A queda de Saulo de Tarso

closeAtenção, este artigo foi publicado 2 anos 8 meses 7 dias atrás.

O homem: Saulo de Tarso, perseguidor de cristãos. Perseguidor de Nosso Senhor, como Ele próprio o dirá em breve. Zelosamente convencido de estar em uma missão sagrada. Perseguidor de Cristo, com a melhor das boas vontades do mundo.

O caminho: de Damasco. O caminho rumo ao seu objetivo. A perseguição aos cristãos, neste homem, revestia-se de contornos bem concretos. Caminho, objetivo, ação: não bastava acreditar, era necessário pôr a crença em prática. Não basta julgar blasfemadores os cristãos; é preciso tapar-lhes a boca.

O transporte: o cavalo. Das viagens longas – em uma missão sagrada não se medem esforços… – e das viagens rápidas – o tempo urge, há muito o que ser feito e é mister dedicar-se com prontidão às coisas de Deus. Tenacidade e pressa. O caminho é longo, mas precisa ser percorrido o quanto antes.

O encontro: o Deus Verdadeiro. Nosso Senhor, revelando-Se perseguido. Diante da realidade factual calam-se as cavilações religiosas. O Deus que Se revela vence os (falsos) arrazoados sobre Deus.

A conversão: a queda. O oposto daquela Queda primeira; Saulo de Tarso cai do cavalo, encontra-se com Cristo e Se converte. De perseguidor de cristãos a propagador do Evangelho. A Apóstolo de Cristo. Um homem cai do cavalo e é outro o que se levanta. O seu “Senhor, que queres que eu faça?” o salvou.

Saulo de Tarso foi para Damasco. Mas quem lá chegou foi São Paulo Apóstolo. No meio do caminho houve uma queda. Uma santa queda. Uma conversão. No meio do caminho Nosso Senhor o esperava. No meio do caminho ficou o antigo Saulo. A nova missão sagrada – a verdadeira missão sagrada! – é muito mais sublime do que a primeira; é mister entregar-se a ela com muito mais tenacidade e pressa. Havia um mundo a ser conquistado para Cristo. Um homem novo. Um novo objetivo. Uma nova entrega à missão.

São Paulo Apóstolo, rogai por nós!

* * *

Ler também: 46º Dia Mundial das Comunicações Sociais, silêncio, palavra, caminho, evangelização, papa Bento XVI, 2012. Destaque: “No silêncio da Cruz, fala a eloquência do amor de Deus vivido até ao dom supremo. Depois da morte de Cristo, a terra permanece em silêncio e, no Sábado Santo – quando «o Rei dorme (…), e Deus adormeceu segundo a carne e despertou os que dormiam há séculos» (cfr Ofício de Leitura, de Sábado Santo) –, ressoa a voz de Deus cheia de amor pela humanidade”.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

2 comentários em “A queda de Saulo de Tarso

  1. Pingback: Doutrina Católica » A queda de Saulo de Tarso

Deixe um comentário: