Na Dinamarca, onde o aborto é legalizado, a taxa de mortalidade entre as mulheres que abortam é três vezes maior do que entre as que não abortam

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 11 meses 12 dias atrás.

O aborto é intrinsecamente errado porque é o assassinato direto de um ser humano inocente, é um mal em si; e o que é mal em si não pode ser utilizado nem mesmo para se obter um fim bom. Assim, p.ex., supondo-se que certos efeitos bons pudessem decorrer [da legalização] do aborto (p.ex., uma melhoria da saúde das mulheres de um país), ainda assim o aborto não poderia ser aceito. A discussão aqui não é meramente utilitarista, e sim de princípios: se for sempre errado matar um ser humano, então os seres humanos não podem ser mortos em nenhuma situação. Trazer a discussão para uma casuística forçada (“ah, vejam as pobres mulheres que morrem fazendo abortos clandestinos!”) é falsificá-la e se furtar a encará-la no campo dos princípios, que é o seu lugar natural e, portanto, é o foro onde ela deve ser tratada.

Mesmo assim, é interessante ver que até a nível utilitarista o aborto é uma péssima idéia. Recentemente divulgou-se (aqui no original de LifeSiteNews.com; aqui em uma adaptação para o português) um estudo realizado na Dinamarca com mulheres em idade fértil ao longo de 25 anos. Uma das suas conclusões é que um único aborto realizado aumenta o risco de morte materna em 45% em comparação com as mulheres que nunca fizeram um aborto. E este efeito é cumulativo (o que se chama, segundo LSN, de “dose effect”): para mulheres que fizeram dois abortos, este percentual aumenta para 114%; com três ou mais, chegamos a um risco de morte 192% maior em comparação com quem nunca realizou um aborto. Ou seja, praticamente três vezes maior.

Atenção! Não estamos falando simplesmente de mortes decorrentes diretamente do aborto em si (digamos, complicações pós-abortivas), é lógico, porque a taxa de mortalidade por complicações de aborto de quem nunca realizou aborto algum é zero. Está-se falando de mortalidade em geral. O Abstract do artigo explica a sua metodologia: foram utilizados «dados das mulheres nascidas entre 1962 e 1993 (n = 1.001.266) (…) para identificar relações entre padrões de término de gravidez e taxas de mortalidade ao longo de 25 anos». Analisando-se um universo de mais de um milhão de mulheres, descobriu-se que as mulheres que realizaram abortos apresentavam uma taxa de mortalidade até três vezes maior do que aquelas cujas gravidezes sempre terminaram em nascimentos! E ainda nos querem convencer que os promotores do aborto estão preocupados com a saúde das mulheres…

Aqui não se trata, repitamos, de mortes decorrentes de abortos clandestinos realizados “em condições inseguras”: nós estamos falando da Dinamarca, onde o aborto é legalizado há quase quarenta anos (legislação obtida via Wikipedia)! Ou seja, legalizar o aborto só fez com que as taxas de mortalidade entre as mulheres que abortam fossem três vezes maiores do que entre as que não abortam. À luz destes dados, cabe perguntar quais são os reais interesses por detrás dos que promovem o aborto. Será que estão realmente falando da saúde das mulheres?

Com base nestes números, podemos com segurança dizer que a verdadeira “questão de saúde pública” responsável por altos índices de mortalidade materna é o aborto em si, e não a sua proibição. Muito pelo contrário até: se desejamos melhorar a saúde das nossas mulheres, é fundamental garantir que elas não realizem jamais nenhum aborto, para que assim possam viver mais e melhor.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

4 thoughts on “Na Dinamarca, onde o aborto é legalizado, a taxa de mortalidade entre as mulheres que abortam é três vezes maior do que entre as que não abortam

  1. Ale Costa

    Prezado Editor do Excelente Deus lo Vult!

    Criei o blog Ordem Natural há alguns anos, com a intenção de compartilhar meus estudos na área de filosofia. Mesmo sem me distanciar dos objetivos iniciais, o foco dos meus estudos tornou-se mais amplo e passou a abordar as questões relacionadas à revolução cultural e à inversão de valores que está em curso na sociedade ocidental.
    Como estes ataques aos valores ocidentais têm como objetivo muito claro a implantação de um governo mundial totalitário, o blog também passou a dar mais destaque aos fenômenos relacionados à chamada Nova Ordem Mundial.
    Acredito que nesse tempo os leitores do meu blog tiveram acesso a muitas informações não disponíveis na grande imprensa e isso resulta não apenas dos meus textos, mas também do trabalho de outros blogs empenhados em desvendar e divulgar as artimanhas daqueles que pretendem se eternizar no poder. Exatamente por isso meu blog conta com muitos links para sites, blogs, fóruns, livros e documentários.
    Acontece que o número de links que disponibilizo é muito superior aos links que levam para o meu blog, isso rebaixa meu índice de classificação entre os buscadores e prejudica minha visitação. Para impedir que esse prejuízo perdure e para permitir que mais leitores encontrem meu blog no Google, tenho duas opções: conseguir mais links que levam ao Ordem Natural, ou eliminar alguns links que disponibilizo no blog.
    Não gostaria de deletar nenhum link, pois considero que toda informação é válida para orientação das pessoas que desejam conhecer melhor o mundo em que vivemos. Para isso, no entanto, preciso aumentar o número de blogs com links para o Ordem Natural, e esse apelo é a razão deste texto.
    Tenho um link para o seu blog há muito tempo e acabei de verificar que o mesmo não ocorre do outro lado. Peço gentilmente para que inclua um link do Ordem Natural em seu blog, de forma a garantir uma reciprocidade justa e solidária, que vai não apenas ajudar ambos os blogs como também aos leitores ávidos por informações que estão ausentes na grande imprensa.
    Não espero que concorde com tudo o que escrevo, da mesma forma que algumas vezes discordo de alguns temas abordados por sites que ajudo a divulgar. Apenas Deus pode estar sempre certo. Tenho plena consciência de não ser o dono da razão e sempre que alguém evidencia um erro meu, assumo e o corrijo sem qualquer vaidade, pois acredito que apenas os idiotas não mudam de idéia diante de novos fatos.
    Resumindo, minha intenção é continuar disponibilizando o maior número possível de links que abordem assuntos relacionados à Nova Ordem Mundial, governo totalitário, revolução cultural e inversão de valores, mas para que meu blog não seja prejudicado, gostaria de contar com um link em sua página.
    Espero sinceramente que compreenda minhas razões e assim poderemos aprofundar nossa parceria e ampliar o alcance do nosso trabalho, o que certamente vai trazer benefícios a todas as partes.
    Fico à disposição para eventuais esclarecimentos e agradeço desde já sua atenção.
    E que Deus ilumine nosso caminho.
    Abraços,
    Ale Costa
    Ordem Natural
    [email protected]
    http://ordem-natural.blogspot.com

  2. Pingback: Mulher morre em aborto “seguro” | Humanitatis – a internet para o homem

  3. Pingback: Deus lo Vult!: Restrospectiva 2012 | Deus lo Vult!