“Miserando atque elegendo” – D. Nuno Brás

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 8 meses 20 dias atrás.

[Um leitor de além-mar me enviou estas preciosíssimas palavras de D. Nuno Brás, bispo auxiliar de Lisboa; o texto é tão bom que faço questão de reproduzi-lo aqui na íntegra, com quase nada a acrescentar. Não grifo nada; é um texto curto, que recomendo ser lido na íntegra.

A grande diferença entre o Papa Francisco e seu predecessor é simplesmente essa: Bento XVI nunca gozou do beneplácito da mídia. Isto explica tudo. A propósito, foi o próprio Papa Bento XVI quem, no mês passado, falando sobre o Vaticano II, denunciou a existência de um “Concílio dos meios de comunicação” em oposição ao Concílio verdadeiro, o “Concílio dos Padres”. O exato mesmo processo fraudulento está em curso agora, voltado para os dois últimos Pontífices da Igreja de Cristo. Mas dessa vez os mass-media não têm mais o monopólio dos canais de comunicação: desta vez, na ágora virtual da internet, é possível oferecer-lhes resistência.

Não deixemos que a grande mídia falsifique a realidade mais uma vez. Que a Santíssima Virgem, Nossa Senhora Auxiliadora, ajude-nos nesta luta. Que a verdade possa resplandecer diante do mundo. Que a realidade prevaleça sobre a ideologia.]

“Miserando atque elegendo”

D. Nuno Brás
Voz da Verdade

É óbvio que um novo estilo entrou no Vaticano com a eleição do Papa Francisco. É o estilo próprio de um pastor, que vem de longe, escolhido para suceder ao Apóstolo Pedro. Não é um estilo vazio, simplista, para quem tudo é igual a tudo, e tanto faz escolher o bem e o mal ou, até, não escolher nada.

Muitos têm sido os comentadores que sublinham a diferença deste novo estilo, sobretudo a partir de pequenas coisas: o Papa Francisco foi à Casa do Clero, onde se tinha hospedado, retirou os seus haveres e pagou a conta; mas Bento XVI, no dia seguinte à sua eleição, também foi, sem qualquer aviso prévio, ao apartamento que ocupava em Roma para dali recolher os seus pertences; o Papa Francisco deu uma audiência à Comunicação Social, mas do mesmo modo fez Bento XVI; o Papa Francisco usou um veículo descoberto para entrar na Praça de S. Pedro, o mesmo que o Papa Bento XVI usou, e que só abandonou quando um homem, eludindo a segurança, pôs a sua vida em perigo… Enfim, muitos outros paralelos (mesmo no conteúdo das homilias e discursos) poderíamos encontrar entre o ministério dos dois Papas, e que mais afirmam a continuidade que a rutura.

É claro que, entre as muitas diferenças que existem, uma sobressai: o Papa Bento XVI nunca teve a benevolência dos Meios de Comunicação. Mesmo agora, quando o Papa Francisco se lhe refere, como aconteceu no encontro com os Cardeais (“Dirijo uma saudação cheia de afeto e profunda gratidão ao meu venerado Predecessor Bento XVI que, durante estes anos de Pontificado, enriqueceu e revigorou a Igreja com o seu magistério, a sua bondade, a sua orientação, a sua fé, a sua humildade e a sua mansidão. Estas continuarão a ser um património espiritual para todos”), nada disso transparece nas notícias ou nos comentários.

É por isso que creio andarem enganados todos aqueles que traçam um antes e um depois da eleição do Papa Francisco, ou que julgam que, para ele, tudo lhe será indiferente.

Até agora, os comentadores têm sublinhado apenas a primeira parte do lema que o Santo Padre já tinha assumido como Bispo e que desejou manter no exercício do ministério de Pedro: “Miserando atque eligendo” (com misericórdia, escolheu). A misericórdia não significa indiferença; traz antes consigo uma escolha – a escolha de Deus e por Deus.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

Deixe um comentário: