Curtas: moral e bons costumes, objeção de consciência no Uruguai, reconhecimento jurídico de nascituro como pessoa e mulher que tenta matar filho por não poder cuidar dele

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 10 meses 4 dias atrás.

Governador do Rio de Janeiro aprova lei sobre moral e bons costumes. «Sancionado na quinta-feira pelo governador Sérgio Cabral, o projeto de lei, de autoria da deputada Myrian Rios (PSD), tem a finalidade “promover o resgate da cidadania, o fortalecimento das relações humanas e a valorização da família, da escola e da comunidade como um todo”».

A propósito, o deputado Jean Wyllys não perdeu a chance de reclamar da nova lei no Twitter – o que não deixa de ser uma curiosa confissão involuntária de que o gay-way-of-life do qual Sua Insselença é ferrenho defensor vê na defesa da moral e dos bons costumes uma ameaça à sua causa. Bom saber.

* * *

Médicos ginecologistas no Uruguai recusam-se a fazer abortos. Segundo informa ACI Prensatodos os ginecologistas de Salto (quarto estado mais populoso do país) apresentaram objeção de consciência; em outros lugares, são mais de noventa por cento!

Uma lei pró-aborto já fora vetada no Uruguai uma vez, mas os abortistas não descansaram e, infelizmente, conseguiram aprová-la no último trimestre do ano passado. Entidades pró-vida do país estão trabalhando para revogá-la.

Curiosa, ainda, é uma informação publicada no primeiro link: o Ministério da Saúde do país pretende exigir uma justificativa “real” (!) da objeção de consciência, pois considera que alguns médicos “abusam” (!!) desta alternativa sem ter razões religiosas ou filosóficas para tal. Ou seja, agora um órgão do Governo considera avaliar a consciência de cada um para julgar se ela está objetando validamente ou não! O disparate chega a ser cômico, mas é preciso tomar cuidado com ele. Afinal, se aceita, uma sandice dessas pode abrir um perigoso precedente.

* * *

Tribunal dos EUA considera bebê não-nascido como pessoa. Alvissareira notícia, que chegou a ser classificada pela Personhood USA como «a mais importante sobre o reconhecimento de direitos pessoais de nascituros desde 1973»!

O caso envolveu duas mulheres que teriam colocado seus filhos, ainda no ventre, em risco de morte, tendo ingerido drogas ilegais. No Alabama é crime expor uma criança a substâncias reguladas como tóxicas. O filho de uma das mulheres nasceu prematuro, com 25 semanas, e morreu 19 minutos depois do parto. A autópsia mostrou que o bebê morreu por exposição à metanfetaminas.

* * *

– Americana tenta matar o filho com faca e afirma: ‘Não posso cuidar, e não quero que ele sofra’. Qualquer semelhança não é mera coincidência: esta é rigorosamente a mesma “justificativa” apresentada por uma miríade de defensores do aborto quando querem “argumentar” a favor do “direito” da mulher de decidir se deixa ou não o seu filho nascer. Por que no primeiro caso a mulher deve ser presa e, neste último, receber recursos do Governo para concretizar o seu intento assassino?

De acordo com o jornal ‘Daily News’, ela foi detida logo após tentar matar o próprio filho, de 17 anos, com uma faca. Além do ato da mãe, chocante por si só, também causou espanto a justificativa dada no momento em que os policiais chegaram ao local:

– Eu queria matá-lo porque não tenho condições de cuidar dele, e não quero que ele sofra – afirmou Sheronda.

As autoridades foram acionadas por John Burroughs, um vizinho da família. Ele ligou para o 911 (equivalente ao brasileiro 190) depois de ouvir os pedidos de socorro da boca do próprio jovem, que saiu de casa correndo: “Ei, senhor! Você pode me ajudar? Minha mãe está tentando me matar”, teria dito o rapaz.

“Ei, senhor, você pode me ajudar? Minha mãe está tentando me matar”. Aqui, quem o disse foi um rapaz de 17 anos. Mas a mesmíssima súplica poderia ter saído dos lábios de uma criança cuja mãe está procurando abortá-la, se esta criança pudesse falar. Ouçamos a voz dos inocentes! Eles clamam por socorro.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

5 thoughts on “Curtas: moral e bons costumes, objeção de consciência no Uruguai, reconhecimento jurídico de nascituro como pessoa e mulher que tenta matar filho por não poder cuidar dele

  1. Benjamin Bee

    “…não deixa de ser uma curiosa confissão involuntária de que o gay-way-of-life (…) vê na defesa da moral e dos bons costumes uma ameaça à sua causa.”

    Foi isso mesmo que você quis dizer?

    Evidentemente isso não é verdade. Somos pela moral e bons costumes. Por exemplo: somos pela equiparação da homofobia ao racismo, somos pela família homoparental, somos pela educação escolar para a diversidade sexual, pela igualdade entre todas as pessoas e principalmente pela igualdade efetiva da mulher ao homem, pelo fim da escravidão feminina, etc, entre muitos outros exemplos de legítima boa moral e bons costumes modernos, contemporâneos, progressistas; que oportunamente substituirão os valores contrários, perniciosos e inconstitucionais como a homofobia, o machismo (superioridade do homem sobre a mulher obrigando -a à obediência compulsoria), a ignorância da diversidade, a escravidão de gêneros, etc, que serão inevitavelmente analisados, avaliados e revisados conforme proclama a lei.

    O que Jean Wyllys comenta, e você replica tendenciosamente é a maneira como foi colocado e por quem. Felizmente, essa lei, apesar da malícia como foi apresentada num estado brasileiro que vive tempos de reacionarismo, é via de mão dupla.

    Agora, se você aplaude essa lei é porque vê nela a possibilidade do conservadorismo tirar partido nos dias de hoje, pelo menos enquanto os conservadores estiverem no poder. Isso é o suficiente para justificar o comentário do Jean Wyllys.

    O tempo das manobras de oratória acabaram, Ferraz.

  2. Álvaro

    Rapaz!!! O dono do blog “Gay católico” não se cansa de pertubar..aqui vai meu desabafo porque nos blogs evangélicos lá está ele….denunciou o pastor SILAS no Ministério Público e quando o pastor ganhou a ação em uma sentença lindíssima publicada lá no outro blog lá estava ele todo raivozinho…não respeita a fé de ninguém e eu não sei como o administrador do Gnotícias Gospel ainda tem paciência contigo…e fora os outros blogs que vc perturba…sério cara…isso não te cansa não?

    O “Deus lo vult” é um dos pouquíssimos blogs católicos que frequento..mas nunca desrespeitei ninguém…e das discussões(debates) que já tive contigo tu já dissestes tantas baboseiras que a última que me lembro era que o papa era gay…eu mostro o link aqui se você quiser…sério cara…deixa de se auto-afirmar…vc sabe que isso é pecado e não quer aceitar,pois vai viver a tua vida e deixar de perturbar nos blogs!!!Benjamim Bee,sério mesmo,o tempo das tuas perturbações tem que acabar e como eu acredito em um DEUS misericordioso que transforma vidas….eu ainda creio na sua conversão…l

  3. Álvaro

    Você também podia falar do “PL gabriela”(apelido do projeto de lei do “deputado BBB” sobre a prostituição…e sobre as outras propostas dele) antes de cuspir baboseiras contra a bancada evangélica como tu sempre fazes no outro blog…

  4. Leniéverson Azeredo

    Eu vou colocar aqui um artigo que escrevi no meu blog e no próximo comentário eu refuto o Benjamim Bee.

    Nesta quinta-feira, dia 17 de janeiro, foi sancionada pelo Governador do Estado do Rio de Janeiro, um projeto de Lei da Deputada Estadual, Myrian Rios. Intitulado de “Programa de resgate de valores morais, sociais, éticos e espirituais” e, mais conhecida, por “Moral e dos Bons Costumes”, a lei tem por finalidade “desenvolver ações essenciais que contribuam para uma convivência saudável entre pessoas, estabelecendo relações de confiança e respeito mútuo, alicerçada em valores éticos, morais, sociais, afetivos e espirituais, como instrumento capaz de prevenir e combater diversas formas de violência”.
    Embora, algumas pessoas, grande parte da imprensa e as autoridades não visualizem a aplicabilidade da Lei e como será efetiva- como se pode ver no Twitter, ela é interessante pois lembra a sociedade de pontos, que na verdade, deveriam ser ensinados no foro familiar, que é o respeito aos idosos e aos deficientes (compreendendo que se deve dar lugar a eles no ônibus – se for deficiente em grau que a o impeça de se locomover-, entender a fila preferencial no banco, etc), a prática de caridade, o incentivo ao espirito agregador familiar, ser prudente no trânsito. Isso envolve família, igreja, autoridades governamentais, dentre outras coisas.
    Muita gente confundiu erroneamente como se fosse um projeto “conservador”, no sentido de se haver uma orientação religiosa, como se todas essas coisas só tivessem uma conotação religiosa, tem também uma conotação coletiva, educativa, uma provocação para que a sociedade, se auto-examine, se auto avalie. Não são conceitos do tipo “o que vale para outro, não vale para mim”, eles são conceitos universais: de gentileza e de verdadeiro chamamento a mudança de atitude, que, como eu disse acima, deveriam vir “de fábrica”, ou seja, de berço.
    Estamos passando por uma crise de valores sem precedentes em nosso país, o que é certo está virando errado, o que é errado está virando certo, honestidade está virando defeito e, praticas de corrupção, sobretudo, a política – leia-se populismo e fisiologismo (a troca de favores para receber algo em troca) -, pessoas que apoiam projetos de lei que regulamentam a prostituição, que não veem a família como homem, mulher e filhos, vêm se tornando uma virtude. É o que a sociologia e filosofia costumam, em comum de relativismo.
    Como esperado, o projeto gerou reações, um tanto, violentas, se é que podemos dizer, também, agressivas e ignorantes. Mas, não são as críticas ao projeto que chamam mais atenção, são críticas feitas a pessoa da deputada Myrian Rios, que é missionária católica da Comunidade de Aliança da Católica Canção Nova, há um pouco mais de 10 anos. Ela teve uma vida um tanto agitada, antes da conversão trabalhou mais de 30 anos como atriz, onde fez muito trabalhos de teatro, atuou em televisão (onde passou pelas TV Globo, SBT, Tupi, Manchete e já até interpretou a Irmã Catarina na TV Século XXI – uma Rede de Televisão Católica, com sede em Valinhos – SP). E, também, já posou nua em algumas revistas voltadas para o segmento masculino, como, por exemplo, “Ela e Ele” e “Playboy”. Ela teve envolvimento com o cantor Roberto Carlos, com o Ator André Gonçalves e o empresário Edmar, que deram, cada um, a Myrian, um filho.
    No Twitter, essas informações têm sido usadas pelos internautas e segmentos da imprensa secular, como as “balas de prata”, para dizer que a Myrian, não tem moral para criar este projeto, portanto, ela é hipócrita. Quando os críticos usam essas “balas de prata” para mostrar indignação, se inicia um problema e uma constatação. O problema é a agressão e a intolerância e, a constatação é que ambos, internautas e certos segmentos do jornalismo, não dominam questões referentes à metanóia (mudança de vida) e o próprio e autêntico cristianismo, como um todo.
    Myrian Rios, quando se converteu ao catolicismo disse em um testemunho, durante o II Festival de Artes, na Canção Nova, em 21/06/2008:

    “Eu passei dos meus limites, aceitei assinar um contrato com uma grande emissora e queria ficar famosa e ganhar muito dinheiro, fiz algumas fotos sensuais com a finalidade de ter mais dinheiro para pagar minhas contas. Eu pensava comigo que aquela oportunidade havia caído do céu, mas na verdade não caiu do céu, veio foi do inferno! Eu me lembro de que cheguei no estúdio para fazer este trabalho constrangedor e estava com muita vergonha, mas precisava estar ali para pagar minhas contas.
    Mas Deus às vezes nos permite “enfiar o pé na lama” para que possamos provar de que na verdade Ele quer nos dar uma vida de paz e prosperidade. Os trabalhos que convidaram para que eu fizesse falavam sobre adultério, sobre roubo, sobre passar as pessoas para trás. Lembro que na época em que começou a AIDS, eu tive que fazer um pedido para um diretor meu de não me filmar numa cena beijando um colega de trabalho que era homossexual e tinha AIDS, pois eu tinha medo de pegar AIDS dele, porém depois fui perceber que eu não tinha que me preocupar se eu ia pegar AIDS ou não, mas sim me preocupar com aquela pessoa que tinha se desviado em seus caminhos e tentar ajudá-la de alguma forma.
    Alguns pensam que eu fiquei louca, porém eu não ligo, pois sei que meu lugar é o céu. Há cinco anos que estou na Canção Nova e comecei prestando serviços e hoje sou da Comunidade como aliança. Eu chamava uns amigos meus nos programas e eles achavam estranho, falavam que havia alguma coisa diferente, pois nas emissoras seculares nas gravações ouvíamos xingamentos, gritos e aqui todos os tratavam muito bem.
    No dia em que eu marquei com o Eto [administrador da Fundação João Paulo II,órgão mantenedor da Comunidade e do Sistema Canção Nova de Comunicação] para me colocar a disposição da Canção Nova, eu cheguei e falei: “estou aqui, eu sou atriz, eu falo Inglês e estou disposição para fazer qualquer coisa aqui como voluntária”. “Se você abre o seu coração com docilidade, com obediência, com docilidade, Deus agirá em você, agora se você disser, “eu quero ser um artista de Deus”, mas continuar fumando maconha, vivendo um namoro no pecado, você não será ajudado por Deus”.
    O profeta Isaias, diz no capitúlo 65, versículo 17, que Deus cria ou criar um novo céu e uma nova terra para os membros do seu Reino, e, mais: o passado desses membros não será mais lembrado e não voltará mais à memória”.

    Falando sobre pedofilia.
    O Pai Celestial promete aos seus filhos uma vida renovada, nos ama apesar de nossos pecados, não costuma fazer acepção de pessoas, nos ama independente do nosso passado. No intra-cristianismo, ou seja, dentro de uma redoma, digamos, – lá frente eu explico porquê dessa palavra-, todos lidam com a metanóia (mudança de vida), como uma conversão. Encara aquela pessoa, a partir dos seus novos bons atos – dentro de uma perspectiva cristã – e testemunho de vida, como alguém regenerado e transformado pelo poder divino. Afinal, vamos convir, será que um ex-traficante de drogas ilícitas, que hoje está limpo, não tem o direito de ministrar palestras sobre os riscos do uso de drogas? Um ex-usuário de álcool do Alcoólicos Anônimos não tem o direito de falar sobre os riscos do uso excessivo da bebida alcoólica? Uma ex-prostituta não pode falar dos riscos da prostituição? Uma pessoa que praticou aborto e se arrependeu, não pode falar sobre e participar de campanhas contrárias ao aborto, a exemplo da cantora e atriz, Elba Ramalho? Mas, é claro que pode, porque não? Se nós usarmos o raciocínio lógico, há coisas e contas que não fecham e não batem, por conta de preconceitos e estupidezes.
    Fora da redoma religiosa, e principalmente quando aquela pessoa, é pública e notória como a atriz e deputada Myrian Rios, a conversão é tida com desconfiança – porque acha que será algo momentâneo, que a pessoa quer virar pastora (pastora?) – como sinônimo de que a pessoa não tem moral para criar leis a favor da……moral. O passado acaba, nesse entendimento, exercendo o papel de um fantasma a cola da pessoa, ou seja, determina simbioticamente para certos comentaristas e parte da imprensa, uma condenação eterna.Sem fazer um juízo de valor, certamente, a Myrian Rios, vem encarando isso de forma serena, pelo menos publicamente, o que é a forma correta. Não se deve dar bola para comentários medíocres, carregados de idiotices; ignorâncias, agressividade e, confundir o público com a vida pessoal da parlamentar.
    Hoje em dia, se desrespeita leis de trânsito – onde muita gente dirige sob efeito de álcool, não usa cinto de segurança, fala-se muito ao celular, briga-se muito no trânsito, coloca criança no banco da frente, dentre outras aberrações que infringem o Código de Trânsito Brasileiro -, muita gente não dá lugar aos idosos, gravidas, mulheres com crianças e deficientes físicos graves nos transportes coletivos, não se respeitam leis sobre acessibilidade, há brigas de torcidas de esportes coletivos – a exemplo do futebol -, há muita violência doméstica – verbal e física- contra mulheres (mesmo com a Lei Maria da Penha), crianças (mesmo com o Estatuto da Criança e Adolescente) e idosos (mesmo com o Estatuto do Idoso), a conhecida prática do Bullying, assédio moral e sexual (onde inclui o famoso teste do sofá), gente que quer subir de nível passando por cima do outro de forma desonesta, gente que fura fila em banco, almoço e lanche de escola (quando se é criança e adolescente, pessoas que tocam música alta – quando o vizinho precisa de sossego, a intolerância contra as religiões e outras coisas de arrepiar os cabelos. Essas coisas por si só, mostram o quão a lei é necessária, já que em muitos lares, por diversos motivos, não se ensinam noções de moral, bons costumes e respeito, que o Estado intervenha, nada mais que natural.
    Ela, Myrian, também, não deve dar bola para a imprensa. Os meios de comunicações sociais jornalísticos, não entendem de cristianismo. São raríssimos os meios de informação no Brasil, que tenha uma editoria ou uma coluna de religião, no caso, da religião católica. Tem se as editorias de esportes, de Cultura e Artes, de política, de Cidades, de Ciências, de Economia, de Agricultura, dentre outras, mas menos de religião. Há por aí, em algumas redações, a figura do jornalista, que se arvora apologeta; hermeneuta e exegeta e, quaaaando convidam religiosos, dão a preferência à aqueles que cometem as mais horrendas e bizarras heresias. Isso faz com que haja mais deformação e desinformação, do que informação.
    Quem está fora da redoma, não conhece a pessoa da Myrian Rios, não conhece a dinâmica da conversão – além do ‘aceitar de Jesus’, como Senhor e Salvador. Como alguém que é capaz de mudar vidas. Sobra-se arrogância e falta-se a compaixão. E mostra o quanto a Lei se faz necessária, para dar, desde a mais tenra idade, ensinar o respeito e fazer debates de forma educada, com ideias, sem clichês e ofensas gratuitas. De resto, os comentários agressivos mostram que uma parcela da sociedade brasileira, não vive só uma inversão de valores, está ficando mais idiota.

  5. Leniéverson Azeredo

    Em Março de 2013, eu completo 6 anos como comentarista do “Deus lo Vult”. De lá para cá convivi e li com alguns comentaristas exóticos e surpreendentemente bizarros. O Benjamim Bee faz parte da turma de comentarista que tem esse perfil e até um dos melhores. A sutileza arrogante, vamos ler seus escritos:
    “Evidentemente isso não é verdade. Somos pela moral e bons costumes. Por exemplo: somos pela equiparação da homofobia ao racismo, somos pela família homoparental, somos pela educação escolar para a diversidade sexual, pela igualdade entre todas as pessoas e principalmente pela igualdade efetiva da mulher ao homem, pelo fim da escravidão feminina, etc, entre muitos outros exemplos de legítima boa moral e bons costumes modernos, contemporâneos, progressistas; que oportunamente substituirão os valores contrários, perniciosos e inconstitucionais como a homofobia, o machismo (superioridade do homem sobre a mulher obrigando -a à obediência compulsoria), a ignorância da diversidade, a escravidão de gêneros, etc, que serão inevitavelmente analisados, avaliados e revisados conforme proclama a lei.”

    Vejam só, minha gente, nem original o Benjamim Bee é. Ele é tão desonesto que não sabe pensar por si só. Ele faz um Control V + Control C de qualquer livro Marxista, Gramiscista, de Adorno, dentre outros do gênero. Alias, um sistema que mostra retunda decadência, seja num aspectos ideológico, seja no aspecto político (ou quer que eu dê uma aula de como os paises liderados por partidos políticos estão fazendo seus paises irem para o buraco?). Quando vc vier comentar, seja original tente argumentar com suas palavras porque o progressismo é bom e o conservadorismo é do mal?Vc não explicou, apenas fez um copia e cola. O próprio Jorge Ferraz, dono do Blog toda hora fala que esse tipo de artifício é prova de falta de argumento e demostração de falta de sabedoria. Se consideras inteligente assim, vc é digno de risos.Mas vamos continuar.

    “O que Jean Wyllys comenta, e você replica tendenciosamente é a maneira como foi colocado e por quem. Felizmente, essa lei, apesar da malícia como foi apresentada num estado brasileiro que vive tempos de reacionarismo, é via de mão dupla.”

    Oras, o que é ser tendencioso?Este é um blog católico que tem a tendencia de falar de acordo com a doutrina católica e a bíblia. Da mesma forma, que vc faz, mas de forma errada com o seu copia e cola. Alias, se vc tentar em algumas escolas entregar trabalhos assim, vc será facilmente reprovado, Bee. Vc deve ter sido um péssimo aluno, não?Não sei, né?Quanto ao Jean Wyllys, eu não consigo visualizar alguem que não sabe debater e age com grosseria e bloqueia as pessoas no Twitter, pois é, ele fez comigo.e com outros – que eu sei Se a pessoa não gosta de debate e gosta de bajulação, o que se conclui é que ele é chegado ao uma ditadura e monólogo, O que sou inclinado a considerar, tendo em vista que ele é socialista.

    “Agora, se você aplaude essa lei é porque vê nela a possibilidade do conservadorismo tirar partido nos dias de hoje, pelo menos enquanto os conservadores estiverem no poder. Isso é o suficiente para justificar o comentário do Jean Wyllys.
    O tempo das manobras de oratória acabaram, Ferraz.”

    Nossa, Bee, foi o único momento que vc demonstrou algo próximo da originalidade, mas não cola, pois diferente do Jean Wyllys, ela, a Myrian Rios, não foi eleita com o voto de legenda, foi eleita, de fato, pelo voto popular. Que tal vc ler algo sério e honesto sobre ciência política, tá precisando.
    Quanto a manobra de orátória, se vc quer ensinar algo com o seu copia e cola tamos lascados.

    Obs1: Vc deve todo feliz por causa do artigo da Rute de Aquino, da Revista Época, né?
    http://revistaepoca.globo.com/Mente-aberta/ruth-de-aquino/noticia/2013/01/uma-crianca-papai-mamae.html

    Mas, esqueça Bee, jornalista militante com fontes miltantes gay não valem. O uso de fontes jornalísticas ligadas a extrema-esquerda é prova de desonestidade.Perdeu, Bee?

    Obs2: Alvaro, vou dar um conselho, o Bee é assim mesmo, a natureza dele ou dela é assim mesmo.É um perturbador infeliz e vazio.Reze pela alma dele. Afinal, né?”Perdoa ele, Senhor, não sabe o que fala”!