“Embrião humano é pessoa, sim senhor” – Ogeni Luiz Dal Cin

closeAtenção, este artigo foi publicado 5 anos 5 meses 5 dias atrás.

[Reproduzo conforme recebi por email, pedindo ampla divulgação. O artigo traz boas verdades: “Ora, o suprassumo dos preconceitos é o preconceito daquele que se julga não ter preconceito. Como não admitem a defesa do direito à vida dos nascituros, do alto de sua prepotência, declaram que todos os demais são preconceituosos”. O auotr – o dr. Ogeni Luiz Dal Cin – é advogado (OAB-SP) e já escreveu outros textos sobre o mesmo assunto, como p.ex. “Raízes metafísicas do aborto” e “O aborto no paraíso terrestre”.]

EMBRIÃO HUMANO É PESSOA, SIM SENHOR.

 Ogeni Luiz Dal Cin*

Originalmente, no mundo antigo, pessoa significava a máscara do ator que representava uma personagem ou o papel do indivíduo nas representações sociais, sempre algo exterior. Aparência. Tanto num caso como noutro, pessoa era pura exterioridade, o que aparecia para os outros, ocultando a verdadeira subjetividade, o fundamento do ser.

Com o cristianismo, a pessoa passa a significar o próprio conteúdo substancial escondido atrás das aparências exteriores e das representações teatrais ou sociais do ser humano. É a essência substancial constitutiva do ser humano, a fonte da dignidade.

A mudança do conteúdo do conceito de pessoa deu-se em razão do esforço teológico cristão de chegar a compreender um pouco mais a respeito do Deus revelado: um só Deus em três Pessoas da mesma natureza. E como o homem foi criado “à imagem e semelhança” desse Deus, o conceito de pessoa passa a ser a chave definidora do ser humano também, através da filosofia antropológica. Ora, essa ‘imagem e semelhança’ está sob a máscara, não é a máscara; a máscara expressa, mas não esgota a absoluta dignidade constitutiva da ontologia subjetiva da pessoa humana. Ou seja, a pessoa humana transcende a todos os demais seres e não pode ser violada por nenhum poder humano, porque ela traz em sua substância uma constituição ontológica que não decorreu exclusivamente do humano ou da natureza, mas do Criador. Sem Deus não há como salvar o homem. Nossa Constituição foi promulgada ‘sob as bênçãos de Deus’, mantendo-se dentro da tradição personalista que plasmou nossa história.

Nesse sentido, pouco importam a exterioridade, as diferenças, as fases da vida, a idade, pois o que importa, antes de tudo, é que há uma pessoa, ser original que transcende o mero dado, fundamento ôntico da igualdade, cuja substância é de natureza racional, não querendo significar, com isso, que a racionalidade deva estar em ato o tempo todo e em todas as suas etapas de desenvolvimento. Desde que haja uma vida de natureza humana, não importa o grau de desenvolvimento em que se encontra, nem o grau de consciência própria, aí há uma pessoa humana portadora de uma dignidade absoluta, cujo dever do Estado é de zelar, defender, proteger e promover as condições de seu desenvolvimento. Naturalmente, então, o direito à vida estende-se da concepção até a morte natural, protegida pelo “não matarás” garantido pelo Estado. É antinatural aceitar que a régua do tempo ou o período de desenvolvimento da pessoa, independentemente dos nomes que lhes são dados, tornem-se critérios legais concedentes de poder absoluto ao Estado para reduzir ou aniquilar o direito à vida da pessoa humana.

O interesse de controlar o direito à vida da pessoa humana, ditado por interesses multinacionais, financiando a propaganda do aborto, subjugando a alma nacional, é prática de eugenia da natureza humana dos excluídos sociais porque visa, em concreto, por meio de clínicas abortivas, instaladas preferencialmente nas periferias das grandes cidades, a controlar a demografia dos pobres e dos negros, como declarou, nessa senda, a Deputada Fátima Pelaes. Mas os políticos alheios à defesa da soberania nacional nesta grave questão dos nascituros, não investigam a entrada do dinheiro destinado à promoção de crimes contra a natureza humana dos nascituros, nem se preocupam com a discriminação, que daí pode decorrer, em relação aos pobres e negros, cuja população subliminarmente passaria a ser melhor controlada. Será que preferem, ao invés, proteger interesses escusos? O que é que faz compensar tais omissões? Por que os políticos não querem discutir o problema com os seus eleitores, enganando-os depois? Por que aquela mídia preconceituosa em relação ao direito à vida dos nascituros parte da crença de que todo aquele que defende a vida da natureza humana desde a concepção, defende apenas uma ideia religiosa, sem respaldo na realidade, como se matar nascituros humanos não tivesse nada a ver com o direito à vida e como se a religião não fosse um fato natural do homem? Os promotores da morte dos nascituros e a preconceituosa mídia têm suas crenças centradas em que quem defende a vida dos nascituros são pessoas preconceituosas. Ora, o suprassumo dos preconceitos é o preconceito daquele que se julga não ter preconceito. Como não admitem a defesa do direito à vida dos nascituros, do alto de sua prepotência, declaram que todos os demais são preconceituosos. Não bastasse isso, por que falsificar dados para criar uma falsa justificativa para matar os nascituros humanos? Mas igual decreto de morte não pode ser aplicado a alguns animais irracionais (criminalização da destruição de ovos de tartaruga). Ou seja: nenhum nascituro humano teria o direito à vida, enquanto alguns animais o teriam garantido pelo Estado, com a força da lei. Colocam-nos abaixo dos animais em valor e dignidade. Bem, até o direito de mentir para melhor promover o aborto é mais importante que o direito à vida dos nascituros! Por que romper a multissecular história da pessoa humana fundadora da cultura ocidental para justificar uma escusa prática de eugenia dos excluídos sociais? Ora, se as pesquisas atestam que mais de 70% dos brasileiros são francamente contra o aborto, por que, mesmo assim, uma pequena minoria, sem legitimidade popular, a serviço de interesses internacionais escusos tudo fazem para introduzir o aborto? Por que temem tanto uma CPI do aborto? Por que não revelam suas razões de fato, não as aparentes? A verdade sempre estará do lado da vida, a mentira do lado da morte.

Logicamente, quem condena o nazismo, não pode justificar o direito de matar nascituros humanos, renovação do holocausto. E, paradoxalmente, “todos os que são a favor do aborto já nasceram”.

O embrião humano é uma pessoa humana, sim senhor. Não é o Estado que faz a pessoa humana; a pessoa humana inicia-se na concepção. Fora dessa perspectiva antropológica personalista, o Estado torna-se um ditador, um senhor prepotente da pessoa humana e dos seus direitos. E, sem o primado da pessoa humana, todos os demais direitos passam a depender da vontade volúvel que se instala no exercício do Poder político.

* O autor é advogado e filósofo. Foi membro da Comissão de Defesa da República e da Democracia da OAB/SP.

Autorizada ampla divulgação, respeitados o texto e o nome do autor.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

4 thoughts on ““Embrião humano é pessoa, sim senhor” – Ogeni Luiz Dal Cin

  1. Alexandre Magno

    Em “O aborto no paraíso terrestre“:

    Além disso, outros profissionais da morte se encarregam da limpeza psicológica na mãe e familiares. Tudo no mais absoluto silêncio, na maquinação sigilosa entre quatro paredes, bem longe da mídia. […] Um bom apagador, químico ou psíquico, das ligações afetivas resolve o problema da vida e da morte, viabilizando definitivamente o paraíso terrestre movido pelo impulso do Sistema da Produção e do Consumo, não mais existindo, então, pobres, culpa, dor, angústia, pois nem Deus será mais necessário.

    Um dos apagadores mais eficientes, amplamente aceito (por cristãos desprevenidos), e que sutura consciências desde a mais tenra até a mais avançada idade, agindo pela persuasão (muitas vezes com o desonesto auxílio químico), é o que eu chamaria psicoterapia laicista ou festa de demônios. Pois:

    Todo o bem consiste em não perder de vista que viver é produzir e consumir, podendo, esse binômio, ser traduzido juridicamente em deveres (e obrigações) e direitos.

  2. Bruno Linhares

    É como eu sempre digo: os abortistas não conseguem refutar a lógica: unindo-se os gametas humanos, nada mais pode surgir dali que não um ser humano.

  3. LILIAN CRISTINA DE CLARIS

    BALEIAS – tem a espécie humana, para defender sua espécie, MICO LEÃO DOURADO – tem a espécie humana, para defender sua espécie, ARARAS AZUIS – tem a espécie humana, para defender sua espécie. E A ESPÉCIE HUMANA ? QUAL ESPÉCIE A DEFENDERÁ ? SERÁ A ESPÉCIE DOS EXTRATERRESTRES?

    FETO DE BALEIA – NÃO PODE MATAR,
    FETO DE MACACO – NÃO PODE MATAR,
    FETO DE URSO POLAR E PANDA, NÃO PODE MATAR.

    FETO HUMANO? – AH PODE MATAR NÃO É SER HUMANO AINDA,
    RECÉM NASCIDO?  – PODE MATAR NÃO TEM RELEVÂNCIA NA SOCIEDADE AINDA,
    DEFICIENTE FÍSICO? IDOSO? DOENTE? EXCEPCIONAL?  – PODE MATAR NÃO É PRODUTIVO NA SOCIEDADE DE CONSUMO.

    ME DECLARO IRRACIONAL E ME AUTO-ABORTO DA ESPÉCIE HUMANA RACIONAL, NÃO QUERO PERTENCER A UMA ESPÉCIE QUE SUPEROU OS DEMÔNIOS EM MALDADE E EM BURRICE E A ESTA ESPÉCIE DE SERES MANIPULÁVEIS, COMPRÁVEIS E INSENSÍVEIS.

    EM BREVE SURGIRÁ A CIVILIZAÇÃO PERFEITA, NÃO HAVERÁ MAIS POBRES, NÃO PORQUE OS POBRES SAIRÃO DA POBREZA POR MELHORA NA DISTRIBUIÇÃO DE RENDA, MAIS PORQUE SERÃO ELIMINADOS, NÃO HAVERÁ MAIS GENTE DEFEITUOSA OU MENTALMENTE DEFICIENTE, NÃO PORQUE A MEDICINA AVANÇARÁ E PROPORCIONARÁ CURAS E MELHORAS A ESTAS PESSOAS, MAIS, PORQUE SERÃO ELIMINADAS TODAS ELAS, NÃO HAVERÁ IDOSOS, SABE PORQUE? SERÃO ELIMINADOS.

    ADOLF HITLER RESSUCITOU ALELUIA !!! 

  4. Pingback: Embrião humano é pessoa, sim senhor! | Blog do Centro da Família Coração de Jesus