Aborto: Globo mostra ficção e esconde a realidade

closeAtenção, este artigo foi publicado 3 anos 7 meses 24 dias atrás.

A respeito de certa cena pró-aborto que a Globo recentemente transmitiu em uma sua novela, está primoroso este artigo da Dra. Elizabeth Kipman publicado na Gazeta do Povo. Antes de aparecerem por aí com comentários disparatados, melhor fariam as pessoas em se inteirarem devidamente a respeito do que é verdadeiro e do que é falso no que aparece “na telinha”. Para que não juntem à sua imoralidade já suficientemente repugnante a mais abjeta desonestidade intelectual.

Porém, consideremos: uma pessoa que quiser amputar sua própria mão sem ser por motivo de saúde não pode ser auxiliada pelo médico, que sofrerá severa punição se o fizer – apesar do risco que esta pessoa corre se insistir em fazer o ato de forma insegura. Mas, quando existe a ameaça da realização de um aborto provocado, o médico seria obrigado a fazê-lo?

Não existe um único médico católico no mundo que se recuse a fornecer cuidados básicos para uma mulher que tenha sofrido complicações por conta de um aborto provocado. Como não existe nenhum médico católico no mundo que se recuse, por exemplo, a ministrar os primeiros socorros a um ladrão que tenha sido ferido num tiroteio com a polícia. Isto não está sequer em discussão, e é verdadeiramente calhorda a empulhação que foi ao ar numa novela da Globo. Inventando uma história totalmente sem pé nem cabeça, a emissora apresenta as coisas como se a culpa das mulheres que morrem em conseqüência de abortos provocados fosse não delas próprias, que tentaram mutilar o próprio corpo a fim de matar o filho inocente que carregavam no ventre, mas sim da ficção totalmente inexistente de médicos religiosos se recusando a lhes prestar socorro uma vez que elas chegam nas emergências dos hospitais!

É uma lástima que mulheres morram na prática de abortos clandestinos? Sim, é, sem dúvidas. Mas se o governo se importasse realmente com estas mulheres, deveria fornecer-lhes todo o suporte possível (psicológico e financeiro) para que elas não precisassem matar os próprios filhos. No entanto, as pobres mulheres em situação de vulnerabilidade que – num momento de desespero – desejam recorrer ou recorrem ao aborto são utilizadas pelo Governo brasileiro como bucha de canhão para o avanço da agenda abortista no país. Depois disso, são descartadas.

Se a mesma quantidade de recursos e energia gastos para empurrar o aborto no Brasil fosse aplicada no auxílio verdadeiro a mulheres grávidas que não têm condições de ter os seus filhos, o (aliás já baixo) número de mulheres mortas por conta de abortos provocados no nosso país ia cair para zero. Para que se veja o quão hipócrita é a política governamental de “apoio” às mulheres grávidas, veja-se este artigo (com um vídeo) que o pe. Lodi publicou há algumas semanas no seu site. O testemunho é impressionante. Regiane foi estuprada e ficou grávida. Procurou fazer um aborto, e foi tratada a pão-de-ló pelos órgãos oficiais e oficiosos de “defesa da mulher”. Antes de fazê-lo, contudo, desistiu; e, por conta disso, o Governo rapidamente perdeu o interesse nela. Para ajudá-la a criar o seu filho, não apareceu ninguém que movesse uma palha em seu favor. Ouçamos o que ela diz:

Vim pra falar que Secretaria de Política para Mulheres não defende as mulheres, procurei o CEDIM no Rio de Janeiro [e] escutei delas que, por não optar pelo aborto, que eu tinha problemas porque eu queria. Porque meus problemas poderiam ter sido resolvidos. Como eu optei pela gravidez, eu estava com problemas por livre e espontânea vontade.

Isso, sim, é a realidade das mulheres brasileiras, isso deveria estar em horário nobre na televisão, para que os brasileiros de bem se indignassem com a patifaria que o Governo realiza com o dinheiro dos nossos impostos, empregando-o para assassinar crianças e deixando mães passarem necessidades. Isso é o que precisa ser mostrado. Não a ficção mentirosa que a Globo coloca nas suas novelas para, mentindo e enganando, minar a sã aversão que o povo brasileiro tem ao crime horrendo do aborto.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

4 thoughts on “Aborto: Globo mostra ficção e esconde a realidade

  1. cristiano

    a globo tem cara de pau de pedir dinheiro no criança esperança.depois dessa campanha pra matar criança

  2. Alexandre Magno

    O programa NaMoral de 29 de Agosto de 2013, digamos assim, “participante do Criança Esperança”, defendeu descaradamente o aborto. Convidados: o “médico” da Globo, duas artistas bonitas, uma senhora “Católica pelo Direito de Decidir”, um bispo tímido (ou padre, não lembro). O último e algumas mulheres da plateia eram provida. Só! O apresentador, Pedro Bial, concluiu o programa praticamente sacramentando o aborto, sem a mínima imparcialidade que lhe caberia.

  3. Sidnei

    Alexandre, também assisti esta m… de programa, agora o aborto no país será implantando rapidamente, pois os abortistas agora tem um aliado de peso, a rede globo de televisão. O que vi neste programa na (I)Moral foi uma verdadeira atividade masturbatória, 5 contra 1, pois foi apresentado 5 a favor do aborto: o manequim de defunto o médico drauzio variula, a falsa católica pelo direito de decidir, as duas atrizes da globo e o apresentador falastrão do Pedro bial. que deveria ter sido parcial e não foi, e o bispo o único contra, que não me lembro o nome mas é um dos bispos auxiliares do Rio de Janeiro, que parece ter algum problema de dicção, quase não pode desenvolver suas argumentações, e é sempre assim, nestes debates eles sempre trazem mais pessoas do lado que eles querem e não trazem quase ninguém do lado oponente, justamente para intimidar o lado que eles se opõe, e sempre levam alguém com pouca desenvoltura para argumentar pensamentos contrários , como no caso deste programa, os pro-abortos cantassem de galo e arrotassem vitórias. O POVO deveriam se indignar contra esta safadeza da globo (que aliás eles são bem peritos em safadezas), mas como todos ou quase todo mundo é dominado por esta emissora, ninguém liga, e ainda são capazes de dizer em concordar com tudo que esta emissora dos infernos transmite e promove, e dá-lhe criança (sem) esperança.

  4. Gabriel

    Os que apoiam o aborto,sera que não implorariam pela vida,se ainda estivessem no utero de suas respectivas genitoras?O corpo é da mulher MAS a vida pertence ao indefeso, que esta para ser assassinado, sem lhe ser dado o direito de defesa!Hitler era racista,MAS deixou crias egoistas e ideologias mostruosas.