Meditando o Mistério da Eucaristia: contra os maus filósofos e falsos doutores

closeAtenção, este artigo foi publicado 5 anos 2 meses 18 dias atrás.

É verdadeiramente impressionante a quantidade de lixo herético que circula livremente pelos novos meios de comunicação, ostentando ares de catolicismo e disseminando a confusão entre os fiéis católicos. A mais nova pérola é este texto que leva por título “Corpus Christi: Momento para repensar o mistério da Eucaristia”, da autoria do sr. José Lisboa Moreira de Oliveira e (nada surpreendentemente) publicado em Adital, um dos maiores portais de porcaria pretensamente católica que existe na internet dos nossos dias.

O texto é repleto de um ethos anti-católico de uma ponta à outra, além de misturar mentiras deslavadas com interpretações toscas sobre os Evangelhos em tal profusão que consegue (por certo deliberadamente) ofuscar o que existe de mais importante na celebração de Corpus Christi que toda a Igreja vai festejar depois de amanhã. Este texto é de um desserviço tamanho que custa imaginar ter sido possível escrevê-lo de outra maneira que não por inspiração direta de Satanás. Comento-o rapidamente.

O primeiro momento deste processo reflexivo deveria ser um repensar a própria solenidade de Corpus Christi. Sabemos que esta festa surgiu no auge de uma violenta crise pela qual passava a Igreja Católica. A liturgia havia se sofisticado e se distanciado do povo. Era celebrada em latim, língua não mais falada pelas comunidades. Além de serem celebradas numa língua incompreensível, as liturgias eram pomposas, luxuosas, uma verdadeira afronta aos pobres.

Primeiro que é uma mentira deslavada que a festa tenha surgido “no auge de uma violenta crise pela qual passava a Igreja Católica”. Que crise, cara-pálida? A festa foi instituída no século XIII, século das luzes, apogeu da Cristandade, quando as sucessivas vitórias da Igreja nas cruzadas contra os mouros e na Inquisição contra os cátaros já desabrochavam em flor vistosa e já permitiam uma relativa paz e tranqüilidade na Europa, que se desenvolvia garbosamente.

Ademais, a liturgia se sofisticara, sem dúvidas, mas não “se distanciara” do povo porque – nunca é demais repetir – a Liturgia não é para o povo e sim para Deus. É o povo que deve se elevar até Deus através da Sagrada Liturgia, e isso se consegue tanto melhor quanto mais solenes forem as celebrações da Igreja. Os que chamam isto de “afronta aos pobres” curiosamente nunca foram pobres na vida, e a realidade da piedade dos menos favorecidos materialmente (em todos os tempos e culturas) dá testemunho constante a respeito de quão descabido é este discurso de ódio às coisas sagradas que usa por pretexto uma pobreza que é via de regra estranha e desconhecida aos que o proferem.

Assim, por exemplo, o preço da missa dependia do modo como o padre erguia a hóstia consagrada durante a anamnesis, chamada de “consagração”, e considerada o momento mais importante da missa. Quanto mais alta a elevação, mais cara era a missa.

Como o sr. José não cita as fontes de suas afirmações gratuitas, fica impossível saber se este fato é verdade ou se é mais uma mentira estúpida (como a da “violenta crise” da Igreja no século XIII). Em todo caso, o que importa aqui é i) que a Igreja jamais determinou “preço” de Sacramento algum, condenando duramente e desde sempre a prática da simonia; ii) que os emolumentos estipulados pelas autoridades eclesiásticas por ocasião da administração dos sacramentos existem até os dias de hoje, sendo uma prática perfeitamente razoável e que não se confunde (a não ser graças à má-fé de alguns) com “preço da missa”; e iii) que não se tem registro histórico de algum tempo ou lugar – caso os haja, apresentem-nos! – onde a cobrança de taxas proporcionais à altura da elevação da Hóstia Consagrada no momento da Consagração tivesse o status de costume legítimo (e não de – no máximo! – abuso coibido).

As pessoas não mais participavam da Eucaristia e a tinham apenas como simples devoção. Iam às igrejas para adorar o Santíssimo Sacramento e não para participar da Ceia do Senhor.

Eu não sei se o autor não sabe ou finge não saber, mas a única maneira de se “participar da Ceia do Senhor” é adorando-O. Não existe esta oposição apresentada entre “adorar o Santíssimo Sacramento” e “participar da Ceia do Senhor”, muitíssimo pelo contrário: esta participação só é possível por meio daquela adoração, como veremos mais abaixo com Santo Agostinho. Comungar é adorar.

A situação ficou tão grave que a própria hierarquia determinou que se comungasse pelo menos uma vez por ano, durante o período da Páscoa.

Mais outra falsidade histórica gritante: as pessoas comungavam pouco não por “falta de piedade” ou por “ignorância” da Eucaristia, mas exatamente pela razão contrária: porque sabiam perfeitamente que a Eucaristia era o Corpo do Senhor e levavam por isso muitíssimo a sério aquela advertência de São Paulo: “quem come e bebe sem distinguir a Carne do Senhor, come e bebe a própria condenação” [cf. 1Cor 11, 29]. A (relativa) pouca freqüência à comunhão eucarística não era porque “o povo” se sentia “distante” da “hierarquia” nem nenhuma outra bobagem do tipo: o povo comungava menos porque levava a Eucaristia mais a sério. Muito mais a sério, aliás, do que A leva o sr. José de Oliveira!

Foi neste contexto que o papa Urbano IV, em 1264, fixou a solenidade de Corpus Christi: uma festa para adorar pública e pomposamente a hóstia consagrada. Portanto, a festa de Corpus Christi, como veremos a seguir, é um desvirtuamento radical do significado litúrgico do mistério do Corpo e do Sangue do Senhor. Ou, se preferirmos, uma traição do pedido do Mestre: “Tomai e comei, tomai e bebei”.

Ora, vê-se que o sr. José ou não sabe usar conjunções conclusivas ou não sabe encadear raciocínios (ou as duas coisas). A afirmação de que a festa de Corpus Christi “é um desvirtuamento radical do significado litúrgico do mistério do Corpo e do Sangue do Senhor” não está implicada (nem mesmo pretensamente) pelo blá-blá-blá anterior e, portanto, não cabe o uso de coordenação conclusiva.

Considero a festa de Corpus Christi, na forma como ainda é celebrada atualmente, um desvirtuamento litúrgico e uma traição do mandato de Cristo por várias razões. Antes de tudo porque Jesus não deixou dito que ele queria ser adorado pomposamente num ostensório luxuoso nas igrejas e pelas vias públicas de uma cidade

Irrelevante, porque Ele tampouco deixou dito o contrário. E Aquele “que não tinha onde reclinar a cabeça” Se permitiu, sim, algumas atitudes dos Seus discípulos que seriam facilmente consideradas como “traições” por gente do naipe do sr. José de Oliveira, como p.ex. naquela ocasião em que Ele deixou uma mulher derramar um vaso inteiro de perfume caro sobre Sua cabeça [cf. Mt 26, 7].

Colocar a Eucaristia, sacramento do simples e pobre pedaço de pão, num ostensório de ouro é, recordando São João Crisóstomo, ofender aquele que não tinha onde reclinar a cabeça.

De novo, não é citada fonte alguma da citação que (se existe) está certamente descontextualizada, uma vez que uma besteira desta magnitude jamais seria sequer insinuada pelo Doutor Eucarístico e que é o autor da Divina Liturgia que leva seu nome.

Em segundo lugar porque o cerne da Eucaristia está não na adoração, mas na refeição, na comida, na ceia. Ou, se quisermos, o modo correto de adorar a Eucaristia é participar da ceia, é comer do pão e beber do cálice

Pode até ser que na cabeça do sr. José o cerne da Eucaristia não esteja na adoração. Na Fé legada por Cristo à Sua Igreja, no entanto, sempre foi necessário adorar a Cristo Eucarístico. Na conhecida frase de Sto. Agostinho (relembrada, p.ex., na Sacramentum Caritatis): «Nemo autem illam carnem manducat, nisi prius adoraverit; (…) peccemus non adorando – ninguém come esta carne, sem antes a adorar; (…) pecaríamos se não a adorássemos». Ora, diante do Papa Bento XVI citando Santo Agostinho de Hipona, quem é o sr. José Lisboa Moreira de Oliveira para vir com estes despautérios? Por que as besteiras que este senhor escreve mereceriam mais crédito do que as palavras do Papa e dos Padres da Igreja?

As normas para o culto à Eucaristia fora da missa, emanadas pelo próprio Vaticano, são muito claras a este respeito. Chegam inclusive a dizer que se deve evitar neste culto tudo aquilo que possa tirar da Eucaristia a sua natureza de alimento, de comida, de refeição. Por rigor de lógica as espécies eucarísticas, quando colocadas para a veneração dos fiéis, deveriam ser postas em pratos de comida e não em ostensórios luxuosos.

Haja paciência! “A conservação da Santíssima Eucaristia e seu culto fora da missa” é precisamente o nome de um dos capítulos da Redemptionis Sacramentum, instrução “[s]obre algumas coisas que se devem observar e evitar acerca da Santíssima Eucaristia”. Lá não existe uma única palavra sobre “evitar neste culto tudo aquilo que possa tirar da Eucaristia a sua natureza de alimento, de comida, de refeição” (!) que o autor do artigo inventou. O que existe em outra parte do mesmíssimo documento (n. 77) é precisamente o contrário:

[77.] A celebração da santa Missa, de nenhum modo, pode ser inserida como parte integrante de uma ceia comum, nem se unir com qualquer tipo de banquete. Não se celebre a Missa, a não ser por grave necessidade, sobre uma mesa de refeição, ou num refeitório, ou num lugar que será utilizado para uma festa, nem em qualquer sala onde hajam alimentos, nem os participantes na Missa se sentem à mesa, durante a celebração. Se, por uma grave necessidade, deva-se celebrar a Missa no mesmo lugar onde depois será a refeição, deve-se mediar um espaço suficiente de tempo entre a conclusão da Missa e o início da refeição, sem que se exibam aos fiéis, durante a celebração da Missa, alimentos ordinários.

Entendeu, sr. José? As “normas emanadas pelo Vaticano” dizem exatamente o contrário do que o senhor está dizendo, i.e., que não é permitido celebrar a Eucaristia em um contexto que lembre o de uma refeição comum! E se o autor deste lixo de texto mente assim de modo tão descarado sobre textos recentes que qualquer um pode encontrar na internet, o quanto não será que ele mente a respeito de textos antigos dos Padres da Igreja aos quais o acesso é muito mais difícil?

Assim a concepção comum presente na mente de bispos, padres e fiéis é que os termos “carne”, “corpo”, “sangue” se refiram exclusivamente ao corpo biológico de Jesus.

De novo, só se for na cabeça do sr. José, que já deve ter percebido o quanto é fácil e cômodo atacar espantalhos. À parte as besteiras proferidas no texto, toda criança recém-catequizada aprende que na Eucaristia está presente o Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo. Não tem nada de “exclusivamente” o “corpo biológico de Jesus”, ao contrário do que disse o autor do artigo. A Fé dos “bispos, padres e fiéis” católicos é esta: «No santíssimo sacramento da Eucaristia estão “contidos verdadeiramente, realmente e substancialmente o Corpo e o Sangue juntamente com a alma e a divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo e, por conseguinte, o Cristo todo”» (CEC §1374). Donde fica desmascarada esta [mais uma] mentira do sr. José, sobre a concepção dos católicos a respeito da Sagrada Eucaristia.

Por fim, a festa de Corpus Christi deveria ser um momento para se pensar numa solução definitiva para o problema daquelas milhares de comunidades cristãs espalhadas pelo mundo e que são privadas da celebração eucarística dominical, por falta de um ministro ordenado que a presida.

A “solução definitiva” para isto foi dada pelo próprio Jesus: «Pedi, pois, ao Senhor da messe que envie operários para sua messe» (Mt 9, 38). Não existe mágica: sem ministro ordenado não há Eucaristia. Infelizmente, ao invés de usar a festa de Corpus Christi para fomentar as orações pelas vocações, o autor do artigo quer reduzir a Santíssima Eucaristia a uma refeição comum que qualquer pessoa pode “confeccionar” por conta própria. Concepção mais protestante impossível.

Mesmo reconhecendo que em circunstância normais cabe ao bispo e seu conselho presbiteral presidir a Eucaristia, Tertuliano afirmava: “Onde não há um colégio de ministros inseridos, tu, leigo, deves celebrar a Eucaristia e batizar; tu és, então, o teu próprio sacerdote, pois, onde dois ou três estão reunidos, aí está a Igreja, mesmo que os três sejam leigos”.

A cereja do bolo vem no final! Depois de mentir, mentir e mentir de novo ao longo de todo o texto, será que merece crédito a citação final de Tertuliano (que, mais uma vez, é sacada da cartola sem referência e sem nada)? Ainda considerando que ela seja verídica com todas as aspas que o autor coloca (o que é inverossímil, mas vá lá), ainda assim não muda em uma vírgula a Fé da Igreja expressa com clareza pela totalidade dos Padres, pois de Tertuliano se pode parafrasear São Jerônimo e dizer: «De Tertuliano não direi senão que não pertenceu à Igreja». De fato, Tertuliano rompeu com a Igreja Católica e, portanto, esta frase alardeada pelo sr. José de Oliveira, se verídica for, é certamente expressão das suas próprias crenças pessoais, e não testemunho da Fé da Igreja de Cristo.

A despeito de eu ter cortado muita coisa do texto do sr. José de Oliveira, mesmo assim esta resposta ficou longa; mas é necessário defender a Fé da Igreja de Cristo, quando [falsos] doutores e [maus] filósofos vêm entulhar a internet com lixo teológico travestido de reflexão católica séria. Estamos às vésperas da Solenidade de Corpus Christi e, nesta Quinta-Feira sublime, importa-nos adorar devotamente a Divindade de Cristo oculta sob as espécies do pão e do vinho. Com toda a pompa que Ele – o Rei dos Reis! – merece, com toda a solenidade com a qual a Igreja de Deus sempre reverenciou o Santíssimo Sacramento do Corpo e do Sangue de Deus. Importa-nos oferecê-Lo tudo o que somos e tudo o que temos! A fim de que, reverenciando com dignidade o Senhor da História oculto sob um pequeno pedaço de pão, possamos ter um dia a – imerecida – glória de vê-Lo como Ele é; de sermos felizes contemplando a face d’Aquele que, hoje, veneramos no Santíssimo Sacramento do Altar.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

6 thoughts on “Meditando o Mistério da Eucaristia: contra os maus filósofos e falsos doutores

  1. Pingback: "Fé - Amor - Reparação" - D. Fernando Rifan | Deus lo Vult!

  2. Jordan J. Souza

    Perceber Cristo na Santa Eucaristia, ao mesmo tempo que é um esforço de fé, é também algo óbvio, pois, se a Santa Missa existe, se a Eucaristia existe, foi porque o próprio Jesus Cristo instituiu, não foi outra pessoa que instituiu, nem a Virgem Maria e nem um anjo do Céu. Se Jesus é o próprio Deus que se fez homem, e por consequência somente pode dizer a Verdade, logo, É O PRÓPRIO CRISTO QUEM ESTÁ ALI NA SANTA EUCARISTIA!
    Esse José Lisboa e outros “teólogos” que negam a presença real de Cristo na Eucaristia, são no mínimo ou burros ou desonestos.

  3. Bruno Linhares

    Deus abençoe! Felizes podemos ser e um pouco mais tranquilos de termos você e outros bons católicos defensores da Verdade, Jorge Ferraz!
    Que o Cristo Eucarístico mantenha sempre acesa a chama do seu intelecto e esse ardor missionário!

  4. Rafael Diehl

    Os escritos dos Padres da Igreja deixam claro a identidade entre a
    Eucaristia e o próprio Cristo, incluso seu Corpo e sangue. O que
    Berengário de Tours teve de confessar no sínodo romano de 1079 na
    presença do Papa Gregório VII, que o Cristo da Eucaristia era o mesmo
    Cristo que viveu na Palestina e padeceu na Cruz (o que o texto
    asquerosamente chama de “Jesus histórico”, como se Ele não fosse o mesmo
    Cristo que reina sobre todo o Universo!), Já o confessavam Inácio
    antioqueno e o Crisóstomo.

    “… a Eucaristia é a carne de
    nosso Salvador Jesus Cristo, carne que padeceu por nossos pecados e que o
    Pai, em Sua bondade, ressuscitou… Não me agradam comida passageira,
    nem prazeres desta vida. Quero o pão de Deus que é carne de Jesus
    Cristo, da descendência de Davi, e como bebida quero o sangue d’Ele, que
    é Amor incorruptível” (Inácio de Antioquia. Século II. Epist. aos Roman 7,1.3).

    “Abstêm-se eles da Eucaristia e
    da oração, porque não reconhecem que a Eucaristia é a carne de nosso
    Senhor Salvador Jesus Cristo, carne que padeceu por nosso pecados e que o
    Pai, em Sua bondade, ressuscitou… Convém, pois, manter-se longe de
    tais pessoas…” (Inácio. Epistol. aos Esm 7)

    Vejam o impressionante texto do Crisóstomo que fala sobre aqueles que desejariam ver o Cristo com suas vestes e sapataos:

    “… não olhando tanto para
    aquilo que toca os nossos sentidos, mas acreditando nas suas palavras. A
    sua palavra é infalível, ao passo que o nosso juízo facilmente se
    engana; à sua palavra nunca falha, ao passo que os nossos sentidos
    falham em tantas coisas. Portanto, quando Ele diz: isto é o meu corpo,
    conformemo-nos estritamente a quando diz e acreditemos, contemplando-o
    com os olhos do espírito. Todos os que estão e que digam: queria ver o
    seu aspecto exterior, o seu trato, as suas vestes, os seus sapatos.
    Ei-lo, vede-lo, tocai-o, comei-o” (Sermão sobre o evangelho de São
    Mateus 82,4).
    “…este corpo pregado com pregos, ferido com açoites,
    não foi roubado pela morte… É este corpo que foi manchado de sangue,
    transpassado pela lança, do qual brotou uma fonte de salvação para o
    mundo… Este corpo foi dado para ser tomado e para ser comido” (
    Sermões sobre a 1ª Carta aos Coríntios 24,1).

  5. Wilson Junior

    O que me espanta é a obstinação desses “teólogos” em suas heresias.
    Querem dialogar com todos: ateus, budistas, islâmicos, protestantes…menos com os católicos da Tradição! Eles descobriram que toda religião é boa, menos a católica.

    ADITAL é um péssimo site, sem dúvida, se formos ver com os olhos da fé católica, mas sempre passo por lá, pois é interessante ver a linha de raciocínio (?) desses “teólogos”. A “nata” da teologia moderna está lá: Betto, Boff, Barros, entre outros.

    São Pio X, rogai por nós!
    Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós!

  6. Francisco Miranda

    Pobre homem, seus escritos não devem ser lidos nem comentados e sim ignorados. Rezemos para que sua alma seja salva e seus pecados perdoados.