Morre Neil Armstrong – R.I.P.

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 11 meses 27 dias atrás.

Morreu no último sábado (25 de agosto), aos 82 anos, o astronauta Neil Armstrong, o primeiro homem a pisar na Lua. Considerado um verdadeiro herói pelos de sua geração e também pelos das que se lhe seguiram, Armstrong nunca gostou muito deste tipo de fama e era, na verdade, uma pessoa bastante reservada. A notícia reproduzida por G1 fala um pouco desta característica do viajante do espaço: «Armstrong viveu uma vida de reclusão após a Apollo 11. Convidado frequentemente por partidos americanos, ele se recusou a concorrer a um cargo político. Armstrong também raramente era visto em público e quase nunca dava entrevistas, além de não costumar tirar fotos ou dar autógrafos, porque não gostava que eles eram vendidos por valores que ele considerava “absurdos”. Sua única biografia autorizada foi publicada em 2005. Ele também costumava processar empresas que usavam sua imagem sem autorização e doar as indenizações recebidas à faculdade em que se formou».

Dentre os seus muitos feitos dignos de admiração, merece destaque um que li hoje pela manhã no Meio Bit. Era 1966; a viagem à Lua não se concretizara ainda. Armstrong estava em uma missão espacial tripulada com outro astronauta, o David Scott, e testava um procedimento de acoplamento espacial entre duas naves, a pilotada pelos cosmonautas e uma não-tripulada. O acoplamento foi um sucesso; mas, durante o reposicionamento, ocorreu um problema com os foguetes de rotação e a nave não parava de girar. No vácuo, onde não existe ar para oferecer resistência, o resultado foi que o módulo passou a girar cada vez mais rápido, colocando em risco a vida dos astronautas e, muito provavelmente, de todo o programa espacial americano:

Após a conexão, o computador da Agena [nave não-tripulada] iniciou um comando para girar o conjunto das duas naves em 90 graus. O giro foi efetuado, mas não parou. Neil comandou os jatos de manobra e cessou o giro, mas assim que ele parou, o giro voltou. Imediatamente desligaram o Agena, mas alguns minutos depois o giro reapareceu.

Consultando os instrumentos, descobriram que só tinham 30% de combustível nos jatos de manobra da Gemini [nave dos astronautas], e o giro aumentava. O consenso era que havia algo de errado com a Agena. Ejetaram a nave automática, Houston a comandou pra se afastar, nas o giro só aumentou. Sem a massa extra, logo a Gemini girava a 60 rotações por minuto.

[…]

Era evidente que o problema estava na Gemini. A nave se aproximava do limite de integridade estrutural, os astronautas já apresentavam visão de túnel e logo perderiam a consciência. Só havia uma coisa a fazer:

Usando de seu treinamento Neil Armstrong desligou os jatos de manobra, passando para controle manual os jatos de controle de reentrada, um sistema independente que controlaria a posição da nave quando retornasse para a Terra.

Tendo aprendido a pilotar antes de aprender a dirigir, com 78 missões na Coréia e experiência de piloto de testes do X15, Neil Armstrong conseguiu identificar, reverter e anular o giro, revertendo um pesadelo de desorientação espacial, evitando um desastre certo.

Com semelhantes feitos no currículo, não é de se espantar que o astronauta provoque a admiração de milhões de pessoas no mundo afora. Isto é perfeitamente justo: afinal de contas, o que é admirável merece receber admiração, e a impressionante habilidade do primeiro homem a pisar na Lua é um fato incontestável, atestado pelos diversos episódios de sua carreira de astronauta (dos quais o exemplo acima é bem representativo).

O que não é justo é utilizar a ida do homem à Lua para se fazer um idiota proselitismo anti-religioso. E não é justo por uma razão bem simples: historicamente, a corrida espacial não foi utilizada com esta conotação, e transformá-la em um baluarte contra o obscurantismo religioso é falsificar a história e trair o pensamento dos seus protagonistas. O fato é que Armstrong não quis jamais emancipar o homem de Deus e provar que “o homem pode fazer coisas maravilhosas sem ajudas sobrenaturais”. Ao contrário de alguns dos seus fãs, Armstrong não era ateu militante. Ao que consta, aliás, não era nem mesmo ateu ou agnóstico: muito pelo contrário.

O Free Republic nos traz um fato interessante sobre a vida do astronauta, que me permito traduzir:

O astronauta americano foi [certa vez] levado para um passeio na cidade antiga de Jeruslalém, na companhia do arqueólogo israelita Meir Ben-Dov. Quando eles chegaram ao “Hulda Gate”, que fica no topo das escadas que levam ao Monte do Templo, Armstrong perguntou a Ben-Dov se Jesus havia pisado em algum lugar por ali.

“Estes são os degraus que levam ao Templo”, Ben-Dov lhe disse, “então Ele deve ter caminhado por aqui muitas vezes”.

Armstrong perguntou se aqueles eram os degraus originais, e Ben-Dov confirmou que sem dúvidas eram.

“Então Jesus pisou bem aqui”, Armstrong perguntou”. “Exatamente”, respondeu Ben-Dov”.

Ao que Armstrong, o cristão devoto, respondeu: “Eu tenho que lhe dizer, eu estou mais excitando pisando nestas pedras do que quando eu estava pisando na Lua”.

O mundo secular lembra de Armstrong como, entre outras coisas, um engenheiro espacial, um professor de universidade, um piloto de guerra e, naturalmente, como o primeiro homem na história a voltar para a Terra após estar na superfície da Lua.

Mas aqueles que eram mais próximos do famoso astronauta – sua viúva, Carol, seus dois filhos, Erik e Mark (de um casamento anterior), seu irmão e sua irmã, e outros sobreviventes – lembram de Neil Armstrong como um homem de fé.

A Wikipedia anglófona também se refere ao fato, apenas alterando ligeiramente a frase do astronauta: ele teria dito que estava tão excitado naquelas pedras quanto estava quando pisou na Lua [he was just as thrilled to stand on this staircase as he had been when he took his first steps on the moon]. Mas tanto uma forma quanto a outra serve para desmascarar a farsa anti-religiosa. O primeiro homem a pisar na Lua realizou o seu “grande passo para a humanidade” rendendo graças a Deus, e não na atitude de desprezo a Ele que alguns dos seus fãs gostam de adotar. É importante o registro histórico, para respeitar a memória do herói recém-falecido.

A Armstrong, nossas homenagens e nossas orações. Que ele inspire as pessoas a perceberem que progresso científico e religiosidade sincera podem perfeitamente coexistir em uma única pessoa. Que a família e os amigos sejam confortados na dor da perda. Que o primeiro homem a pisar na Lua descanse em paz.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

3 thoughts on “Morre Neil Armstrong – R.I.P.

  1. os396

    Mudando um pouco o assunto, Jorge alerte a todos sobre isso:
    Está sendo preparado um novo Código Penal que contempla a aprovação do aborto, da eutanásia e que permite a produção e o uso de drogas. É mais um passo para a destruição da família em nosso país. O Senado Federal está fazendo uma pesquisa com o povo. Não deixe de votar . Os votos a favor estão em esmagadora maioria; um absurdo! Vote Não! Não se omita!

    Vote não: http://www.senado.gov.br/senado/alosenado/noticia.asp?not=396

  2. Karina

    Ficou muito boa a sua cobertura sobre a morte dele. De fato, quase não se ouvia falar do astronauta, eu mesma achava que ele até já havia falecido!

  3. Pingback: Viagem à lua: um hino de louvor a Deus | Deus lo Vult!