Políticas públicas sobre o aborto

closeAtenção, este artigo foi publicado 5 anos 26 dias atrás.

Em meados deste mês, D. Leonardo Steiner resumiu “a diretriz da CNBB para as eleições municipais deste ano” em uma singela frase: “votem em ficha limpa”. A recomendação era tão importante para o excelso prelado que ele não queria perder a chance de lhe dar a ênfase que julgava necessária. Et iterum dixit: “Votem em ficha limpa. Votem em ficha limpa”.

Antevendo a possibilidade de que esta questão seja abordada sob uma ótica reducionista e irresponsável, nós gostaríamos de lembrar que, em política, não são negociáveis as questões referentes à defesa da vida humana; em particular, o aborto é a pior sujeira que um político pode ostentar em sua ficha.

Esta questão é muito importante para ser negligenciada nas próximas eleições. Nós gostaríamos de enfatizar isto: existe uma sujeira muito maior e muito mais grave do que a corrupção, que é o apoio ao assassinato de crianças indefesas no ventre de suas mães. Não existe nenhum político com a ficha mais suja do que aqueles que têm, nas mãos, o sangue das crianças abortadas. Se é verdade que os católicos não devem votar em políticos “ficha-suja” (e, de fato, não o devem), convém aos excelentíssimos pastores lembrar qual é a pior nódoa que pode haver na ficha de qualquer candidato a disputar o pleito de outubro próximo: ser a favor do aborto.

Felizmente, há bispos que não negligenciam esta questão. Em coluna publicada na última segunda-feira (23 de julho), o Arcebispo da Paraíba, Dom Aldo Pagotto, falava sobre isso. Convém dar ouvidos às sábias palavras do Arcebispo:

Quem promove a descriminalização do aborto no Brasil? Grupos de pressão feministas e ONGs vinculadas a programas internacionais, cuja premissa exige o controle da natalidade nos países emergentes e pobres. O Brasil é um dos países signatários de acordos internacionais, comprometido com projetos desse tipo.

[…]

Não aceitamos anteprojetos, leis, normas técnicas indutivas ao aborto. Queremos políticas de proteção à vida da gestante e do nascituro; esclarecimento da opinião pública sobre o valor da dignidade da vida humana, desde sua concepção até seu êxito final. Movimentos sociais defensores da vida: articulem-se!

Aos que ainda têm dúvidas sobre a importância crucial destas questões, reservem cinco minutos do seu tempo para conhecer este deprimente Museu do Aborto em Viena (ao qual cheguei via Exame.com). Olhem, em particular, esta seção sobre os instrumentos empregados num aborto e não acreditem na cantilena mentirosa que diz que isto só acontece quando o aborto é ilegal, como se os “abortos legais” fossem realizados com almofadas (na verdade, é muito pelo contrário) ou como se não houvesse clínicas aborteiras clandestinas em todos os lugares do mundo, quer o aborto seja legalizado, quer não. O mal que deve ser combatido é o próprio aborto, e não a sua realização sem condições mínimas de segurança e higiene, da mesma forma que deve ser combatido o próprio roubo e não o fato dos assaltantes entrarem em bancos sem coletes à prova de balas. Às mulheres devem ser asseguradas condições para que tenham os seus filhos – inclusive com acesso facilitado a procedimentos de adoção caso elas não os desejem ou não os possam criar. Estas são as únicas políticas públicas que devem ser adotadas para combater os males do aborto. Do contrário, estaremos criando mais circos de horrores dos quais, no futuro, os nossos descendentes terão museus para se envergonhar.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page