Aquela entrega foi a nossa salvação

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 5 meses 24 dias atrás.

Ela está sempre conosco. Por mais que às vezes não consigamos perceber a Sua solicitude maternal; por mais que, no meio das atribulações do quotidiano, não tenhamos tempo para lançar-Lhe um olhar de agradecimento e de ternura; por mais que nos seja tão difícil vislumbrá-La por detrás das ave-marias que repetimos mecânica e apressadamente; ainda assim, Ela está sempre conosco. Ela nunca nos abandona.

Nunca nos abandona; pois se não abandonou o Seu Filho Unigênito na Cruz, por qual motivo haveria de abandonar a nós, que padecemos tribulações tão amenas perto d’Aquela terrível que Ela viu Seu Divino Filho sofrer? No Gólgota todos fugiram; e, se lá Ela não fugiu, então não haverá de fugir jamais. Não haverá de nos abandonar, a nós que d’Ela somos tão necessitados. A nós, que Lhe fomos entregues por filhos pelo Seu Filho!

E aquela entrega foi a nossa salvação. Se nós às vezes nos esquecemos de que Cristo no-La deu por Mãe, Ela de Sua parte jamais Se esquece de que Ele Lhe nos deu por filhos. Podemos por vezes esquecer que temos uma Mãe; de que nos tem por filhos, ao contrário, Ela jamais Se esquece. Jamais nos abandona e jamais cessa de velar por nós com zelo maternal; jamais nos deixa de agraciar com mimos e cuidados, a cada dia, a cada instante.

A cada instante, sim, porque a cada instante recebemos incontáveis graças de Deus, ainda que nossa natural ingratidão nos impeça de o perceber. E todas as graças que recebemos d’Ele, vêm-nos através das mãos d’Ela; vêm-nos porque Ela nos ama e nos quer levar para junto do Seu Filho, a fim de reunir na Eternidade toda a Sua família – a enorme Família dos Filhos de Deus que nasceu da Cruz do Calvário. Quando fomos entregues a Ela; quando Lhe fomos consagrados pelo próprio Cristo. E, daquele dia em diante, Ela tem Se preocupado em nos levar a Deus. Em nos conduzir aos Céus. Ela jamais desiste de nós.

Ainda quando não o queremos! De todos os títulos com os quais Ela é ornada, um dos mais comoventes é o de Refugium Peccatorum, o  Refúgio dos Pecadores. Porque o pecado, bem o sabemos, nos afasta de Deus; mas é como se, de certo modo, não nos afastasse d’Ela, é como se não fosse capaz de fazê-La desistir de nós. Quando nós voltamos as costas para Deus, ainda assim A encontramos à nossa frente: como se Ela Se colocasse de modo a não nos deixar afastarmo-nos o bastante. E olhando para o rosto d’Ela nós encontramos a paz. Mesmo pecadores, não temos mais vontade de fugir.

Ela não nos deixa fugir; quando estamos longe de Deus, Ela vem nos visitar. E Ela, mais uma vez, à semelhança do que fez em Judá, traz-nos a Salvação. E não podemos senão repetir maravilhados: «donde me vem a dita de vir a mim a Mãe do meu Senhor?». E podemos sempre repeti-lo, porque Ela sempre nos vem. Porque somos filhos d’Ela, a Ela entregues pelo próprio Senhor: eis a nossa salvação! Somos filhos d’Ela e, embora nem sempre nos portemos como Seus filhos, Ela não deixa jamais de agir para nós como Mãe.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page