O último ato público de Bento XVI

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 8 meses 25 dias atrás.

A Audiência começou por volta das 10h40 locais (6h40 de Brasília). Ao aparecer na praça de São Pedro no papamóvel, Bento XVI foi ovacionado por uma multidão que gritava “Viva o Papa” e “Bento! Bento!”. Claramente emocionado, passeou pela praça por quase 15 minutos, agradecendo aos fiéis que levantavam cartazes e o agradeciam. Foram distribuídos 50 mil ingressos para os peregrinos participarem da catequese, mas segundo as estimativas, o público presente era de mais de 150 mil pessoas.

Pe. Paulo Ricardo, “O Adeus de um Papa”

Hoje de manhã foi a última Audiência Geral do Papa Bento XVI. O texto encontra-se em italiano no site da Santa Sé; decepcionou-se quem esperava revelações bombásticas ou discursos apocalípticos na última aparição pública do Papa. Isso não é do feitio de Bento XVI, que parece cultivar o dom de dizer as coisas mais importantes do modo mais inesperado e discreto possível. Certamente ele não reservaria a sua última catequese para dar uma reviravolta em tudo o que aprendemos do dia de Nossa Senhora de Lourdes pra cá. Ao contrário: diante dos 150.000 fiéis que lotavam a Praça de São Pedro, o velho Pontífice impôs ao seu discurso um profundo tom de agradecimento.

Ao Todo-Poderoso, pela Sua presença constante: “hoje o meu coração está repleto de agradecimento a Deus, porque Ele não deixou nunca faltar à Igreja e também a mim a Sua consolação, a Sua luz e o Seu amor”. Pelo dom da Fé: “agradeçamos ao Senhor por isto todos os dias, com a oração e com uma vida cristã coerente”. A todos aqueles que, de todas as partes do mundo, têm nos últimos dias manifestado apoio e proximidade ao Santo Padre: “gostaria de agradecer do fundo do coração também àquelas numerosas pessoas em todo o mundo que, nas últimas semanas, enviaram-me sinais comoventes de atenção, de amizade e de oração”. E ainda: “agradeço a todos e a cada um também pelo respeito e compreensão com os quais acolheram esta decisão tão importante [da renúncia]”.

O tema da gratidão acompanhou-nos ao longo destes últimos dias, e nada foi capaz de nos apartar por completo dele: nem a surpresa, nem a incompreensão, nem o temor pelo futuro, nem nada. Era natural que ele impregnasse também os últimos discursos pontifícios, e acho importante – mais ainda, providencial – que as coisas tenham acontecido desta maneira. Nós, católicos, não estamos acostumados com este tipo de inovações; e a idéia de um papado com rígido prazo de validade era potencialmente capaz de modificar sensivelmente o ritmo do governo da Igreja de Cristo. Afinal de contas, sobre todos os Papas pesou aquela terrível incerteza que pesa sobre cada homem, aquela dúvida atroz de não saber o dia e a hora da própria morte e, portanto, de não saber até quando lhe será permitido empunhar o cetro pontifício. Bento XVI afastou de si esta angústia e assinalou ele próprio o ponto final do seu luminoso pontificado.

Poderia ter aproveitado a situação para agir nos seus últimos dias de modo diferente; poderia ter querido coroar o final do seu pontificado com aqueles arroubos de vontade que soem aparecer somente quando, nos umbrais do Fim, um homem percebe que nada mais importa e deseja gastar as suas últimas energias para agir sem prestar contas à prudência ou ao respeito humano que antes condicionavam suas atitudes. Mas o Papa não fez nada disso. Agiu como aquela anedota sobre São Domingos Sávio que, perguntado sobre o que faria se aquele fosse o último dia da sua vida, respondeu simplesmente que continuaria jogando bola como estava fazendo.

Quantos monarcas não agiriam diferente se pudessem saber com certeza quando seria o fim dos seus reinados? Bento XVI soube e não mudou nada. Em uma conversa (acho que com o Peter Seewald) que foi tornada pública estes dias, o Papa confidenciou que, na opinião dele, bastava o que ele fizera pela Igreja até então. O que, na verdade, nos leva a uma outra constatação: para Bento XVI, o seu pontificado terminou no instante em que ele se convenceu de que Deus o chamava a renunciar. Ele não tentou barganhar com o Altíssimo e nem levar um ritmo frenético para aproveitar ao máximo os últimos instantes do seu pontificado: antes, abandonou tudo e depôs a tiara papal como se houvesse sido colhido abruptamente pela morte. Até mesmo a sua última encíclica deixou inconclusa, como se fatores adversos e inesperados o houvessem forçado a suspender a pena no meio da frase. Na forma como conduziu a própria renúncia, o Papa testemunha que não almeja ter controle sobre a própria vida mas que, ao contrário, tudo abandona nas mãos de Deus.

Amanhã começa a Sé Vacante, às 20h00 em Roma, 16h00 no Brasil. Bento XVI vai subir o monte para rezar; e junto a ele, os católicos do mundo inteiro iremos suplicar ao Senhor da Messe que nos envie um Papa santo, um General valoroso para nos conduzir, um Sucessor de Pedro para guiar a Sua Igreja. Vai em paz, Bento XVI – muito obrigado! E que o Espírito Santo Paráclito possa iluminar os corações dos cardeais que, reunidos no conclave, terão a difícil missão de apontar um sucessor para o primeiro Papa a renunciar em 600 anos.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

2 thoughts on “O último ato público de Bento XVI

  1. Isayas

    O SANTO PADRE BENTO XVI OBRIGOU-SE A DEMITIR-SE

    Não há dúvidas que no atual momento a Igreja passa por situações particularmente difíceis, como noutras épocas de sua existencia, ora uma calmaria, ora as ondas revoltas dos inimigos sempre em alternancias, sempre pendendo em muito mais para os vendavais tempestuosos, como aparenta ser o nosso século XXI.

    Os multis problemas com que se defrontaria na Igreja o S padre Bento XVI abrangem uma característica toda singular: são marcados por focos de dissensões internas e debandas na Igreja globais, e ainda os rebelados, juntando-se a tradicionais inimigos, conspiram contra a Igreja recorrentemente, assim como outros mais que lhes surgiram à sombra.

    Doutra forma, os remanescentes fiéis parecem anestesiados, pelo menos em grande parte: alguns poucos reagem, outros idem esboçam ligeira reação e, talvez a grande maioria apenas assistindo ao desastre, tendo como parâmetros a quantidade de partidos comunistas que se instalaram em muitos países de tradição católica graças a suporte essencial de ex sacerdotes, e aqui no Brasil constatamos a ascensão do comunista PT ao poder pelo obsequio da Teologia da Libertação.

    Nesse caso, o S Padre Bento XVI obrigou-se a entregar o cargo por sentir-se incapacitado, poder dar uma solução e suportar a carga advinda de suas atitudes, motivo por que preferiu um substituto melhor condicionado para possível mais êxito na missão.