Feliz espera!, por Claudemir Júnior

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 10 meses 13 dias atrás.

Publico, com um pouco de atraso, o bonito texto que o caríssimo Claudemir escreveu por ocasião do meu casamento, pelo qual já o agradeci particularmente mas faço questão de repetir, aqui em público, meu muito obrigado. Foi publicado, durante a minha viagem de Lua de Mel, pelo Wagner Moura, a quem também agradeço; li-o ainda em viagem e, desde já, pude tornar aqueles momentos mais agradáveis com a beleza das palavras dos amigos. Como não sei se todos o leram, fica aqui o registro. Nossos mais sinceros agradecimentos a todos.

* * *

Feliz espera!

por Claudemir Júnior

Adriana atrasou. Aliás, noivas sempre atrasam e não é de hoje. Mas, desta vez, o fato corriqueiro me fez refletir um pouco. O Matrimônio, afinal, gira em torno da espera. E esperar, não raro, consiste em mantermo-nos firmes em nossos propósitos mesmo depois de passada a hora que havíamos estabelecido por nossa própria conta.

Tudo no tempo certo. Primeiro espera-se pelo Chamado, pela Vocatio – sem a qual ninguém deveria ousar embarcar nesta aventura, sob pena de colocar em sério risco a própria Salvação Eterna. É o Senhor quem chama e, sabemos todos, mais felizes seremos quanto mais nos assemelharmos àquilo de Ele quer que sejamos.

Em seguida, espera-se pelo outro, por aquele ao lado de quem se vai realizar a própria vocação. Uma vez que os dois se encontram – a si mesmos e um ao outro -, espera-se o momento certo de colocar em prática aquilo que o Altíssimo determinou. Chegada a data, espera-se a hora marcada. Chegada a hora, espera-se a noiva diante do Altar do Senhor.

Sacramentada a união, esperam-se os frutos do amor fértil; esperam-se as surpresas que a Providência reserva aos que resolveram embarcar na aventura do amor conjugal; esperam-se as forças do alto para suportar e, quiçá, superar os diversos obstáculos que surgirão pelo caminho; e espera-se, por fim, o termo ao qual conduz toda vocação bem vivida: a Bem-Aventurança Eterna, onde Nosso Senhor nos espera.

Eu esperei. Desta vez, não foram apenas os nubentes que esperaram ansiosos por este último sábado, 29 de setembro de 2012. Eu também esperei muito por este dia. O dia mais importante, até o presente momento, na vida dos meus amigos Adriana e Jorge, o dia da realização da vocação dos dois.

Esperei por este momento por ter tido, por graça de Deus, a honra de ter presenciado ao longo de muitos anos alguns dos grandes passos e transformações na vida deste meu grande amigo. Mas, faltava algo. Eu não conhecia ao certo a vocação de Jorge, mas, em oração, pedia à Virgem Santíssima que não o deixasse esperar por muito mais tempo por esta fundamental decisão.

E Ela não tardou em atender as minhas – e não só minhas, certamente – preces, pois, eis que, de forma inesperada, surge aquela que Deus escolheu para ser com Jorge uma só carne, aquela que o Altíssimo reservou dentre tantas outras para mudar de forma drástica a vida dele, aquela que o Senhor de nossas vidas escolheu para ser o auxílio e a companhia constante na conversão diária do meu amigo.

Adriana veio e mudou tudo. Aquele a quem, em brincadeiras, eu costumava alcunhar de “avocacionado” agora tinha uma vocação muito clara. Jorge estava resoluto desde o princípio, mas eu demorei a me dar conta de que, agora, realmente Nosso Senhor havia decretado no tempo aquilo que já havia decretado desde toda a eternidade: a salvação da alma do meu amigo deveria passar pelo doce e árduo caminho do Santo Matrimônio.

E, nos dizeres de Chesterton, “o casamento é um duelo mortal que nenhum homem honrado deve rejeitar”. E meu amigo é um homem honrado, e jamais declinaria um duelo mortal ao qual fora por Deus chamado!

Eu chorei. Emocionei-me neste casamento como jamais havia me emocionado em qualquer outro. Não que eu já não tenha honrosamente presenciado as núpcias de outros grandes amigos, mas, desta vez era diferente. Desta vez estava para acontecer diante do altar algo que muito esperei. Desta vez Jorge era o noivo! Quem esperava?! E um noivo sorridente. Brilho no olhar e a felicidade estampada em seu rosto, mormente quando avistou, de longe, a bela noiva adentrar a Igreja.

A espera acabou. Adriana, enfim, apareceu. Jorge sorriu com ainda mais vigor. Ela, emocionada, seguiu ao encontro de seu escolhido. Ambos, de braços dados, subiram ao altar d’Aquele que os havia convocado, o altar do Deus que é a Alegria a nossa juventude! Depositaram ali mesmo as suas vidas, entregando-as um ao outro. Deram o consentimento sacramental diante de Deus e dos homens.

Enfim, casados! Parabéns, amigos! Sejam santos! Que Jorge possa na vida de Adriana ser aquilo que Cristo é para a Igreja. Que ele saiba amá-la e conduzi-la à Glória Eterna, apresentando-a sem ruga nem mancha, mas santa e irrepreensível diante do Altíssimo (cf. Ef 5, 27).

Que Adriana possa retribuir amando-o e respeitando-o, cumprindo dignamente o seu papel de esposa e mãe, tal qual a Virgem Santíssima na Sagrada Família de Nazaré. Enfim, que “animados pela força do Evangelho sejam, entre todos, verdadeiras testemunhas de Cristo; sejam eles fecundos em filhos, pais de comprovada virtude, e possam ver os filhos de seus filhos; e que após uma vida longa e feliz, alcancem o reino do céu e o convívio dos santos” (cf. Benção Nupcial). Assim seja!

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

One thought on “Feliz espera!, por Claudemir Júnior

  1. Vanderley

    Meus Parabéns, Jorge.
    Não sabia que tinha casado.

    Felicidades ao casal !!