O Papa Francisco e o Ramadã

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 1 mês 7 dias atrás.

Somente uma curiosidade. Não sei desde quando a Santa Sé envia cumprimentos aos muçulmanos por ocasião de suas festividades; na página do «Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso», a mais antiga mensagem «por ocasião do fim do Ramadã» é de 1978. Trinta e cinco anos atrás. E ela se inicia dizendo – já em 1978 – que «[h]á muito (…) o Secretariado para os Não-Cristãos existente no Vaticano tomou o feliz hábito de manifestar aos seus amigos muçulmanos, por ocasião do encerramento do jejum do Ramadão, os seus votos mais sinceros e os seus mais ardentes desejos, rogando ao mesmo tempo a Deus que lhes conceda paz e prosperidade». O costume não é portanto muito recente.

Este fato, sozinho, mostra que a justificativa do sr. Magdi Cristiano Allam para abandonar a Igreja é completamente furada: a Igreja já se relacionava diplomaticamente com os muçulmanos três décadas antes dele ser batizado. Se ele depois decidiu romper com a Igreja, decerto não foi por conta de alguma mudança da parte d’Ela em suas relações com o Islã.

Também este ano o Papa Francisco enviou uma mensagem, na mesma ocasião, «aos muçulmanos no mundo inteiro». Coisa esperada. Protocolar. Vieram, como era esperado, os comentários maledicentes. Não faltou quem dissesse que São Francisco de Assis foi ter com o sultão maometano para instá-lo a aceitar o Evangelho, enquanto que o Papa Francisco escrevia aos muçulmanos para lhe desejar um bom Ramadã. No entanto, a mensagem deste ano contém o seguinte interessante período (grifos meus):

Obviamente, ao manifestar respeito pela religião do próximo ou ao transmitir-lhe os bons votos por ocasião de uma celebração religiosa, simplesmente procuramos compartilhar a sua alegria, sem fazer referência ao conteúdo das suas convicções religiosas.

Que me conste, é a primeira vez que um Papa “justifica” uma dessas mensagens diplomáticas da Santa Sé. Ele diz, com todas as letras, que não se pode inferir delas nenhuma espécie de juízo da Igreja sobre o conteúdo das convicções religiosas daqueles a quem se destinam. Portanto, elas não servem para “provar” que a Igreja passou a considerar o Islã uma religião verdadeira. Doravante, a desonestidade intelectual dos que as utilizarem como “evidências” de uma suposta mudança de posição doutrinária da Igreja Católica frente ao Islã estará manifesta.

Que me conste, João Paulo II e Bento XVI nunca fizeram esse tipo de esclarecimentos. Não que precisassem dizer o óbvio, pois não podem existir duas religiões verdadeiras. Mas é curioso que justamente o Papa Francisco, explicitamente preocupado com o «respeito pela religião do próximo», tenha feito questão de deixar claro que respeito é respeito, e indiferentismo é indiferentismo. Respeitar não é aceitar. E conviver pacificamente não é sinônimo de aprovar convicções religiosas de ninguém.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

27 thoughts on “O Papa Francisco e o Ramadã

  1. joaquim

    Interessante não haver no seu texto nenhuma menção ao “colher os frutos espirituais” do Ramadã.

  2. Renato

    Joaquim, por mais que os conservadores populares como o Jorge tentem justificar as injustificáveis palavras dos “papas” conciliares, uma ora a casa cai.

    Com João Paulo II e Bento XVI até que esses conservadores populares conseguiram colocar panos quentes, mais com o populista Francisco,…os conservadores populares não terão mais como justificar. Tudo virá abaixo.

  3. JB

    Já era realmente comum que o Vaticano desejasse votos de bom Ramadã aos mulçumanos. Provavelmente começou no pontificado de Paulo VI. Mas quem fazia isso era um cardeal da cúria e nunca o Papa pessoalmente. Esta foi a primeira vez que o próprio Papa desejou bom Ramadã. Talvez por isso a necessidade de explicações.

  4. Leniéverson Azeredo

    Caros Renato e JB, já ouviram falar de educação e gentileza? Não concordar, não aceitar, não significa que deixemos de ser cortês com A ou B, ou cortês em nossa gênese. Não estou entrando na turma do “não julgar”, apenas é uma consideração que faço. :)

  5. Renato

    É isso ai, Leniéverson Azeredo!

    Continuem dando desculpazinhas para os dizeres dos “papas” conciliares. Uma hora a casa cai.

  6. Renato

    Leniéverson Azeredo, quem é contra Cristo e o seu Corpo Místico, a Madre Igreja Católica Apostólica Romana, e meu inimigo.

    Francisco que não admite que é contra Cristo Jesus e a Madre Igreja Católica.

  7. Francisco Jr.

    Boa Noite, Salve Maria

    É, a cada dia este pessoal tem mais trabalho pra defender os frutos do CV2.

    Mas como disse o Joaquim, “colher os frutos espirituais” do Ramadã.”, mas….

    Que espécie de “frutos espirituais” são estes???

    Jorge, poderia nos explicar o que são estes “frutos espirituais”?

    São Pio V, rogai por nós.

    Falando do CV2, se o relato dos textos do link forem verdadeiros…….

    http://aciesordinata.wordpress.com/2011/09/15/textos-essenciais-em-traducao-inedita-xcii/

    Francisco.

  8. Francisco Jr.

    Salve Maria, Mãe de meu Senhor,

    Já estava indo dormir, quando encontrei o seguinte o texto do link abaixo, do qual reproduzo a parte que me chamou atenção:

    “Vais convencer o outro a tornar-se católico? Não, não, não! Vais encontrar-se com ele, é o teu irmão! E isto é suficiente. E vais ajudá-lo; o resto é Jesus que o fará, é o Espírito Santo.”

    http://www.vatican.va/holy_father/francesco/messages/pont-messages/2013/documents/papa-francesco_20130807_videomessaggio-san-cayetano_po.html

    Olha ai, se o Papa Francisco pedir pra sair, assim como Bento XVI, penso que seria um excelente gestor de ONG.

    Fico me perguntando: Por que ele tem que escrever isto? Precisava desta frase?

    Enfim..

    São Pedro, rogai por nós.

    Francisco Jr.

  9. Marta

    A atitude do Papa é de prudência, principalmente em vista dos últimos acontecimentos envolvendo cristãos no oriente.É preciso manter um canal de comunicação no sentido de proteger as pessoas. Imaginem se com tudo que está acontecendo ele decidisse afrontar os islâmicos. Este é um momento de oração e de medidas práticas em relação aos que correm risco de vida .Claro, é preciso ser um Chefe de Igreja para perceber isso, o que certamente não é o teu caso, Francisco Jr.
    Renato, em quem devo acreditar? Em você, que acha que a casa vai cair ou em Nossa Senhora que nos garantiu que as portas do Inferno não prevalecerão?

  10. Sidnei

    Marta, só uma correção fraterna, quem garantiu que as portas do inferno não prevaleceriam conta a Igreja não foi Nossa Senhora, mas Nosso Senhor Jesus Cristo, que esta em Mateus 16; 18: “E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela.”

  11. Renato

    Marta, a igreja conciliar é uma falsa igreja. Essa falsa igreja vai cair. A Verdadeira Igreja Católica Apostólica Romana vai triunfar (como prometeu Nosso Senhor Jesus Cristo), mas antes temos que enfrentar e derrotar todos aqueles que querem destruí-la e que se encontram dentro dela.

    Marta, sou Católico Apostólico Romano e todos os inimigos de Cristo Jesus, internos e externos terão que ser enfrentados, sejam eles leigos, padres, bispos ou “papas”.

    Francisco não é “prudência” é irresponsável. Francisco como todo progressista baixa a cabeça para os inimigos de Cristo. Para que mandar mensagens para os muçulmanos, judeus, protestantes,…Não seria melhor acabar de vez com esse ecumenismo fajuto?; não seria melhor acabar de uma vez por todas com essas inúteis congregações para o debate inter-religioso e de (falsa) unidade entre cristãos?

    Como gostam de rebaixar a Igreja Católica Apostólica Romana de Nosso Senhor Jesus Cristo esse clero modernista!

  12. Francisco Jr.

    Salve Maria,

    Marta, Marta……..

    Seu comentário completo: “A atitude do Papa é de prudência, principalmente em vista dos últimos acontecimentos envolvendo cristãos no oriente.É preciso manter um canal de comunicação no sentido de proteger as pessoas. Imaginem se com tudo que está acontecendo ele decidisse afrontar os islâmicos. Este é um momento de oração e de medidas práticas em relação aos que correm risco de vida .Claro, é preciso ser um Chefe de Igreja para perceber isso, o que certamente não é o teu caso, Francisco Jr.
    Renato, em quem devo acreditar? Em você, que acha que a casa vai cair ou em Nossa Senhora que nos garantiu que as portas do Inferno não prevalecerão?”

    1. AINDA SEM RESPOSTA

    Conforme link abaixo, Francisco deseja “abundantes frutos espirituais” provenientes do Ramadão. Pergunto: Dentro da doutrina Católica é possível que o tal Ramadão origine algum fruto espiritual?

    http://www.vatican.va/holy_father/francesco/homilies/2013/documents/papa-francesco_20130708_omelia-lampedusa_po.html

    2. REAÇÃO DOS MUÇULMANOS

    Marta, seu texto indica que as palavras amenas de Francisco, decorrem da prudência, pois caso ele se usasse outras expressões (VERDADES) os islâmicos poderiam não gostar e deste modo, poderiam sair matando cristãos.

    Pergunto: Alguém o obrigou a fazer a discurso? Se não o obrigaram, visto que não poderia falar a Verdade, que não falasse nada.

    Vou esclarecer quais palavras são:

    Amenas: “Desejo saudar os queridos emigrantes muçulmanos que hoje, à noite, começam o jejum do Ramadão, desejando-lhes abundantes frutos espirituais.” (link acima)

    Expressões (VERDADES): Gostaríamos de convidá-los a conversão a única Igreja de Cristo, fora da qual, não há salvação.

    Francisco foi extremamente imprudente e faltou com a caridade, pois ao desejar “abundantes frutos espirituais” aos muçulmanos, pode ter os levado a acreditar que realmente poderão obter algum fruto espiritual. Além disto, os muçulmanos necessariamente vão se indagar: Para que vou me converter ao Catolicismo, já que podemos obter os “frutos espirituais” onde estou?

    Tenho que desenhar?

    3. Este é um momento de oração e de medidas práticas

    Medidas práticas = Omitir a verdade, se você pensa assim…

    4. Marta, auxiliar de Francisco

    Marta indica com firmeza, que Francisco usou aquelas palavras “’amenas” visando poupar pessoas que correm risco de vida, e me indaguei: como ela sabe disto? Se eu pedisse pra ela provar?

    Depois, ela me avisa que eu não sou Chefe de Igreja. Como ela é sábia, gente como ela sabe que não sou Chefe de Igreja?

    Deixe-me ver se entendi, Francisco tem duas opções:

    1. Não discursar com relação ao Ramadão ou
    2. Dadas as circunstancias e riscos, discursar usando palavras “amenas”.

    Com a “prudência” que só um chefe de Religião possui, ele escolhe a opção 2.

    Enfim Marta, eu conheço outro Papa que talvez você conheça e que foi crucificado por falar a VERDADE, não só ele, mas vários de sua Igreja. Este Papa tem nome: São Pedro e os vários de sua Igreja: Mártires que não queimavam incenso para outros “deuses”.

    Eu prefiro São Pedro e os Mártires, pois mais cedo ou mais tarde, seremos convocados.

    Se você preferir, continue com seu “diálogo Ecumênico”, quem sabe você queimará incenso para “deuses” para se proteger.

    São Pedro, rogai por nós.

    Francisco Jr.

  13. JB

    Tanto quanto sei, já fazem mais de 50 anos que nenhum hierarca católico ousa dizer a verdade sobre o Islã e mesmo assim a fúria anti-cristã não tem diminuído, pelo contrário até.

    O sangue cristão que corre no Egito seria menos vilipendiado se o Papa, se por prudência não pode dizer a verdade, ao menos parasse de elogiar os inimigos da Igreja.

    Do jeito que está é como se Pio XII tivesse desejado “Gut Thurseblot” aos nazis.

  14. Marta

    JB, continuo concordando com o texto principal quando diz que respeitar não é aceitar, e conviver pacificamente não é sinônimo de aprovar convicções religiosas de ninguém. Sempre fui contra aquilo que resolveram chamar de “ecumenismo”. Defendo, sim, a convivência pacífica e respeitosa, até onde ela é possível, apenas isso. E não excluo, em absoluto, a possibilidade de uma defesa firme e decidida, dentro da legalidade, quando se faz necessário. Contudo, discordo de você quando diz que o sangue cristão seria menos vilipendiado caso o Papa agisse de outra forma. Honestamente, não sei em que ajudaria uma atitude ofensiva no caso. A questão no Egito, é preciso deixar bem claro, não é um conflito de religiões, mas um tortuoso conflito de ordem política. A situação naquele país é perigosa para todos, cristãos e não cristãos. Para ter uma ideia mais abrangente da questão, estão queimando até mesmo mesquitas! ( não me pergunte por quê ). Logo, não se trata de uma guerra religiosa, mas de uma guerra em que também cristãos estão sendo atingidos. E como cristãos não podemos ignorar isso, aí concordo. O que podemos fazer no momento como irmãos, é pedir que a Igreja tenha uma participação mais efetiva no caso,seja dando declarações, seja colocando essas pessoas em segurança, dando-lhes apoio material e espiritual.
    Não compreendi a analogia com o regime nazista, visto o nazismo não ter sido uma religião.
    Renato, sinto muito, mas não dialogo com alguém que se refere ao Santo Padre simplesmente como “Francisco” . Conheço ateus que lhe tem mais respeito. Mas agradeço a alcunha de “auxiliar do Papa”.

  15. JB

    Marta,

    Os atuais distúrbios no Egito têm um forte componente religioso. Proporcionalmente ao seu pequeno número, os cristãos são de longe as maiores vítimas.

    Não advogo rompantes quixotescos nem agressões gratuitas. Mas compare a atitude do Papa Pio XII para com o nazismo com a atitude do Papa Francisco diante do islamismo. Pio XII resistiu conforme a prudência e as possibilidades permitiam e, tanto quanto sei, nunca trocou gentilezas com os inimigos da Igreja.

    Feliz Ramadã para os cristãos do Egito!

  16. Francisco Jr.

    Salve Maria, Mãe de Meu Senhor

    Marta, um esclarecimento: Fui eu, Francisco Jr, quem usou a expressão “auxiliar do Papa” e não o Renato.

    Imagino porque você não quer mais conversar com o Renato (creio que comigo também não).

    Aliás, parece que ninguém quer mais conversar comigo. E olha que só fiz uma pergunta. Vou repetir, pra ver se alguém se anima em conversar comigo:

    “Conforme link abaixo, Francisco deseja “abundantes frutos espirituais” provenientes do Ramadão. Pergunto: Dentro da doutrina Católica é possível que o tal Ramadão origine algum fruto espiritual?”

    http://www.vatican.va/holy_father/francesco/homilies/2013/documents/papa-francesco_20130708_omelia-lampedusa_po.html

    São Miguel Arcanjo, rogai por nós.

    Francisco Jr.

  17. joaquim

    Ninguém tentou explicar a história dos frutos espirituais, isso é um sinal ainda mais interessante do que a mera ausência de menção a eles. Podia ser um dado desconhecido, antes que alguém postasse o link para a homilia. Uma vez inescapavelmente sabido, ignorá-lo diz muito mais do que uma tentativa débil de justificação.

  18. Jorge Ferraz (admin) Post author

    “Conforme link abaixo, Francisco deseja “abundantes frutos espirituais” provenientes do Ramadão. Pergunto: Dentro da doutrina Católica é possível que o tal Ramadão origine algum fruto espiritual?”

    A resposta é sim, e a insistência nessa babaquice é bastante ilustrativa do nível dos que se arrogam o direito de julgar o Vigário de Cristo. Se o mesmo esforço empenhado em difamar o Romano Pontífice fosse dedicado ao estudo sistemático da Doutrina Católica, certamente não lhes faltariam os “frutos espirituais” dos quais se privam pela arrogância de se pretenderem os últimos baluartes do Catolicismo do qual não parecem conhecer senão uma caricatura grotesca.

    Do insuspeito “Manual de Apologética” de Boulenger (Porto, 1934):

    Podemos pois concluir que o islamismo «apresenta a mais estranha mescla de êrro e de verdade que se pode imaginar. O seu dogma fundamental, a unidade de Deus, é uma grande e salutar verdade. O mesmo se diga do princípio da exclusão da idolatria, que é uma conseqüência do primeiro… A sanção da moral está também contida na idea da vida futura, do juízo, do céu e do inferno» (P. de Broglie). As orações precedidas de abluções, que se fazem cinco vezes por dia e o jejum rigoroso do Ramadão, são práticas excelentes. Podemos supor que aos muçulmanos, que «crêem na existência de Deus e na recompensa dos que dêle se aproximam», como diz S. Paulo (Heb. XI, 6), que estão de boa fé na sua religião e procedem conforme a sua consciência, Deus concederá os meios necessários para se salvarem [op. cit., §203, p. 206].

    – Jorge Ferraz

  19. JB

    Jorge,

    Escovar os dentes diariamente e fazer ginástica todas as manhãs são práticas excelentes, mas não sei se rendem algum fruto espiritual.

    Na medida em que orar é bom e na medida em que jejuar aumenta o auto-controle e a temperança, o Ramadã é bom. Mas isso é muito diferente do que normalmente se entende por produzir frutos espirituais.

    Um católico que siga o Ramadã também recebe frutos espirituais?

    O restante do texto simplesmente explica que os bons mulçumanos, que estão fora da Igreja visível sem culpa própria, poderão ser salvos; explicação que não tem nada a ver com o Ramadã.

  20. Jorge Ferraz (admin) Post author

    JB,

    Não é verossímil que um padre católico em um tratado sobre apologética tivesse aplicado o adjetivo “excelente” a uma prática religiosa da qual não pudessem advir frutos espirituais em absoluto.

    Sim, um católico pode receber frutos espirituais do Ramadã. Por exemplo, se for martirizado durante esse período. As únicas coisas que objetivamente operam frutos espirituais são os Sacramentos; afora eles, os benefícios espirituais dos atos advêm das disposições internas de quem os realiza. Neste sentido, até escovar os dentes pode, sim, ser meritório e redundar em um aumento da graça na terra e da glória no Céu. É o Apóstolo que nos ensina que quer comamos, quer bebamos, quer façamos qualquer coisa, devemos fazê-la para a glória de Deus. Não há exceção para este «aliud quid facitis».

    O texto do pe. Boulenger é taxativo (e aliás isso é Doutrina Católica rudimentar) ao dizer que Deus «concederá os meios necessários para se salvarem» àqueles muçulmanos «que estão de boa fé na sua religião e procedem conforme a sua consciência». É óbvio que os «meios necessários» à salvação são frutos espirituais, e é igualmente óbvio que um muçulmano de boa fé na sua religião há de praticar os preceitos dela, em particular a observância do Ramadão. Portanto as duas coisas têm, sim, tudo a ver uma com a outra: é pelas boas disposições no exercício das práticas (em si boas) das falsas religiões que Deus confere aos que não são católicos as graças das quais precisam para se salvar.

    Por fim, igrejas destruídas não podem sob nenhuma ótica ser “frutos espirituais do Ramadã”, porque como você mesmo falou «jejuar aumenta o auto-controle e a temperança», os quais se opõem a destruir coisas e matar gente.

    Abraços,
    Jorge

  21. Jorge Ferraz (admin) Post author

    A propósito, a «Mensagem do Papa Francisco aos muçulmanos por ocasião da conclusão do Ramadã» é uma dura crítica à perseguição e assassinato de cristãos pelos maometanos:

    Quanto ao respeito mútuo nas relações inter-religiosas, especialmente entre cristãos e muçulmanos, somos chamados a respeitar a religião do próximo, os seus ensinamentos, símbolos e valores. Um respeito especial é devido aos chefes religiosos e aos lugares de culto. Quanto sofrimento causam os ataques!

    Se não me engano, nunca em quarenta anos uma autoridade católica censurou explicitamente os ataques dos muçulmanos aos cristãos em uma mensagem de “bons votos”. As mensagens dos outros anos, quando falavam, citavam somente «violência» e «terrorismo» genéricos. A acusação de que o Papa tenha se dirigido aos muçulmanos unicamente para trocar afabilidades, portanto, [mais uma vez] não se sustenta.

    Abraços,
    Jorge

  22. Francisco Jr.

    Salve Maria,

    Jorge, ufa!!!!

    Até que enfim, alguém resolveu falar comigo.

    Cuidado com juízos temerários, você disse: “certamente não lhes faltariam os “frutos espirituais” dos quais se privam pela arrogância”. Pode provar que me faltam frutos espirituais? Tente, estou esperando.

    Mas vamos ao assunto: Este Tratado “insuspeito” foi a única fonte da Doutrina Católica que você encontrou para defender as palavras de Francisco? É sério? Sugiro encontrar, digamos, algo mais doutrinal.

    Enquanto isto, vá pensando: a) como os muçulmanos são tratados no Catecismo Católico, b) o valor das orações de quem rejeita o dogma da Santíssima Trindade e c) a diferença entre o Ramadã (como um todo) e algumas práticas isoladas dele.

    Enfim, vamos ver quais frutos podemos esperar do Ramadã (como um todo).

    Francisco Jr.

  23. Renato

    Francisco Jr., não percebeu que é assim mesmo que agem os católicos conservadores populares como o Jorge Ferraz?

    O objetivo desses católicos é colocar panos quentes para tudo o que escrevem ou falam os “papas” conciliares; por mais escandaloso que seja. Viraram papólatras.

    Para os católicos conservadores populares é melhor não falar demais para não se complicar.