O que esperam as senhoritas com as tetas à mostra?

closeAtenção, este artigo foi publicado 5 anos 2 meses 25 dias atrás.

Com relação à (assim chamada) “Marcha das Vadias” que ocorreu durante o último fim de semana em diversos estados do país, eu remeto integralmente à lúcida análise do Everth, à qual tenho bem pouco o que acrescentar. Apenas gostaria de chamar a atenção para as pessoas que, talvez, simpatizem com a [alegada] causa dessas mulheres.

Uma coisa precisa ficar clara antes de tudo: isto, absolutamente, não se trata de uma manifestação contra o estupro, como por vezes querem vender. E isto é óbvio, porque não existe ninguém que seja “a favor do estupro” a ponto de ser necessário uma manifestação pública pouco convencional como esta. Há, no entanto, muitas pessoas que são contra a “Marcha das Vadias”, por razões as mais diversas e que não têm nada a ver com a aprovação, de nenhuma maneira, da violência contra a mulher – muitíssimo pelo contrário. Este texto fala um pouco sobre isso.

Durante a semana passada, no Facebook, eu lia a “história” da manifestação: a idéia da marcha surgiu quando um policial, investigando uma onda de estupros que estava acontecendo em determinada localidade, disse que as mulheres poderiam evitar ser estupradas se parassem de se vestir como vadias.

Eu não estava presente e não sei em que tom esta declaração foi feita. Até posso entender que isto tenha ofendido terrivelmente as mulheres lá presentes (principalmente as vítimas). Há, no entanto, dois grandes problemas com a reação surgida daí (e que culminou nos deploráveis eventos de ontem).

O primeiro e evidente problema é que o conteúdo do conselho do policial é sensato e prudente, como qualquer pessoa de bom senso pode facilmente perceber. Lembro-me de que, há alguns anos, eu estava em Salvador (turista inexperiente…) e cheguei à noite no centro histórico, ali perto do Pelourinho. Um dos flanelinhas que estava por ali falou rapidamente para um amigo, apontando para um cordão que ele carregava no pescoço: “a prata, tira a prata”. Não era um assalto, era um aviso a um turista incauto de que aquela área era propícia a assaltos e, portanto, ele deveria tomar alguns cuidados elementares como não andar com objetos de valor à mostra.

Não passou por nossas cabeças – por um instante sequer! – que o flanelinha estivesse defendendo os assaltantes do centro de Salvador, ou dizendo que a culpa de sermos assaltados seria nossa caso estivéssemos com um pingente no pescoço, ou nos chamando de mauricinhos esbanjadores ostensivos e nem nenhuma outra besteira do tipo. Ao contrário, ficou-nos claro que estávamos em um lugar onde havia pessoas de má índole e o sujeito, conhecedor dos arredores, estava tentando nos proteger dos assaltantes que se sabia haver por ali. Se o conselho de guardar um pingente (ou tirar o relógio, ou manter o celular no bolso, ou o que seja) em um lugar onde está havendo uma onda de assaltos é um conselho legítimo e sensato, por qual motivo o de vestir-se com mais decoro em um ambiente onde está havendo uma onda de estupros deveria ser encarado como uma defesa do estuprador ou uma agressão injustificável à vítima da violência?

Este é o primeiro problema. O segundo é a tentativa (estúpida) de forçar a realidade para caber nas exigências descabidas da ideologia feminista. Uma das fotos que eu vi no Facebook mostrava um homem sem camisa e uma inscrição dizendo algo como “ele está com calor ou será que ele quer ser estuprado?”, em uma tentativa pueril de se igualar homens e mulheres – como se uma menina com os seios à mostra provocasse ou devesse provocar, nos homens, a exata mesma reação que um homem sem camisa provoca nas mulheres.

Digam o que disserem os manifestantes de reivindicações estapafúrdias, o fato indiscutível é que há mais homens estuprando mulheres do que o contrário. Digam o que disserem os companheiros revolucionários, o fato insofismável é que os homens geralmente se excitam à vista de um par de seios mais do que as mulheres se excitam à vista de um peito masculino à mostra. A evidência desta realidade é tão universalmente avassaladora – refletindo-se não somente na teologia moral católica, mas na própria moda quotidiana, no desenho dos trajes de banho, na censura dos meios de comunicação (audio)visuais e no bom senso mais elementar – que assusta ver as pessoas negarem-na. Afinal de contas, o que esperam as senhoritas com as tetas à mostra? Que os homens deixem de sentir excitação sexual por seios?

A idéia é tão idiota e descabida que chega a ser irresponsável, podendo inclusive levar as meninas a acreditarem que elas não correm mais riscos de serem tratadas como objetos (e isto não se resume a serem vítimas de criminosos sexuais!) quando exibem aberta e despudoradamente os seus dotes em público. É muito fácil concordar que, em um mundo perfeito, ninguém deveria ser tratado de maneira desrespeitosa. Isto é evidente. Contudo, é também evidente que nós não vivemos em um mundo perfeito e, infelizmente, as mulheres que fazem questão de se apresentar como um objeto de desejo sexual serão, necessariamente, tratadas como objeto de desejo sexual. Talvez não o sejam por todo mundo e talvez não o sejam o tempo inteiro, mas é de uma ingenuidade atroz achar que todos os homens do mundo vão se de repente se transformar em gentlemen e tratar sempre como uma lady… quem tem orgulho de se apresentar como vadia.

A marcha deste final de semana, eu dizia, não é uma marcha contra o estupro ou a violência contra a mulher. Não é uma marcha em defesa da liberdade nem nada do tipo. Trata-se, tão somente, de mais uma velha e caquética manifestação feminista revolucionária, que se volta contra tudo – contra o pudor, contra a modéstia, contra a Igreja – que não cabe na estreita e pobre visão de mundo que os revolucionários querem impôr à sociedade. As mulheres não precisam desta depravação. Os homens de respeito não precisam deste espetáculo impudico para tratarem as mulheres como elas merecem. E é bastante evidente que quem é mau-caráter não vai se transformar em um cavalheiro ao ser confrontado com uma horda de mulheres seminuas alardeando orgulho… de serem vadias.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

49 thoughts on “O que esperam as senhoritas com as tetas à mostra?

  1. Leniéverson

    Eu cansar?Não, não estou cansado não.Disso não.Na verdade estou cansado de você fazer Ctrl C Ctrl V de discursos típicos de marxistas.Desde quando eu comecei a ler os seus comentários sempre percebi esse teor.É evidente que vc NUNCA irá admitir isso.Eu seria ingênuo demais.Da mesma forma que seria ingenuidade minha ouvir do presidente da UNE um admissão de que recebe dinheiro público do governo ou a verdade sobre a utilização do mesmo para difusão do marxismo nas Universidades.Está acompanhando a Relação UNE X Verba pública recebida de padrinhos do PT e PC do B.Alias, a UNE é dirigida há quase vinte anos por membros de partidos comunistas.É o pessoal da UJS, da UMES, da Juventude Vermelha e companhia.É lá tem um monte de gente como vc.Pessoas que tem idéias esquizofrênicas de machismo, de que religiosos são reacionários, dentre outros blá-blá´blás. Isso é que cansa, Quintas : essa estória de quem pensa diferente de vc é do mal.O Reinaldo Azevedo, da Revista Veja, bem que acerta, quando ele diz que estamos vivendo no Brasil, a síndrome do pensamento único.Só se pode ter o pensamento dos progressistas, quem não for, tá lascado.É até hilário, discutir isso num pais dito democrático e garantidor da liberdade de crença.Dessa vez, não deu Quintas.

  2. roberto quintas

    veja bem que é sua interpretação, tens todo direito de tê-la, mas convenhamos que usar “marxismo cultural” como argumento só convence ao sr. nem todo religioso é reacionário, afinal eu sou bem liberal e sou religioso. quem pensa diferente tem opinião diferente. seria sem graça se todo mundo pensasse igual, essa pretensão eu deixo lá com o Vaticano. Lenny, não leve a mal, mas vc se comprometeu, em sua critica diz que no Brasil só pode ter pensamento progressista ou seja o sr se define como conservador. isso não é ser do mal, apenas significa que não quer repensar suas convicções nem analisar aquilo que o sr acha inquestionável. ora, quem não discute ou não questiona a si mesmo ou aos grupos ao qual pertence ou escolheu está sujeito a ser comandado, submisso, subordinado. isto só é bom para tua Igreja e os politicos de nosso Brasil.

  3. Leniéverson

    Veja bem, o quê Quintas?Se vc não quer admitir que segue principios Marxistas de forma clara aqui no Blog, é um direito seu.Nos Blogs Bule Voador, A Capa e MIx Brasil, tem gente que é assumido e fala as mesmíssimas coisas.Isso é tão claro, e não vejo onde me comprometi, apenas fui bem mais claro quanto o que eu acredito sobre fala da qual conheço já algum tempo.Mas vamos lá, quanto ao que vc disse:
    “Lenny, não leve a mal, mas vc se comprometeu, em sua critica diz que no Brasil só pode ter pensamento progressista ou seja o sr se define como conservador.”
    Sim, em toda sua fala, quem tem pensamento conservador deve ser satanizado, por quê?
    Olha o clichê que ganhamos?
    Para os progressistas, somos Conservadores, Reacionários, da Idade da Pedra ou Média, somos obscurantistas e toda sorte de adjetivos ‘elogiosos”.Agora, veja isso
    :http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/fux-acha-aceitavel-o-stf-se-deixar-influenciar-pela-marcha-da-maconha-mas-nao-pelos-que-querem-os-mensaleiros-condenados-e-um-juizo-torto-entao-%E2%80%9Cfiat-lux-fux%E2%80%9D-ou-mensaleiros-ja-p/#comment-2181152
    O Reinaldo escreveu isso, ontem e corrobora com que eu disse.Os progressistas querem fazer de tudo para suplantar o pensamento único, como acontece em CUBA, Coreia do Norte, China, dentre outras coisas.Transformar projeto ideológico e de partido em projeto de nação.Querem a soberania respeitada, mas age como Maria vai com as outras, quanto a seguimento de políticas de “direitos’ humanos.Eu sei, Quintas, que nessa matéria vc é orgulhoso, nós, quero dizer eu e muitos comentaristas aqui sabemos que é.Portanto, nos poupe dessa ladainha vitimista, que não é o caminho adequado.É até patético para o meu gosto.

  4. Tiane12

    Caro Quintas, me desculpe, mas eu concordo com o Leniéverson. Mesmo que você não admita, o seu discurso é igualzinho ao dos marxistas e das feministas. Mesmo que não queira admitir, mesmo não querendo assumir, você tem idéias de esquerda sim. Do contrário não usaria palavras como “protestar contra o machismo, o sexismo, o patriarcado”, “Somente em uma sociedade machista, sexista e patriarcal”, esses são termos que feministas mais usam. E são esquerdistas que mais apóiam as feministas. E feminismo está ligado à esquerda. Prova disso é que as feministas se adoram se fazer de vítima, e adoram utilizar termos como “opressão”, “lutar pela libertação da mulher, pela emancipação da mulher”. Isso é típico do marxismo. O discurso é parecido, a diferença é que o feminismo luta pela emancipação da mulher, e o comunismo luta pela emancipação humana, para libertar o proletariado da opressão capitalista… São os esquerdistas que costumam usar termos como “propriedade privada”. É a cara da esquerda se fazer de vítima. E não precisa nem ser ateu para aderir a princípios e idéias marxistas. Existe por aí muita gente que aderiu a idéias marxistas sem nem perceber, mesmo que não sejam de fato atéias, e está me parecendo que é o seu caso. Existem até aqueles que se dizem católicos que aderiram ao comunismo. Ou você nunca ouviu falar da Teologia da Libertação? Os TLs são clérigos que aderiram a princípios marxistas, nem por isso deixaram de acreditar em Deus e se dizer católicos, mesmo não sendo verdadeiros católicos, pois não se pode ser um verdadeiro católico e ser ao mesmo tempo comunista. Porque a própria Igreja condena o comunismo…

  5. roberto quintas

    simples, Lenny, isto que o sr preza e é descrito como “conservador” é uma idéia imposta por uma instituição religiosa, o que não significa que é bom, ou que é incontestável, inquestionável.

  6. roberto quintas

    semelhante não é o mesmo que igual. eu tenho que recorrer a palvaras e definições que descrevam a situação de nossa sociedade, coisas constatáveis pela observação. ora, se há outra forma de analisar e definir nossa sociedade atual, cabe aos diletos comentaristas apresentarem e demonstrarem tais teorias, sobretudo de que forma tal teoria refutaria a tese factual de que efetivamente vivemos em uma sociedade machista, patriarcal e sexista.

  7. Pingback: » Mingau Quente | Mingau Quente

  8. Tiane12

    Pode não ser um discurso igual, mas está na cara que esse discurso é derivado do marxismo. As feministas adoram se fazer de coitadas. Tudo para elas é opressão, qualquer coisa é discriminação contra as mulheres. Elas acham que representam todas as mulheres, quando na verdade não representam. Elas adoram vender a idéia de que as mulheres foram oprimidas durante séculos, quando na verdade até mesmo na Idade Média houve mulheres que tiveram papéis importantes na sociedade. Elas só não ocuparam as mesmas funções que os homens… Porque na época as coisas eram diferentes. Porque na época ninguém defendia igualdade, ninguém defendia que mulher poderia ocupar os mesmos lugares que os homens na sociedade. Porque de acordo com a mentalidade da época, tanto homem quanto mulher deviam ser tratados com respeito, mas que tinham funções diferentes na sociedade…
    Nem todo mundo sabe, claro, a maioria das pessoas não sabe disso, mas o fato é que existiram mulheres que fizeram coisas importantes na Idade Média. E em outras épocas também… Só porque as mulheres tiveram papéis diferentes dos homens na sociedade, não quer dizer que são oprimidas. E as feministas não levam em consideração o contexto histórico, social e cultural de cada época, então é fácil falar que as mulheres no passado foram oprimidas, coitadas, discriminadas. É fácil julgar as sociedades dos séculos passados com mentalidade de hoje. Esse é um dos maiores erros das feministas… E na sociedade atual, as mulheres podem trabalhar fora, podem estudar, quando antes não podiam fazer nada disto. O que as feministas querem mais? Mudar a visão que a Igreja Católica tem da mulher? Elas vão querer mandar na doutrina da Igreja agora? Obrigar a Igreja a ordenar mulheres, por exemplo? Se for isso, podem esquecer… Porque elas não protestam contra os islâmicos? Porque não experimentaram invadir uma mesquita? No Oriente Médio as mulheres recebem tratamento pior do que no Brasil… As mulheres católicas são mais bem tratadas do que as muçulmanas…

  9. Tiane12

    Tudo o que o cristianismo prega você coloca como algo imposto… Ninguém é obrigado a ser católico, meu caro. Só o católico tem de seguir a doutrina da Igreja, porque se não o fizer, não pode se considerar católico. Assim como ninguém pode se considerar marxista sem seguir o marxismo. Nem mesmo você pode se considerar pagão sem seguir o paganismo. Com o ateísmo é a mesma coisa, quem acredita em Deus não pode ser considerado ateu…Simples assim.

    “o que não significa que é bom, ou que é incontestável, inquestionável.”
    Esse argumento serve para você também. Essas idéias que você defende não passam de ladainhas vitimistas de determinados grupos (feministas, comunistas, gayzistas), o que não significa que estas idéias sejam boas, incontestáveis ou inquestionáveis. Da mesma maneira que você se acha no direito de contestar as idéias de determinada instituição religiosa, também acho que estou no meu direito de contestar agenda feminista e a agenda gayzista.

  10. Tiane12

    Está enganado, caro Quintas, nós questionamos sim. Eu, pelo menos, vivo questionando até mesmo aqueles que se dizem católicos sem ser. Ou você acha que eu não questiono clérigos? Acha o quê, que não vejo coisa errada no clero? Claro que vejo! Eu vivo falando mal de padres progressistas, padres comunistas (TL), padres cantores, padres homossexuais. Eu questiono ao grupo ao qual pertenço sim. Eu também vivo questionando a agenda gayzista, o feminismo, como pode achar que a gente não questiona? O que mais vejo são católicos questionando e denunciando padres que vivem fazedo coisas erradas… Da mesma maneira que você questiona idéias de determinada instituição religiosa, também acho que estou no meu direito de questionar o casamento gay, a lei da homofobia, o feminismo, a marcha das vadias, o marxismo… Por que não? Teve uma época em que questionei a doutrina da Igreja sim, só que hoje eu concordo com a doutrina. É assim com o marxismo também, nunca vi um marxista questionar o marxismo… Também nunca vi você questionar o paganismo, e nunca vi um ateu questionar o ateísmo… E só porque você aderiu à ladainha vitimista das feministas e dos gayzistas, não significa que suas idéias sejam boas, icontestáveis ou mesmo inquestionáveis.

  11. Pingback: Em defesa das mulheres, da sociedade, da civilização: cartas à Gazeta do Povo! | Deus lo Vult!

  12. eric

    “território particular do vaticano”?

    que mundo vc vive rapaz?

    leia o que foi escrito no texto e lide com os argumentos dele.

    esse discurso em favor da passeata a gente conhece. só queremos saber onde está a logica dele.

  13. roberto quintas

    tiane12, eu não tenho outros termos a usar, se isto lhe parece marxismo, talvez seja o caso da srta deixar seus preconceitos de lado e ler as teses marxistas. tiane12, a srta não acha que haja discriminação, sério? então me explique por que a mulher ganha menos que o homem? por que sempre é a ultima a ganhar alguma promoção [quando ganha]? por que demorou anos para que se fizesse valer uma lei contra a violência fisica e sexual contra as mulheres? por que ainda na nossa sociedade a nudez feminina é vista como licença para assédio sexual? por que ainda a pornografia é explorada na nossa sociedade, explicitando que a mulher é um objeto sexual? por que ainda na nossa sociedade uma instituição religiosa [a Igreja] ainda trata dos direitos reprodutivos, a sexualidade e o relacionamento das pessoas como se fossem propriedade privada da Igreja?

  14. roberto quintas

    tiane12, pq a srta não questiona a mania da tua Igreja em querer legislar sobre os direitos reprodutivos das pessoas? ou de se imiscuir na sexualidade e relacionamento alheio? acesse meu blog, tiane12, o que eu mais questiono é o marxismo e o paganismo.

  15. roberto quintas

    sem duvida, tiane12, desde que seja coerente, argumentado e embasado. o que eu gostaria de lembra-la é que constantemente tua Igreja alarde em alta voz que é a unica detentora da verdade e da salvação. onde não há espaço de diálogo, vislumbra-se uma tirania, um totalitarismo, uma ditadura. se bem que isso não se aplica à Igreja. a igreja é uma autarquia teocratica.

  16. Tiane12

    “alvez seja o caso da srta deixar seus preconceitos de lado e ler as teses marxistas.”

    Estou cansada de saber das teses marxistas, caro Quintas. Eu leio as teses marxistas todos os dias na universidade, e não concordo com 95% das teses marxistas. Meu curso infelizmente é um dos mais marxistas da universidade… Não concordo com a doutrina marxista e sou contra os regimes comunistas de Cuba e Coréia do Norte, todos são regimes totalitários… Não se trata de preconceito contra marxismo não. Não tenho nenhuma idéia pré-concebida em relação ao marxismo, eu sei muito bem o que eu critico, sei do que falo. Estou cansada de estudar marxismo. Não se trata de preconceito e sim de discordância…

    Maior prova de que o feminismo é ligado ao comunismo é que a grande maioria das feministas é de esquerda, elas mesmas confirmam isso. Feministas não são de direita não. Feministas são contra a direita, e são contra mulheres que pensam diferente delas. É fato. E só para deixar claro: eu não sou de direita nem de esquerda.

    E se eu continuo no curso, é porque gosto da áreas humanas. Só não gosto de marxismo, mas infelizmente todas as universidades brasileiras já foram contaminadas com essa ideologia, e quem quer ir para a área de humanas não tem como escapar. E se continuo no curso, é também para poder estudar o marxismo e poder criticar, porque eu não criticaria algo que não conheço.

    Eu não nego que não haja discriminação injusta contra as mulheres, caro Quintas. Em nenhum momento eu disse isso. Mas daí a colocar todas as mulheres como vítimas ou coitadinhas, como querem as feministas, vai uma grande distância… No mundo real não existe essa de mocinhos ou vilões.

    O problema das feministas é que elas querem igualar as mulheres aos homens a qualquer custo. Elas não querem entender que homens e mulheres simplesmente não são iguais, que essa idéia que elas vendem é falsa. Homens e mulheres são diferentes, tanto biologicamente quanto psicologicamente, até a ciência diz isso.

    O que não quer dizer que as mulheres sejam inferiores aos homens, pelo contrário. O que não quer dizer que as mulheres não tenham direitos, ou que não devam ser tratadas com dignidade… O que não quer dizer que as mulheres devam ser maltratadas, o que não quer dizer que as mulheres não devam lugar por seus direitos.

    Mas daí a ficar o tempo todo disputando espaço com os homens, se fazendo de vítimas e colocando os homens como os responsáveis por tudo de mal que acontece no mundo, faça-me o favor, não é mesmo?

    O problema das feministas é que elas não admitem o fato de haver uma cultura feminina e outra masculina, (homens vão para a guerra, meninos brincam com carrinhos, enquanto meninas brincam com bonecas e mulheres usam brincos, vestidos, maquiagem). Elas vivem torcendo o nariz para mulher dona de asa! Como se fosse errado a mulher querer ser dona de casa! Como se fosse errado uma mulher preferir casar e ter filhos a ter uma profissão, uma carreira! Feministas torcem o nariz para quem não pensa como elas, mesmo que esse alguém seja uma mulher. Elas têm horror a mulheres que não são feministas.

    Elas vivem lutando contra o fato de que homens e mulheres têm culturas diferentes. Ora, qual é o problema do homens terem uma cultura própria, e as mulheres também? Até os surdos têm uma cultura própria, só deles! Por que essa obsessão toda em se igualar aos homens? Elas acham o quê, que a cultura feminia é inferior? Só na cabeça delas! Nem os surdos ficam lutando para se igualarem aos ouvintes, eles se aceitam!

    A palavra “discriminação” tem hoje um sentido apenas pejorativo, como se também não significasse trato diferenciado, distinção. Só que discriminação, a meu ver, não é um mau absoluto, como pregam as feministas e os comunistas. É claro que as mulheres devem ser tratadas diferentemente quando o assunto é o serviço militar, por exemplo. Não acho que serviço militar seja adequado para a mulher, pois ela tem menos massa muscular, portanto, menos força física. Os homens, por terem mais massa muscular, acabam levando a melhor do que as mulheres ao prestarem serviço militar. Preconceito? Não, é a realidade, nada mais do que isso. As feministas podem até querer me linchar, mas não importa o que elas digam, essa é a realidade.

    O problema das feministas é esse: tudo é imposição machista. Magreza é imposição machista, moda é feita por homens para oprimir as mulheres, o exérctio reconhecer que a mulher é mais frágil fisicamente e não obrigá-la a prestar serviço militar é sexismo, alisar o cabelo é fruto da segregação. Quando é que essas feministas vão parar de achar que o mundo todo está contra elas? Desse jeito, fica parecendo que tudo o que os homens fazem é para oprimir as mulheres, isso é um completo absurdo!

    Outro motivo para eu ser contra feministas é o fato de elas não aceitarem idéias diferentes… Feministas, definitivamente, não me representam. E pode acreditar, tem muita mulher que pensa como eu, caro Quintas. Por aí tem muita mulher que é contra o feminismo, que não se sente representada pelas feministas, como é o caso das mulheres deste blog aqui:

    http://mulherescontraofeminismo.wordpress.com/

    “então me explique por que a mulher ganha menos que o homem? por que sempre é a ultima a ganhar alguma promoção [quando ganha]?”

    Sério? Gozado, no supermercado onde eu trabalhava até pouco tempo atrás, as mulheres eram promovidas tanto quanto os homens…

    “por que ainda na nossa sociedade a nudez feminina é vista como licença
    para assédio sexual? por que ainda a pornografia é explorada na nossa
    sociedade, explicitando que a mulher é um objeto sexual?”

    Até parece que a nudez masculina não é explorada… Fala como se não houvessem revistas ou sites pornográficos com homens nus… Portanto, está na hora das feministas pararem de se fazer de vítimas, porque os homens também são tratados como objeto, não são só as mulheres.

    E não sei de onde essas feministas tiraram a idéia de que o fato de saírem por aí tirando a roupa e exibirem seu corpo vai fazer com que não sejam mais tratadas como objeto. E não vejo também como ridicularizar locais de culto e símbolos religiosos vai fazer com que sejam respeitadas. Uma vez que elas não sabem respeitar os outros e não se dão ao respeito, agora é que não vou respeitá-las mesmo…

    “por que ainda na nossa sociedade uma instituição religiosa [a Igreja]
    ainda trata dos direitos reprodutivos, a sexualidade e o relacionamento
    das pessoas como se fossem propriedade privada da Igreja?”

    A Igreja não faz mais do que Cristo disse para fazer, para ir pelo mundo e evangelizar todos os povos. Isso significa pregar a castidade também. Agora, vive a castidade quem quer. Não acho que a Igreja tenha de se calar, deixar de ensinar o cristianismo só porque as feministas não gostam de ouvir o que ela diz. Ninguém é obrigado a acatar a Igreja, ninguém é obrigado a escutá-la.

    A Igreja não tem obrigação nenhuma de concordar com tais “direitos reprodutivos”. Assim como as feministas têm o direito de pensar e falar o que quiserem, a Igreja também tem o direito de se manifestar.

  17. Lidia

    Para que um texto tão grande para falar tanta besteira? Creio que nem Cristãos estes auqi que alegam que não existe discriminação com amulher são,se o próprio Jesus Cristo combatia tais preconceitos.E ainda mandam esta ignorãncia que não existir “opressão histórica”Vão negar que existiu escravidão dos negros também?E os homens são tratados como objetos,é mesmo,já foi checar quem é mais vítima do tráfico de pessoas?
    É lamentável ver tanta bosta machista e ignorante escrita por uma mulher.A falta de análise de um sistema que educa meninos e meninas diferentes onde nós somos as mais prejudicadas.Não se esqueça que que hoje estupro é crime,é graças ás feministas e não á religoiões que smepre fecharam os olhos para tal.E não minha cara,muitas de nós podem não acitar muitas coisas das feministas mas de uma forma geral,não somos contra o feminismo.Só as que sofreram grave lavagem cerebral como vc!
    E francam,ente,por que católico teme sta perseguição com comunismo se Jesus era um comunista? Eele não pregava aiguladade de clasees? è muita ignorância!

  18. Jorge Ferraz

    É. Nosso Senhor era um comunista (!!) e as religiões nunca foram contra o estupro (!!!). Vai ver, só passou a ser pecado depois que as feministas surgiram. É cada uma…