A falta de senso dos maus religiosos e dos ateus fanáticos

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 10 meses 17 dias atrás.

Ainda sobre a tragédia ocorrida na madrugada deste domingo em Santa Maria, preciso fazer mais dois comentários sobre as atitudes nonsense que algumas pessoas tiveram diante da catástrofe.

Primeiro: alguns religiosos ignorantes vieram a público insinuar que o incêndio fora um castigo de Deus (veja-se, p.ex., aqui e aqui) por conta dos pecados daqueles jovens. Ora, que me conste, ninguém tem procuração do Todo-Poderoso para afirmar peremptoriamente qual a motivação dos Seus atos em cada caso concreto – de modo que uma afirmação assim configura, no mínimo, um juízo temerário. Depois, escrever este tipo de coisa em público é uma tremenda falta de sensibilidade para com os familiares das vítimas, que já estão sofrendo o suficiente com a perda dos seus entes queridos.

Por fim, semelhante julgamento é fruto de um orgulho demoníaco. Contra aqueles que gostam de encontrar, entre vítimas de tragédias, pecadores maiores do que si próprios, Nosso Senhor já respondeu com bastante clareza nas páginas do Evangelho. São Lucas nos narra o seguinte episódio:

Neste mesmo tempo contavam alguns o que tinha acontecido a certos galileus, cujo sangue Pilatos misturara com os seus sacrifícios.

Jesus toma a palavra e lhes pergunta: Pensais vós que estes galileus foram maiores pecadores do que todos os outros galileus, por terem sido tratados desse modo? Não, digo-vos. Mas se não vos arrependerdes, perecereis todos do mesmo modo.

Ou cuidais que aqueles dezoito homens, sobre os quais caiu a torre de Siloé e os matou, foram mais culpados do que todos os demais habitantes de Jerusalém? Não, digo-vos. Mas se não vos arrependerdes, perecereis todos do mesmo modo.

Lc XIII 1-5

A passagem é suficientemente clara para não permitir tergiversações. Os jovens que morreram tragicamente na boate de Santa Maria não eram mais pecadores do que os outros jovens da cidade; dizer o contrário é ser leviano. Qualquer um pode encarar a tragédia como um castigo de Deus (a este respeito, veja-se aqui e aqui), mas não tem legitimidade alguma para julgar que os que nela pereceram fossem piores do que os que ficaram vivos. Afinal de contas, para todos nós, se estamos vivos hoje, é por graça e misericórdia de Deus. Se incêndio fosse castigo para pecadores, eu próprio já teria morrido queimado há muito tempo.

Segundo: como não existe nada feito por um religioso que um ateu não possa fazer mil vezes pior, o perfil do Facebook da ATEA aproveitou a tragédia de ontem para fazer um estúpido e insensível proselitismo irreligioso. Depois apagaram a imagem sem dar maiores satisfações; mas o pessoal do Anti-Ateísmo guardou. É a imagem seguinte, que aqui vai (naturalmente) cortada na parte de baixo em respeito às vítimas da tragédia de Santa Maria – respeito que os ateus do Facebook não tiveram quando a publicaram ontem integralmente [p.s.: na verdade, parece que a foto era de um outro incêndio fora do país, mas a imagem estava sendo compartilhada como se fosse da boate em Santa Maria – e, independente da fonte exata das imagens, a cretinice da exploração do sofrimento alheio para se fazer piada e propagação do ateísmo permanece]:

deus-cade-voce

Se é errado insinuar que as vítimas do acidente eram mais pecadoras do que a média, é muitíssimo mais errado expôr triunfalmente, em tom zombeteiro, os corpos empilhados para “provar” que Deus não existe. E esta estupidez foi feita pela mesmíssima página que criticou (acertadamente, como falei acima) uma foto que atribuía a tragédia aos pecados dos jovens, dizendo ser isto «[o] [t]ipo de coisa que vc nunca verá um ateu falando». De fato, isto eles não falam, mas falam mil vezes pior quando expõem os corpos amontoados para fazer piada sobre a existência de Deus! Se havia ainda alguma dúvida sobre a estreita correlação entre ateísmo e deficiências morais gravíssimas, o debate está encerrado: a ATEA acabou de demonstrá-la com eloqüência.

Mas fechemos um pouco os olhos à falta de alfabetização de quem nomeia uma página do Facebook como “Ateu Porquê o inferno é piada” e não sabe separar por vírgula o vocativo do restante da oração. Levemos a sua pergunta a sério: cadê Deus, enquanto jovens morrem (às centenas!) asfixiados por fumaça em um incêndio?

Deixemos de lado as respostas acadêmicas mais eruditas e respondamos simplesmente: Deus está na Cruz! Está ferido e sangrando, suspenso num madeiro, para provar que não é insensível aos sofrimentos humanos. Está agonizando, humilhado e sozinho, para fazer-Se próximo das mazelas dos homens como nunca ninguém foi capaz de se fazer. Está morto, nos braços da Virgem Santíssima aos pés da Cruz, para mostrar que Ele entende a injustiça, a morte, a dor e a perda de uma maneira muito mais profunda do que os homens são capazes de entender. Nenhuma página de dor da história da humanidade é alheia a Nosso Senhor Jesus Cristo, e nenhum sofrimento humano é necessariamente vão. O «Evangelho do Sofrimento» – para usar a bonita expressão da Salvifici Doloris – «vai sendo escrito, sem cessar, e fala constantemente com as palavras deste estranho paradoxo: as fontes da força divina jorram exactamente do seio da fraqueza humana» (SD, 27). E ainda: «[q]uanto mais o homem se vê ameaçado pelo pecado, quanto mais se apresentam pesadas as estruturas do pecado que comporta o mundo de hoje, maior é a eloquência que o sofrimento humano encerra em si mesmo e tanto mais a Igreja sente a necessidade de recorrer ao valor dos sofrimentos humanos para a salvação do mundo» (id. ibid.).

Aos que hoje choram, que lhes conforte saberem que, um dia, Deus também chorou. Aos que hoje sofrem, que lhes alivie saberem que, um dia, também Deus sofreu. Quanto aos maus religiosos e ateus fanáticos, que se calem diante da dor alheia – ao menos por consideração aos que sofrem -, já que não são capazes de fazer nada para mitigar-lhes o sofrimento. Ao menos, que não atrapalhem. Se não querem se unir ao coro dos que proclamam o Evangelho de Deus, ao menos que dêem livre trânsito à mensagem que pode efetivamente ajudar aos que sofrem.

E a mensagem é esta: eles têm Alguém que chore junto com eles, porque sofre também! Não estão sozinhos: têm Quem compartilhe com eles a dor, a tristeza e as lágrimas, como se fossem Suas. Porque são Suas, mais ainda do que deles. O alcance místico dos sofrimentos de Cristo na Cruz não conhece limites de tempo ou de espaço: os gritos de dor d’Ele perpassam os séculos e as fronteiras e atingem a cada homem nesta terra, de modo que cada pessoa, desde aquele Dia terrível do Calvário, onde quer que esteja e qualquer que seja a situação pela qual esteja passando, pode ter a mais absoluta certeza de que não sofre sozinha. Este é um conforto que só o Cristianismo é capaz de proporcionar. Esta é uma verdade da qual ninguém deve ser privado.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

17 thoughts on “A falta de senso dos maus religiosos e dos ateus fanáticos

  1. Lucas Silva Vieira

    Vamos rezar pelas almas dos falecidos e para que os feridos se recuperem. Mas vale lembrar que as boates hoje em dia são as casas do pecado, veja quanta ofensa se comete contra a castidade lá dentro, e quantas almas não puderam se perderam no inferno pois cometeram pecados lá dentro. Me julgo um pecador que muitas vezes ofende a imensa bondade de Deus, nosso Senhor, mas acredito também que as ocasiões de pecado devem ser evitados. Que a Virgem Mãe de Deus console os familiares das vítimas.

  2. Pedro Moita

    Concordo que o ato do perfil da ATEA foi muito insensível, mas isso não significa que seu argumento foi totalmente incoerente, tanto que vocês deram o trabalho de rebatê-lo. Diante da tragédia, a fé em Deus se fortifica ou se enfraquece. Nessas horas as pessoas se perguntam “Deus existe mesmo?”, ou “onde estará Deus?”, como fez Jesus: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes?” (Mt 27,46).

    A atitude dos “religiosos ignorantes” de afirmar que o acidente foi castigo de Deus na verdade é muito pior do que a atitude do perfil da ATEA. O primeiro acredita que as vítimas morreram porque mereciam, pois foram pessoas piores do que as outras; enquanto o segundo acredita não havia qualquer motivo para que aquelas pessoas fossem punidas com a morte naquela boate, portanto Deus, que é definido como pura bondade, não pode existir. Não acho que esse argumento seja excelente, mas sua atitude foi bem menos pior do que a dos primeiros.

    Sobre: “não existe nada feito por um religioso que um ateu não possa fazer mil vezes pior”, foi um comentário infeliz e desnecessário. Fazer algo melhor ou pior, por mais subjetivo que isso possa ser, independe da religiosidade ou não-religiosidade de uma pessoa.

  3. Giuliano

    Essas fotos nem são do incêndio em Santa Maria, big fail ateísta.

  4. Jorge

    Que comentário mais imbecil, Lucas. O texto critica justamente esse comportamento estúpido de alguns e você repete a mesma bobagem. É um infeliz e invejoso!

  5. Marcelo

    Na boa, muito triste essa tragédia, e se a gente se esforçar um pouco (abrir a cabeça), e acompanhar o desfecho, verá que as causas foram humanas, só isso, alguém acendeu o fogo, o isqueiro ou sei là. Deus é uma ilusão inventada pelo homem, assim como harry Potter , Branca de Neve e outras estórias de contos de fadas.

  6. Carlos

    Não é de admirar que nesta ora de tragédia humana, os seres humanos enquadrados como civilizados, se lembrem de Deus ou para bem ou para mal!!!!!! O mundo se distanciou de Deus, através da ganância, do ódio, das guerras, da falta de humanidade, pela falta de amor ao próximo, enfim, poderia aqui elencar centenas de razões para provar o distanciamento do homem de Deus. Portanto, nesta hora em que seres humanos enfrentam uma tragédia, num ato de covardia, lembram-se de Deus para culpá-lo. Por acaso o homem tem colocado Deus como primasia em sua vida? Não o tem abandonado? Não tem vivido em seus próprios deleites e prazeres? Como atravem-se culpar-lhe por um ato meramente humano em que o próprio Deus tem sido colocado no final da fila se é que o tem considerado com alguma importância. Portanto, penso ser no mínimo esdruxulo culpar a Deus pela desventura humana enquanto o homem segue seu caminho distante de Deus.

    Carlos

  7. Bruna Samara

    Concordo plenamente Carlos!
    O homem se esquece de Deus todos os dias. Ele só é lembrado para ser criticado ou quando vêem n´Ele, uma fonte de prosperidade ou saúde.
    Acordem, e deixem de ser hipócritas… cada um escolhe seu próprio caminho e Ele nos deixa seguir sem interferências, afinal o livre arbítrio serve para isso.
    Se o vocalista da banda resolve acender um sinalizador barato, os sócios da boate resolvem colocar a acústica inadequada, e a inspeção libera uma boate daquele tamanho sem saída de emergência – tudo por $$$…. a culpa é de Deus ??????????

  8. Eduardo Araújo

    “…isso não significa que seu argumento foi totalmente incoerente, tanto que vocês deram o trabalho de rebatê-lo”

    Ué, e desde quando um argumento só é passível de refutação se for coerente? Demais disso, não vi argumento algum no proselitismo irreligioso da ATEA, mas apenas uma insinuação imbecil, bem de acordo com o nível intelectual deles.

    “A atitude dos “religiosos ignorantes” de afirmar que o acidente foi castigo de Deus na verdade é muito pior do que a atitude do perfil da ATEA. O primeiro acredita que as vítimas morreram porque mereciam, pois foram pessoas piores do que as outras; enquanto o segundo acredita não havia qualquer motivo para que aquelas pessoas fossem punidas com a morte naquela boate, portanto Deus, que é definido como pura bondade, não pode existir”

    Não procede essa comparação. A atitude dos ateístas fanáticos que ora se critica não é a posição deles quanto à tragédia e, sim, o oportunismo cretino que se aproveita de uma situação dessas para não deixar passar sua estupidez antirreligiosa. Nesse sentido, não vejo vantagem alguma dos ateístas fanáticos em relação aos maus religiosos.

    E mais uma vez: não há argumento algum em se alegar a inexistência de Deus com fulcro na ocorrência de uma tragédia. Isso é, no máximo, uma sugestão e, diga-se, das mais tolas. Parece aquelas coisas de criança mimada: “você não fez isso, então não gosto de você. Buh, seu feio!”

  9. Eduardo Araújo

    “Na boa, muito triste essa tragédia, e se a gente se esforçar um pouco (abrir a cabeça), e acompanhar o desfecho, verá que as causas foram humanas”

    Nossa! E pensar que nem precisei fazer esforço algum para ver que as causas da tragédia de Santa Maria foram humanas …

    Acho que os ateístas fanáticos estão abrindo tanto a cabeça que está escapando substância cinzenta pelo buraco.

    “Deus é uma ilusão inventada pelo homem, assim como harry Potter , Branca de Neve e outras estórias de contos de fadas”

    Nossa! Incrível! O ateu tem o conhecimento supremo. Esperemos agora, humildemente, que ele nos demonstre que Deus é uma ilusão.

    Caso não o faça, vai ser mais um desses ateistas fanáticos que visitam blogues religiosos para dizer que Deus é um conto de fadas. Sabe como é … Contos de fadas do tipo Harry Potter, Branca de Neve, Ateísta Militante Inteligente …

  10. Flávio Maia

    Mais um texto excelente do Jorge Ferraz!
    Sinceramente, não tem mais o que acrescentar ao que já foi dito.

    “Quanto aos maus religiosos e ateus fanáticos, que se calem diante da dor alheia – ao menos por consideração aos que sofrem -, já que não são capazes de fazer nada para mitigar-lhes o sofrimento. Ao menos, que não atrapalhem. Se não querem se unir ao coro dos que proclamam o Evangelho de Deus, ao menos que dêem livre trânsito à mensagem que pode efetivamente ajudar aos que sofrem” [2]

  11. Akan Poran

    Deus deseja prevenir o mal, mas não é capaz? Então não é onipotente. É capaz, mas não deseja? Então é malevolente. É capaz e deseja? Então por que o mal existe? Não é capaz e nem deseja? Então por que lhe chamamos Deus?

  12. Akan Poran

    Esta critica para a “corrente de orações” para a tal senhora. Se você rezar por chuva por bastante tempo, ela eventualmente cai. Se você rezar para que enxurradas se acalmem, elas eventualmente o farão. O mesmo acontece na ausência de preces. Rezar para o Sol ou rezar para Deus resulta na mesma proporção de pedidos atendidos.E digo mais uma mão trabalhando fazem muito mais do que mil rezando. Não vamos esquecer que oração, reza ou prece não tem validade sem o dízimo,

  13. Akan Poran

    – O Jorge Ferraz disse – “Afinal de contas, para todos nós, se estamos vivos hoje, é por graça e misericórdia de Deus” – È a mesma afirmação dos “maus religiosos” ao dizerem que os que morreram foram castigados ou mereciam morrer, pois não é deus que faz nascer, viver e morrer a sua criação?, Ai eu pergunto aos bons e maus crentes, o que houve? Ai como sempre vão me responder, foi fatalidade. Sim porque quando um crente se safa de morrer é graças a deus, e se morre é fatalidade.

  14. Eduardo Araújo

    “Deus deseja prevenir o mal, mas não é capaz? Então não é onipotente. É capaz, mas não deseja? Então é malevolente. É capaz e deseja? Então por que o mal existe? Não é capaz e nem deseja? Então por que lhe chamamos Deus?”

    Já pensou se Deus nos tratasse como marionetes? Toda vez que o mal nos ameaçasse, pronto! Lá viria Ele nos salvar como a criancinhas de berço. Aí, provavelmente, choveria de ateus militantes sofistas criticando-O por não desejar nosso livre arbítrio.

    “Esta critica para a “corrente de orações” para a tal senhora”

    Bem “respeitoso” com as crenças alheias. Depois, presumem-se racionais e civilizados, posam de vítimas de preconceito e reclamam respeito por não crer.

    “Se você rezar por chuva por bastante tempo, ela eventualmente cai. Se você rezar para que enxurradas se acalmem, elas eventualmente o farão. O mesmo acontece na ausência de preces”

    A “imensa” competência intelectual ateísta: realmente tudo a ver rezar para chover e pelo destino das almas no Além.

    “Não vamos esquecer que oração, reza ou prece não tem validade sem o dízimo”

    Nonsense.

    “È a mesma afirmação dos “maus religiosos” ao dizerem que os que morreram foram castigados ou mereciam morrer”

    É a mesma dissonância cognitiva dos ateus fanáticos ao pensarem DEUS como um manipulador que age diretamente no nascimento e na morte. Mas de que adianta mesmo tentar explicar a um ateu sofista o sentido de Graça e de Misericórdia? Começa que duvido que esteja sinceramente imbuído de boa vontade em dissipar dúvidas.

    “Sim porque quando um crente se safa de morrer é graças a deus, e se morre é fatalidade”

    Fez um espantalho, generalizou e, mais uma vez, sofismou. Ixperto, hein?!

  15. Jorge Pacheco

    Claro que devemos rezar pelas almas das vítimas, e pelas pessoas que estão hospitalizadas pelo bárbaro acontecimento ocorrido em Santa Maria, esse é um fato causado pela inércia e ganância do homem, Deus em sua infinita bondade deu a inteligência ao homem para que ele trilhe seu caminho livremente, mas devemos observar sempre as Leis de Deus.

  16. Leniéverson Azeredo

    Eduardo Araújo, tentar fazer um ateu entender o cristianismo católico, é a mesma coisa de fazer um carro funcionar sem bateria, ou seja, será muito esforço para nada. Eles são tão desonestos que não se abrem a verdade. A título de recreação literária, Eduardo, Jorge e demais comentaristas, leiam uma postagem do blog da jornalista do SBT BRASIL, Rachel Sheherazade, sobre a decisão parcial de uma juíza, relacionada a ‘polêmica’, da inscrição “Deus Seja Louvado”, das notas de Real. Todos aqui sabem e lembram da decisão, não preciso estender. Saquem o que os Ateus falam lá. E só uma informação: no blog, ela, a jornalista se afirma cristã e temente a Deus. Então…….boa leitura.
    http://rachelsheherazade.blogspot.com.br/2012/12/falta-do-que-fazer.html

Deixe um comentário: