Teologia da Libertação em Natal – promovida pela Arquidiocese!

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 1 mês 14 dias atrás.

Soube que a Arquidiocese de Natal vai promover um seminário amanhã e sábado (dias 10 e 11 de maio) que, entre outras coisas, contará com uma «palestra sobre “O papel civilizatório dos Movimentos Sociais e a luta pela democratização”, proferida pelo Frei Beto, frade dominicano, autor de mais de 50 livros, e que já recebeu vários prêmios pela atuação em prol dos direitos humanos».

A escolha do palestrante é assombrosa, e se caracteriza como um triste sinal de retrocesso no (árduo!) processo de recatequização desta Terra de Santa Cruz que muitos de nós nos esforçamos por levar a cabo nestes dias que correm: recatequização que é necessária justamente porque a famigerada Teologia da Libertação conseguiu reduzir em larga medida os fiéis católicos brasileiros a condições quase pagãs. Ora, o referido frei é nada menos do que um dos maiores expoentes deste câncer pseudo-religioso responsável por apodrecer o maior país católico do mundo: como é possível que uma Arquidiocese tenha a coragem de conferir chancela a um evento onde este senhor, com toda a certeza, vai – como de costume – vomitar suas diatribes contra a Igreja de Cristo?

Lembro-me de Frei Beto aqui em Recife, há uns três ou quatro anos, na tristemente célebre “Jornada Teológica Dom Hélder Câmara” que o pessoal da “Igreja Nova” costuma(va?) organizar. O evento era já “tradicional”, mas eu nunca havia me interessado por ele; este ano eu fui. O auditório da Faculdade de Filosofia do Recife transformara-se, ao longo daqueles dias, numa sucursal do Inferno. Os palestrantes eram todos do alto escalão: Frei Beto, padre J. B. Libânio e Ivone Gebara. Fuçando aqui uns emails antigos, achei umas transcrições de frases então proferidas pelo frei Beto, das quais fui testemunha auricular. Tenho a data: 24 de agosto de 2009. Ei-las:

– “Dom Hélder descobriu que o grande inimigo não era o Comunismo, mas, a miséria, a fome e a desigualdade”;

– “Jesus – que foi em tudo igual a nós, exceto no pecado – teve a mesma fé que nós temos, inclusive teve crises de fé […] ele não tinha a visão de Deus”;

– “Os ricos se preocupam em querer saber como garantir a *vida eterna*, e os pobres querem saber como garantir a *vida neste mundo*. Jesus elogia a postura dos pobres […] Jesus não veio para que salvemos a nossa alma na vida eterna”;

– “Vocês vão me perguntar ‘você é espírita?’, e eu responderei: ‘também’ […] Um amigo espírita disse num debate com um padre católico que ‘as nossas práticas de falar com os mortos foram aprendidas com vocês católicos. Afinal, vocês também não se comunicam com seus santos?'”

– Contando uma historinha inventada por ele, onde, do céu, Dom Hélder narrava as preocupações dele com a vida na terra, sugeriu que Dom Hélder “é vizinho de Francisco de Assis (sic) e Buda no céu”;

– Ainda colocando palavras na boca do personagem Dom Hélder na historinha acima:

– “O Papa Bento XVI não transmite alegria e esperança como João XIII” (abrindo um parêntese ainda disse: “Quem diria que teríamos saudades de João Paulo II?!?!?!”);

– “Até quando os homossexuais serão discriminados por quem se diz discípulo de Jesus?”;

– “Sonho com uma Igreja onde a mulher possa celebrar missa”.

– Durante as perguntas enviadas a ele pelos ouvintes ao final da palestra soltou algumas pérolas:

– Quando perguntado sobre se Cristo veio ou não para salvar as almas e conduzir o homem à vida eterna, e confrontado com alguns versículos bíblicos e parágrafos do Catecismo, confirmou o que já havia dito anteriormente e falou que “esse negócio de salvar as almas não tem sentido: o homem é corpo e alma – o Verbo se fez carne e habitou entre nós – e não apenas alma”;

– Quando confrontado com a doutrina imutável da Igreja acerca do sacerdócio feminino (cf. JPII in Ordinatio Sacerdotalis) e com a nova excomunhão para aqueles que ousarem ordenar mulheres (assim como também para as mulheres ordenadas), falou que a doutrina da Igreja já mudou muito durante a história, e deu exemplos: “No começo do século XX carícias entre um casal *casado* eram consideradas pecado”; “Antigamente não se ordenavam deficientes físicos para o sacerdócio”;

– Registro que as pessoas debocharam e deram gargalhadas quando ouviram falar em “Catecismo da Igreja”, “Ordinatio Sacerdotalis” e “excomunhão”.

Não me consta que o religioso tenha jamais modificado o teor de suas conferências ao longo dos anos. Não se entende, portanto, o porquê de convidá-lo para dizer estas barbaridades em um seminário pretensamente católico, organizado por uma Arquidiocese católica.

Tomei conhecimento no Facebook de um apelo do Pe. Paulo Ricardo [p.s.: na verdade, o apelo foi divulgado numa página do Facebook mantida por alunos do pe. Paulo, e não pelo próprio sacerdote – sorry, my mistake], ao qual faço coro:

Peço que enviem um enviando um email para o Bispo Dom Jaime Vieira Rocha, pedindo que a participação do Frei beto não seja permitida e pedindo comunhão com a Fé de Roma.

curia@arquidiocesedenatal.org.br – Cúria da Arquidiocese de Natal
setorsocial@arquidiocesedenatal.org.br – Responsável p/ promoção do evento
jaimevrocha@terra.com.br – Dom Jaime Vieira Rocha, arcebispo
diocesedemossoro@uol.com.br – Dom Mariano Manzana, participante
nunapost@solar.com.br – Nunciatura Apostólica. Dom Giovanni D’Aniello

E peço também que os católicos de Natal se esforcem para participar deste evento, a fim de confrontar este senhor com a Doutrina da Igreja e não permitir que as barbaridades que ele é conhecido por vomitar passem em Natal sem um contraponto católico. Já passou da hora de enterrar definitivamente esta pseudo-teologia anti-católica e anti-cristã. Tenhamos a coragem de enfrentar estes espectros que ainda cercam a Igreja Católica ávidos por assombrá-La! Eles não resistem à exposição serena e firme da verdadeira mensagem do Evangelho da qual a Igreja é guardiã.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

8 thoughts on “Teologia da Libertação em Natal – promovida pela Arquidiocese!

  1. lucas

    Frei Beto é um grande pensador.O tradicionalismo sonha em restaurar uma igreja,que naõ mais existe,monarquica,absolutista,imperial.O evangelho nos mostra,outro caminho.

  2. silviaelizabeth1

    Será que foi o Padre Paulo Ricardo quem pediu mesmo? Não tem nada na página oficial dele no Facebook, nem no site, nem um vídeo sobre o tema. Nada. Esse aviso saiu na fanpage dele no FB que é mantida por ‘seus filhos espirituais’ conforme a descrição . Não me parece ser algo que o Padre Paulo Ricardo faria, não combina com a postura dele. Acho que precida averiguar melhor essa informação. :D

  3. spesmasp

    O autor do texto não entende mesmo o dinamismo da Igreja de Nosso Senhor, todas as coisas que não são essenciais à fé podem ser alterada de acordo com a própria vontade de Deus assim entendida pelo magistério da Igreja. E essas mudanças não surgem do nada, o próprio Espirito Santo suscita a sua vanguarda no seio da Igreja a cada tempo favorável, obviamente as limitações da nossa humanidade e o diabo operam para barrar essa ação do Espirito Santo ou para desvirtuá-la, esses elementos nocivos, inclusive estão presentes não só entre os fiéis, mas nos teólogos e prelados, Como disse antes, a Igreja irá mudar, tornar-se mais santa e fiel à vontade de Deus, mas somente o Espírito Santo dirá como, quando e onde.

  4. Camilo

    É incrível como esse imbecis “modernistas” nem sequer entram no mérito da questão levantada no texto, de que o “frei” Betto é de fato um herege.

  5. Tiago

    Essas manifestações podem se tornar um “tiro pela culatra” se não se pedir para que as pessoas falem com educação nas mensagens, hereges adoram se fazer de coitadinhos, e cada “a” dito num tom mais alto eles aproveitarão a oportunidade para se fazer de mártires modernos, e foi o que já aconteceu, uma nota de um diácono da diocese reclamando do tom que as mensagens foram enviadas.

  6. Camilo

    Olha, Tiago, se foi isso eu não sei, e duvido muito. Esse povo adora se vitimizar até sem motivo, nos chamou inclusive de neonazistas. Veja o teor da mensagem que eu enviei (o qual copiei integralmente de um blog na internet, acredito que muitos tenham feito o mesmo) e veja se há algum grau de violência ou falta de educação:

    “A Vossas Eminências Dom Jaime Vieira Rocha, Dom Mariano Manzana, Dom Giovanni D’Aniello e a todos os responsáveis pelo o evento “Participação no processo de democratização do Estado Brasileiro” que acontecerá amanhã na Arquidiocese de Natal,
    Venho através deste e-mail pedir a exclusão da participação do Frei Beto amanhã no evento que acontecerá e peço que fiquem inteiramente em comunhão com Roma nossa sede Católica Apostólica Romana. Uma vez que o “Frei” Beto prega abertamente contra a Santa Igreja Católica, a favor do aborto, do “casamento” gay, de governos socialistas/comunistas entre outras mazelas condenadas pela Igreja. O Frei Beto escolheu não ser católico, escolheu não participar do corpo da Santa Igreja, sendo assim não há motivos para permitir que ele coloque em risco a alma dos diocesanos de Natal. Quem acolhe os lobos põe em risco as ovelhas.

    Confiante de vossa compreensão,”

  7. Pingback: Desmascarem o lobo, mesmo a despeito da conivência da Arquidiocese! | Deus lo Vult!