Sobre a multiplicação dos pães

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 1 mês 2 dias atrás.

A respeito de um recente texto de propósito obscuro sobre uma interpretação que o Papa Francisco expôs [não tão] recentemente do episódio da multiplicação dos pães, vale muito a pena ler este texto hoje publicado no «Católico Porque…». Cito apenas um trecho:

Mas o milagre não estaria na multiplicação dos pães, isto é, Jesus não os multiplica antes da distribuição dos Apóstolos, senão que sua quantidade vai aumentando durante a mesma, é o que se depreende da fala do Papa. Os pedaços que alimentam a multidão são pedaços dos cinco (ou sete) pães iniciais.

Sinceramente, é difícil até imaginar como poderia ter sido diferente! Teria porventura Nosso Senhor criado ex nihil uma montanha de pães antes de iniciar a distribuição?! O texto bíblico fornece algum mínimo suporte a semelhante interpretação? É muita má vontade. Que Deus proteja o Papa! Que o faça feliz e não o entregue nas mãos dos seus inimigos, principalmente quando estes se dizem católicos zelosos pela pureza da Fé mas agem como demônios insurgindo-se contra o Cristo-na-Terra.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

20 thoughts on “Sobre a multiplicação dos pães

  1. Ricardo

    Sempre entendi esse trecho da bíblia como metafórico. Entendo que quem “multiplica” os pães é o nosso amor de cristãos e nossa partilha. Creio que seja isso que os evangelistas quiseram nos ensinar.

  2. Renan

    HÁ CAMUFLADOS GRANDES LABORATORIOS DE ENGENHARIA SOCIAL PARA PREJUDICAREM A IGREJA!
    Verdadeiras industrias nesse sentido para deturparem, falsificarem, caluniarem e tantos quantos mais termos indicativos nessa direção para fraudarem documentos da Igreja, pronunciamentos papais e de altos hierárquicos.
    Nesse caso, injetam na mídia um falso conceito sobre algo, depois às vezes é corrigido posteriormente, mas mesmo assim o estrago já foi feito, sendo impossível ao todo voltar atrás, como tudo deveria ser antes.
    As ideologias marxistas trabalham perfeitamente nesse sentido, praticando o 2º mandamento do DECÁLOGO DE LÊNIN, os 10 mandamentos dos comunistas, que diz: “Infiltre, e depois controle todos os meios de comunicação em massa”, e hoje em dia a propaganda funciona mesmo quando é massiva e intensivamente “marretada”, e nesse caso, sem haver alguém meio de comunicação que confronte, as mentiras passam a ser as “verdades”!
    Os comunistas chegaram ao poder, como o PT, à base disso!

  3. JB

    A ortodoxia do Papa Francisco é evidente.

    Contudo, é também evidente seu gosto por frases mal-sonantes que possam chocar os beatos e provocar aplausos dos hereges.

    Sabendo que essa passagem é conhecida como Milagre da Multiplicação dos Pães, ele precisava mesmo dizer que os pães não se multiplicaram? Embora tenha acrescentado que eles não se acabaram, o que no fim das contas dá no mesmo, é uma escolha de palavras curiosa.

  4. Jorge Ferraz (admin) Post author

    JB, se você olhar o link indicado, vai ver que o primeiro a dizer «não foram multiplicados os cinco pães» foi Santo Hilário, cujo comentário Santo Tomás recolheu na Catena Aurea.

    Abraços,
    Jorge

  5. Ricardo

    Como eu disse, Jorge, “o nosso amor de cristãos e nossa >>partilha<< "

    Enche e sobra! Já vi esse milagre em minha vida diversas vezes.

  6. Jorge Ferraz (admin) Post author

    Ricardo, que o todo é maior do que as partes é um verdade apodíctica. Cinco pães naturalmente não enchem doze cestos. Foi necessária a intervenção sobrenatural de Nosso Senhor para que o milagre se realizasse. O sentido espiritual da perícope evangélica não autoriza ninguém a descartar o sentido literal, obviamente miraculoso.

  7. Paula

    Povo de Deus isso de “partilha” é Marxsismo puro e aplicado!! Presta atenção!!! Se chegasse um garotinho desprendido com 5 pães pra Paulinha ela não faria nada! Jesus fez o que fez porque é DEUS!! Entende a gravidade de deixar isso no campo da metáfora ?

  8. Renato

    Leniéverson Azeredo, você está sonhando comigo? Esse é o meu primeiro comentário e só estou a colocá-lo depois de ler o seu comentário.

  9. Alien

    “Cinco pães naturalmente não enchem doze cestos.”
    Jorge, fazendo uma piada/off-topic: depende do tamanho do cesto, né? Pedacinhos de 5 pães enchem 12 cestinhos que a minha filha usa para brincar na sua casinha… mas claro que entendi a mensagem… ;)

  10. Adriana

    Se usarmos este trecho para justificar ideias marxistas, comunistas ou qualquer outro ista, dizendo que a “multiplicação” na verdade foi a reunião e partilha do que cada um trazia consigo, teremos que dizer que Jesus se apropriou do que não era dele e nem dos apóstolos, porque, se não me engano, após toda a multidão estar saciada, Jesus ordena que os apóstolos recolham o que sobrou e leve com eles.

  11. Ricardo

    Como falei, não entendo tal passagem no sentido literal de multiplicação. Para mim isso é metafórico. Meio como aquele ditado que diz que “o pouco com Deus é muito”. Ok, entendo que vocês possam me recriminar por não crer no sentido literal, mas não creio, e isso não afeta minha fé.

    Não sou marxista e não falei nada de marxismo, comunismo, socialismo ou afins. Meu Deus, falei apenas sobre amar o próximo e partilhar o que temos, apenas isso! Quê isso, gente, que exagero.

    Se vocês acreditam em multiplicação literal, tudo bem, resolvam os problemas que daí decorrem, se houver algum. Eu acredito no sentido metafórico, de amar o próximo, dividir o que temos. E não vejo implicação nenhuma pró-marxista nisso. Partilhar o que temos é algo bíblico, cristão!

    Vocês já leram isso aqui:

    “Perguntava-lhe a multidão: Que devemos fazer?
    Ele respondia: Quem tem duas túnicas dê uma ao que não tem; e quem tem o que comer, faça o mesmo.”
    (Lucas 3, 10-11)

    Não vejo marxismo na passagem acima. Apenas o amor cristão evangélico.

  12. Marta

    Ricardo, de acordo com a tradição cristã, o Milagre da Multiplicação dos Pães foi isso mesmo,um milagre. Uma multiplicação literal de pães. Significados metafóricos como partilha entre cristãos , exemplo da Providência Divina ou outros, embora não necessariamente errados, não substituem e muito menos podem excluir o fato do milagre. Não se trata de uma questão opinativa, tipo a la carte, que cada um decide o que pensar a respeito. Esta é uma das grandes dificuldades do Catolicismo atual, a meu ver. Mal orientadas, as pessoas supõem que podem aplicar critérios subjetivos diante de questões como essa. Ao fazerem isso, nem sempre com má intenção, acabam privando a si mesmas de perceber e participar de algo infinitamente superior às nossas vãs opiniões. Abraços

  13. Alexandre Magno

    Jorge Ferraz:

    Teria porventura Nosso Senhor criado ex nihil uma montanha de pães antes de iniciar a distribuição?!

    Até seria possível.

    Jorge Ferraz:

    O texto bíblico fornece algum mínimo suporte a semelhante interpretação?

    Não.

  14. Alien

    Ridícula essa discussão! Daqui a pouco vão começar a discutir quando Jesus converteu a água para o vinho nas Bodas de Caná: vão começar a divergir se a água tornou-se vinho ainda dentro dos vasilhames ou quando eram despejados nos copos, ou ainda se foi quando em contato com as “papilas gustativas” dos convidados… típica “discussão besta”: o milagre FOI FEITO… de que forma: NÃO SEI, E ÑÃO ME INTERESSA! O que interessa é que o milagre FOI FEITO!!!

  15. Pingback: Ao blog “Deus lo vult” e ao site “Católico Porque”: resposta a seus comentários sobre o texto “Papa Francisco I e os católicos perplexos (I): os pães não se multiplicaram”. at guilhermechenta.com

  16. Guilherme

    Olá Jorge!

    Tomei a liberdade de lhe responder:

    Resposta a Jorge Ferraz e Joathas Bello:

    Ao blog “Deus lo vult” e ao site “Católico Porque”: resposta a seus comentários sobre o texto “Papa Francisco I e os católicos perplexos (I): os pães não se multiplicaram”.

    http://guilhermechenta.com/2013/09/02/ao-blog-deus-lo-vult-e-ao-site-catolico-porque-resposta-a-seus-comentarios-sobre-o-texto-papa-francisco-i-e-os-catolicos-perplexos-i-os-paes-nao-se-mul/