Viagem à Lua: um hino de louvor a Deus

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 11 meses 25 dias atrás.

Ainda a propósito do recente falecimento de Neil Armstrong e da conseqüente onda de redivivo entusiasmo pela viagem à Lua que se levantou nos últimos dias, vale a pena contextualizar alguns acontecimentos daquela época que, não raro, encontram-se distorcidos em alguns ambientes “tradicionalistas”. Refiro-me às declarações feitas então por Paulo VI. A primeira vez que tomei contato com elas foi há muitos anos, no site da Montfort, onde se insinuava – de maneira bem pouco católica, a propósito – que o falecido Pontífice tinha proferido aquelas palavras em um espírito de idolatria ao homem, de exaltação da Cidade dos Homens em oposição à Civitas Dei.

Lembro-me que isto à época me impressionou bastante, porque a ida do homem à Lua era freqüentemente apresentada como um fetiche neo-ateísta a demonstrar, de maneira cabal, a grandeza do progresso científico que finalmente havia alçado vôo após se libertar dos cabrestos obscurantistas da Religião. A viagem à Lua era apresentada – e, ainda hoje, muitas vezes é – como um troféu da emancipação humana do seu Criador, como um estandarte resplandecente da Ciência que, enfim, fora vitoriosa sobre a Fé. E neste sentido, é verdade, a declaração do Papa parecia profundamente incômoda, como se ele estivesse enaltecendo precisamente o movimento cientificista cuja pretensão era sepultar a Igreja de Deus.

A verdade, no entanto, é bem outra. Não sei em qual momento exato a aventura lunar foi seqüestrada pelos neo-ateus para lhes servir de objeto de propaganda da Descrença; mas sei que isto é sem dúvidas um fenômeno posterior. Porque, à época, os homens de todos os credos acompanhavam os cosmonautas a uma aventura cujo propósito era não destronar o Altíssimo do Seu Trono dos Céus, mas o de fazer valer o mandamento bíblico de submeter a si a Criação. Acompanhavam-se os astronautas com o mesmo espírito que, séculos antes, motivou as Grandes Navegações; com aquela “não menos certíssima esperança / de aumento da pequena Cristandade” que Camões cantou no início d’Os Lusíadas. A viagem à Lua, historicamente, foi uma obra de arte ofertada pelo homem ao Deus Altíssimo, e não a lança erguida contra Ele que se quis posteriormente apresentar.

Prova-nos isto a própria vida de Neil Armstrong que, como eu falei ontem, jamais viu nenhuma oposição entre ir à Lua e ser capaz de elevar a alma a Deus.

Prova-nos isto um pequeno item do acervo dos Musei Vaticani que eu vi em 2008 quando estive na Città Eterna:

Trata-se de uma pequena bandeira do Vaticano que foi levada à Lua pela Apollo 11 e, quando retornou à Terra, foi presenteada ao povo do país (junto com algumas pequenas pedras lunares recolhidas pelos astronautas).

Prova-nos isto, enfim, o próprio teor dos discursos de Paulo VI (pelos quais ele é acusado de idolatrar o homem):

Messaggio ai cosmonauti Armstrong, Aldrin e Collins (21 de julho de 1969);
Mensagem do Angelus (7 de fevereiro de 1971).

Onde o primeiro começa com um gloria in Excelsis Deo e finda mandando uma bênção aos astronautas (que “expandem até os abismos celestes o domínio sábio e audaz do homem”) e, o segundo, fazendo explícita referência ao mandamento bíblico de “crescer e dominar”, explica a forma como se encarava então a viagem à Lua:

[O progresso humano n]ão é paixão ambiciosa: é resposta à vocação do seu ser [do homem], que com isso mesmo [nello stesso tempo] aprende a ler no cosmo a exigência de um princípio criador e ativo, misterioso, silencioso, eterno e onipotente: sugere-a a própria desoladora miséria – cheia de realidade e de leis – do satélite explorado. Que meditação! O canto encontra no salmo sua palavra sublime: «Os céus narram a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras de Suas mãos» (Ps. 18, 2).

Eis, portanto, o que pensava Paulo VI (e, com ele, a maior parte dos homens) a respeito da empresa lunar! O entusiasmo generalizado de então não tinha a conotação cientificista que se observa hoje; ao invés disso, o homem, principe del cielo, usava o seu engenho para realizar-se mais plenamente e, assim, aproximar-se mais de Deus. O homem não se afastou do seu Criador ao pisar na Lua, muito pelo contrário: da imensidão do espaço vazio, os astronautas – e, com eles, todos os homens que da Terra acompanhavam a inaudita empreitada – podiam ouvir com mais clareza os Céus cantarem a glória de Deus.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

2 thoughts on “Viagem à Lua: um hino de louvor a Deus

  1. Antonio

    Estive nos Museus Vaticanos esse ano e não a vi. Em qual deles está?