O Papa do Sofrimento, o Pontífice da Cruz

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 7 meses 21 dias atrás.

Como alguns amigos já fizeram a gentileza de lembrar, hoje, 02 de abril, completam-se oito anos da morte do Papa João Paulo II. Era um sábado em 2005. Após uma longa agonia, a morte do Vigário de Cristo era oficialmente informada ao mundo. Eu me lembro.

Especificamente do papado do agora Beato João Paulo II, eu não tenho lembranças muito claras. Eram as fases negras da minha adolescência indiferente e juventude transviada. Ele foi o meu Papa por mais de duas décadas da minha vida, mas só comecei a prestar atenção nele quando as suas forças já se esvaíam. O Vigário de Cristo já estava na última fase do seu pontificado quando eu despertei para a Fé. Mas há pelo menos dois momentos da luta de João Paulo II pela restauração litúrgica que eu recordo muito bem.

O primeiro, a Ecclesia de Eucharistia, da qual é bastante comum só citarem a primeira frase (como se esta fosse a única coisa da Encíclica que tivessem de fato lido…) mas que, na verdade, contém piedosíssimos ensinamentos – que, diria eu, guiaram grande parte do (chamemo-lo assim) movimento litúrgico posterior. Em particular, foi nesta encíclica que eu li (pela primeira vez na pena de um Papa moderno) que a Eucaristia «tem indelevelmente inscrito nela o evento da paixão e morte do Senhor» (EE 11). Foi dela que reaprendi que «o ministério dos sacerdotes que receberam o sacramento da Ordem manifesta que a Eucaristia, por eles celebrada, é um dom que supera radicalmente o poder da assembleia e, em todo o caso, é insubstituível para ligar validamente a consagração eucarística ao sacrifício da cruz e à Última Ceia» (EE 29); e que se «o cristão tem na consciência o peso dum pecado grave, então o itinerário da penitência através do sacramento da Reconciliação torna-se caminho obrigatório para se abeirar e participar plenamente do sacrifício eucarístico» (EE 37). Entre outras preciosidades da sã Teologia Sacramental tão esquecida ainda nos dias de hoje.

O segundo, a Redemptionis Sacramentum, de caráter eminentemente prático, que já citei diversas vezes aqui e da qual relembro agora apenas um excerto:

[T]odos os fiéis cristãos gozam do direito de celebrar uma liturgia verdadeira, especialmente a celebração da santa Missa, que seja tal como a Igreja tem querido e estabelecido, como está prescrito nos livros litúrgicos e nas outras leis e normas. Além disso, o povo católico tem direito a que se celebre por ele, de forma íntegra, o santo Sacrifício da Missa, conforme toda a essência do Magistério da Igreja. Finalmente, a comunidade católica tem direito a que de tal modo se realize para ela a celebração da Santíssima Eucaristia, que apareça verdadeiramente como sacramento de unidade, excluindo absolutamente todos os defeitos e gestos que possam manifestar divisões e facções na Igreja (Redemptionis Sacramentum, 12).

De todas as imagens de João Paulo II, há uma única da qual não me esqueci jamais. Uma revista (creio ter sido a Veja) estampou-a na capa no final de março de 2005. Achei-a sensacional, digna de um santo, de uma pessoa à qual era impossível não devotar uma poderosa admiração. Foi a sua última aparição pública. É a imagem abaixo:

jpii

Alguns julgam-na feia, acham que ela expõe desnecessariamente a fraqueza de um homem já velho, pensam que é mais bonito colocar uma foto do Papa sorridente. Pode ser. Mas o fato é que, pra mim, João Paulo II não é um jovem sorridente (eu não peguei essa parte da vida dele, lembram-se?). Para mim, João Paulo II é um homem que, como Cristo, soube sofrer até o fim. Para mim, a dor do Papa manifestada diante do mundo nos seus últimos dias de vida valeu por todo o seu longo pontificado e, se ele tivesse feito apenas isso, já seria justo considerar-lhe um candidato para os altares.

Para mim, João Paulo II é o Papa do Sofrimento, o Pontífice da Cruz, e ele soube viver radicalmente o que eu descobri, depois, que ele já havia ensinado muito tempo antes, quase no mesmo instante em que eu vinha ao mundo, na Salvifici Doloris:

De facto, aquele que sofre em união com Cristo — assim como o Apóstolo Paulo suportava as suas «tribulações» em união com Cristo — não só haure de Cristo aquela força de que em precedência se falou, mas «completa» também com o seu sofrimento «aquilo que falta aos sofrimentos de Cristo». Neste contexto evangélico, é posta em relevo, de um modo especial, a verdade sobre o carácter criativo do sofrimento. O sofrimento de Cristo criou o bem da Redenção do mundo. Este bem é em si mesmo inexaurível e infinito. Ninguém lhe pode acrescentar coisa alguma. Ao mesmo tempo, porém, Cristo no mistério da Igreja, que é o seu Corpo, em certo sentido abriu o próprio sofrimento redentor a todo o sofrimento humano. Na medida em que o homem se torna participante nos sofrimentos de Cristo — em qualquer parte do mundo e em qualquer momento da história — tanto mais ele completa, a seu modo, aquele sofrimento, mediante o qual Cristo operou a Redenção do mundo [SD 24].

Para mim, este é João Paulo II. E no dia hoje, em que a sua Páscoa definitiva completa oito anos, renovo a ele a minha estima e a minha admiração. Obrigado, João Paulo II, por todo o bem realizado pela Igreja de Cristo! E que nós, seus herdeiros, não cessemos jamais de divulgar as coisas boas que foram realizadas debaixo do seu cajado. Que não deixemos esmorecer a sua luta. E, se o bom Deus permitir, que um dia nós o possamos encontrar jubilosos na Pátria Celeste.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

4 thoughts on “O Papa do Sofrimento, o Pontífice da Cruz

  1. Israel L

    João Paulo II sofreu muitíssimo com sua doença e debilidade física, mas teremos de esperar o Juízo Final para reconhecer que os sofrimentos espirituais – oriundos da desobediência do clero e dos ataques à Igreja durante seu pontificado – foram muito maiores.

  2. Jorge Ferraz (admin) Post author

    Alexandre, não.

    Esta imagem é da última aparição pública de João Paulo II, que foi (salvo gravíssimo engano) no Angelus, onde o Papa teve que ser retirado da janela porque não conseguia falar.

    Abraços,
    Jorge