Graças ao bom Deus

closeAtenção, este artigo foi publicado 5 anos 12 dias atrás.

Eu “me reprovei” na minha primeira catequese de Crisma. Graças ao bom Deus. Ainda envolto nos liames de uma adolescência pouco virtuosa e da qual não tenho muito orgulho, entrei para a catequese já quase homem feito, com os meus dezessete carnavais. O curso, levei-o como quem não quer nada, oscilando entre o desinteresse e a displicência. Após ter perdido muito mais aulas do que permitiriam as mais generosas e tolerantes cargas horárias mínimas, ainda assim a minha catequista me chamou no final do curso e perguntou se eu queria me crismar. Eu disse que não. Ela insistiu: “amanhã pode ser tarde”. Eu fui resistente. “Não posso me crismar, não estou preparado”. Graças ao bom Deus, entre todas as minhas falhas de caráter nunca se pôde contar a hipocrisia. Não me crismei. Disse que voltaria no ano seguinte.

Era óbvio que eu não podia me crismar: graças ao bom Deus eu pude ver isto com clareza. Sem perceber, eu corria então o terrível risco de relegar o meu Sacramento à irrelevância das coisas que se fazem “só por fazer”, como (mais) uma das matérias do colégio que a gente só cumpre porque está no quadro de disciplinas mas que, para a nossa vida, não serve de nada. Que passa e depois a gente esquece. Mas eu aprendera que receber o Sacramento da Crisma era se transformar em soldado de Cristo com a missão permanente de defender a Santa Igreja, e o meu gosto de então por romances épicos me fazia levar demasiadamente a sério esta metáfora.

E eu não podia defender a Santa Igreja, eu que sequer pronunciava o “[Creio] na Santa Igreja Católica” do Credo dominical! Eu estava ainda enojado com a corrupção da Igreja evidente após séculos e séculos de opressão e de busca imoral por poder e por controle, e com todas as outras coisas que a gente aprende nas aulas de história do Ensino Médio. Com a perseguição à ciência. Com a carnificina das cruzadas. Com o genocídio indígena. Com o terror da Inquisição. O quadro era por demais tétrico e, a instituição nele retratada, por demais repulsiva para merecer o meu juramento de vassalagem. Graças ao bom Deus, eu não podia me crismar.

Eu não sei entrar em detalhes sobre como esta imagem se desvaneceu por completo da minha mente; eu mesmo não o sei ao certo. A curiosidade e a honestidade tiveram um importante papel neste processo: as incansáveis leituras e as infindáveis discussões (mormente pela internet) me levaram a abandonar – graças ao bom Deus! – o legado anti-clerical da minha adolescência. Depois, olhando para trás, pude fazer minhas estas palavras de Chesterton que retratam a sua perplexidade com as críticas ao Cristianismo. Graças ao bom Deus, eu sempre mantive a virtude da coerência.

E no ano seguinte eu voltei. Graças ao bom Deus, eu voltei. E, numa noite de sábado do ano da graça de Nosso Senhor Jesus Cristo de 2002, com quase dezenove anos, eu recebia na fronte o óleo do Crisma e, na alma, o caráter da Confirmação. Este ano faz uma década. De lá para cá muitas coisas aconteceram, muita água rolou sob a ponte; mas graças ao bom Deus eu sempre consigo voltar àquela noite em que, jovem e entusiasmado cruzado com a testa rescindindo a bálsamo, depus a minha alma aos pés de Nosso Senhor. Graças ao bom Deus, ainda estou na luta. E permita-me Ele que neste combate eu possa viver e morrer.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

3 thoughts on “Graças ao bom Deus

  1. avmss

    Engraçado, comigo também foi parecido. Mas ao contrário de você eu fui bem assíduo na Crisma, no início não estava levando muito a sério, mas no final eu tive que tomar uma decisão ou viro um católico de verdade e concluo a Crisma ou abandono e vou viver a vida que eu levava antes. Graças a Deus escolhi a primeira e me crismei esse ano.

  2. Francisco Castro

    Que belo testemunho. Queira Deus que esta coerência surja na mente de pais que levam os filhos para batizar só por batizar, de noivos que se casam na Igreja só por casar e muitos que fazem a primeira comunhão e se crismam só por fazer, porque é u evento social. Sem duvida teríamos bem menos ditos católicos, mas teríamos católicos bem mais militantes e fervorosos.

  3. Flavio Fabricio

    Sou catequista, e este testemunho vem em auxílio ao ensino que eu gostaria que os catequisandos entendam. Crisma não é apenas um rito, ou um diploma da Igreja. E sim um compromisso que deve ser assumido de livre e expontânea vontade na liberdade de Filhos de Deus para viver defender a Fé professada nas missas… Parabéns pelo sítio! Deus te abençoe sempre…