Os Nobel da Pontifícia Academia das Ciências

closeAtenção, este artigo foi publicado 5 anos 6 meses 25 dias atrás.

Circulou recentemente no Facebook uma imagem sobre a Pontifícia Academia das Ciências. O texto dizia que ela possui “8 prêmios Nobel de Medicina, 7 de Química, 9 de Física e 1 de Economia”, totalizando “24 prêmios Nobel”. E alfinetava: “a USP não tem nenhum, a UNICAMP não tem nenhum, o Brasil não tem nenhum”.

Vem ao encontro daquilo que o Ives Gandra escreveu outro dia sobre o ateísmo; é tão imponente a verdadeira relação harmoniosa entre Fé e Razão que chegam a ser ridículos os protestos dos anti-clericais sobre o tema. Cale-se a ignorância arrogante diante da competência internacionalmente reconhecida! Perto da envergadura intelectual dos membros desta Academia, qual a relevância científica daqueles cuja “produção acadêmica” resume-se a repetir – de mil modos diversos – meia dúzia de calúnias anti-clericais gratuitas que só eles próprios levam a sério?

E ainda: diferente do que foi dito, a Pontifícia Academia das Ciências não tem 24 prêmios Nobel. Eu entrei na página da Academia onde estão listados os membros falecidos e contei: são quarenta e oito [p.s.: 24 são os Nobel vivos: então a Academia conta, no total, com 72 prêmios Nobel]. Entre os laureados já falecidos encontram-se nomes como Rutherford, Bohr, Heisenberg, Schrödinger, Sir Alexander Fleming e Max Planck. Entre os vivos, Joseph Murray e David Baltimore. A academia conta atualmente ainda com cientistas notáveis como o brasileiro Miguel Nicolelis e o inglês Stephen Hawking; e, entre os falecidos, encontrei também o filho de um ilustre brasileiro: Carlos Chagas Filho [que eu confundi anteriormente com o pai – my mistake]. Estas são as credenciais que a Igreja – “inimiga da ciência” – é capaz de apresentar em Seu favor! O que têm os anti-clericais a apresentar a não ser o testemunho da própria ignorância?

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

12 thoughts on “Os Nobel da Pontifícia Academia das Ciências

  1. Susana

    Estes neo-ateus não sei se escreve assim deveriam colocar-se nos seus devidos lugares.
    O que seria do mundo sem a Igreja?
    A ciência deve muito à nossa religião. O pai da Genética, por exemplo, foi um padre católico.
    Acredito que o mundo seria melhor se existisse respeito de todas as partes, mas há muita hipocrisia na sociedade. Isso não pode, isso pode e tal.
    Não pode incentivar a religiosidade na escola, sem crucifixos nos lugares públicos, mas incentivar a atos pecaminosos e violentos, sim.
    Viva aos neo-ateus! Viva a nossa sociedade destruída!

  2. Lúcio Clayton

    Onde estão os ateus perseguidores da Igreja “inimiga da ciencia”, que sempre aparecem para comentar nesse blog agora?

    Ateeeus, onde estão vocees?

    digam quantos Nobels de Ciencias ateus vcs possuem,
    vamos debater um pouquinho sobre isso?

    estamos esperando suas participações.

  3. Pablo

    Saudações, caro Ferraz. Nicoleleis e Hawking são ateus militantes, logo raivosos. Assim, no intuito de promover a pesquisa, que é o telos da Pontíficia Academia, de eles fazerem parte da academia é meio que infiltrar o inimigo na Santa Igreja, posto que suas pesquisas contrariam a Teologia Católica e a ciência correta,assim creio.

  4. Álvaro Fernades

    Não consegui ver o link do facebook!

    Não sei se o problema é aqui ou no blog,mas de qualquer forma,bom texto!

  5. Nuno CB

    Sim. Sem dúvida que estes são dados mostram claramente que não existe NADA da parte da Santa Igreja contra a ciência. No entanto, nada diz sobre os prémios nóbeis que lá estão, visto que o Stephen Hawking pertence a esta Academia e, no seu recente documentário do Discovery Channel sobre a origem do universo, ridiculariza o Santo Padre.

    Obrigado pelo post no entanto! É muito importante mostrar isto ao senso comum!

  6. Sidnei

    Verdade seja dita, que a grande maioria destes cientistas são ateus ou protestantes, porque ao invés de colocar o nomes destes cientistas, não trazem uma lista de cientistas que forma ou são verdadeiros católicos, e o trabalho por eles realizados?

  7. Jones

    Nuno e Sidnei, a prova de que a Igreja nada tem contra a ciência é justamente o fato de ateus, protestantes e etc serem admitidos à Pontifícia Academia das Ciências. Se a Igreja não os aceitasse na Academia, poder-se-ia dizer que ela é avessa à ciência, já que só aceitaria os cientistas alinhados com ela.
    Enaltecer os católicos que nela se encontram só faria aumentar o preconceito atualmente existente.

    Jones.

  8. Gustavo

    E daí que essa Academia tenha 24 Nobéis? Eles foram premiados por pesquisas em suas universidade de origem, não pela tal academia pontifícia. A Academia em si não ganhou nenhum Nobel. Boa tentativa, mas falhou. É patético intento de (alguns) católicos de tentar livrar a barra da igreja, como se ela sempre fosse promotora do conhecimento. Ter laureados na tal academia não muda o fato de que a Igreja perseguiu a ciência e o saber durante muitos séculos.

  9. Nuno CB

    Caro Gustavo,

    É verdade que predomina desde há anos (séculos, mesmo!) a ideia de que a Igreja perseguiu a ciência e, para alguns, todo o saber intelectual apoiado na razão.

    No entanto também é verdade que isso não é verdade! Desde o século XIX, essencialmente, foi imposta à sociedade uma história falsa, especificamente no que diz respeito à Idade Média. O melhor exemplo para isso é olhar para os actuais livros de história das escolas básicas, que estão repletos de preconceitos, daqueles mitos urbanos atribuídos à Igreja e à Idade Média.

    Para perceber que isto não é uma coisa que dá jeito aos Católicos e que não são imparciais quando apresentam este tipo de teorias, basta falar com qualquer especialista da Idade Média.

    Recomendo o livro “The Foundations of Modern Science in the Middle Ages: Their Religious, Institutional and Intellectual Contexts” de Edward Grant, da Cambridge University Press.
    Existe publicado em português, em Portugal. Deve haver também no Brasil.
    http://www.wook.pt/ficha/os-fundamentos-da-ciencia-moderna-na-idade-media/a/id/133985

    Mas há outros…
    Exemplo:
    “The Sun in the Church: Cathedrals as Solar Observatories” de J. L. Heilbron, da Harvard University Press.
    http://www.amazon.co.uk/The-Sun-Church-Cathedrals-Observatories/dp/0674005368/ref=sr_1_1?s=books&ie=UTF8&qid=1330770113&sr=1-1

    Note que estes autores não são católicos. Porque se quiser autores católicos também existem muitos.

    Bem, o importante é perceber que o que se diz de que a Igreja potenciou verdadeiramente o desenvolvimento científico é um facto histórico e científico, que não o deixa de ser dando jeito aos católicos ou aos ateus.

    O facto de certos acontecimentos históricos não favorecerem a minha agenda pessoal não podem nunca ser apagados e escondidos da história.

  10. Alberto Soares

    Aqui está a idéia do ateu Hawking: 
    O cientista britânico Stephen Hawking afirma, em seu novo livro, que “Deus não tem mais lugar nas teorias sobre criação do universo, devido a uma série de avanços no campo da física”, segundo trechos da obra publicados nesta quinta. Demonstrando uma posição mais dura em relação à religião do que a assumida nas páginas do best-seller internacionalUma Breve História do Tempo, de 1988, Hawking diz que o Big Bang foi simplesmente uma consequência da lei da gravidade. “Por haver uma lei como a gravidade, o universo pode e irá criar a ele mesmo do nada. A criação espontânea é a razão pela qual algo existe ao invés de não existir nada, é a razão pela qual o universo existe, pela qual nós existimos”, escreve o célebre cientista em The Grand Design, que será publicado em série no jornal The Times. “Não é necessário que evoquemos Deus para iluminar as coisas e criar o universo”, acrescenta.

    Está havendo um entendimento errado sobre o papel desses “Nobéis” citados. Eles fazem parte da Academia Pontificia, mas não professam e nem defendem o Catolicismo ou a Igreja.

  11. Jorge Ferraz

    Sim, e ninguém disse que eles professassem ou defendessem o Catolicismo. O ponto é que a Igreja, ao contrário do que é alardeado, não é inimiga da ciência e, aliás muito pelo contrário, promove-a.

    Outrossim, o fato dos membros da PAC não serem católicos só testemunha em favor da Academia [e da Igreja], que está interessada em ciências da natureza e não em discussões teológicas. O órgão de discussões teológicas é outro.

  12. Le

    Gustavo, está enganado. A grande maioria dos cientistas ganharam o Nobel depois que ingressaram na PAC. E mesmo que não fosse assim, já imaginou se um cientista aceitaria ir para uma academia ruim tendo ganhado um Nobel? NÃO NÉ, ele ficaria na própria universidade de origem.