Jornal critica com veemência defesa do infanticídio – e, por conseguinte, também a defesa do aborto

closeAtenção, este artigo foi publicado 5 anos 5 meses 20 dias atrás.

[Ainda sobre o “Journal of Medical Ethics” e a sua publicação em defesa do infanticídio, a Gazeta do Povo publicou hoje um excelente e corajoso editorial. Leiam lá na íntegra; de nossa parte, ficam os nossos mais efusivos parabéns pela defesa clara dos valores que são fundamentais para que nos possamos dizer civilizados – mas que, não obstante, a loucura generalizada moderna insiste em negar ou relativizar. É reconfortante perceber, uma vez mais, que há ainda uma réstia de esperança para a nossa sociedade, pois há veículos de comunicação comprometidos mais com a realidade das coisas do que com a agenda revolucionária dos inimigo da civilização.]

A repulsa natural que tal ideia provoca na maioria das pessoas se sobrepõe à consideração de que o raciocínio de Giubilini e Minerva é de uma macabra coerência; incoerente é a posição de quem defende o direito ao aborto, mas rejeita as conclusões da dupla de pesquisadores. Afinal, se de fato não existe diferença entre um feto e um recém-nascido, por que aquele poderia ser morto e este não?

No entanto, a dignidade e o direito à vida não dependem de uma suposta autoconsciência, mas derivam do próprio fato de se pertencer à espécie humana, o que ocorre logo no instante da fecundação: quando os gametas se unem, cria-se um indivíduo, com DNA indiscutivelmente humano e diferente daquele de seus pais. A partir desse momento, o embrião já merece proteção, pois é um indivíduo humano, qualidade que manterá até sua morte.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

3 thoughts on “Jornal critica com veemência defesa do infanticídio – e, por conseguinte, também a defesa do aborto

  1. Pingback: Vida em Curitiba « Vida sim, aborto não!

  2. Wilson Ramiro

     Giubilini e Minerva e sua “coerência” poderiam ser colocados como defensores da vida! As leis em muitos países e pessoas “piedosas” não enxergam que uma criança ainda não nascida já é uma criança. Se a repulsa pelo assassinato de crianças é um sentimento de nossa sociedade que ainda não permite discussão, será mais fácil enquadrar um abortista como assassino de crianças, sem necessitar de discussão. Assassinar um feto equivaleria a alguém de antes de enforcar um recém nascido, apenas apagasse as luzes para não ver a desgraça e o sangue em suas mãos.

  3. Pingback: Urgente: Vigília pela Vida! | Deus lo Vult!