Dias Tumultuados: crucifixos, hackers e aborto

closeAtenção, este artigo foi publicado 5 anos 5 meses 16 dias atrás.

Estes últimos dias estão sendo bastante tumultuados. Ao mesmo tempo em que o pe. Paulo Ricardo é atacado com virulência e este fato mobiliza a internet inteira em sua defesa, outras coisas importantíssimas também acontecem e correm o risco de passar despercebidas.

Na contramão do Direito contemporâneo e da tomada de consciência da importância do respeito à liberdade religiosa, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul determinou a retirada dos crucifixos dos prédios públicos. Uma questão que julgávamos já superada volta à tona; com uma canetada, os magistrados gaúchos nos lançam de volta às Trevas do final do século XVIII das quais já nos havíamos desvencilhado. O retrocesso é enorme.

Heroicamente, o bispo de Frederico Westphalen, Dom Antonio Keller, lançou uma nota pastoral que era também um protesto: «Podem nos tirar os crucifixos e as imagens expostas em locais públicos. Mas jamais poderão tirar de nós a fé e a adesão aos princípios e valores do Evangelho». Parabéns a Sua Excelência! E preparemo-nos para defender a Fé da Igreja. Afinal, Cristo estava aqui antes dos fanáticos laicínicos inventarem sua própria religião idiota.

Grupo Anonymous reivindica ter derrubado ontem o site do Vaticano! Como comentou magistralmente o frei Rojão, não há nada de novo: são apenas «[c]oisas velhas e atrasadas que aporrinham a humanidade há muito tempo [e] aprenderam a usar computador»…

– Hoje é o Dia Internacional da Mulher e, desgraçadamente, os inimigos do gênero humano estão reunidos em Brasília para, em audiência pública, discutirem a reforma do Código Penal que, na verdade, é mais uma tentativa sub-reptícia de legalizar o aborto no Brasil. Faço eco ao pedido do Wagner Moura: «Mulher, você pode fazer alguma coisa: ligue gratuitamente para o Alô Senado, 0800-612211, registre a sua vontade de que ninguém use uma reforma no Código Penal para legalizar o aborto no Brasil e peça, enfaticamente, que os senhores Luiz Flávio Gomes e Luiza Nagib Eluf sejam excluídos imediatamente da comissão que trata do novo Código Penal». Esta é uma batalha de todos nós; não podemos permitir que a infâmia do aborto possa macular esta Terra de Santa Cruz.

Hoje é o dia da mulher e, nele, devemos nos lembrar d’Aquela Mulher que é em Si o modelo perfeito de toda feminilidade. Neste dia em que nos querem vender uma caricatura de mulher que, pretendendo uma suposta autonomia, reivindica o direito de matar os seus próprios filhos, apresentemos ousadamente Aquela que, dentre todas as filhas de Eva, é a Única digna de representar todo o gênero feminino. É Maria Santíssima a Mulher na qual todas as outras devem ter os olhos fixos, ansiando por imitar-Lhe as virtudes. Neste Oito de Março, rezemos à Virgem Santíssima para que interceda pelo Brasil. É Ela a Mulher que deve orientar a verdadeira compreensão do papel feminino em nossa mundo – aliás, Ela é a única que pode fazê-lo de modo digno.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

18 thoughts on “Dias Tumultuados: crucifixos, hackers e aborto

  1. Pe. Francisco Ferreira

    Tão singela e tão forte! Maria, Mãe de Deus, rogai pelas mulheres do Brasil!

  2. lucas

    Este imbróglio do laicismo tem muito haver com a visão do herege Lutero:

    ” Entre o cristão e o homem de governo deve haver uma profunda separação. Certamente, o príncipe deve ser cristão, mas não é como cristão que ele é considerado, mas como príncipe. Esse homem é cristão, mas a sua função nada tem a ver com a religião. Embora encontrando-se no mesmo homem, os dois estados ou funções estão perfeitamente separados e até opostos (Ed. Weimar, II, 439). Não é a Cristo que deves perguntar, mas ao direito imperial ou local. Aí acharás a conduta a ser adotada” (Weimar, II, 391) ”
    fonte: http://olivereduc.blogspot.com/

    abraços,
    lucas

    ps: estou tentando entender o novo “visú”

  3. Marlos G. Silveira

    Gostaria muito de entender como voces defendem que tenha que ter crucifixo e imagens se nos mandamentos de Deus diz o contrario

  4. Alexandre Magno

    Infelizmente o frei Rojão se equivocou quanto ao uso do termo hacker, apesar de ter dito muita verdade noutros pontos.

    O frei Rojão está desinformando a respeito do que é ser hacker. A Igreja tem vários hackers trabalhando a serviço dela; ou melhor, a serviço de Cristo. Nas variadas áreas do conhecimento. Logicamente, estes somente executam atividades lícitas.

    Update: este comentário é referenciado no post do frei Rojão.

  5. [CENSURADO]

    Larga mão de ser
    sem-vergonha, laico significa somente que o Estado não deve
    professar preferência por nenhuma religião ou pela falta dela, num
    espaço estatal, de um dos três poderes, não tem que ter símbolos
    de religião alguma, ou então que se coloquem símbolos de todas
    elas (algo virtualmente impossível) . Realmente, Jorgette, você
    e o seu pessoal tem muito em comum com o movimento gay, tanto vocês
    como eles se acham uma espécie de casta maravilhosa que tem que ter
    direitos especiais e acima de todos os demais. Deixa de ser cara de
    pau que o crucifixo não é unanimidade nem entre vocês cristãos

  6. Marlos G. Silveira

    Não estamos discutindo o mesmo problema. Em seu texto você coloca como o fim do mundo a retirada de imagens e crucifixos.  Se elas são só para ornamentar como o texto que você me indicou, então para que essa celeuma toda. Eu não sou contra ter imagens ou a favor de ter. Pra mim tanto faz, por que essas imagens e crucifixos nao passsa de simbolos desnecessarios para mim, mas respeito aqueles que pensam ao contrario. Com relação ao que Deus diz sobre as imagens, acho que a lei maior, os Dez mandamentos, corroborado por Jesus quando os resumiu em dois, deve valer mais que a interpretação forçada que esse mesmo texto que voce indicou faz para que se aceite a confecção de imagens pela Igreja catolica.

  7. Jorge Ferraz

    1. Jamais coloquei como “o fim do mundo” (!) a retira de imagens e crucifixos dos tribunais. O que eu disse, e repito, é que é uma intolerância e um retrocesso.

    2. Foi você quem misturou os problemas. De fato, um problema é a presença pública dos elementos constituintes da história de uma sociedade (no caso particular, os Crucifixos no Brasil), arbitrariamente removidos por uma minoria intolerante que claramente é incapaz de viver em sociedade. Um outro problema foi a acusação estúpida que o protestante “aproveitou” para cuspir, qual fosse, a de que a Lei de Deus vetasse as representações dos santos que a Igreja de Deus sempre fez.

    3. O senhor claramente não tem competência, envergadura intelectual nem autoridade espiritual para impôr interpretações das Sagradas Escrituras diferentes daquelas que a Igreja de Deus sempre deu ao longo dos séculos; portanto, a opinião do senhor sobre os Dez Mandamentos valem ainda menos do que palpites de senhoras sobre o próximo resultado do jogo do bicho.

  8. AndropusKallidis

    Parabéns ao Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul por cumprir a Constituição Federal e respeitar a separação entre Estado e religião que são os pilares da democracia. Só os recalcados (como de praxe) reclamam: são pobres coitados que acham que sua fé depende de crucifixos dependurados em paredes…Além do mais, o próprio Cristo disse: “A César o que é de César, a Deus o que é de Deus”. 

  9. Leniéverson A. Gomes

    A fala do Andropus é típico de ateus ou agnósticos.É meu chapa, então sou um dos “recalcados”, eu gosto desses “elogios”.Mas replicando sua “argumentação”, minha fé não depende de crucifixos, depende do que o crucifixo representa.É a relação semiológica.Quando um órgão público retira algo que simboliza aquele que considerou todos iguais perante Sua Lei, algo está errado.

  10. Jorge Ferraz

    A Constituição Federal jamais mandou que os crucifixos fossem retirados das paredes. Ao contrário, ela garante o respeito à liberdade religiosa; a qual, a propósito, está sendo escandalosamente aviltada quando uma minoria raivosa e intolerante (neo-ateístas et caterva) quer impôr a Parede Vazia – símbolo da sua religião – à totalidade da nação.

  11. Marlos G Silveira

    Inicialmente quero pedir desculpas ao caro  Jorge Ferraz se com minhas palavras levei-o a ter que responder-me com rispidez. Não era minha intenção, mas fui imprudente ao não pesar os termos usados. Se ainda for possivel colocar a minha opinião quanto ao assunto dos crucifixos e imagens, o que eu realmente queria ter dito é que já que para os católicos eles(crucifixos e imagens) são apenas símbolos para representar os verdadeiros alvos de adoração(cristo, santos, anjos, etc)….continua 

  12. Marlos G Silveira

    continuação…não haveria motivo para se criar uma “briga” pelo fato deles serem retirados das repartições públicas, já que não são só católicos que adentram e usam essas repartições. Lembrando que para os protestantes imagens são uma afronta(mesmo que eles estejam errados, e não vou discutir se estão), então para eles faz diferença se tem imagens, para os católicos não faz, já que são só símbolos. O mais lógico seria então não ter esses símbolos, não porque os protestantes o proíbem, mas sim porque não tê-los seria como uma situação neutra onde ninguém se sentiria prejudicado, e seria uma demonstração de tolerância para com outras idéias que não ferem diretamente as atitudes que um católico deve ter(não creio ser uma obrigação para o católico a confecção e colocação de imagens em qualquer lugar que seja – me corrija se estiver errado). Agradeço o espaço, e se o amigo concordar, estarei aqui no seu Blog comentando esses e outros assuntos, sem a pretensão de convencê-lo, mas sim com a intenção de fazer uma discussão sadia, já que na minha crença(sou espirita) sou levado a acreditar que um dia todos nós estaremos tendo o conhecimento da verdade(se eu estiver certo, e sei que o amigo tem a certeza de que não estou), e na sua crença eu tenho a possibilidade de mudar o meu pensamento e assim ser salvo(se você estiver certo)

  13. Jorge Ferraz

    Marlos,

    Inicialmente quero pedir desculpas ao caro  Jorge Ferraz se com minhas palavras levei-o a ter que responder-me com rispidez

    Está desculpado. Vamos começar de novo.

    Lembrando que para os protestantes imagens são uma afronta

    Irrelevante. São pouquíssimos os protestantes para os quais uma imagem DE CRISTO é uma afronta.

    Além do mais, um juiz protestante já escreveu um texto defendendo a permanência dos crucifixos nas repartições públicas.

    então para eles faz diferença se tem imagens, para os católicos não faz, já que são só símbolos.

    Não sei de onde você tirou esta idéia absurda. É óbvio que para os católicos faz diferença se há ou não símbolos; se não fizesse, nós não estaríamos brigando por eles!

    É evidente que os símbolos são importantes, e não é pelo fato de serem símbolos que “tanto faz” existirem ou não!

    O mais lógico seria então não ter esses símbolos, não porque os protestantes o proíbem, mas sim porque não tê-los seria como uma situação neutra onde ninguém se sentiria prejudicado

    De novo: a parede vazia é um símbolo ateu. Não há neutralidade possível aqui. É claro que o Brasil é prejudicado quando os símbolos católicos são retirados da repartição pública.

    É totalmente diferente uma parede vazia que sempre foi vazia de uma parede vazia que está vazia porque retiraram uma coisa que sempre esteve lá. Como (mutatis mutandis) é totalmente diferente uma cadeira vazia na mesa de quem mora sozinho de uma cadeira vazia na mesa de uma recém-viúva.

  14. Alvaro

    O Tribunal do Rio Grande do Sul há muito tempo vem envergonhando o Brasil!É só recorrer a segunda instância e mostrar o preâmbulo da CF “sob a proteção de Deus” e algumas súmulas do STJ que pacificará essa briga!

  15. Pingback: Cristo e os tribunais de justiça na visão de eminentes juristas | Deus lo Vult!