Grito dos Excluídos e apoio eclesiástico ao deboche público às leis de Deus

closeAtenção, este artigo foi publicado 4 anos 16 dias atrás.

Amanhã, sete de setembro, nós da Arquidiocese de Olinda e Recife podemos aproveitar o dia de jejum e oração convocado pelo Santo Padre para nos cobrirmos de cinzas e fazermos penitência por um triste aniversário: amanhã, sete de setembro, faz três anos que esta Igreja Particular foi envergonhada no mundo inteiro pela presença do Arcebispo Metropolitano em um evento onde se fazia lobby pró-aborto, pró-homossexualismo, pró-socialismo e outras aberrações em tudo contrárias ao Evangelho de Jesus Cristo.

Ouvi esta semana na CBN que o Arcebispo de Olinda e Recife, Dom Fernando Saburido, iria (mais uma vez) participar do nefasto “Grito dos Excluídos” para protestar contra o uso de máscaras nas manifestações de rua. Não sei qual a fonte da notícia. No site da Arquidiocese, pela primeira vez em muitos anos, graças ao bom Deus, não existe nenhuma referência ao evento revolucionário. O mesmo se diga do perfil de D. Fernando no Facebook e do da Arquidiocese de Olinda e Recife. Merecem mais crédito os órgãos oficiais de comunicação da Mitra do que as falas ligeiras de locutores de rádio em centrais de notícias seculares. Este ano, a Sé de Dom Vital não está apoiando – ao menos não publicamente – o malfadado berro dos auto-excluídos do Reino de Deus. Deo Gratias.

Não obstante, foi com tristeza e perplexidade que eu vi o site “Jovens Conectados” dizer que o «Grito dos Excluídos 2013 convoca jovens ao protagonismo social». Isto é uma vergonha e um escândalo. Ao invés de dizer laconicamente que o evento é um espaço «sempre aberto e plural», a honestidade intelectual mais comezinha exigiria que se dissesse aquilo que o evento é: um espaço aberto para as manifestações mais imorais, da defesa escancarada do aborto, da apologia à invasão de terras e bens imóveis de terceiros, da promoção despudorada e a céu aberto da sodomia e de tantas outras mazelas sociais responsáveis pelo estado lastimável em que se encontra a nossa Terra de Santa Cruz. Graças ao site ligado à “Comissão para a Juventude da CNBB”, muitos católicos de boa fé engrossarão amanhã as fileiras dos inimigos de Cristo, dos que zombam da Fé Cristã e escarnecem da Igreja Santa de Deus. Miserere, Domine.

Volto ao meu Recife, à mídia secular. O portal NE10, ao falar do Grito, diz que «grupos religiosos progressistas» sairão às ruas. Não sei que grupos são estes; só posso dizer que eles traem a religião que dizem professar e envergonham a instituição à qual pertencem, ao participarem desta esbórnia a dia claro em que já há muito tempo se transformou o Grito dos Excluídos. Amanhã, dia de jejum e de oração, supliquemos a Deus que Se compadeça de Olinda e Recife. Se a Mitra jamais veio a público condenar esses «grupos religiosos progressistas» que se aproveitam da Fé para fazer a mais debochada apologia do vício e do crime, que ao menos ela não lhes ofereça nem mesmo aparência de apoio, como desgraçadamente já fez em anos passados.

Amanhã é dia de jejum e de oração. Que os católicos não saiam mais uma vez às ruas para “caminhar” lado-a-lado com os inimigos de Deus e da Igreja.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

3 thoughts on “Grito dos Excluídos e apoio eclesiástico ao deboche público às leis de Deus

  1. João Marcelo Silva Zigurate

    http://www.estadao.com.br/aovivo/protestos-7-de-setembro

    ” 09h58 – Aparecida: O movimento de manifestantes do Grito dos Excluídos em Aparecida ainda é baixo. Segundo os organizadores da marcha, são aguardadas cerca de mil pessoas para o ato.Uma caminhada saiu do Porto Itagassu às 6h30 e chegou ao Santuário por volta de 9h20. Nos últimos anos o movimento perdeu força por conta de seu descentralização. Em 2008 chegou a reunir 40 mil pessoas em Aparecida, no ano passado esse número não chegou a mil participantes.
    Visitação.Enquanto é baixo o movimento de manifestantes, os romeiros já lotam o Santuário Nacional. A Rodovia Presidente Dutra, no sentido Rio, tem lentidão pelo excesso de veículos na altura de Roseira e Aparecida. A expectativa de público é de 120 mil romeiros visitem a Basílica neste sábado.(Gerson Monteiro/Especial para o ESTADO)”.

    – Graças a Deus, essa invenção anticatólica segue diminuindo ano a ano. O povo católico – de verdade – prefere ir à missa, fazer jejum e orar, como o Papa pediu.

    Enquanto isso, no Recife:

    “10h17 – Das 400 pessoas que confirmaram, via internet, presença no passeio ciclístico nu, em protesto contra a hipocrisia da sociedade, apenas seis compareceram ao ponto de concentração do passeio. No local da saída da manifestação, havia mais jornalistas e curiosos do que ciclistas nus na rua da Aurora, em frente ao monumento Tortura nunca mais,em Recife. Com a determinação da Secretaria de Defesa Social e do Ministério Público de Pernambuco de prisão para quem ficasse nu, os manifestantes ficaram de calção de banho ou cueca, com papéis colados com inscrições de “censurado” ou “reprimido”. A única mulher a participar, Cynthia, usou um biquíni. Apesar da pequena adesão, os manifestantes disseram ter conseguido o objetivo, diante do interesse da imprensa, que vem noticiando o assunto desde o início da semana. “O fato de ter conseguido criar esta polêmica já foi positivo”, afirmou um dos manifestantes que não se identificou, ao destacar a incoerência da sociedade que condena a nudez em detrimento da miséria e da corrupção.A criminalização do movimento motivou a desistência de manifestantes de participarem. (Angela Lacerda/ Especial para o ESTADÃO)”.

    – Meu Deus, que tempos são esses! Mas havia mais voyeristas do que manifestantes. “Criminalização do movimento” é? Criminalizar o quê? Aquilo que já é crime pelo Código Penal? Ora a repórter freelancer do Estadão não consegue deixar de fazer seu proselitismo – isso numa notícia simples – e aproveita para despejar seus cacoetes esquerdista, visando culpabilizar a polícia, que agiu conforme a Lei e os bons costumes. Que tempos, meu Deus!

  2. Paulo

    SE ANALISARMOS MAIS A FUNDO PERCEBEREMOS QUE…
    O verdadeiro e único Grito dos Excluídos ocorre no Inferno!
    São os excluídos da graça pelo pecado, pelas suas decisões pessoais de pactuarem com o mal, e nesse mundo governado em boa parte por regimes anti Cristo estão em abundancia, como no Brasil do PT e de seus eleitores!
    Lá ouvirão gritos, choro e ranger de dentes. Verão os condenados banhados em lágrimas, lava, fumo, fogo e enxofre, onde um segundo será como mil anos de dores, onde tudo será agonia e desesperança, infelicidade angústia – sem mitigação, sem alívio, sem retorno…
    E o maior castigo será o remorso, misturado ao ódio geral e de si mesmos e de todos à volta, de terem perdido a oportunidade de se salvarem.
    Verão os demônios, castigadores mas também condenados, maldizendo a Trindade, trincando os dentes em sua punição, flagelando aqueles mesmos que enganaram em vida.
    É no Inferno que ocorre o verdadeiro Grito dos Excluídos, e quem participar da pantomima de todo sete de setembro, prostituição heterodoxa, escandalosa e comunista, poderia ir parar é lá mesmo! E os bispos que o apoiam estariam destinados também à Geena, para serem atirados de cabeça para baixo na lava, com os pés amarrados, vão passar a gritar no colo de Satanás, pastores malditos que são, cuidando de desencaminhar muitas pessoas por incúria, como os da suposta ala vermelha da CNBB que apoiam, não só o PT e suas mazelas do aborto, pedofilia, etc., mas deveriam estar clamando em altos brados contra os mesmos por odiarem a Cristo e a extensão de Si mesmo, a Igreja Católica.
    E hoje, a CNBB defendendo o suposto Grito dos Excluídos, ideologizado por marxistas, gerados por causa das 1001 corrupções do PT sem punição; e para piorar, ajudando a colocar a Igreja no Brasil ainda sob as patas e leis dos comunistas, arquiinimigos de Cristo, causadores dessas diferenças sociais!

  3. Diulza Angelica dos Santos

    Tô muito cansada desta falatório todo não tem nada de excluído nestes que se diz fora da sociedade, da uma enxada para eles trabalharem bando de vagabundos.