Miscelânea: aborto, relativismo, pedofilia, Papa Francisco

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 7 meses 29 dias atrás.

Gostaria de comentar com mais vagar cada um dos temas abaixo, mas a escassez de tempo mo impede. Prefiro, então, simplesmente indicar os assuntos agora, remetendo às leituras das quais disponho; pois, se não o fizer, temo que a agitação do dia-a-dia me leve a passá-los em silêncio.

– O julgamento de um monstro e a omissão da grande mídia nos EUA: «Embora não fosse obstetra, nem ginecologista, apenas clínico geral, Gosnell era proprietário de uma clínica de abortos. Ele atendia mulheres que queriam abortar seus filhos mesmo depois da 24ª semana de gestação, o limite imposto por uma lei estadual. Sua clínica não seguia várias normas sanitárias, contratava pessoas sem formação e desprezava os procedimentos pré-abortivos, que preveem uma lista de exames e orientações à mãe. As maiores atrocidades, no entanto, ocorriam quando algo dava “errado” na mesa de cirurgia. Conforme conta a colunista Kirsten Powers, do jornal USA Today, Gosnell decapitava os bebês sobreviventes, e os guardava em jarras, na geladeira». Também no Wagner Moura: «Nunca é fácil falar sobre aborto. E por isso mesmo é normal que nos reconheçamos quase que obrigados a ridicularizar católicos pró-vidas de cultura inglesa que nessa questão de defesa da vida parecem tão… Tão pouco diplomáticos!».

– O relativismo relativo ou a justa relatividade da verdade: «Sendo assim, quando uma afirmação é verdadeira a sua contraditória necessariamente será falsa. Isso quer dizer que se uma pessoa diz “isso que está diante de mim é um computador”, não pode dizer no mesmo tempo “isso que está diante de mim não é um computador”. Quem está certo da verdade da primeira afirmação, não pode aceitar a verdade da segunda. Isso é o princípio básico de coerência do pensamento e da linguagem humana. Quem nega esse primeiro princípio se torna incapaz de fazer qualquer afirmação, de raciocinar, de dialogar, de viver em sociedade. Se torna, para continuar com o exemplo de Aristóteles, semelhante a um vegetal, com quem não é educado discutir». Trata-se de mais um texto sobre o tema da lavra do revmo. pe. Anderson Alves, de quem eu já tive o prazer de recomendar outros textos aqui no blog.

Sobre Igreja, celibato e pedofilia: «O celibato mete medo, causa pavor. A castidade e a pureza dos padres e das freiras humilham-nos, desconcertam-nos. Não nos sentimos capazes de imitá-los. Desconfio que também os que vivem a homossexualidade sintam-se confundidos pelas pessoas continentes. Estas acusam a nossa sociedade encharcada de sexo. A mesma TV que promove a sacanagem, hipocritamente, condena a pedofilia. O celibato é um incômodo feixe de luz atirado aos olhos de quem está no breu, cambaleando, trôpego, embriagado pelo prazer dos sentidos (gostaria de perguntar a Arnaldo Jabor se prazer e alegria são a mesma coisa). A luz em si é boa, mas incomoda a quem está nas trevas. A continência sexual em si é um bem, mas agride quem quer comer o alimento dos porcos. Quem deplora o celibato é porque se sente incapaz de vivê-lo. Julga impossível aos outros o que é impossível para si. O inepto julga os demais ineptos».

– ¡Alerta tradis y conservadores, Dios no lo quiera, pero cualquier cosa mala que le pase a Francisco la culpa será vuestra!, que peço perdão por não traduzir. A idéia, simultaneamente cômica e cretina, é insinuar a existência de um complô conservador para ferir o Papa – ou, melhor dizendo, é pintar com cores tão tétricas a figura dos tradicionalistas que eles possam ser facilmente usados como bodes expiatórios naturais para qualquer coisa que aconteça com o Santo Padre. A insídia talvez mais cretina sai da pena do Leonardo Boff, que menciona João Paulo I e dispara: «Es un peligro, porque hay una historia en el Vaticano de muchos asesinatos, hace mucho tiempo. Él debe tener cuidado porque donde hay disputa del poder no hay amor, y el poder siempre busca más poder».

– O primeiro golpe contra o Papa Francisco: «Diga-se contra o dogma relativista que não há afirmação sem a negação do seu contrário. Não dá para confirmar na fé, sem negar o que se opõe a ela. Penso que o próximo passo dos bispos americanos é partir para o ataque contra um jornal que se apresenta com o nome “católico” e, sob esta fantasia, promove o seu oposto. Os católicos precisam conhecer sob que vestes o diabo se apresenta, pois eles sabem atacar, e como! Quando alguma mínima reação é esboçada, apelam para a caridade fraterna, numa versão tão melíflua quanto antievangélica». O autor fala sobre a confirmação, feita recentemente pelo Papa Francisco, das reformas na vida religiosa feminina americana: «Muitos esperavam que o Papa Francisco adotasse uma posição paternalista e transigisse com o império das freiras. […] Mas o Papa Francisco reafirmou o resultado do trabalho, chamado “Doctrinal Assessment” (Avaliação Doutrinária), e o programa de reformas desta mesma conferência de religiosas. E ao que parece, a Congregação para os Religiosos ficou à margem do processo».

A inaudita pretensão de mudar o mundo. Trago apenas as palavras do Papa Francisco no dia 06 de abril, recolhidas por Sandro Magister, que foram proferidas em uma de suas homilias espontâneas e, por isso, não constam no site do Vaticano, de modo que nós só temos acesso a elas de segunda mão: «“A fé não se negocia. Esta tentação sempre existiu na história do povo de Deus: cortar um pedaço da fé, ainda que não seja muito. Mas a fé é assim, tal como a recitamos no Credo. É necessário superar a tentação de fazer o que todos fazem, não ser tão, tão rígidos, porque precisamente daí começa um caminho que acaba na apostasia. De fato, quando começamos a destroçar a fé, a negociá-la, a vendê-la à melhor oferta, começamos o caminho da apostasia, da não fidelidade ao Senhor”».

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

5 thoughts on “Miscelânea: aborto, relativismo, pedofilia, Papa Francisco

  1. Renato

    Imagens da Jornada Mundial da Juventude em Madri:

    Sou contra a JMJ (jornada mundial da juventude). Chamar isso de encontro de Católicos é BLASFÊMIA!

    É essa gente que vai defender a Fé Católica que têm como base o sangue mártires?

    http://portantoentretantotodavia.wordpress.com/2013/04/19/sou-contra-a-jmj-jornada-mundial-da-juventude-chamar-isso-de-encontro-de-catolicos-e-blasfemia/

    Esse aí é o naipe das mulheres Católicas de hoje. Está explicado o porquê não temos padres santos, as mães deles já não são educadas para gerar filhos santos…

    http://portantoentretantotodavia.wordpress.com/2013/04/19/sou-contra-a-jmj-jornada-mundial-da-juventude-chamar-isso-de-encontro-de-catolicos-e-blasfemia-2/

  2. Karen

    São coisas que têm circundado nossas mentes. Sobrevoando, como mobiles… O ponto comum que vejo, muito mais que um bicho-papão, é a mídia. Um instrumento poderoso, tantas vezes, tantas milhões de vezes na História, usado pelo mal e para o mal, com o poder de fazer existir o que não houve e fazer desaparecer o que realmente aconteceu. No contexto do que o Jorge Ferraz concisa e conscientemente escreveu, suas nuances podem ser percebidas:
    – negação: um monstro abortista é condenado; decisão: “não importa” ao povo.
    – relativização: afirmação midiática 1: os homossexuais são minoria discriminada; afirmação midiática 2: a maioria dos padres é homossexual. Decisão 1: homossexuais são vítimas; Decisão 2: Padres são pedófilos acobertados pela Igreja, que deveria mandar prendê-los e acabar com o celibato. (?).
    – disfarce e distorção: esse comportamento da mídia é bíblico! “lobos em pele de cordeiro”. Afirmação midiática (lobo): Bento XVI defendia a tradição da Igreja, porém sua intransigência autoritária impedia sua aproximação com o clero e o povo. Afirmação após conclave (cordeiro): Francisco é mais liberal que Bento. Se a mídia o apoia, ele passa a depender do apoio, e terá que fazer reformas – Francisco será reformista; Afirmação após Papa Francisco homologar decisões de Bento (lobo): Francisco Traidor!!!!

    Sou otimista. A internet está ajudando. A mídia católica não relativizada está disponível a quem procura, como este blog. Logo estará grande o suficiente para atingir quem não procura. A verdade vai atropelar esses safados. Deus é conosco!!!

    Belo trabalho Jorge, parabéns!

  3. Gustavo

    O Papa Francisco está de parabéns por se colocar contra a pedofilia de forma tão clara e objetiva. Eu acho que ele vai ser um grande líder cristão, que vai fazer uma reforma positiva na Igreja.

Deixe um comentário: