São Francisco de Assis e o «lugar ricamente adornado» onde se deve conservar a Eucaristia

Muito interessante este texto que foi publicado no blog do Pe. Paulo Ricardo, do qual destaco a seguinte passagem:

Assim pensava São Francisco, o poverello de Assis. Ele passou toda a sua vida como um pobre entre os pobres, mas, quando falava de Jesus eucarístico, condenava o desprezo e o pouco caso com que muitos celebravam os santos mistérios. Em uma carta aos sacerdotes, Francisco pedia a eles que considerassem dentro de si “como são vis os cálices, os corporais e panos em que é sacrificado” muitas vezes nosso Senhor. E insistia: “Onde quer que o Santíssimo Corpo e Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo for conservado de modo inconveniente ou simplesmente deixado em alguma parte, que o tirem dali para colocá-lo e encerrá-lo num lugar ricamente ordenado” [Carta 2 aos clérigos].

Eis aí o verdadeiro franciscanismo, expresso com clareza – e sem ideologias – nas palavras do próprio São Francisco de Assis. Que diferença entre isto e o mau gosto que tantas vezes vemos nos dias de hoje! Distorcendo a memória do grande santo, muitas pessoas hoje acham que para Deus “qualquer coisa” está bom – ou, pior ainda, que para Deus quanto menos “ostentação” melhor…

Aquela «Carta 2 aos clérigos» termina com palavras ainda mais duras. Depois de dizer que o mesmo cuidado se deve ter com o SSmo. Nome do Senhor escrito, termina São Francisco:

E sabemos que temos que observar todas essas coisas acima de tudo, de acordo com os preceitos do Senhor e as constituições da santa mãe Igreja. E quem não fizer isso, saiba que deverá prestar contas no dia do juízo (cfr. Mt 12,36) diante de nosso Senhor Jesus Cristo.

Os sedizentes seguidores de S. Francisco deveriam meditar com atenção nestas palavras! Deveriam procurar conhecer o verdadeiro São Francisco de Assis, e não as versões deturpadas dele que hoje circulam por aí. Se forem negligentes em cuidar das coisas de Deus – diz S. Francisco – prestarão contas no Dia do Juízo. A seriedade dessas palavras é muito grande para ser ignorada. Os verdadeiros ensinamentos franciscanos sobre a Sagrada Liturgia são muito católicos para os deixarmos ocultos sob o desastre litúrgico dos nossos dias, levado diligentemente a cabo por muitos “devotos” de São Francisco…

Não existe nenhuma contradição entre a pobreza dos cristãos – mormente dos ministros de Deus – e a riqueza dos templos sagrados. Quem o afirma com todas as letras é o próprio Esposo da Pobreza. Querem seguir São Francisco de Assis? Sigam-no integralmente, sem fazer revisionismo da sua história e sem assumir atitudes tresloucadas que o santo jamais aprovaria! Ou por acaso os modernos pretendem entender mais da pobreza evangélica do que o próprio poverello d’Assisi?

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

9 thoughts on “São Francisco de Assis e o «lugar ricamente adornado» onde se deve conservar a Eucaristia

  1. Gustavo BNG

    Jorge Ferraz, poderia divulgar a iniciativa Contra Comunistas Na Igreja Católica, por favor?
    http://www.facebook.com/ContraComunasNaIgreja
    Originou-se de uma sugestão de Olavo de Carvalho (www.facebook.com/olavo.decarvalho/posts/10151839469407192):
    “1) Organizar um dossier (pode ser uma página do Facebook) com dados sobre todos os padres e bispos que colaboraram com organizações comunistas, tudo muito bem documentado.
    2) De posse desse material, enviar um abaixo-assinado ao Vaticano, com o maior número possível de assinaturas, pedindo que a excomunhão desses indivíduos seja reconhecida oficialmente.
    Isso é urgente. Se não limparmos primeiro a Igreja Católica, pouco poderemos fazer pelo Brasil.”

  2. Sandro de Pontes

    Prezado Jorge, salve Maria.

    Não sei se no texto indicado é dito isso, mas São Francisco defendia ferrenhamente o uso do ouro nos templos, nos sacrários e nas vestimentas dos sacerdotes.

    Abraços,

    Sandro de Pontes

  3. Jonas

    Gustavo, melhor seria fazer uma campanha contra idiotas e débeis mentais usarem a internet…

  4. Lucas.

    Alguns grupos tradicionalistas,consideram o periodo tridentino(concílio de trento),como o único autenticamente católico;mas Saõ Francisco de Assis,viveu um uma época anterior,onde existiam várias liturgias na igreja;só em Roma existiam quatro;e viveu de uma maneira que escandalizou a muitos.Portanto Francisco de Assis,pode ser até um santo ecumenico,mas jamais tradicionalista.

  5. Renato

    Gustavo BNG, essa iniciativa contra a infiltração comunista na Madre Igreja só vai dar certo se Roma estiver do nosso lado. Coisa que não acontece hoje em dia devido o poder tomado pelos modernistas.

    Alguns dias atrás coloquei aqui a notícia que Francisco irá receber no Vaticano o diabólico Gustavo Gutiérrez, o maior representante da diabólica Teologia da Libertação. Eu aposto uma barra de chocolate (como eu gosto de chocolate!) com você que Francisco vai elogiar o diabólico Gustavo Gutiérrez e, como os modernistas gostam de falar, “alguns pontos da Teologia da Libertação em relação aos pobres”.

    Se os católicos conservadores populares não abrirem os olhos, e começarem a combater esses modernistas, esses modernistas continuarão fazendo o estrago que fazem.

    Nenhum católico popular vai querer combater o clero modernista porque ficaram com medinho de serem “excomungados” pelo modernista Francisco.

    Ai, fica difícil!

  6. Lampedusa

    Interessante… isso é uma prova de que abusos na forma como alguns sacerdotes celebram a Missa não é apanágio nem do Concílio Vaticano II e nem do Novus Ordo. Lembro, também, da dor que São Vicente de Paulo sentia ao ver como era celebrada a Santa Missa durante a sua época em muitos lugares.

  7. Jorge Ferraz (admin) Post author

    Renato, eu estou formalmente lhe dispensando deste patético papel de pombo-correio, que traz as notícias sempre emporcalhadas com comentários tão inúteis quanto blasfemos. Considere-se desde já exonerado com desonras, com os meus sinceros perdões pelo desserviço prestado.

    Os leitores do Deus lo Vult! que quiserem acompanhar a cobertura jornalística do do Fratres podem acessá-lo a partir da barra de endereços laterais, mas a partir de agora eu serei mais severo com essa mania feia de querer transportar o que de pior existe na seção de comentários do FiU para cá.

    Abraços,
    Jorge Ferraz