O fascismo, a liberdade e a TFP

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 5 meses 2 dias atrás.

Penso que deveríamos prestar mais atenção ao trabalho que os caravanistas do IPCO estão realizando neste mês de férias escolares. A razão é simples: os próceres do movimento revolucionário têm se mostrado muito preocupados com a Cruzada pela Família que está sendo conduzida com galhardia por estes jovens de São Paulo.

Quem tiver paciência, assista ao vídeo abaixo. São dezessete angustiantes minutos, filmados por alguém que era contrário à campanha do IPCO que estava sendo realizada no centro de Curitiba. Desde já advirto que ele contém palavras de baixo calão proferidas em alto e bom som, com uma nitidez despudorada que faria o Gloria.tv classificar o vídeo como impróprio para menores se o mesmo critério usado pelo Youtube para identificar imagens indecentes fosse aqui aplicado na identificação de palavras indecorosas. O Edson Oliveira também denunciou.

A situação é verdadeiramente surreal. Logo no primeiro minuto, alguém grita “Opa, opa, não vai encostar a mão em mim!”, quase esfregando a cara no rosto do caravanista do IPCO, no mais caricato estilo “cavando falta” que era comum encontrar na minha infância entre meninos que estavam doidos para brigar mas não queriam dar o primeiro tapa – e, talvez por alguma espécie de farisaísmo congênito, pareciam estar moralmente convencidos de que o estopim da briga não lhes poderia ser atribuído conquanto não fossem os primeiros a usar as mãos. Enquanto isso, outra menina grita: “vai, seu palhaço, bate, seu palhaço”. Este comportamento se repete com uma monótona regularidade ao longo de todo o vídeo. Os rapazes do IPCO demonstraram um auto-controle admirável, uma paciência de Jó: estão de parabéns.

Por volta dos dois minutos, a turba ameaça não deixar os caravanistas passarem. Eles gritam: “Queremos liberdade! A rua é de todos!”. Seguem. Aos 3m40,  começam a cantar: “A nossa Fé, ó Virgem, o brado abençoai! Queremos Deus, que é o nosso Rei! Queremos Deus, que é o nosso pai!” Enquanto a música está sendo cantada (até perto dos seis minutos), o “narrador” do vídeo (o sujeito que está gravando) vomita os mais baixos impropérios, atingindo níveis estratosféricos de histeria.

Aos 6m15, o “narrador” do vídeo proclama o seu manifesto: “isto aqui é pra mostrar a palhaçada … é pra mostrar a ridicularidade, que estes aqui dizem se chamar de liberdade. Liberdade é expressar seu pensamento, mas sem agredir o pensamento de ninguém. Sem incitar violência, sem usar o nome de Deus. Sem usar o Santo Nome pra se promover. Nazista! Nazista! Nazista!”. Aparentemente sem fazer a menor idéia do que está acontecendo, uma garota (talvez atraída pelo oba-oba) ostenta um cartaz recauchutado onde se pode ler “Todo apoio à luta do povo sírio”.

As agressões são muitas e várias. Sem mencionar as impublicáveis (que ocupam a maior parte das palavras de ordem berradas pela turba revolucionária), temos, p.ex.:

  • Aos 11m48, “Cadê o seu Deus agora?”
  • Aos 14m00. “vai embora, bando de racista! Vai embora, bando de racista!”
  • Perto dos 15m00, “volta pra São Paulo! Volta pra São Paulo pra levar [CENSURADO], lâmpada na cara! Quero ver!”
  • Logo depois, aos 15m30, enquanto os caravanistas estão indo embora e sobem na parada de ônibus: “Pedófilos! Pedófilos!”

É este “protesto” de baixo nível feito por gente “moderna” e “esclarecida” que querem nos empurrar goela abaixo, como se fosse natural ou – pior ainda! – como se fosse o único padrão de comportamento aceitável nos dias de hoje. Olhando o vídeo, é muito fácil de se ver de que lado está a intolerância, a incitação à violência, a ameaça à liberdade e a incapacidade de convívio social. É bastante óbvio que os jovens caravanistas do IPCO são as vítimas, e não os agressores nesta história toda.

Inacreditavelmente, há quem louve e aplauda este comportamento. Em um post de tom pateticamente ufanista chamado “Vamos rechaçar os reaças”, a sra. Lola Aronovich, feminista dedicada, jacta-se desta barbaridade. Diz que «semana passada, Curitiba mandou pra longe um grupo da TFP», linkando para este vídeo do Youtube onde estão registrados os minutos finais da odisséia que acompanhamos aqui. É cinicamente impressionante: todo o texto dela está carregado de um ar superior, civilizado e moderno, como se ela (e os que ela louva) fosse(m) porta-voz(es) de um mundo novo e melhor em nobre duelo contra as trevas da barbárie obscurantista. Ora, contra a beleza desta retórica fingida, basta olhar para as imagens nuas e cruas que nós temos! Maior discrepância entre a propaganda e o fato propagandeado não se poderia imaginar numa mente sã; a peça publicitária é de fazer inveja a Goebbels, já que esta turma gosta de referências nazi-fascistas (e as minhas, pelo menos, eu faço questão de justificar). E ela ainda termina o texto dizendo que não pretende entregar” a cidade «p[a]ra ser palco de fascistas»! Para alguém cujo texto parece um projeto do Ministero della Cultura Popolare, a referência chega a ser cômica. Vai ver, o que ela reivindica é o monopólio da praça pública para si, a fim de transformá-la em um veículo de propaganda ideológica barata. Deve ser isso.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

40 thoughts on “O fascismo, a liberdade e a TFP

  1. Júnior Dias

    Se as devidas providências não forem tomadas e esses agressores não forem processados é o mesmo que pedir para que essa situação se repita.

  2. Osmar Mario Cotching

    Meus cumprimentos Jorge. Precisamos de gente com coragem. Brademos cada vez mais alto à medida que o sono cúmplice colabora com a malícia dos maus: Deus lo vult.
    Acho que voce conhece a sentença horrível: “a voz que adormece, a mão de apaga”.
    Façamos o contrário. E confiemos na proteção de Nossa Senhora.

  3. Esmeraldo Tavechio

    É inacreditável o que este vídeo mostra, ver um bando de vagabundos que parece mais uma corja de drogados, uma verdadeira escória humana, com palavras de baixo calão, que envergonha o mais cético e vil vivente, é um assombro o que eles promovem:-desordem, falta de educação, falta de respeito, imoralidade e ou/, será isto que o povo brasileiro merece?… Com os atuais políticos que só roubam, com esta corrupção desenfreada, não devemos duvidar de nada neste País, é bem possível que eles aprovem esta malfadada idéia destes bastardos, para que eles possam ficar em paz com suas consciência de sulfrágio. Só Deus para nos livrar de um futuro incerto, e que nós continuamos com este movimento em pról das familias, amém, abraço Esmeraldo.

  4. Esmeraldo Tavechio

    Bom dia, com as graças de Deus, o vídeo deixou bem claro quem são os agressores, os jovens caravanistas do IPCO, fazem um trabalho brilhante em pról das famílias, para as pessoas que são verdadeiros seres humanos, que estão lutando para a continuidade da Moral, Ética e bons costumes. Mas infelismente eis que surge da sarjeta, do esgoto este bando de MARGINAIS, com suas idéias bizarras, querendo impor esta aberração entre nós, é claro que não vamos aceitar, e lutaremos incansavelmente, até banir esta malfadada desordem. Abraço Esmeraldo.

  5. Pingback: TFP sendo expulsa de Curitiba 14-01-2013 [BACKUP] | CatInfor.com

  6. Paulo Eduardo

    Esse tipo de gente ainda ladra por “direitos” e “respeito”; ora, eles sim são “reacionários” e preconceituosos. Não há nada mais vil e ordinário que uma súcia de gente mal educada, agressiva e pestilenta; não vi seres humanos mas uma malta de animais ululantes, caninamente enraivecidos, agindo como irracionais que de fato, seguramente são.

  7. Pingback: Turba de ativistas homossexuais agride católicos com obscenidades, cusparadas, pedradas: veja o vídeo! | Deus lo Vult!

  8. Pingback: Turba de ativistas homossexuais agride católicos com obscenidades, cusparadas, pedradas: veja o vídeo! | Católicos do Brasil