Inquisição em Portugal: debate na TV

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 9 meses 7 dias atrás.

Este vídeo é antigo, mas eu só vi hoje. Trata-se de um debate sobre a Inquisição em Portugal entre um historiador, o professor Jorge Martins, e um padre [acho que jesuíta p.s.: na verdade, conforme me informou um leitor de Portugal, o sacerdote é do clero diocesano e membro do “Comunhão e Libertação”], o pe. João Seabra, feito em um programa de televisão português, o RTP Memória, que foi ao ar em 7 de novembro de 2005.

Excerto:

Jorge Martins: – Foram 24.000 as vítimas da Inquisição em menos de 200 anos, 1.000 das quais condenadas às fogueiras e, portanto, pode-se dizer que, em termos da população portuguesa, foi um drama imenso pra toda a sociedade porque muitos outros foram perseguidos, foram estigmatizados, foram expulsos, tiveram que fingir. (…) De fato a Inquisição foi uma organização terrorista e criminosa. O papel da Inquisição foi terrível na sociedade portuguesa. Tem que se dizer isso claramente e com todas as letras.

Pe. João Seabra: – Bem, em primeiro lugar, a Igreja não Se conhece, de maneira nenhuma, na descrição do passado que fez o prof. Jorge Martins. É uma descrição cheia de paixão e de comoção e de indignação há quatro séculos de distância, mas que não corresponde aos fatos. (…) Diante dessa mentalidade [da época], a Inquisição Portuguesa foi seguramente muito menos violenta contra as minorias religiosas que efetivamente perseguiu do que as perseguições religiosas da Europa Central, da França, da Suíça, da Inglaterra, da Noruega.

[…]

[Tratar a Inquisição Católica Portuguesa e Espanhola] como se fosse um caso único no contexto da uniformização religiosa que se seguiu às guerras da religião é uma falta de rigor histórico completa. E basta dizer (…) que houve mil executados em 200 anos (…) cinco por ano, em cinco [ou] três tribunais que funcionam, quer dizer que houve duas condenções à morte em Évora, duas em Lisboa e uma no Porto. Ora, era num tempo em que os tribunais civis condenavam à morte dezenas pessoas por ano. Quer dizer, a pena de morte era aplicada (…) para os crimes mais insignificantes. Quer dizer, das pessoas que morriam condenadas à morte em Portugal todos os anos às dezenas, cinco eram condenadas pela Inquisição. Portanto é evidente que o clima de terror judiciário não era imposto pela Inquisição, as pessoas tinham muito mais medo da polícia civil.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

One thought on “Inquisição em Portugal: debate na TV

  1. Rômulo

    Poste os outros vídeos em que o professor desmascara o padre! Essa tentativa canhestra de revisionismo deve-se a quê? Culpa? Medo? A verdade é uma só: a inquisição foi um movimento terrorista e assassino dos piores da história, não só pelo número de vítimas, mas pelas consequências nefastas que teve na cultura ibérica, onde até hoje as pessoas tem receio em expor suas opiniões, ainda mais quando contradizem o status quo (o Brasil infelizmente herdou esse legado português). A questão central não é o número de vítimas, pois mesmo que fosse apenas uma já seria uma barbaridade que merece todo repúdio. Nas palavras do bispo de Évora, D. Augusto Eduardo Nunes, em 1901: “A inquisição portuguesa perpetrou crudelíssimos e infamíssimos abusos”.