CBN entrevista Carlos Ramalhete

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 11 meses 15 dias atrás.

A polêmica envolvendo os bárbaros que querem a cabeça do Carlos Ramalhete continua. Hoje foi a vez da CBN Curitiba divulgar o evento anti-Ramalhete organizado no Facebook e fazer ao vivo uma entrevista com o autor da coluna mais odiada das redes sociais revolucionárias.

O “Fora Carlos Ramalhete: Preconceito na Gazeta do Povo” é um evento de ódio dogmático e intransigente que foi criado na própria quinta-feira em que a coluna do professor Carlos foi publicada. Tem por objetivo declarado “pedir a retirada deste elemento” (sic) dos quadros da Gazeta do Povo; para isso, está marcando um encontro (ou sei-lá-o-quê) de dia inteiro em Curitiba, no próximo dia 30 de setembro. Das mais de 30.000 pessoas que foram convidadas, três mil e poucas (até o momento) disseram que iriam. Foi este o evento original onde se publicou o primeiro abaixo-assinado pela demissão do Ramalhete, no qual os delirantes intolerantes soltaram a patacoada de que os jornais são “concessão pública” (sic) e, por conta disso, exigem que a Gazeta do Povo “apresente uma retratação pública, e que a coluna do Sr. Carlos Ramalhete seja encerrada”. Puro delírio totalitário: televisão é concessão pública, mas a mídia impressa não. Em sua sanha persecutória cega, os que querem calar a voz do prof. Carlos meteram feio os pés pelas mãos.

A entrevista com o professor Carlos pode ser ouvida no site da CBN (ou aqui, em .mp3 para download). Dentre as coisas muito bem ditas por ele a despeito da patente má vontade do entrevistador, eu destaco:

  • A questão não é se o matrimônio gay é feliz ou não é feliz, ou existe ou não existe: a questão é botar uma criança na ponta de lança de uma luta que não é a luta dela.
  • O Estado está avançando muito além dos seus limites – inclusive de maneira impopular, por isso que isso tá sendo feito só por tribunais, cartórios, nunca por representanes eleitos da população: porque a maior parte da população não concorda com esse tipo de coisa – ao ficar tentando desmontar a família tradicional, tentando impôr como se fosse exatamente equivalente qualquer tipo de união.
  • Olha, eu não acho que o Estado deva organizar a sociedade, eu acho que o Estado deva reconhecer como a sociedade se organiza. A sociedade se organiza naturalmente. (…) As uniões, tanto uniões de vida em comum, quanto uniões (pra voltar ao tema) religiosas, quer dizer, as pessoas que se agrupam em denominações religiosas, tudo isso existe: e é isso que gera a ordem da sociedade. Ao Estado compete manter esta ordem, ao Estado compete impedir que haja violência contra quem quer que seja: violência contra a maioria silenciosa que aceita preceitos religiosos, no Brasil em geral cristãos, ou a violência contra os homossexuais, ou a violência de qualquer tipo. O Estado está aí justamente para impedir que esta ordem se desfaça, não pra tentar construir uma ordem nova.

Oferecemos, mais uma vez, o nosso apoio e solidariedade ao professor Carlos. E se você ainda não o fez, assine (e divulgue) agora o abaixo-assinado “em favor da liberdade de expressão do prof. Carlos Ramalhete”. Vamos desmascarar o hipócrita discurso de ódio dos que só sabem se fazer de vítimas clamando por tolerância mas, ao primeiro sinal de discordância, põem as garras de fora e buscam calar na marra o seu interlocutor. Já basta deste inverno estéril no qual querem transformar o Brasil à força de truculência ideológica. Que floresçam as flores, pois já é tempo. Força, prof. Carlos! Nós estamos com você.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

13 thoughts on “CBN entrevista Carlos Ramalhete

  1. Adriana

    No Brasil apenas a lei pode inovar a ordem jurídica, apenas através de um processo legislativo é que pode ocorrer criação de direitos e obrigações e determinadas matérias tem um processo legislativo diferenciado e com iniciativas específicas (esta é uma das vertentes do princípio constitucional da legalidade).
    Ou seja, apenas o povo, direta ou indiretamente (através dos representantes eleitos) é que pode mudar a ordem estabelecida.Mas o que vemos é dia após dia esta ordem sendo inovada, para não dizer “invertida”, ao arrepio vontade da maioria da população. Mudanças estas que estão sendo implantadas seja através de atos judiciais seja através de atos puramente administrativos.O prof. Carlos deve continuar com o espaço garantido para apresentação do contraditório, da discordância, da concordância, enfim, do pensamento de grande parcela do povo brasileiro.

  2. Pingback: Entrevista do professor Carlos Ramalhete na CBN Curitiba « §|Olhar Católico|§

  3. Gustavo

    Por mais que o Ramalhete tenha sido preconceituoso em sua coluna, pedir a demissão dele já é um exagero. Devemos ser pessoas boas e pagar o mau com o bem e nunca com o mau. Claro que se estes ataques injustificáveis continuarem, aí sim se torna necessário a demissão do Sujeito.

  4. Rodrigo

    Em princípio você concorda com os totalitários, sua discordância só reside na quantidade de tolerância em relação aos párias.
    Brilhante como diz o Jorge.

  5. Gustavo

    As pessoas têm o direito de discordar, mas não têm o direito de pregar a discriminação e o preconceito. Uma pessoa pode não concordar com os católicos, mas não pode sair por aí dizendo que católicos não podem formar uma fámilia. Isso é discriminação e ele está pagando pelo mau uso da sua liberdade de expressão.
    O texto também faz parecer que é melhor uma mãe abortar seu filho do que dá-lo para adoção, ele por tábela critica a adoção como um todo.

  6. Jorge Ferraz

    !!!

    Atingindo inacreditáveis píncaros de analfabetismo funcional ou de mau-caratismo descarado, aparece alguém pra dizer que o texto do prof. Carlos «faz parecer que é melhor uma mãe abortar seu filho do que dá-lo para adoção»!!!

    Sério cara, vai te tratar.

  7. Wilson_Ramiro

    É preciso avaliar todas as alternativas antes de aceitar estas pressões estranhas.

  8. Gustavo BNG

    “O texto também faz parecer que é melhor uma mãe ABORTAR seu filho do que
    dá-lo para adoção, ele por tábela critica a adoção como um todo.”

    Criou um espantalho, xará. Não seja ingênuo.

  9. Leniéverson

    Qual é o seu conceito de preconceito? O que o Ramalhete falou não é um preconceito foi apenas uma Critica. Senhor Gustavo, vc já viu ou leu os Blogs do Paulopes, MixBrasil, Blog do De Lucca e outros ligados a grupos de Ateus? Nestes lugares sim, há o preconceito aos cristãos, eles até xingam, caluniam, injuriam, difamam.O que vc acha?A fala deles é legítima e não ofensiva enquanto o Ramalhete, Blog do Ancoradouro, Blog do Julio Severo é legítima e ofensiva?Palmas Gustavo, vc ganhou o Prêmio de Homem Com Visão Ideológica Incorreta e Distorcida.

  10. Gustavo

    Então não é preconceito quando alguém diz que pessoas de cor de pele diferente não devem formar uma família? Para mim isso é um lixo racista, para outros apenas uma “crítica”.

  11. Jorge Ferraz

    À parte as desesperadas e cômicas tentativas de comparar um mau comportamento moral (= os atos sexuais contrários à natureza) com uma característica biológica (= a cor da pele), permanece incólume o fato de que um homem branco e uma mulher negra (ou vice-versa) podem se casar e gerar filhos, enquanto que dois homens (brancos ou negros, tanto faz) podem no máximo viver juntos e mais nada.

  12. Adriano

    O sr. Carlos foi totalmente infeliz com a coluna em que demonstra seu preconceito contra os homossexuais. A demissão dele não deve ocorrer da gazeta do povo, o ideal, seria que o sr. Carlos reconheça o seu erro e apenas peça desculpas, nada mais, nada menos. Todos podemos errar, e o fato de assumir o seu erro demonstra que ele é humano como todos.