#CançãoNovaSemPT wins! É oficial: petista expulso de emissora católica

closeAtenção, este artigo foi publicado 2 anos 9 meses 11 dias atrás.

A notícia nos vem da mídia secular antes (até onde sei) de ser oficialmente comunicada pela Canção Nova, mas (ao que tudo indica) é oficial: Rede Canção Nova tira do ar programas de Chalita e Edinho Silva. Segundo a F0lha de São Paulo, «o elemento precipitador foram as reações negativas de fiéis e lideranças da igreja à recente incorporação de Edinho, presidente do diretório estadual petista, ao quadro de apresentadores da Canção Nova».

As reações negativas dos católicos impediram o escárnio! Eis a demonstração de que nós temos, sim, capacidade de impedir que zombem do Todo-Poderoso aqueles que se apresentam como servos da Igreja de Cristo. Orações, protestos e cancelamentos de contribuições dão resultado. O Wagner Moura já tinha cantado a notícia ontem, e disse:

Fontes anônimas comunicaram que o programa religioso do petista motivou um convite à direção da emissora por parte do bispo da diocese de Lorena (SP), jurisdição eclesiástica na qual se encontra a Canção Nova, Dom Benedito Beni, no início da semana passada. Durante a reunião, supostamente a TV católica comprometeu-se em modificar sua grade de programação e tirar do ar os políticos que apresentam programas como “Justiça e Paz” (Edinho Silva – PT), “Papo Aberto” (Gabriel Chalita – PMDB) e “Mais Brasil” (Eros Biondini – PTB).

Não há lugar em uma emissora católica para inimigos da Igreja. A expulsão era justa e urgente, um dever imperioso daquele amor a Cristo que manda não se prostituírem as coisas sagradas e não permitir a abominação no lugar santo. Expulsar o perseguidor de cristãos da Canção Nova é exatamente o que Cristo faria, e demos graças a Deus porque a emissora decidiu imitá-Lo agora – evitar-se-ia muito mal estar se Ele fosse consultado desde o início, mas agora temos ao menos a resposta mais firme. Se antes havia incerteza sobre até onde a Canção Nova era capaz de ir no processo de destruição dos valores católicos no Brasil, hoje esta santa defenestração demarca claramente estes limites: políticos interesseiros e inimigos da Igreja não são (mais) tolerados na Canção Nova. Louvado seja Deus.

Dom Benedito Beni é responsável por esta mudança de rumos e, portanto, se na semana passada nós escrevemos a Sua Excelência suplicando-lhe que fizesse alguma coisa hoje temos o dever de enviar-lhe mensagens de gratidão por ter ele posto fim ao escândalo. E louvado seja Deus pelos bispos que agem como bispos católicos! Fosse em outros lugares, talvez algum sucessor de Judas achasse por bem “não se indispôr” com a Canção Nova ou com o Partido. Dom Beni prefere não se indispôr com o Deus Altíssimo a Quem jurou servir. Parabéns ao bispo de Lorena por ter agido com integridade e coerência! E – por que não? – parabéns à Canção Nova por ter atendido ao pedido do bispo diocesano.

O Fratres in Unum também falou sobre os “despejados da tela”. Eu entendo a queixa do blog – verbis, «[q]ualquer outra razão [para a retirada do programa] que não uma verdadeira preocupação em se manter fiel à doutrina católica seria, novamente, outra demonstração de mero oportunismo» – e posso até condescender com ela. Penso, contudo, que é momento mais de demonstrar apoio do que de atirar pedras. Por motivos nobres ou torpes, o fato objetivo é que o petista foi expulso da Canção Nova! Se os católicos apoiarem a decisão (ainda que seja esta decisão pontual da emissora), será mais fácil conseguirem decisões afins no futuro. Se, ao contrário, a emissora só levar pedradas de todos os lados, talvez fique surda no futuro às súplicas dos católicos fiéis. Portanto, cumprimentos à Canção Nova sim.

Porque a atitude é positiva e cumpre alegrar-se, porque um passo (ainda que meio “capenga”) é melhor do que nada: como cantava o poeta meu conterrâneo, um passo à frente e você não está mais no mesmo lugar. Ainda que o pecador invoque o Santíssimo Nome de Jesus por completo “oportunismo” de não querer queimar no fogo do inferno, ainda que o filho pródigo retorne à casa paterna por completo “oportunismo” de não suportar mais a barriga vazia. Os Céus se alegram. Às vezes eu me questiono se não é de um contraproducente rigorismo jansenista esperar que surja “o perfeito” (o padre perfeito, a emissora perfeita, o movimento perfeito, o partido perfeito, etc.) para que nos dignemos trabalhar junto com ele pela glória de Deus. E, enquanto isso, perde-se tempo e se faz pouco ou nada.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

23 comentários em “#CançãoNovaSemPT wins! É oficial: petista expulso de emissora católica

  1. Coisa Rúim Chefe

    Que é isso, Jorge??? O padre perfeito existe, sim! E a emissora católica também. Aliás, segundo alguns dos seus comentaristas ordinários, até fiel perfeito existe: gente imaculada, capaz de botar dedo na cara de sacerdote, de julgar corações e intenções.

  2. Silvio Camargo

    Eu concordo com o “senão” do Frates, mas também concordo contigo, Jorge. O momento é de dar apoio a decisão da CN. Ainda mais sabendo que provavelmente o PT não vai deixar barato…

  3. Evandro

    “Às vezes eu me questiono se não é de um contraproducente rigorismo jansenista esperar que surja ‘o perfeito’”

    Prezado Jorge, onde assino? Muitas vezes exigimos algo que nem nós mesmos somos capazes de cumprir, como cristãos batizados.

  4. Olegario

    Não tem que dar parabéns a CN coisíssima nehuma!
    Ela não fez isso por mérito ou vontade própria.
    Tirou os lazarentos do ar por conta de imensa pressão dos católicos e ao que parece do bispo tambem.
    Logo, esse ato de abortar os programas dos comunas da rede foi simplesmente uma atitude de que “vai ter que tirar!!”
    A CN é uma péssima comunidade.
    E parabenizá-la por isso é o mesmo que louvar um paciente cancerígeno pela sessão de quimioterapia; Ele faz porque é preciso, mas não porque quer ou gosta.
    Jorge, vamos baixar a bola!!
    Abraços.
    Olegas.

  5. Miguel Carqueija

    Eu nunca vi o Edinho, não sei se ele estreou o programa, mas louvo também o bispo Dom Benedito. Tem gente muito boa na Canção Nova, tem os padres José Augusto, Roger Luiz, Paulo Ricardo, tem o Prof. Felipe Aquino, para que perder tempo com petistas, quando sabemos qual é a ideologia desse partido?

  6. lucas

    Espero que a direção da CN de mais espaço aos políticos que são verdadeiramente comprometidos com a moral católica.

    abraços,
    lucas

  7. Marina S Santos

    Nossa, Jorge, valeu pela lucidez de quem avalia as coisas com olhos de boa-vontade!
    Imagine se Nosso Senhor esperasse surgir os “apóstolos perfeitos” para começar a obra da Igreja. Não! Talvez ele trabalhou com os menos aptos (não havia nenhum “doutor da Lei” no meio dos 12). Pedro o negou, e, antes disso, não havia entendido nada sobre a Cruz, mas Jesus o manteve chefe da Igreja. Todos os outros brigavam entre si, para verem quem era o melhor ou o mais digno e Jesus, com muita paciência e mansidão, os ensinava a servir ao invés de serem servidos. E hoje, conosco! Quanta paciência e mansidão Nosso Senhor não tem, esperando, aguardando que nos convençamos das coisas da Fé, com aquela paciência de uma mãe que vê o filho começando a andar e tomar mais tombos do que ficar de pé, mas mesmo assim o estimular a levantar-se sempre até que o pimpolho um dia possa correr pra lá e pra cá.

    Ortodoxia sempre, mas com caridade e paciência. Sei que talvez a atitude da CN não se deveu a uma profunda convicção sobre o mal do PT, mas enfim, o programa foi cancelado e acho que deveríamos ligar para eles e dar nossos parabéns por isso. Há muitas pessoas boas trabalhando lá. Ah, e outra coisa: acho que deveríamos também parabenizar o Pe. Paulo Ricardo porque ele deve ter tido uma boa participação nesse desfecho feliz.
    É isso!

  8. Lázaro

    Como que podemos dizer que Dom Beni, foi o responsável por retira estes políticos do “ar”.

    Dom Beni, fez algum comunicado dizendo que pediu para que estes políticos saíssem do “ar”?

    Tem algum comunicado, que se dirigiu até a direção da emissora, para que estes políticos não fossem mais ao “ar”?

    Se estiver, postar aqui que quero ler.

    E a exclusão desses políticos da emissora, não foi devido a Lei Eleitoral de 2012, como está no site do Vagner Moura, indicando uma frase do twtter sobre o deputado Eros. /// (NÃO FOI POR CAUSA DA FÉ, E SIM PARA ATENDER A LEI ELEITORAL)

    “Em seu twitter, o deputado e missionário da Canção Nova, Eros Biondini, confirmou que seu programa estaria fora do ar no sábado, 19, e informou participar de uma reunião com a coordenação da Canção Nova relativa a “alterações por causa da lei eleitoral” que somente em 2012 entrará em vigor:”

    VAMOS PROCURA ENXERGAR AS COISAS, COM CLARIDADE, SEM DEIXA OS SENTIMENTOS SECUNDARIOS FALAR MAIS ALTO.

    A verdade deve está acima de tudo, mesmo se gostamos de X ou Y, não podermos querer maquia-los

    Apenas tentando entender o caso

    Abraços

  9. Jordan J. Souza

    \O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/\O/
    Graças a Deus a Canção Nova acordou (à tapas, mas acordou)!!!
    Fora petralhas, comunalhas e quadrilha ltda.!

  10. Ichthys

    Parabéns pelo discernimento Olegário!

    Eu não penso que a questão do perfeccionismo foi corretamente abordada no post. Ora, existem os meios, fórmulas e rúbricas que a Igreja manda realizar, e pedir que se faça isso, o mínimo que está claramente exposto nos documentos da Igreja, não é exigir perfeccionismo.

    Que Deus abençoe a todos!

    ICHTHYS

  11. Jorge Ferraz Post author

    Sim, a comparação é excelente: se um doente tem histórico de rejeição ao tratamento, é digno de louvor que ele, ainda que tibiamente, passe a aceitá-lo. Ele merece cumprimentos e ele vai ter mais facilidade em continuar o tratamento se for apoiado por fazê-lo, ao invés de menosprezado. A questão é de atitude, e não de esmiuçamento teológico-moral.

    E sim, exigir que todos os padres do mundo tenham um irrepreensível zelo litúrgico para que se possa apoiá-los nas coisas indiscutivelmente corretas que eles fazem é exigir uma perfeição descabida. Existe um mínimo moral que está claramente exposto em duas tábuas de pedra entregues no Sinai, e estabelecer “que se faça isso, o mínimo que está claramente exposto” como pré-requisito para aceitar a ajuda de um fulano concreto numa batalha justa específica é nonsense.

    Abraços,
    Jorge

  12. Teresa

    Jorge,

    Sua análise é bondosa mas um tanto ingênua. A Canção Nova não pode ser comparada ao “filho pródigo” que voltou a casa do Pai motivada pela barriga vazia. Quem acompanha o caso pode se admirar da atitude de Dom Beni, mas não há que dar parabéns a CN. É ótimo que o relativista Chalita saia também, mas que culpa teria a Miriam Rios e o outro cantor expulsos? Podiam ser aguados mas não defendiam o PT. A Miriam fez até um bom pronunciamento contra as uniões homossexuais recentemente. Deu testemunho cristão. A atitude deles não foi nada católica, mas puramente estratégica.

    E além disso muito antes da entrada do PT nas programações vem o modernismo do padre Fabio de Melo, o código de vestuário que deixa a desejar na modéstia, o descaso com a liturgia e tudo o mais.

    Infelizmente ao que tudo indica a pressão financeira é a mais eficaz nesses casos. Essa TV não pode ser considerada a expressão do catolicismo.

    Eles mereceriam nosso tempo com ligações e e-mails de parabéns se efetivamente explicassem com humildade que erraram na contratação e não por inventarem essa explicação de que os motivos foram para cumprir a lei eleitoral.

  13. Durval

    Concordo plenamente com a abordagem de Tereza. A CN não tirou os programas do ar por amor à sã doutrina, e sim, devido aos protestos dos católicos escandalizados e logicamente pelas doações que perdeu, quem assiste tbm percebe que as Santas Missas da CN são bagunçada e sem a piedade devida, as mulheres se vestem de calças coladas na qual suas formas ficam em evidência o que para muitos são ocasião de pecado e quanto a saída de Miriam Rios, acredito (é uma opinião pessoal)que se deu por ela não estar alinhada ao politicamente correto da CN e sobrou para ela também, mas por motivo diferente.

  14. Cristiane Pinto

    Estou com o Olegário. Não vou dar parabéns à Canção Nova por ter expulsado os petistas de lá. A Canção Nova não fez mais do que a obrigação, e, além do mais, não o fez por vontade própria, e sim porque sofreu uma enorme pressão por parte dos católicos indignados e do bispo também. Abraços.

  15. Gustavo

    Cristiane

    Que horror, quanto preconceito com os petistas dona cristiane.

  16. Cristiane Pinto

    Gustavo
    Não sou a favor do PT, nem de nenhum outro partido político que apóie o PT. Sou contra as idéias do PT. Simples assim.

  17. Jorge Ferraz Post author

    Caros, é totalmente utópico esperar uma conversão miraculosa em massa. A questão é que nós só temos duas opções: ou apoiamos o doente que tomou “a pulso” o remédio a fim de facilitar-lhe a continuação do tratamento ou continuamos jogando pedras que o levarão a se tornar (ainda mais) hostil a nós e (ainda) menos propenso a fazer o que precisa ser feito.

    Abraços,
    Jorge

  18. Lázaro

    Interessante que foi a Canção Nova que convidou o político completamente anti-católico, para apresentar o programa.

    Será que são tão ingênuos a este ponto?

    Ou amarraram todos, e vendaram os olhos e jogaram o político anti-católico lá.

    Com certeza eles sabiam e sabem quem é este político.

    O mínimo, que a Canção Nova, deveria fazer é se retratar publicamente sobre este caso.

    Dar explicações, e se desculpa perante o público, sobre este fato ocorrido.

    Pois, o pecado publico, deve se retratado publicamente.

    Senão tem coragem, e a humildade de fazer isso, não merece os nossos parabéns.

    Há, mas esquecir, eles são cheios do espírito “santo”, não erram, pois o ‘espírito’ lhe conduzem.

    Se retratar publicamente, seria o mesmo que dizer, que o ‘espírito’, não está mas com eles.

    Também, concordo com o comentário da Tereza.

  19. Lázaro

    A Canção Nova, que alguns pensam em querer “purificá-la”, aos pouco está se tornando um mostro, está purificação está servindo apenas, para esconder seus erros, e fazer que a massa dos católicos que assistem seus programas, e participam de seu eventos pensem que a Canção Nova é a única fonte do catolicismo no Brasil, O catolicismo no Brasil, está sendo todo direciona a ela, pois possuem os maiores meios de comunicação entre as instituições católica.

  20. Gustavo

    Cristiane

    Como alguém pode ser contra a politica social de apoio a população carente?

  21. Cristiane Pinto

    O problema, Gustavo, é que você não entende que o PT tem idéias esquerdistas, marxistas. E eu não sou a favor do esquerdismo, muito pelo contrário. Os petistas são dos maiores inimigos da Igreja, são os que mais perseguem a Igreja. Embora eu não seja de direita, eu também não sou de esquerda. Nunca vou a apoiar a esquerda. Esse partido defende uma série de coisas com as quais não concordo, como a legalização do aborto, motivo pelo qual eu não votei na Dilma. Além de eu não gostar do PT, a Dilma é uma mentirosa, disse que era a favor da vida e se fez de religiosa só para ganhar a eleição. Acaso o senhor não lembra da corrupção, do mensalão, entre tantas besteiras que o PT já fez? E o que o PT faz para apoiar a população carente? Não faz mais nada além de dar bolsa-esmola. Por isso é que não apóio o PT nem morta.

  22. Ichthys

    Caro Jorge,

    o problema que vejo, novamente fazendo uso da analogia entre o fato em questão e um doente, é que este doente (a Canção Nova) não só recusa o tratamento que lhe é oferecido como vai em busca de outras doenças. Falando de outra forma: um doente que apenas recusa tratamento é uma coisa e outra coisa é um que além de fazer pouco caso tratamento ainda procura de outras formas piorar seu quadro clínico.

    Que Deus abençoe a todos!

    Aprecio seu blog.

    ICHTHYS

    P.S.: Gostaria que o Sr., se possível, tecesse comentários sobre a recente decisão do STF (ou STJ?!) de privar a pessoa da liberdade pelo fato do “risco de causar dano” ao ingerir álcool em qualquer quantidade e em seguida dirigir um veículo. É justo punir alguém com prisão por um fato que não se consumou (um acidente que não aconteceu embora o motorista tivesse ingerido álcool em peníssima percentagem, por exemplo)?

Deixe um comentário: