¡Ya hemos pasao!

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 11 meses 11 dias atrás.

Domingo, 09 de setembro de 2012, 18h45.

O abaixo-assinado em favor da liberdade de expressão do prof. Carlos Ramalhete acabou de ultrapassar o outro, que pedia à Gazeta do Povo o fim da coluna do articulista.

Alvíssaras!

¡No pasarán!
decian los marxistas.
¡No pasarán!
gritaban por las calles.
¡No pasarán!,
se oia a todas por plazas y plazuelas con voces miserables.
Ya hemos pasao!!
y estamos en las cavas
Ya hemos pasao !!
con alma y corazón
Ya hemos pasao!!
y estamos esperando pa ver caer la porra de la gobernación.

Em tempo, vale ler também a coluna de hoje do Belmiro Valverde: «causa espanto (…) a capacidade intimidatória das “redes sociais”, que adoram rotular as opiniões que não agradem a seus membros de “fascistas” e “preconceituosas”. Na realidade, se existe algo essencialmente fascista é o uso das massas para intimidar os adversários. Ao mobilizar as redes para boicotar escritores ou veículos, os supostos defensores da liberdade de opinião agem como as fasci di combatimmento e as Sturmabteilung, com a diferença (por enquanto) de que suas armas são a desmoralização pública e não o óleo de rícino e o porrete».

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

6 thoughts on “¡Ya hemos pasao!

  1. Rafael

    Para um post que fala sobre “liberdade de expressão”, usar o slogan da ditadura franquista, é no mínimo infeliz,

  2. Rafael

    …e mais infeliz ainda é descer para a ofensa, do que assumir o erro de ter usado o slogan de uma ditadura facista.

  3. Pingback: Giro de notícias: Carlos Ramalhete, Padre Paulo Ricardo, Código Penal e Giulia Soncini « Porta Fidei