descabida. Existe um mínimo moral que está claramente exposto em duas tábuas de pedra entregues no Sinai, e estabelecer “que se faça isso, o mínimo que está claramente exposto” como pré-requisito para aceitar a ajuda de um fulano concreto numa batalha justa específica é nonsense.

    Abraços,
    Jorge

  13. Teresa disse:

    Jorge,

    Sua análise é bondosa mas um tanto ingênua. A Canção Nova não pode ser comparada ao “filho pródigo” que voltou a casa do Pai motivada pela barriga vazia. Quem acompanha o caso pode se admirar da atitude de Dom Beni, mas não há que dar parabéns a CN. É ótimo que o relativista Chalita saia também, mas que culpa teria a Miriam Rios e o outro cantor expulsos? Podiam ser aguados mas não defendiam o PT. A Miriam fez até um bom pronunciamento contra as uniões homossexuais recentemente. Deu testemunho cristão. A atitude deles não foi nada católica, mas puramente estratégica.

    E além disso muito antes da entrada do PT nas programações vem o modernismo do padre Fabio de Melo, o código de vestuário que deixa a desejar na modéstia, o descaso com a liturgia e tudo o mais.

    Infelizmente ao que tudo indica a pressão financeira é a mais eficaz nesses casos. Essa TV não pode ser considerada a expressão do catolicismo.

    Eles mereceriam nosso tempo com ligações e e-mails de parabéns se efetivamente explicassem com humildade que erraram na contratação e não por inventarem essa explicação de que os motivos foram para cumprir a lei eleitoral.

  14. Durval disse:

    Concordo plenamente com a abordagem de Tereza. A CN não tirou os programas do ar por amor à sã doutrina, e sim, devido aos protestos dos católicos escandalizados e logicamente pelas doações que perdeu, quem assiste tbm percebe que as Santas Missas da CN são bagunçada e sem a piedade devida, as mulheres se vestem de calças coladas na qual suas formas ficam em evidência o que para muitos são ocasião de pecado e quanto a saída de Miriam Rios, acredito (é uma opinião pessoal)que se deu por ela não estar alinhada ao politicamente correto da CN e sobrou para ela também, mas por motivo diferente.

  15. Cristiane Pinto disse:

    Estou com o Olegário. Não vou dar parabéns à Canção Nova por ter expulsado os petistas de lá. A Canção Nova não fez mais do que a obrigação, e, além do mais, não o fez por vontade própria, e sim porque sofreu uma enorme pressão por parte dos católicos indignados e do bispo também. Abraços.

  16. Gustavo disse:

    Cristiane

    Que horror, quanto preconceito com os petistas dona cristiane.

  17. Cristiane Pinto disse:

    Gustavo
    Não sou a favor do PT, nem de nenhum outro partido político que apóie o PT. Sou contra as idéias do PT. Simples assim.

  18. Jorge Ferraz disse:

    Caros, é totalmente utópico esperar uma conversão miraculosa em massa. A questão é que nós só temos duas opções: ou apoiamos o doente que tomou “a pulso” o remédio a fim de facilitar-lhe a continuação do tratamento ou continuamos jogando pedras que o levarão a se tornar (ainda mais) hostil a nós e (ainda) menos propenso a fazer o que precisa ser feito.

    Abraços,
    Jorge

  19. Lázaro disse:

    Interessante que foi a Canção Nova que convidou o político completamente anti-católico, para apresentar o programa.

    Será que são tão ingênuos a este ponto?

    Ou amarraram todos, e vendaram os olhos e jogaram o político anti-católico lá.

    Com certeza eles sabiam e sabem quem é este político.

    O mínimo, que a Canção Nova, deveria fazer é se retratar publicamente sobre este caso.

    Dar explicações, e se desculpa perante o público, sobre este fato ocorrido.

    Pois, o pecado publico, deve se retratado publicamente.

    Senão tem coragem, e a humildade de fazer isso, não merece os nossos parabéns.

    Há, mas esquecir, eles são cheios do espírito “santo”, não erram, pois o ‘espírito’ lhe conduzem.

    Se retratar publicamente, seria o mesmo que dizer, que o ‘espírito’, não está mas com eles.

    Também, concordo com o comentário da Tereza.

  20. Lázaro disse:

    A Canção Nova, que alguns pensam em querer “purificá-la”, aos pouco está se tornando um mostro, está purificação está servindo apenas, para esconder seus erros, e fazer que a massa dos católicos que assistem seus programas, e participam de seu eventos pensem que a Canção Nova é a única fonte do catolicismo no Brasil, O catolicismo no Brasil, está sendo todo direciona a ela, pois possuem os maiores meios de comunicação entre as instituições católica.

  21. Gustavo disse:

    Cristiane

    Como alguém pode ser contra a politica social de apoio a população carente?

  22. Cristiane Pinto disse:

    O problema, Gustavo, é que você não entende que o PT tem idéias esquerdistas, marxistas. E eu não sou a favor do esquerdismo, muito pelo contrário. Os petistas são dos maiores inimigos da Igreja, são os que mais perseguem a Igreja. Embora eu não seja de direita, eu também não sou de esquerda. Nunca vou a apoiar a esquerda. Esse partido defende uma série de coisas com as quais não concordo, como a legalização do aborto, motivo pelo qual eu não votei na Dilma. Além de eu não gostar do PT, a Dilma é uma mentirosa, disse que era a favor da vida e se fez de religiosa só para ganhar a eleição. Acaso o senhor não lembra da corrupção, do mensalão, entre tantas besteiras que o PT já fez? E o que o PT faz para apoiar a população carente? Não faz mais nada além de dar bolsa-esmola. Por isso é que não apóio o PT nem morta.

  23. Ichthys disse:

    Caro Jorge,

    o problema que vejo, novamente fazendo uso da analogia entre o fato em questão e um doente, é que este doente (a Canção Nova) não só recusa o tratamento que lhe é oferecido como vai em busca de outras doenças. Falando de outra forma: um doente que apenas recusa tratamento é uma coisa e outra coisa é um que além de fazer pouco caso tratamento ainda procura de outras formas piorar seu quadro clínico.

    Que Deus abençoe a todos!

    Aprecio seu blog.

    ICHTHYS

    P.S.: Gostaria que o Sr., se possível, tecesse comentários sobre a recente decisão do STF (ou STJ?!) de privar a pessoa da liberdade pelo fato do “risco de causar dano” ao ingerir álcool em qualquer quantidade e em seguida dirigir um veículo. É justo punir alguém com prisão por um fato que não se consumou (um acidente que não aconteceu embora o motorista tivesse ingerido álcool em peníssima percentagem, por exemplo)?

Deixe um comentário: